Momentos Escaldantes 2018

Imagem Google

Erotismo e sensualidade. Escrevam o que vos vai na alma, com classe, bom senso e respeito. Caso assim não seja, as publicações serão eliminadas.

ATENÇÃO: SÓ SERÃO VÁLIDAS AS PUBLICAÇÕES FEITAS NO PRÓPRIO DIA - DAS 00:00H ÀS 23:45H. FORA DO DIA SERÃO ELIMINADAS

A DIVULGAÇÃO É SEMPRE FEITA NO DIA ANTERIOR! 


1 - Obrigatório identificar a iniciativa com:
- ou com o nome da iniciativa,
- ou com a foto da iniciativa,
- ou com ambos.


2 - A foto a usar é sempre a da iniciativa.


3 - Poemas em texto a publicar no Grupo 


TODOS PODEM PARTICIPAR!




 29-11-2018

BEIJOS.

Esses teus lábios que a minha boca
Tantas vezes os beijou
Tu por mim és uma louca
Eu por ti louco sou

Não devemos outros bocas beijar
Porque somos dois apaixonados
Assim iremos continuar
A beijar, até ficarmos saciados

São beijos dados com amor
Que nos sabem a mel
Sempre dados com fervor
Para não nos saber a fel

Tens uns lábios maravilhosos
Que tão bem sabem beijar
São macios e gostosos
Que nunca me irão saciar

José Martinho. 






 EM COMBUSTÃO

Conheço-te para lá do teu olhar
Porque nos teus olhos mergulhei fundo
Sem saber como dei comigo a pensar
Que eras o homem mais bonito do mundo
Logo nesse instante te sonhei meu
Eras tudo o que sempre imaginei
Não sei o que foi que ali me deu
Puxei-te para mim e te beijei
Foi uma chama a incendiar
A mim, a ti e tudo ao seu redor
Intensa, impossível de controlar
Nascia assim o nosso amor
E aquela chama que ali surgiu
Mais feroz que a dum vulcão
Nunca mais se extinguiu
Ainda hoje arde no meu coração
Por isso, fico mais quente que o lume
Pareço madeira seca em combustão
Vem, arranca de mim o queixume
Que tu sabes fazê-lo com perfeição
Nesta fogueira que só nós vemos
E que há tanto tempo começou
Ela permite que nos amemos
Como nunca ninguém se amou.

Nanda Rocha 






“Se te rendes”

Se te rendes tudo se esvai
Tricota pois teus anos gastos
Não os prendas em estendais
Folheia-os
E guarda-os em teus substratos.

Não te rendas aos cansaços da alma
Às falhas sísmicas dos corações
Aos dias sombreados de manchas
Foram ensinos foram lições.

Se te rendes
Estás ferido e apunhalado
Destroçado e amordaçado
Não podes render-te à desilusão
Enlaça-te à paixão.

O tempo voa para todos
Num voo sereno e doce
Numa bela canção
Era bom que assim fosse
Sem solidão e frustração.

O amor dócil e açucarado
Faz extravasar a chávena
Que aquece o agre e doce
Do carinho e do fogo derramado.

Brandamente e em uníssono
Gritar ao vento em pensamento
Um senhor é sempre submisso
Nos acordes
De um nobre compromisso.

Lurdes Bernardo








Abstrato sentir.

Com languidez o pensamento se eleva,
Num abstrato sentir.
Quer ele em frente seguir,
Fazer de mim sua serva.

Vem uma brisa amena,
De fragrância inquieta,
Meu corpo entra em alerta,
Me diz que vale a pena.

Observo teu sorriso,
Penetrante e sedutor,
Desenha a palavra amor,
Naquele momento preciso.

Teu desenho logo pintei,
De cor de mel e cereja.
Quero que o mundo inteiro veja,
Todo o prazer que te dei.

Seja abstrato ou concreto,
Sonho ou realidade,
O prazer não é leviandade,
Pertence a fonte do afeto.

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 





 Sonho & Silêncio

Introvertida no meu silêncio
havia uma cama que me recebia
uma cama com lençóis de linho e colcha de renda
havia um poema que me abraçava em magia
e um calor humano que me chamava;
e eu... eu dormia, não acordava.

Continuava a dormir e a sonhar contigo
sentia o teu corpo junto ao meu
e o teu beijo que me beijava.

Achava bem a forma como perto te sentia
e acomodava-me no teu corpo, que era abrigo.

Baralhada nos meus sentidos

Já não sei se estava só.
Só sei que sei, que sentia o teu calor
e que intimísta, sentia os nossos corpos
na dualidade dos desejos que me chamavam.

Numa cama, liberada de AMOR.

Florinda Dias 





 Amor

Deito
Meus
Sonhos
Nos
Teus
Braços.
Meus
Desejos
No
teu
Olhar.
Sussurro
Devagarinho
Poemas
De
Amor.
Rodopio
Na
Tua
Cama .
Beijo
A
Tua
Boca .
Brinco
Com
Teu
Corpo.
E
Adormeço
Abraçada
A
Ti .

Mila Lopes 




Pérolas

A longa fiada de pérolas pende
Do pescoço pelas costas desnudas
Num elegante colar que te surpreende.
Quedes-te. Olhando as bolas miúdas.

Pressinto o que o corpo quer.
Sei que m'as vais arrancar,
No jogo novo que te aprover.
Enseio. Sem nenhuma fazer balançar.

À distância de um palmo, imóvel.
O dedo enrolando. Sofro. Sobe tão lento!
As pérolas frias tocam a pele. Notável.
Urge, dentro de mim. Ruge, o teu advento.

Súplicas... Poros impacientes
De um corpo no outro, desse no meu,
Do confuso respirar, das bocas quentes.
Do que o fio de contas acendeu.

Texto de Rute Pio Lopes 




 ESPELHO BAÇO.

Olhar o espelho,
admitir!
Que o tempo avança
e nos arrasta.
Por tardes prazerosas de subtil desejo,
Pela noite, na alcova amor ardente.
Beijo nascido à flor dos lábios
Os corpos são estradas ressoadas de espasmos sem fronteiras.
As mãos sãos astrolábios, sem engano nas rotas, nas marés.
Ai amor, como o tempo passa.
Ontem éramos a proa do navio
Hoje somos arrumadores de sonhos
Entrelaçamos as mãos,
Olhos nos olhos navegamos
Por esse mar azul adormecido
Por essa escotilha do tempo admiramos,
Tudo que já fomos.
Mar revolto, foz de rio, querer, vontade.
Quietude de barco aportado.
Corpos já gastos,
onde habitam corações,
que gritam.
Não! Para ser amante o tempo para.
A fome que nasce no desejo.
É uma tocha acesa sem idade.
Olhar o espelho é admitir
Que somos os mesmos,
Basta desejar,
Demo-nos a degustar o nosso beijo.

Augusta Maria Gonçalves. 





 //...SONHEI UM DIA...//

Sonhei um dia adormecer em concha,
Aconchegada enlaçada e enroscada a ti
Ficar presa nos teus braços
Neles pernoitar, até ao nascer do dia
Repousar, pensar, sonhar e amar!
Comprimir a minha boca sequiosa,
Contra a tua ávida e voluntariosa
Sentir o saboroso elixir do amor
Apoderando-se dos corpos ardentes
Enrolados na doçura do nosso abraço!
Saciados na languidez dos nossos beijos
Dava-mos aso aos nossos desejos
Sonhei que me perdia no mar do teu corpo
Na ondulação lânguida da praia do prazer
Acostava nas tuas margens quentes
Nas tuas palavras fogosas
No teu cheiro a maresia e a rosas
Em murmúrios de prazer e de paixão
Nos perdíamos de alma e coração
Na hora do nosso encontro
Paravam as horas e os minutos
Dentro de nós parava o mundo
Era-mos um poço sem fundo
Envoltos em labaredas ardentes
Absorvidos pela chama do amor
Tu e eu, unidos num só poema
Vidas sem amanhã e sem lema

// ... M.aria I.sabel.. Machadinho






"Não tem fim"

Tento não pensar no que me fazias,
assim que me pusesses a mão.
Assaltam-me liberdades e ousadias
enredadas num turbilhão.

