quarta-feira, 22 de outubro de 2014

FLOR DE AMENDOIM

Sentada no meu jardim
Conversando com uma flor de amendoim
Ela me segredou que o meu amor
Era forte como a raiz do embondeiro
Resistia a qualquer furacão
Mas que o coração do meu amado
Estava uma verdadeira confusão
Que se queixou de eu não o saber amar
E de em mim não poder confiar
Atenta, ouvi
Mas custou-me suportar
Eu que tudo dei, até me secar
A tristeza tomou conta de mim
Cheguei-me a uma rosa
E na minha mão
Apertei seus espinhos
Até o sangue pingar
Meu Deus, eu sou gente
Mas serei inferior
Só por pensar diferente?
Olhando ao meu redor
Contemplando as flores
E a relva tão vistosas
Perguntei:
Não deveriam também o amor e a amizade
Florescerem em corações férteis?
Não quero ser dona de ninguém
Só queria ser desejada por alguém
Será que por mim sente desdém?
Mas no meio de tanta beleza e cor
Senti-me uma flor
No meu próprio jardim
Uma borboleta pousou em mim
E disse que se o meu amor
Me abandonasse por teimosia
Se arrependeria o resto dos seus dias
Um amor-perfeito
Que observava de perto
Disse-me que até ele
Não era tão perfeito assim
E que eu deveria esperar,
Pois todo o rio tem um tempo
Para a sua água serenar.


Helena Santos

Sem comentários:

Enviar um comentário