segunda-feira, 29 de outubro de 2012

ALMA VIVA

Se fiar la por uma roca arcaica,
produz o resguardo do mendigo,
comer bem em prato de prata,

nao me alimenta, nem o umbigo.

Se a profecia das palavras,

sao eco de desgracas vindouras,
quero a surdez dos sentidos,
ao imaginar apenas coisas boas.

Se rasgar o mar sem milagre,

libertando povos de dor e fome,
prefiro antes azeite ao vinagre,
esquecendo assim o meu nome.

Se Deus existe, e nele acredito,

peco ao povo que a fe seja sua,
pois pensando nisso eu medito,
sofrendo afinal, e a dor continua.

Se o rimar da palavra for vosso ideal,

jamais deixarei finar a prosa poetica,
pois nao acredito que a escrita final,
apenas tenha valor, na forma romantica.

Brinquei com palavras e temas,

porque variar tem uma virtude,
acabar com a inercia do apenas,
escrevendo mais pela atitude.

Escrever, e uma forma de amor,

pela rima ou pela prosa tanto faz,
pretendo apenas um simples valor,
que e mostrar tudo que sou capaz.

Escrever e arte de alma viva.

 
Carlos Lobato 
 

Sem comentários:

Enviar um comentário