Por mais que não o queira
a mente não me obedece.
Imagino-te à minha beira
e de não pensar, a mente se esquece.

Arre! Que fogosa esta maneira
de te imiscuires em mim.
De ti fico tão cheia...

...querendo-te tão simples assim.
E por mais que não queira...
Nossa!... Este pensamento não tem fim!

Autora: Fátima Andrade 






“SEDE DE TI”
O meu corpo tem sede de ti…
Gosto dos teus dedos sedosos
que me fazem desejar
que estejas em mim
Corpos carentes
vão na sua viagem
navegando nas encostas do sonho
Cabelos oscilando ao vento
sinto um arrepio de pele
Suspiros em silêncio
quando os abraços
se envolvem numa dança
Voluptuosa…
Palavras para quê…
Sentem-se as emoções
vivem-se prazeres trocados
Corpos suados colam-se
no tumulto da volúpia
na loucura do momento
tocam-se, exploram-se
Alucinação
que os corpos recebem
em uníssono
Têm sede um do outro
conhecem-se de olhos fechados
Abafam-se as palavras
no términos do desejo
Tenho sede de ti…
Vou matá-la…
“BRASA MAGDA BRAZINHA







22-11-2018 

“O teu sorriso de mansinho”

Num acorde de arpas
Em que o silêncio era o motivo
Para se ouvir o pulsar do coração
Chegou de mansinho o teu sorriso
Ao abeirar-me de ti fiquei deliciada
A orquídea que trazias na mão
Era a mais bela que recebi
Mas o que mais me marcou
Foi o olhar da tua paixão
Fiquei derretida
Com tanto sentimento que senti.
Quis rir-me mas não o consegui
Apenas as lágrimas corriam
Mas de felicidade de gratidão.
Fiquei ali parada a olhar-te
Bem lá no fundo dos teus olhos
Senti o pulsar do meu coração
Amei aquele instante
Como te amei também
Quanta alegria brotava
E eu segurava com tanta emoção.
Mas despertei e nada encontrei
Além da cama vazia e fria
Quanta deceção.
O meu peito ardia de tanto sentimento
Mas era apenas de sonho o momento
Não de concretização.
Fiquei a olhar para o teto ali parada
Como se a imagem reaparecesse
Quanta desilusão
Impregnada de dissabor de rejeição
Quando tudo parecia tão real
Foi apenas um sonho
Da mais pura e real imaginação.

Lurdes Bernardo





 ONDAS DE PRAZER

Está calor…
Fico quieta, indolente
Fecho os olhos a sorrir
Sinto a tua presença
O teu suave toque
O calor da tua mão
O teu respirar ofegante
O bater do teu coração
O teu afago
Fogueira em combustão
Está calor…
Fico quieta, fervilha a mente
Assim como quem sente
Turbulência, inquietação
Os sentidos estão alerta
A líbido desperta
Surge uma dança cadenciada
Que se pressupõe secreta
Nasce em mim uma alvorada
É o rei Sol a nascer
O amor a acontecer
Entras em mim devagar, docemente
Como se me estivesses a chamar
E eu queria continuar indolente
… mas, já não consigo mais
A custo reprimo meus ais
O prazer, o querer me trai
A minha máscara cai
Então:
É a loucura, é dádiva,
É procura é mais querer
É deixar-me embalar
Por mil ondas de prazer.

Nanda Rocha 





"Sou tua... Todo o tempo"

Ouço a tua voz que me fala ao ouvido,
sussurrando obscenidades.
Fico fora de mim em delírio
quando com o teu desejo me invades.

O meu corpo treme de excitação
de tanta fome que tenho tua.
Qual chama em combustão
ardendo na minha pele nua.

Sou toda gemidos e desejos
na loucura do momento.
Fecho os olhos e sinto teus beijos...

sentindo-os bem cá dentro.
Arrancas-me de mim, em arquejos...
sou tua... todo o tempo.

Autora: Fátima Andrade 





EXPLOSÃO EM VERDE

Anseio chegar junto a ti
e corre bem lento o tempo
para vencer a pouca distância,
mas muita que nos separa,
antes de desejado encontro.

Cheguei e já te avisto…
vejo o teu sorriso cúmplice
e mais ardentemente anseio
por te poder fechar num abraço
e sofregamente te beijar.

As nossas bocas colam-se,
os nossos lábios já se devoram
e enquanto as línguas invadem
os corpos ávidos contorcem-se
como se fossem um só.

Os corpos fervem de desejo
e as mãos tateiam e lutam
tentando afastar com afinco
peças de roupa incómodas
para sentir o calor da pele.

Vamos à descoberta de nós
em intenso desejo de fusão
dos dois corpos em êxtase,
a sublime explosão de prazer
culmina em desfrute sereno.

Em redor, como testemunha,
a natureza explode em verde
e envolve e acolhe silenciosa
os momentos de superação
que ousamos desfrutar.

Celso Cordeiro 







A tentação minha(quarto 24)
Despir-te com os olhos
Sentada
Desejo-te
Prazer incontrolável
As minhas mãos transpiram
Sedenta de prazer
Apetecesme
Botões da tua camisa que tenho de desabotoar, libertar-me do teu cinto das calças
Girar-te o teu corpo
Apalparte,sentir a tua pele,o teu respirar,o teu arfar,querendo apagar o meu fogo que me consome por dentro,sei que pareço um vulcão quase...quase a explodir
Quero com um gesto brusco,me agarres e me coloques no chão
Sinto a tua mão percorrer-me antes de sentir o teu encaixe em mim
Quero que depois do amor,me olhasses,depois de horas extasiantes,quero que me olhes para o meu corpo
E belo e desejável
Beija-me novamente como se fosse a primeira vez.........
(Adonis silva) 






 POR Aí

Tua fina figura
Teus abraços ternura
Vieste
Fizeste do Outono, Primavera
Do frio da estação o quente do Verão
Fogueira ateada ,labareda imensa
Intensa emoção
Chegaste
Menino perdido ,no mundo errante
Distante
Nos amamos feito loucos
Instantes tão poucos
Caíram as peças de roupa no chão
Que nos viu pisar o verbo amar
Fui a tua lezíria
O campo de trigo
Sonhei contigo em cada noite
Voaste
Não sei ,nunca saberei o teu pouso
Hoje repouso a saudade
No silêncio das palavras
Que não me disseste
Leio o teu olhar de cor
Abraço o teu espaço
O tempo a tua distância
Amo-te
Nos versos ,no poema
Que nunca morrerá
Mesmo que outro ocupe o teu lugar
Estás para lá do pensamento
Que nos une ,uniu e ficou
Por aí ....
Anabela Fernandes 





Tudo é verbo.

Na penumbra cálida do verbo,
O silêncio tira partido do som
A vontade é de um sonho em bom,
E o momento e do prazer servo.

As ternuras mútuas se enfeitiçam
Na sofreguidão do verbo acontecer.
A penumbra finge nada ver,
As estrelas os sedutores toques cobiçam.

Os corpos se hidratam de prazer,
Amar,tem no verbo respeito.
Num ousado tempo tão perfeito,
O poema se fez escrever.

Em cada verso, tão quentes verbos,
Que não sabem quando parar.
Juntam-se para o momento amar.
São eles do amor servos.

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 



Queria embrulhar no teu
O meu corpo,
Nos teus relevos e vales
Voar sem asas,
E num desejo enlouquecido
Deixar arder a paixão,
Tocar-te a alma...,
Tocar-te toda,
Explorar cada recanto teu,
No teu perfume
Sentir-me embriagado,
Cada carinho teu
Beber sofregamente...
E nesse breve momento,
Quase em ebulição,
Deixar arder o meu lume,
Cobrir-te de mimos,
E sentir tremer o meu
coração...

Luís Lima Coelho. 






Poder d'um poema

Só tu podes vir ao meu encontro
abraçar a minha resignação,
salvar-me do abismo
nesta vida de perdição.

Teu perfume que eu sinto
é uma pura sedução,
inebria o meu sentido
e o meu próprio coração.

Sinto o teu corpo atingível
nessa falsa miragem,
sinto o teu jeito afável
nessa meritória linguagem.

