quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Tudo


Tudo quanto és, e por tudo quanto foste
Chutada a pontapés, o nosso pentecostes
Em devoção total, rasgada em sacrifício

Sem uso epidural, talhada no suplício

És a Deusa-Mãe, qu'à terra nos brotou

A Jerusalém, qu'a diáspora nos deixou

O ventre da libertação, choro existencial

Extrema ligação, entre o inefável e o real

O apego à vida, nos seus seios torrentes

As saias da guarida, escudo contr'as gentes

O calor, a paciência, o carinho incondicional

O amor, a ciência, naquele ninho lacrimal

A entrega absoluta, a uma causa interna

A uma carne qu'é sua, na realidade baderna

E por mais amargo que seja, o seu verde fruto

Ela reza na igreja, ou ela investe com'um bruto

Porque aquele é a sua vida, e por ele, ela respira

E mesmo maligna ferida, qu'a conduza à sua pira

Ela sabe o seu destino, a sua condição no além

Ela vive p'lo seu menino, ela é o seu tudo, sua Mãe!


Ernesto Ribeiro
 

Sem comentários:

Enviar um comentário