sexta-feira, 13 de julho de 2012

FADO DA MERETRIZ

De peito ao léu e saia p’la cintura
Numa esquina ensolarada da cidade
Vendia-se a toda e qualquer criatura
Que lhe pudesse pagar p’la felicidade
Vendia-se a toda e qualquer criatura
Que lhe pudesse pagar p’la felicidade

De tanto apanhar sol na moleirinha

Após tantos anos a rodar bolsa
Ganhou uma cor pró amarelinha
E deu de se sentir fraca a pobre moça
Ganhou uma cor pró amarelinha
E deu de se sentir fraca a pobre moça

Ao ver-se a perder a clientela
Em vez de lamentar a sua sina
Percebeu que o problema estava nela
E resolveu consultar a medicina
Percebeu que o problema estava nela
E resolveu consultar a medicina

Ao vê-la diz o doutor, - mas o que é isto?
Como tu consegues estar inda em pé
Com esse melanoma e esse quisto
Vou já agora internar-te em São José
Com esse melanoma e esse quisto
Vou já agora internar-te em São José

Salve-me por mor deus senhor doutor
Que eu preciso mesmo muito trabalhar
Não posso dar minha alma ao criador
Tenho os meus sete filhinhos p’ra criar
Não posso dar minha alma ao criador
Tenho os meus sete filhinhos p’ra criar

Para todas estas crianças sustentar
Isto sem aturar nenhum estafermo
Para pouco trabalho e bem ganhar
Tornou-se Assessora do Governo
Para pouco trabalho e bem ganhar
Tornou-se Assessora do Governo

Logo que começou a melhorar de vida
Mudou-se da Buraca p’ra Brandoa
E se deus a proteger nesta subida
Ainda vai p’ro centro de Lisboa
E se deus a proteger nesta subida
Ainda vai p’ro centro de Lisboa

Agora o ser rica já me não basta
Quero aparecer em capas de revistas
E se a vida não me for madrasta
Ser ainda melhor que a Assunção Cristas
E se a vida não me for madrasta
Ser ainda melhor que a Assunção Cristas

Nunca eu vivi assim em tempos idos
Que bom tê-los aos sete todos aqui
Vamos ter uma vida sempre unidos
E poder ver as novelas da TVI
Vamos ter uma vida sempre unidos
E poder ver as novelas da TVI

- j a godinho -


Sem comentários:

Enviar um comentário