Com imaginação se faz um poema
com amizade um grande amor,
quem com carinho ama
será um eterno vencedor.

José Maria... Z L 





 " HOJE... ÉS MEU! "


Pego nos meus desejos, de escarlate,
E peço à Lua-Cheia, desta noite...
Que me ajude - neste combate -
Onde o meu querer, se afoite!

Todas as emoções deste momento;
Serão quebradas, pla minha vontade.
Serás meu fruto preferido... Suculento,
Que sorverei sem dó, nem piedade!

Ah! Amor meu (doce petisco)!
Hoje fui eu, que te lancei o isco...
E tenho-me em meus braços, ofegante.

Vem! Qu'a noite, inda agora começou.
A paixão e o desejo, se juntou;
Vive!... Este momento escaldante.

Escrito por: Liska Azevedo  




“OLHARES CRUZADOS”
Olhares cruzados
voam errantes
entre o sol e a lua
A noite traz magia
dá vontade
de conjugar o verbo amar
de te beijar
Olhar os teus olhos
sedentos de amor
Cheirar-te
misturar-me no teu sabor
enrolar-me no teu calor
Corpos extasiados
desejos inflamados
Uma sintonia de emoções
um arrepiar de pele
Enrodilhados nos lençóis amarfanhados
viajamos na arte de amar
Como num mapa
percorremos vários caminhos
sinuosos e insinuantes
contornamos as curvas do amor
Corações batem em uníssono
saem fluidos das nossas veias
Voltamos a viajar
numa viagem sem termo
Cruzamos olhares
não precisamos falar
A madrugada chega…
E o amor continua…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 





 Eterno amor

Palavras
de desejos
proferidas
num lugar
só nosso.

Olhares
insanos
de desejos
secretos
sentidos a dois.

Sensações
sentidas
na alma
repletas
de sentimentos

Sonhos
intimamente
revelados
com emoções
e sensações.

Pensamentos
compartilhados
por ambos
que são únicos
e eternos.

Eterno é o amor guardamos no nosso peito.

Mila Lopes 






 15-11-2018

HOJE APETECE-ME

Hoje apetece-me celebrar o amor
A delicadeza do suave toque
A singeleza do doce olhar
A entrega total, sem pudor
A mistura natural do suor
O arrepio de pele instantâneo
O querer, o dar consentâneo
A culpa banida, o perdão
O bater acelerado do coração
Os segredos guardados, os revelados
E aqueles que ficam por revelar
O dia, a hora, o momento certo
Em que te dei o meu coração aberto
O arrebatamento da alma
Amar-te depressa ou com calma
O sublime acto… o universo tremeu
A alegria, quando aconteceu
Amaste-me e levaste-me ao céu
Quando me fizeste tua e eu te fiz meu
Hoje apetece-me celebrar o amor
A beleza, a alegria, a cor
O ter-te a ti na minha vida
A tela que em mim pintaste, colorida.

Nanda Rocha 





 PERDIDA NO DESEJO

Perco-me na imensidão do desejo
No silêncio das palavras
Entrecortadas por um beijo.
Um toque quente, indulgente
Movimentos lentos, sedutores, sedentos
Um sopro suave de brisa matinal
Um arrepio libertado, selvagem
A perfeição do acto, o divinal
A ânsia de querer-te ainda mais
O meu e o teu perfume se misturam
Sentimos odores in tensos e florais
Mãos suaves e quentes que me procuram
E desenham formas no meu peito
O calor da tua língua na minha pele
O teu sabor, sabes-me a mel
Dás-me lume, e o fogo se ateou
Labaredas, um crime consentido
Em meus lábios se soltou
Um profundo e febril gemido
Entras em mim, quente, tão quente
Sinto-me em ti a derreter
Abraçados… enlouquecidos
Na mais profunda ânsia do querer.
Perco-me na imensidão do desejo
No silêncio das palavras
Nas dobras singelas do teu beijo.

Nanda Rocha 





"Atrevida paixão"

Pela minha paixão
Pela minha poesia
Pelo meu perdão
Pelo amor de mais um dia.
Pela dor do pecado
Pela agitação
Pelo calor abafado
De uma noite de Verão
Pelo silêncio guardado
De uma rendição total
Pelos gemidos engolidos
De uma noite fatal
Pelo céu estrelado
Numa escura noite
Onde o vendaval
Teima em aclarar
Num trovão geral.
Faíscas que saem
Em espirais soltas
Rodopiando enroladas
Num clarão estrondoso
Entre faíscas envoltas
Num amor luxurioso.

Lurdes Bernardo 






eu queria
escrever-te
um poema
quente
mas a mente
está dormente
e mente...
sai um poema
de
amor
seja ele como for
eu sei o que ele
sente

sente o brilho
do teu
olhar,
a doçura
do sorriso,
a boca a saber
a mar
o abraço
um paraíso

sente
um corpo
a palpitar
e um ventre
a latejar
compulsiva(mente)

sente
o prazer
a chegar
e um grito
de luar
presente

enquanto
me faço
amar...

incansável(mente)...

rosamar 






 QUERO ....

Quero dançar na ponta da caneta
Ser a pele das tuas mãos
No fino traço da tua escrita
O verso na ponta da minha língua
Quero ser poema nesse corpo
A certeza do teu dilema
Filme mudo no cinema
Da nossa ousadia
Cai a noite e vem o dia
Clarificar o sentimento
Reclamo ,quero mais
Um nomento à luz da lua
Actriz principal
Cai o véu e estou nua
No papel em branco
Ainda por escrever ....

Anabela Fernandes 





 SENSUAIS:
Olho o presente, imperceptível
Escuto que é dentro de nós que há murmúrios.
Leio nos teus olhos um brilho, um queixume.
Sorrio, não sou amor para ti mais esse mistério
Na transparência das noites nuas a visão tatuas-te.
Foram tatuagens de lábios,
Um suspiro em glamour, ao nascer de cada beijo.

Hoje no tempo arrebatado de nudez e cor
Estamos frente a frente.
Tuas mãos nas minhas mãos.
Ah!...
Os olhos das árvores semi fechados,
Embalados na melodia calma desta apaziguada tarde.
Folhas desprendidas com leve graça
Oferecem aos que desprendem o olhar
Bailados em espiral,um passo de dança,
Um adeus vestido de arte.

Ó riscar de asas, voo triste tal melodia nua
Das folhas que caem no caminho húmido.
Nós sem pronunciar sabemos dar nome
A todas as coisas perspectiveis.
As tuas mãos nas minhas mãos
Esse convite gravado na estação do tempo.
Convite adornado de mirtilos sumarentos
E bagos de romã,

São porém dióspiros os frutos que colheste,
Sentados no chão tapetado de naturezas moribundas de cor,
Degustamos as primicias outonais,
Escutamos da terra o ressoar perfumado do outonal cansaço.
É agora que acorda o êxtase dos sentidos.
Fundem-se teus olhos nos meus olhos.
Rasga-se a seda das mãos peregrinas.
O tempo é nosso,
Dámo-nos inteiros, sei que puros.
A degustar os frutos outonais que somos.
Manjar celestial, essa polpa doce, sem caroço.

Augusta Maria Gonçalves. 





