domingo, 23 de setembro de 2012

Ritual que o olhar canta

Da Primavera colho o sol
estendido nos dias sem colheitas...
Quando caem as folhas

gosto de caminhar
no ruído seco do chão
com os pés alinhados nas mãos...

Os aromas castanhos

a inspirar as noites longas
os dias ténues
das árvores despidas...

Quando o Inverno chega

aconchego-me
no ritual que o olhar canta
com as gotas finas na janela
revestidas das estações...

Aguardo a corrente serena dos rios

com a primeira estação
de novo na mão
a germinar as sementeiras
no colorido dos braços da paz
que vou buscar
nas pontas dos relâmpagos
sem vendavais...

Ana Coelho
 

Sem comentários:

Enviar um comentário