sábado, 19 de março de 2016

DOCES RECORDAÇÕES

Estavas ali à minha frente e parecias um sol. Toda eu tremi quando te vi. Não desejaria estar noutro lugar, nem com outra pessoa, naquele momento e a única coisa que me era permitido era olhar-te. Depois de algumas palavras embrulhadas em timidez, decidimos mudar de cenário. Seguimos a melodia que vinha do mar e a distância foi conquistada sem que me apercebesse. Sentia-me nas nuvens. Sempre tiveste um enorme poder sobre mim, mesmo antes de ter a oportunidade de ver o mel dos teus olhos. Mas tinha chegado o dia e eras tudo como tinha pintado na tela da minha imaginação. Não sei qual de nós escolheu aquele pedaço de céu junto ao mar, mas quando me dei conta, já lá estávamos a apreciar as flores da arriba que sorriam para nós e a contemplar aquele imenso mar que nos recebeu de sorriso rasgado. Tínhamos também as gaivotas, cúmplices de algo que se adivinhava acabaria em brinde de espuma de prazer. Lembro-me que as palavras eram poucas e desnecessárias, confesso. Os meios de comunicação por nós adoptados, eram bem mais atractivos e condizentes com o momento vivido. Falávamos com gestos subtis e expressões do olhar, deliciosamente envolventes. E o momento era de tal forma mágico que quando menos esperei, roubaste-me um beijo. Lembras-te? O efeito electrizante apoderou-se de tal forma dos nossos sentidos, que instintivamente demos as mãos e procuramos outros braços que nos quisessem acolher com um horizonte só nosso. E encontrámos. O mesmo mar, o mesmo sol, mas ondas diferentes. E como navegamos… Ali não precisaste roubar fosse o que fosse, já sabias que tudo o que tinha seria teu, naquele dia e nos que se seguissem. Foi tanto o que se deu e recebeu naquela gota de tempo que a vida nos concedeu, que ficou para sempre tatuado no corpo e na alma e por mais ondas que venham, nenhuma terá a força para apagar ou arrastar o que ali se viveu. Testemunhas? O sol, o mar e o amor que não morreu e ainda hoje por ti clama, porque não te esqueceu. Foi um sonho meu, ou será que esse dia aconteceu?

Helena Santos

Sem comentários:

Enviar um comentário