 Amar

Respiro o sabor do mar
Em corpo de sol aberto
E entre o teu respirar
O meu fica mais perto
E os tambores tocaram
Nos corações dançaram
Em dança acelerada
E o sabor do mar
Voltou para inundar
A cama desarrumada

FCJ
Fernanda Carneiro Jacinto 




MENU…
.
Hoje quero ser
O teu cardápio
Tua lista do prazer
Um eterno arrepio
Servida quente ou a frio
Disposta em tua mesa
Da entrada à sobremesa.
.
Prova-me,
Satisfaz teu apetite em meu labirinto
Anda, já te sinto
Desfruta deste banquete
Estou temperada e bem quente
Serei prato de carne assada
Em tua boca sôfrega e assanhada.
.
Sou teu manjar,
Devora-me até nos fartar
Delicia-te com o Menu inteiro
De vontade já exalas o cheiro
Come-me
Não desperdices nada.
.
Quero ser,
O morango que saboreias
Com a tua devassa boca
Sobremesa consumida a meias
Refeição gourmet recíproca.
.
Toca-me,
Com a tua língua
Tuas mãos viris e cegas
Aperta-me entre teus braços
Espreme-me com teus amassos
Consome-me até à míngua
Tudo, sem tabus nem regras.
.
Não te acanhes,
Prova de tudo
Come tudo
Sente o aroma da comida
Sôfrega pela tua boca
Sou refeição viciante
Agridoce e picante
Suplicando por teus lábios
Gulosos e sábios
Sou a tua generosa bebida
Casta que nos embriaga, desmedida.
.
Devora-me!
Toda!
Quero-te em mim a degustar
Sou o teu Menu
Sou o teu manjar…
.
Pereira, Fáttima 





“ABANDONEI-ME NA TARDE”
Abandonei-me na tarde
que antecedeu a noite
de todas as noites nossas
Perdi-me e encontrei-me
em mim e em ti
O teu beijo que não esqueci
o teu sorriso que mora em mim
A noite que revivi
o nosso enrodilhar de corpos
no fogo que nos consome
Faminta do teu desejo
numa volúpia sem fim
Adormeci em ti
acordei no poema
que me aqueceu a alma
Aquelas palavras rabiscadas
que me queimavam os dedos
Olho as páginas
eram imaculadas
Agora…
São um emaranhado
de beijos e desejos
Saem delas
faúlhas de paixão
labaredas indomáveis
do nosso amor sem fim
Não as quero em cinzas…
Quero-as flamejantes
Como o meu abandono na tarde…
Que antecedeu a noite…
De todas as noites…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 





"Paixão"

Minha paixão desmesurada
Deixas-me mal atinada.
Arrepanhas os meus sentidos, alimentando-te dos meus gemidos.
Arre que paixão arrebatadora
sequiosa, sedutora!
Agora!
Quero agora!
Extravasar esta paixão
que em mim mora.

Chegaste-te pela calada
minha paixão desmesurada
arrebatando o meu sentir,
deixando-me desnorteada...
...sequiosa! Sedutora!
Arrebatadora!
Quero agora, sem demora!
Assim... dentro de mim...

Autora: Fátima Andrade 






Garras de leão

Minhas entranhas estão em chama
Em labaredas grandes e muito vivas
Minha boca pelos teus beijos clama
Morro de desejo E sinto paixões lascivas.

Do teu amor me sinto cativa e prisioneira
Queria libertar-me um dia desta prisão
Quero amar te não só de corpo mas de alma inteira
E entregar-me para sempre às tuas garras de leão

Mas que interesse tem a vida ? Se és tu que eu desejo
Já não durmo, não penso , e não me alimento
E sei que dava a minha vida para ter de ti um beijo.

Chegaste estamos juntos e nos teus braços me enlaças
Embriagam-me e deixam-me louca estes momentos
Quando me lambes me comes e junto de ti me abraças.

15-11-2018

Maria Silvéria dos Mártires






08-11-2018 

 NÃO TARDA É DIA

Aquieta-se a alma, quando te vejo chegar
Invade-me a calma com o teu olhar
Diriges-te a mim com expressão cansada
Tantos dias depois, a noite já está estrelada
Um beijinho de boa noite, um terno abraço
A tua imagem… é sedutora
Eu suspiro… a emoção é arrasadora
Já sonho com a nossa noite, a madrugada
Já me sinto feliz, de amor embriagada
O quarto nos espera, a cama está fria
Deitas-te como quem chama, teu olhar me inebria
Deito-me logo a seguir, olho-te nos olhos a sorrir
Abraço-te com ternura, beijas-me… é a loucura
Acaba o cansaço, as esperas, as suposições
Sussurras ao meu ouvido, como se fizesses confissões
Teu corpo me aquece encostado ao meu
Tuas mãos me percorrem… o desejo cresceu
Um arrepio de prazer… um grito sufocado
Acabas de me preencher, meu príncipe encantado
Os dois a sorrir… quanta alegria
Em conchinha vamos dormir, não tarda já é dia.

Nanda Rocha 




 Sensuais...
Onde nos conduz esta palavra?
À esbelta perfeição.
Rasguem-se os horizontes
Dai-vos à visão exuberante da nudez perfeita.
Seres esbeltos, pele suave,
Um coração a pulsar,
Nasce, o desejo gostoso, o abraço apertado,
O encaixe burilado da natureza, corpos em semetria perfeita.
O beijo é desenho nascido no risco bem delineado dos lábios.
Boca,pintura delicada de pétalas carmim,
Onde o palato degusta o mel dos favos.
Por loucura há já no chão flores desfolhadas.
Há nos peitos planícies de flores campestres,
Brancas tal margaridas adornando o vale dos seios
Numa dança sedutora nasce o convite ao enlace terno
Amar! Amar, sem lei nem tempo,
Dar ao gesto de amar a liberdade.
Os amantes repetem o gesto supremo.
Reclinados, suspirosos, sedentos,desde a antiguidade.
Despidos de inocência profanam a intimidade,
Reavivam o ritual,
Amar é gesto terno e sensual.
Repete-se...
O gesto a entrega a doação, loucura, prazer, vontade.

Augusta Maria Gonçalves. 






"O brilho do sol"

Quero ser a tua estrela...
 Em todos os desafios...
 Como o brilho do sol...
 Distinto em elogios...
 Estrela que do sol recebe...
 A sua luz cintilante...
 Ser a tua recompensa...
 A todo e qualquer instante...
 Que o brilho seja o fulgor...
 De teus olhos radiantes...
 Em que o meu e o teu amor...
 Seja sempre como dantes...
 Em que os beijos se tornem
 O açúcar dos amantes
 Seremos berço imortal
 Apaixonados...hilariantes.

Lurdes Bernardo






Amor a dois

Nossos corpos
entrelaçados
no meio
dos lençóis
nossos gemidos
nossos toques
de amor
deixam
nossa pele
arrepiada
delicias
ousadas
de prazer
beijos
molhados
nós dois unidos
perdemos o juízo
~
Mila Lopes





 01-11-2018

“DESNUDA-SE A POESIA”
Desnuda-se a poesia
na brisa da noite
num temporal de emoções
Em beijos e desejos
inquietação e loucura
Num abraço e num toque
as mãos sorriem
ao corpo que se oferece
Respiram amor
murmúrios e ternura
Entrelaçam-se…
gritam ilusões dos sentidos
São gestos…
São paixão…
Unem-se num só
são sonhos e farrapos
com que vestem as lembranças
de um tempo passado
que se perderam
na esquina do tempo
Só restam os sonhos
que gritam
o vazio da alma
o vento leva as imagens
os silêncios ficaram
nos lençóis de mágoa e saudade
nas memórias da alma
Desnuda-se na noite…
A poesia entorpecida…

“BRASA” MAGDA BRAZINHA 





"Bailarina"

Bailarina de uma plenitude insana com a alegria que não tem fim
bailando num corrupio de afetos
entrega perfeita envolvendo o ti e mim
Transparência em pontas soltas
Presenças de uma plenitude envolvida
Numa acrobacia de sincronização plena
De uma constante busca de guarida.
Não pregava olho toda a noite
Quando as tormentas da vida
Num baloiçar de fadiga muscular
Frustrava o empenhado e crescimento
De uma brilhante carreira de bailarina.
Mas no teu estreitado abraço
Como se buscasse a energia galopante
Brilhando no meu coração afetuoso
Aquele mesmo sorriso maroto e ardente
Eloquente de uma vida plena a dois
Numa acrobacia de sincronização
Na plenitude imensa e comovente
De um sublime coração.

