domingo, 29 de julho de 2012

QUERO SER A MINHA SOMBRA

Nao tenho as palavras necessarias,
que vistam a pedra nua, que fluiu
desse teu ventre polido por mim.
Meus dedos foram senhorios,
do feudo da minha felicidade.
Sentiram o calor do Sol,
na tua pele sedenta de sombra...
A minha sombra, que te cobria.
Ha fogo e agua escritos aqui...
Tenho o veludo e areia agrestes,
que me tocam ao mesmo tempo,
em dor e sabor inigualaveis,
pelo prazer de te ter comigo.
Ha feridas que cicatrizo,
a cada fechar d'olhos...
que nao vejo, mas sinto!
Talvez... a ternura da sinceridade,
nao o seja... por isso escrevo.
Toco-te o rosto como petalas,
caidas de jardim inacabado.
Por sentir, por querer sentir.
Quero dormir sem que o sonho
me engane... quero-te a ti!
Se as palavras sao ocas...
Se o espaco e pouco e fragil...
Nao tenho as palavras necessarias...
Um so corpo e alma... cheio de tudo.
Desejos dimensionados ao que procuro,
na disfuncionalidade do que digo,
sera sempre ponto de chegada.
A ponto de partida, sera incognita.
Que complicado e afinal, ser tao simples.
Preciso de ser a minha sombra,
para que me possas entender.

Carlos Lobato
 

Sem comentários:

Enviar um comentário