terça-feira, 12 de julho de 2016

PROCUREI RETRATOS

Mais um amanhecer
Mas em nada igual aos que costumo ter
Hoje acordei contigo no meu pensamento
Foi estranho o sentimento
Faz tanto tempo que de ti nem o vento fala
E eu nem em ti penso
E de repente
Foi como se estivesses à minha frente
Mas sem rosto
Já passaram tantos anos…
Certamente que estarás muito diferente
Olheiras grosseiras, rugas teimosas
Cabelos grisalhos e outras marcas do tempo
Por curiosidade, entrei nos teus pertences
E procurei um retrato teu, recente
Não encontrei
Só vi registos do passado
Será que só lá foste feliz
E que o presente nada te diz?
Já que invadiste a minha mente
Gostava de ver como estás realmente
Mas escondes-te por detrás da insegurança
Como se as marcas do tempo te envergonhassem
E preferisses que o relógio tivesse parado
Mas há um tempo para tudo
Até para deixarmos de ser jovens fisicamente
E devemos aceitar isso com orgulho
Procurei sinais de ti
E apesar de pouco ter encontrado
Fiquei feliz, evidentemente
Recordei como eras, vendo retratos de antigamente
E assim passei um dia, com momentos diferentes
Agora, o que és e como estás
Já deixou de ser importante, novamente
O dia terminou.
Amanhã será outro tão ou mais emocionante
Estou confiante
Há sempre tantos motivos diferentes
Que me levam a saborear cada novo amanhecer
E são todos para agradecer e enfrentar
Não para me esconder!


Helena Santos

Sem comentários:

Enviar um comentário