Lurdes Bernardo 





 SEM PUDOR

Rasgam -se as horas
Nos lençóis amarrotados
Entre espasmos de loucura
Restos de quem se amou
Começou e terminou
Numa dança magistral
Num dia sem igual
Voltamos onde paramos
Ouvindo a melodia
Da noite fizemos dia
Caíndo extasiados
Quando o sabor a amor
Se evaporou
O sol nos brindou
Convidando a namorar
Eu de novo olhei p'ra ti

E escrevi poesia no teu corpo
Com os beijos e desejos e as mãos
um vulcão a arder

Anabela Fernandes





 25-10-2018

 AO RUBRO

No céu da tua boca
Eu me sinto a nascer
Nos lábios que se tocam
De prazer
As línguas se entrelaçam
Até casam
No degustar desse sabor
Amendoado
Estás tu em mim
Em Lisboa ou no Bonfim
Cruzando olhares intensos
Dou por mim a delirar
Realizando fantasias
Acrobacias e afins
Flores formosas nos jardins
Onde pousamos
O corpo já cansado de amar
A mente de pedir e nada ter
O coração gemendo
De prazer
Dispo a alma
Dispo o corpo
Até ao chão
Abraço a lua
Agora nua
Sou capaz de me reinventar
Dentro do teu sorriso
Está o mundo até ao fim
Dizendo ,vem
Quem tem pressa nada tem
Somos nós o amor
Paixão ao rubro ,mais além
Figueira ateada
Dos gemidos
Que rompem a madrugada
Dos amantes
Que já fomos
Hoje somos
O princípio, hoje e o fim
Desta peça imaginada
Sem ensaios
Promentendo ser ao rubro
Até ao nascer do sol
De todas as madrugadas
Perto de ti ....

Anabela Fernandes 






 BALADA DUM INTENSO MOMENTO

Não invadas os meus sonhos
Quando estou a dormir.
Invade antes o meu corpo
Quando eu p'ra ti me despir.

Faz dele um mundo de sentires
Que as tuas mãos explorem,
Tal como as graciosas borboletas
Exploram as flores dum canteiro.
Nos lençóis da minha cama,
Sente-o a palpitar de desejo
E apodera-te dele por inteiro
Com a mesma ternura e vontade
Que há num escaldante beijo.

Percorre-o com beijos molhados,
Deixando-o com todo o bom gosto
Que existe no teu paladar
Até ficarmos completamente alucinados
E nada consiga ficar entreposto
Entre o nosso impetuoso desejo de amar.

Faz dele a catedral dos teus sentidos,
Onde entres com total veneração,
Deixando que os teus férteis fluídos
O percorram em gloriosa procissão.

E que o êxtase que sentirmos, então,
Tenha a mais sublime intensidade
Que no mundo possa haver.
Depois fiquemos de mão na mão
Com os corpos suados e a ansiedade
Doutro momento assim acontecer.

Dulce Paixão (Pseudónimo de Albino Teixeira Dias) 






 E VOU SONHANDO

Desejo-te nos sonhos desassossegados
Desejo-te nas manhãs pardacentas
Desejo-te na volúpia dos enamorados
Tu sabes, nada dizes, nada comentas
Queria ser tua, que me possuísses
Queria perder-me no teu enleio
Queria que loucamente me pedisses
Para te recostar no meu seio
E vou sonhando…
Sonho que as tuas mãos me percorrem
Que conhecem cada centímetro da minha tez
Sonho que ao amar-te as noites demorem
Que sou tua, uma e outra vez
E vou sonhando…
Que o teu beijo doce me inebria
Que o teu cheiro me desperta os sentidos
Que o teu corpo aquece a minha cama fria
Que os dois descobrimos sabores proibidos
E vou sonhando…
Que o sonho se tornou realidade
Que nos damos no acto supremo de dar
Que o teu amor é pura raridade
Que sempre existiu e não vai acabar
Desejo-te nos sonhos desassossegados
O despertador impiedoso, tocou
Não estás comigo, estamos separados
O sonho foi só sonho e nada restou.

Nanda Rocha 




FAÇO AMOR VAGAROSAMENTE.

Penso muito nela
Com aquele vestido de cetim
É uma mulher muito bela
Que se apaixonou por mim

Tem um corpo bem formado
Como ela existem poucas
Por ela também estou apaixonado
Juntos passamos noites loucas

Implora para ser tocada
Em toda a parte do seu corpo
Simultaneamente quer ser beijada
Desde os pés até ao topo

Com a sua boca morde o travesseiro
Dos meus beijos gosta do sabor
Eu amo-a por inteiro
Quando lhe sinto o calor

Com os olhos bem cerrados
Gosta de ser possuída
Quando os abre estão revirados
Devido à sensação sentida

Faço amor vagarosamente
Para melhor ela saborear
Sentir o meu corpo ardente
Que a faz delirar

Quando oiço um gemido
Silencioso de dor e prazer
Para ela eu sou um querido
Jamais serei esquecido
Tem receio de me perder.

José Martinho. 







 NA CEGUEIRA DOS SENTIDOS

Estou a arder…
Os bombeiros vou ter que chamar
O fogo que em mim ateaste
Não o consigo apagar
Quente… muito quente
Não suporto tamanho calor
Eu sou terra tu és semente
E mistura-se o nosso suor
Um grito sufocado…
… um gemido sustenido
Nosso amor tem sabor a pecado
Tudo nos é permitido
Somos amantes, enamorados
Neste calor os dois nos fundimos
Docemente ficamos abraçados
Sem pressa nos possuímos
O prazer escorre dos lábios
Tu me amas como um louco
Tu tens a ciência dos sábios
Chamar-te Cupido é muito pouco
Agora ardemos os dois…
Em labaredas de loucura
Sempre é assim e será depois
Um mar de imensa ternura
Cansados, suados, brilha a tez
Saciados e desinibidos
Voltamos a amar mais uma vez
Na cegueira absoluta dos sentidos.

Nanda Rocha 






"Simbiose perfeita"

Mesmo em frente,
fica-se mais lento à medida que se vai ficando.
Espera-se, em simbiose com o espaço num conceito lasso.
Avista-se o antigamente, preenchendo o espaço insolentemente.
Sobre uma pedra de basalto, deleitam-se corpos extenuados ao alto, a céu aberto...
Indefinidos, de prazeres desmedidos.
Vai-se à luta, oferecendo o corpo,
a esta sensual labuta.

Mesmo em frente, numa pedra de basalto... Corpos sensualmente entrelaçados, ao alto.

Autora: Fátima Andrade 






Teu corpo ainda exploro.

Houve logo uma química,
Naquele teu sedutor olhar.
E foi tal a força anímica,
Convidaste-me para dançar.

Roçando teu corpo no meu,
Todo tu te insinuavas,
Subia eu da terra ao céu,
Tu senti-as e gostavas.

Aquela música lenta,
Que pediste para tocar,
O demônio logo ali, nos atenta,
Para um longo beijo dar.

Todo o salão aplaudiu,
Assim começou nosso namoro,
A tudo ele resistiu.
Teu corpo ainda exploro!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 





"Espero-te”

Sem ti, sem mim
perdida
no espaço
na vida
agarradas às sombras
passadas
na distância
dos poemas que foram meus…
Vem…
canta-me palavras
conta-me anseios
desejos de felicidade.
Agarra-me
beija-me
docemente…
com a tua boca!!
oferece-me carinhos
de uma noite …
de amor intenso e louco .
Acordar…
sentir-te…
ter-te
no crepúsculo ou num amanhecer…
na chuva ou no sol
nos sonhos sonhados
nos lábios melados…
nos olhos dormidos!!
te anseio!

Espero-te
vem
caminha até mim
porque eu quero beber-te em amor...
Fanny Mota 





 UM E OUTRO BEIJO:

Aih, Outubro que doiras os caminhos.
Outubro que te moves nesse silencio milenar,
Talvez o manto d'oiro que arrastas
Seja de jóias adornado.
Daí a lentidão dos dias quedos.

Quem?
Deixa passar as tardes de oiro sem se adornar?
Quem resiste a não experimentar a nudez dourada das estátuas?
De dedos entrelaçados caminham eles no jardim.
Param!
Se vêm na transparência do lago de cetim.

Sorriem, unem os lábios,
Saboreando ameixas doces em taças de marfim.
Desce suave a alça do vestido.
Indiscreto olhar é o de amante.

São porém os lábios a tocar,
O peito de alabastro ofegante.
As mãos suaves como folhas desprendidas.
Acariciam em festa delirante.
A nudez dessa deusa perfeita,
Que ao cair da tarde outonal,
Se rende e dá ao ser amante.

