terça-feira, 2 de janeiro de 2018

"Naquele dia, fazia um azul tão límpido, meu Deus, que eu me sentia perdoado para sempre.
Nem sei de quê". Mario Quintana
Imagem google


Sem comentários:

Enviar um comentário