quarta-feira, 11 de julho de 2012

Longe de ti
Não, não sou ninguém,
Sou sombra desfocada,
... Inexistente…

Sou um pedaço de nada

Em corpo de gente…

Sou quem vive silenciada
…. Imortalizando…
As palavras que me soam
Constantes
E me fazem tingir os dias
Em tons falsamente brilhantes.

Perto de ti
A escuridão é abraço
As nossas bocas são rosas
Que desfolhamos em prosas
Silabadas de amor
Em chão de estrelas
Que matizamos de violetas
No nimbo de duas almas poetas.

Melalmeida


Sem comentários:

Enviar um comentário