Tudo o mais é silencio,
Eles estátuas vivas,
Amam, em tremores de desejo,
O corpo em explosão.
Enquanto as folhas vagarosas caem,
ELES esculpem na placidez da tarde.
Um e outro... beijos com os lábios molhados,
Por tal no Outubro que entardece.
Se faz escutar essa melodia
Desse fazer amor,
Amor carnal,
Ou essa fome dos sentidos,
Fome insaciável, que contagia.

Augusta Maria Gonçalves. 







“DESEJOS”
Se te desejo
Oh meu Deus!
Perco-me num beijo
Se me enlouqueces
Ardo de paixão
Se me enfeitiças
Perco o controlo
Se me renovo
Ficas desnorteado
Se te murmuro ao ouvido
Ficas abismado
Olhas-me assim
Como se eu fosse louca
Se te beijo outra vez
Ficas eléctrico
Perdes a cabeça
Enrolas-te em mim
Rolamos nos lençóis
Amarrotando-os
Se clamo o teu nome
Deixas-me sem fôlego
Com essa língua desvairada
Provoco-te
Massajo-te
Somos dois loucos
Esta cama está enfeitiçada
(ai que ainda a partimos)
Se damos ais e gritos
Acordamos os vizinhos
Entrelaçados
Amordaçados
Um só corpo
Numa só alma
Doridos…
Cansados…
Saciados…
Mas afinal…
Onde anda o juízo desta gente?
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 





Vem...
Respira ao meu ouvido...
Morde a minha orelha sem eu contar...
Passa o indicador pelo meu braço...
Faz-me arrepiar. ..
Encosta-te...
Sente o meu suspiro ...
As borboletas no estômago ...
A minha respiração a mudar...
Puxa-me para ti,
Convida-me a dançar....
Sabes que eu e tu dançamos de forma especial
Nos teus braços, na tua dança sinto-me mais sensual....
Dançaremos um ritmo caliente que nos aquecerá a alma
Mas os corpos, aí os corpos, esses perderão a calma...
Já me sinto excitada só de pensar nesta dança
Sabes que nos teus braços todo o meu corpo balança ...
Sabes conquistar-me, seduzir-me, incendiar-me...
Sabes despertar calor, amor, sabes desarmar-me...
Vem...
Dancemos juntos, conhecemos cada movimento
Sabemos o que o outro espera, despertar esse sentimento ...
Somos o que queremos ser
Amor, desejo e paixão!
Somos também fogo e prazer
Um misto de tanta emoção!
Isabel Susana Marouço 





 O
Nosso amor
é um só destino
nós somos
dois corações
unidos pela vida
que se encaixam
perfeitamente.
O nosso amor
depende
um do outro
pois se não houvesse amor
seria muita solidão
seria como o céu nublado
sem estrelas
seria um coração
sem sentimentos
seria a nossa alma .
sem alma.
O nosso amor
sabe amar
sabe respeitar
sabe abraçar
sabe beijar
sabe sentir o amor
mesmo nos momentos
mais difíceis da nossa vida
ficamos mais unidos
O nosso amor
vive de carinho
de cumplicidade
de paixão e emoção
que ás vezes até dói .
O nosso amor
é para toda a vida
não tem nem idade
nós estamos unidos
prá além da eternidade .

Mila Lopes 







“Doce momento”

Meu coração tem aprumo
É gentil…e delicado
Entregue à paixão em lume
Está desvairando a teu lado.
Perde todos os decoros
Entrega-se sem pudores
Esquece o sítio onde está
Alheia-se a seus rubores.
De tanto ceder se rende
Sem mais querer disputar
Sente ainda que se prende
Mas não se queria magoar.
Mas é em teus fortes braços
Que sente o teu aconchego
Na paixão de teus abraços
Quer aliar-se sem medo.

Lurdes Bernardo





18-10-2018 

Surpreende-me...

Queria saber como me sentes
Não consegues calar, apenas sentir
Busca-me...
De entre o sentimento puro feito gente
E recebe-me de bandeja e a sorrir.
Clama-me...
Se consentes que presenteie o teu amor
Dessa taça que bebo sedutora e encantada
Não busques o que não encontres em mim
Apenas a essência te quero dar a sentir
Presenteia-me...
Com aquele amor que só tu sabes espevitar
Enche meus olhos de doces beijos
Prefiro afetos em vez de ilusões
Em busca...
De deliciosas e sumarentas virtudes e sensações
Clama-me...
De devotas submissas e lânguidas atitudes
Sem os perigos da clausura e das abnegações
Em que beber de teu leito o néctar do mel
Me deixe...
Em transe de amor sem sabor a fel.

Lurdes Bernardo 






Ses

Se te pego fogo
E perdes o fôlego

Se te susurro
E sentes duro

Se te toco
E o despudor provoco

Se te beijo
E chega o ensejo

Se te olho
E vens. Desarrolho

Se assim te quero uno. Desarrumo.
Se assim te quero viço. Enfeitiço.
E assim te deixo. Sem queixo.

Rute Pio Lopes 






Sabes meu amor,
O dia adormeceu coberto
de lágrimas nas horas da partida
no avermelhado da terra fria no pó
da estrada levando consigo o sentimento
O rio correu veloz na fúria enlouquecida
de uma dor embebida no desespero
dessa partida que rasga o ventre ferido
molha o corpo inerte no silencio entorpecido.
As cartas prometidas da força existencial
estão agora amarelecidas pelas auroras
rasgadas em manhãs acordadas na aflição
de as retomar em papel lácteo de uma só cor
Saber-te ausente aporta-me ao infinito
da luz do instante que foi nosso entre os abraços
feitos mel na loucura de nos querermos em lume cego
de um desejo que nos transcende o limite do corpo

Sabes meu amor,
amadureci entre os teus braços!

28/05/2018
Teresa/Teixeira/Zinha 





 DEUSES DO AMOR

Vou escrever-te uma ode de amor
Vou precisar de alguma ousadia
Para falar da ternura, do calor
Com que incendeias a cama fria
Provocas-me… extasias-me
Fazes de mim a deusa do amor
Arrebatas-me… delicias-me
Nada no mundo é melhor
Entras em mim docemente
Levas-me até ao infinito
Rasgas a terra, lanças a semente
E eu com prazer, permito
Espraio-me então no teu Eu
Como na areia se espraia o mar
Esta vontade de te amar, cresceu
E eu não a consigo controlar
Então os dois somos loucura
Somos gestos sem exactidão
Somos dádiva, entrega pura
Somos calmaria e furação
… sussurras-me ao ouvido
… mordiscas o meu seio
… são frases sem sentido
És o deus do amor… eu creio.

Nanda Rocha






APROVEITA OS MEUS BEIJOS.

Aproveita os meus beijos
Para te satisfazer
Com eles mata os desejos
Ai, que bom que te vai saber

Aproveita os meus beijos
Molhados e quentes
Dados com desejo
Deliciosamente ardentes

Douto-os muito bem dados
Com amor e ternura
Para serem saboreados
Levando-me à loucura

À medida que te vou beijando
Fecho os olhos e deixo-me ir
Sinto o meu coração desejando
Com vontade de te possuir

Antes que te possua
E que mate os meus desejos
Não te dispas toda nua
Aproveita os meus beijos

José Martinho. 





"Cinco sentidos"

Vou dar uso aos meus cinco sentidos,
apossando-me do teu corpo.
Palmilhar-te com a boca.
Reacender-te com um sopro.

Vou ouvir com luxúria
os teus intensos gemidos.
Entregar-me à libertinagem
dos cinco sentidos.

O teu odor me atrai, como uma teia.
Vem amor ter comigo e dar volta e meia.

Vê!... Sente!...
Reacende esta chama.
Vem dar uso aos cinco sentidos
na nossa bela cama.

Autora: Fátima Andrade 




O tal momento.

Abro o momento a saudade,
O corpo entra em erupção.
Recuo no tempo e na idade,
Alimento meu coração.

Geme ele de prazer ,inquieto,
Relembrando tuas carícias,
E o corpo irrequieto,
Vai pedindo essas delícias.

Nasce um onda de desejo,
Que teima em não adormecer,
Implora a boca pelo teu beijo,
E a noite só quer prazer.

