quinta-feira, 19 de junho de 2014

O SOL ESCONDEU-SE

Ao sol que se escondeu
Quero dizer
Que a minha luz não desapareceu
Frio não sinto
Porque me aqueço nos braços da lua
O meu jardim continua esplendoroso,
As flores, risonhas
As árvores, vestidas de gala
A relva, verde como a esperança
São alimentadas pelas estrelas
E refrescadas pelos pingos de chuva
Que caem só para elas
Ao sol que se escondeu
Quero dizer
Que o meu amor sobreviveu
Muito chorei, triste fiquei
Mas se o amor nasceu
Por falta de calor
Não o deixarei morrer
Há almas nobres, corações enormes
E enquanto assim for
O sentimento está resguardado
Seja da tempestade ou da dor
Quem só é amado
E de amar não entende
Não sabe que quem ama
Simplesmente dá e nunca reclama
Ao sol que se escondeu
Quero dizer
Que de mim não se compadeceu
Mas eu gosto de o ver brilhar
A amar vou continuar e de amor vou me lambuzar
Porque quando verdadeiro, nunca morre
Só se muda a forma de saborear.

Helena Santos.

Sem comentários:

Enviar um comentário