quarta-feira, 11 de junho de 2014


PEDAÇOS DE MIM

Não quero sucumbir em falsos sentimentos
Quero os meus ais e os meus lamentos
São pedaços de mim…
Não quero as minhas lágrimas transformadas em sal
Num qualquer lenço de papel, esquecidas
Foram dores por mim sentidas
São pedaços de mim…
E as noites de insónias?
Ninguém as viveu por mim, sempre as suportei
Nunca me queixei, a elas me afeiçoei
São pedaços de mim…
E as horas de espera, por alguém que sabia que nunca viria?
A angústia, o desespero, o medo da rejeição
A descoberta de ter sofrido em vão
Não quero perder
São pedaços de mim…
As injustiças, as incompreensões,
As saudades, as ansiedades, os desamores
Tudo quero, com tudo fico e guardo
São pedaços de mim…
Mas também quero os beijos, as gargalhadas,
Os suores borbulhantes de corpos em chamas
Enfim
Quero tudo o que vivi e senti
O bom e o ruim
Ficarão todos juntos sob a minha pele
Para que me lembrem que um dia foi assim
Que senti o gosto do fel e do mel
E que a vida para mim
Sempre foi um carrossel.

Helena Santos


Sem comentários:

Enviar um comentário