No sonho urge o tempo,
Vamos torná-lo real!
Não abro mão do momento.
Esta noite é atração carnal.

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 





“SONHOS”
Mexo-me e remexo-me na cama
Sinto a tua falta
A noite cai serena
E traz no seu ventre
Mil desejos de paixão
Ternura e carinho
Chegou a hora de dormir
Mas a cama está vazia
E eu vazia de ti
Sinto a cama nua e fria
Não sinto o teu abraçar
Sinto a tua falta
O teu enrodilhar
Não sinto aqueles beijos
Que me deixam louca
Olho em volta
Não estás
A cama continua vazia
Afago a tua almofada
Aperto-a num abraço
Enrolo-a em mim
Sinto-me tão só
Imagino-te aqui
Amando-me
Só como tu sabes
Tento gritar
Chamar o teu nome
Mas em vão
Grito até enrouquecer
Abanam-me
Abraçam-me
E a pergunta quebrou o sonho
Estou aqui…
Quero amar-te…
Abraça-me…
Enrodilha-me no teu amor…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA




Teu corpo é um tesouro
Que eu tenho sem te ter
É um desejo que almejo
Que alimenta meu prazer.

Teu sorriso brilha
Como brilha o sol
Teu jeito encanta
Como não há outro igual.

Se eu tivesse um jardim
Daria o teu nome
Se eu pudesse te amar assim
Amaria até a morte.

O cheiro que me persegue
A imagem que me atormenta
O sonho com aquela noite louca
Não me dá paz nem a morte
Mata-me lentamente
Como dentadas d'uma fera.

Das noites escaldantes
Eu fujo a sete pés
Em tom de brincadeira
Ainda gosto dela.

José Maria... Z L 






MEU AMOR É COMO UM RIO...

Dorido pela tua ausência
o meu peito arde em desejo
de por ti ser abraçado
suspirando pelo ensejo
de amanhecer ao teu lado...

És o meu sonho encantado
em que despida me deito
meu leito de amor consagrado
doce fruto saboreado
num paraíso perfeito.

Ofereço-me a ti com paixão
deixando o meu corpo rendido
aos afagos da tua mão
cobre-me um arrepio sentido
saído do coração.

Meu sonho por ti reclama
sem ti tudo está tão frio
meu desejo por ti chama
meu amor é como um rio
que corre para aquele que ama...

Aida Maria (Aida Marques) 





VIDA!
Já gastas as mãos, refeitas as caricias.
Os olhos são o círio a iluminar.
Outra vez que o amor se ateia e veste,
Desse nosso desejo em segredo.
Sigo até à colina enluarada.
Vejo já a silhueta que me espera.
Solto os véus que cobrem a nudez.
Vens ao meu encontro...
" dizes como é doce teu perfume "
A ti me dou.
Perguntas, és feliz?
Respondo beijando-te.
Sou! Sou!
SOU!
Augusta Maria Gonçalves. 




 IDOLATREI-TE

Vi-te além,
numa cama sentado.
Vi-te como uma imagem
e em mim... ficaste tatuado.

Queria tocar-te
e ver se eras de verdade
ver se não eras só uma imagem
que ao meu desejo o corpo me pedia
em paixão uma real aproximação quis amar-te
lentamente e finalmente... ganhei coragem.

Toquei e senti o que á muito sentia
Toquei e senti desejo, toquei e dei um beijo
Toquei e fui mais além, amei até ao mais belo sentir
Toquei na Musa tatuada que estava ali imóvel e nua sem pudor
Toquei e finalmente me senti extasiada de tanto Amor.

Toquei e senti que... Devia.
Devia de amar o teu corpo e sentir a tua Magia.

Florinda Dias











11-10-2018 

 NEM PRECISAS DE ME TOCAR

Nem precisas de me tocar
Para sentir o teu desejo
A tua ousadia no olhar
Traz a doçura dum beijo
Mas gosto quando me abraças
E me apertas de encontro a ti
Gosto também quando disfarças
… e o teu semblante sorri
Mas do que eu gosto mais
É dos nossos momentos de amor
Quando soltamos gemidos e ais
E misturamos o nosso suor
É divino, a nada é igual
Sentir, misturares-te em mim
É algo que parece ser irreal
É festa, arraial, lauto festim
Entregamo-nos sem pudor
Num maravilhoso entregar
Trocamos caricias e juras de amor
Sabendo que nunca se irão esgotar
Tu arfas e o teu peito estremece
Eu estremeço em doce arrepio
Neste momento que nos enaltece
Eu gemo de prazer e me delicio
Neste acto singular de te amar
Esvaio-me num suspiro profundo
Deveria poder se comparar
Às mais belas maravilhas do mundo.

Nanda Rocha 





QUERO.

Quero fazer uma confissão
Quero dizer que amo uma mulher
Quero dizer que me destroça o coração
Quando a vejo com outro qualquer

Quero dizer-lhe aqui e agora
Que a amo mais do que ninguém
O meu coração por ela implora
E faz-me andar num vai e vem

Quero dormir no seu leito
E acordar com ela junto de mim
Quero que ela beije o meu peito
E faça amor com frenesim

Quero dizer-lhe os sentimentos
Que aceleram o meu coração
Com ela quero passar bons momentos
Amando-a até à exaustão

Quero pela manhã acordar
Depois de uma noite vivida com paixão
Quero os seus seios acariciar
E esquecer a confissão.

José Martinho. 




“A PAIXÃO”
Companheira ardente
Vadia e madame
Uma louca insana
Corajosa
Um pouco indiscreta
Gosta de seleccionar
Às vezes é um fardo
Outras uma bênção
Sofre e faz sofrer
Ama e é amada
Trai e é traída
É profunda e insensível
Às vezes com rasgos de malvadez
Mas com vontade própria
Esquisita
Vil
Desespera quem espera
Gosta mais da noite
Gosta de escuridão
Não quer ser caluniada
Procura incessantemente o amor
Desliza na madrugada
Dá prazer e tem prazer
Segrega magia
Quando estás em mim
Cresce em desejos
Sensual e descarada
Serpenteia nas tuas mãos
Feita para todos
Mas nem todos a conseguem alcançar
Apresento-vos…
A paixão…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 





 SOB O LUAR

Quando a noite chegar,
a terra adormecerá,
o luar será a única luz que me olha.
Sinto a melancolia,
de não estares junto a mim,
fica comigo no sonho desta noite.
Se o céu estrelado escurecer
a montanha desmoronar,
não chorarei uma lágrima,
enquanto estiveres comigo.
Fica, até ao amanhecer
nada recearás.
Abriga a parte do teu arrebol
guarda-o para mim,
para te ver em paisagem edílica,
de cútis trigueira de sol,
com o perfume do jasmim
do teu corpo amante
e a lua suspensa
entre o meu sonho de bruma,
a esconder a escuridão,
enquanto não te contemplo,
num tempo de relógio suspenso.
Quero ver-te claramente,
aproximando-te,
como doce outono,
encaminhando o carinho para mim.
A mais doce canção,
quero ouvi-la,
da tua boca
na liberdade de um beijo.

José Lopes da Nave 





Momento de concepção.

As dunas nos convidaram,
O sol foi um generoso confidente.
A praia cheia de gente,
Os corpos escondidos se amaram.

Foi tal a intensidade,
Que o sol subiu de temperatura,
Beijos de paixão ,ternura,
De perfeita leviandade.

O mar ficou maré vaza,
Os chapéus se iam fechando,
Nossos corpos se amando,
Todos regressavam a casa.

O sol se pôs tranquilo,
A lua acordou majestosa.
Pergunto,ao acariciar tua pele sedosa,
Será que concebemos um filho?

É tanto o desejo para a vida,
Que isso venha a acontecer.
O sexo é amor e prazer,
E concepção de nova vida.

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 






Vassala solta no teu prazer
O meu olhar fundia-se em ti.
Vacilei de desejo quando te senti,
Cálido, cercada nos teus braços,
Meu corpo ofegou de ânsia,
Desabou rendido, estendido.
Eramos tão só tu e eu
E a tua pele na minha… ardiam.
Rastilhos febris que se consumiam
As tuas mãos possuíam-me.
O teu olhar penetrava-me.
E teus beijos iam dentro de mim,
E despojavam-me do mundo,
Eramos tão só, tu e eu, nada mais…
Afogueava-me o desejo,
E o prazer intenso de já te ter,
Raspou em mim como uma flecha a arder.
Incendiada, convulsa de prazer,
Entendi que era assim que queria viver
Em ti, por ti, mártir teu
Vassala solta no teu prazer

CAMILA CARREIRA 






Quero contigo fazer amor!
Explorar-te sem pudor
Sentir o teu rubor
E mais te digo!
Quero fazer amor contigo
com pressa, num vaivém
e devagar também.

Desculpa esta minha prontidão
em te querer!
Quero amar-te coração
como deve ser!

Chega-te a mim sem pudor
Anda comigo fazer amor.

Desfolha-me como um livro
fazendo amor comigo.

Faz promessa,
do meu corpo desejado
Faz-me teu templo
um lugar sagrado.

E mais te digo!
Quero fazer amor contigo
Explorar-te até de manhã!
Não faças de mim
promessa vã..

Ofereço-me a ti com prontidão
sê o amor do meu coração

...e mais te digo...
Quero fazer amor contigo!

Autora: Fátima Andrade 




Fogo posto

Há fogo aceso que não se vê
Brasas dentro de ti que ninguém lê
Só tu sabes como atear
Num simples sopro de corar

Depois, levíssimas cinzas, quase invisíveis
Serão afinal partes de mim bem credíveis
E de novo hei-de inflamar, quando a ti voltar
Numa sinopse perfeita do corpo a reiterar

Mas, se for eu uma vela esculpida
Tu serás o elegante castiçal à medida
E então, meu fósforo em lixa suave
Num encosto breve, chama imediata e grave

Ardo, desde o ponto fiel
Em pavio humedecido em mel
Ardo, em gula incandescente
Num clarão consumido, semiconsciente

E depois... Depois, de novo hei-de imaginar
Em ti outro qualquer modo de deflagrar
Adocicado ou salgado, intenso e apurado
Desde que me sinta totalmente incendiado

Rute Pio Lopes 





“Doce momento”

Meu coração tem aprumo
É gentil…e delicado
Entregue à paixão em lume
Está desvairando a teu lado.
Perde todos os decoros
Entrega-se sem pudores
Esquece o sítio onde está
Alheia-se a seus rubores.
De tanto ceder se rende
Sem mais querer disputar
Sente ainda que se prende
Mas não se queria magoar.
Mas é em teus fortes braços
Que sente o teu aconchego
Na paixão de teus abraços
Quer aliar-se sem medo.

Lurdes Bernardo




 BALADA DUM INTENSO MOMENTO

Na vontade expressa no meu desejo,
Sinto uma inquietude crescente e louca
Em cada sôfrego e apaixonado beijo,
Enquanto que, peça a peça, te tiro a roupa.

E é nessa azáfama em que nos perdemos,
Mas também nos encontramos,
Como num mútuo ritual sagrado
Onde deixamos qualquer preconceito ou tabu de lado,
Que pomos toda a loucura que temos
E que nos momentos de amor partilharmos.

Sinto que queres tudo menos ir embora
Em cada movimento teu que colabora
Para que o acesso do meu corpo ao teu se concretize.
Vou avançando, em ti, um passo de cada vez,
Sentindo a macieza da tua crescente nudez
Dominar-me como um irresistível e fatal deslize.

Por fim, já nada dificulta ou impede
Que os nossos corpos, num apenas, se fundam
E se extasiem no intenso sentir que os inunda,
Enquanto o tempo em eternidade se mede.

Depois desse intenso e escaldante momento
Fica-nos uma mágica e única sensação
Que nos invade por fora e por dentro,
Enquanto relaxamos, lado a lado e de mão na mão.

Albino Teixeira Dias






 A luz devassa deste outono riu soberana.
Manhã nascida húmida, ressoando a crosta fecunda da terra mãe.
Já há trilhas orvalhadas.
Ai! como se embalam as árvores de frutos carregadas.
Como estão embriagados os sentidos pelo cocktail de odores diversos.
Oh!... os desejos se dão à lascívia insaneável do pecado cometido com luxuria.
Os corpos se deitam no chão adornado de ouro e jade,
Flamejam rubis brilhando á luz da tarde.
Quem resiste?
A este dossel intocável,
Leito para amantes.
Do ancestral cativeiro da vida, da torre que ergueu ao compasso dos anos.
Me é dado olhar os vales cansados.
Os caminhos estreitos onde passa o amor na inocente procura da primicia do beijo roubado.
Doura-se a tarde, a ancestral orquestra prepassa as ramarias.
Embalam-se as almas, enquanto a terra guarda as sementes que dormem.
As aves voam libertas, que grande dita essa de ter asas.
Os passos são melodia,
Os dedos entrelaçados deslizam sedosos,
Oh! Seres que desvendais os olhos puros.
Reclinai-vos sob as macieiras vestidas de frutos doces,
Fazei amor sob a terra saboreai o fruto sem caroço,
Livres de culpa, de pecado.
Pois Outono vestido de frutos e poalhas de ouro,
É esse tempo saciado que convida amar em plenitude.

Augusta Maria Gonçalves. 





 NUVENS

Meus desejos
Teus desejos
Nossos prazeres
Se fazem...
Por nós... dois
Apaixonados
Explodindo de prazer
Em gemidos...
Cada vez maiores
Contornamos nossos corpos
Nossas almas
Nossos corações
...
Somente tu e eu
Sentimos
Todo este prazer
E ...o mundo
Mais uma vez contempla
Docemente nosso amor
Admirando o momento
O sol esconde se lentamente
Envergonhado
Por entre as nuvens
Geradas...pelo prazer
De dois corpos...
Suados
Loucos de prazer
Enamorados
Que na sofreguidão
Do desejo
Provocou no céu...
Nuvens...de prazer !
...
Assim nascem as...
Nuvens !...

©Rosa Couto




 VEM

Vem desfolha este meu livro ,tem folhas de marfim quando me tocam as tuas mãos e audazes fazem -me chegar até ao fim ...e de novo recomeçar a ler o que nunca li ....mas senti ...

Anabela Fernandes




 04-10-2018

 NOITE INVULGAREra uma noite escarlate
O céu tinha um tom invulgar
Os lobos uivavam na serra
E eu queria na tua pele dançar
Desenhar em ti luas e sois
Ondas num vai e vem
Não ouvir nada à nossa volta
Só o sussurrar do teu prazer
Depois te envolver
Na musicalidade que tem uma paixão
Escutar as batidas do coração
No culminar da nossa ousadia
Tic ...Tac..tic...tac é um mar de( amar )
A loucura de beijar o baixo ventre
Numa calma aparente
Trocamos os olhares e tudo recomeçou
Caíndo gotas de orvalho que refrescam
Quem se deseja e ao amor se entregou
Num jogo de sedução
A roupa expalhada pelo chão
O cheiro a incenso de morango
Foi o dia a noite de todas as noites
Em que eu simplesmente queria dançar o tango
Sentir o teu corpo no meu
As pernas se trocarem em delírios
Sem sairmos do mesmo lugar sabemos
Que tudo aconteceu
Num dia em que o céu estremeceu
Cá em baixo o êxtase foi o trumfo
As horas deixaram de ser segundos contados
E nós amores desencontrados

Anabela Fernandes 





 TUDO SUCUMBIU

Amar-te é bom em qualquer momento
É calmaria, é vendaval sem tempo
Que acontece de uma forma inesperada
É desejo, volúpia, mistura de sentimento
É rouco sussurro, doce lamento
É sentir-me deusa ou simplesmente escrava
… a água escorre-me pelo corpo quente
Um banho gostoso no final do dia
Tu entras em casa feliz, de rompante
E chamas meu nome com alegria
À minha resposta sobes a escada lesto
Entras na casa de banho, o semblante sorri
Brincas e dizes-me que não presto
Só porque não esperei por ti
Contudo, não te fazes de rogado
Despes-te e logo te juntas a mim
Teu corpo fica como o meu, molhado
Me abraças, me beijas, começa o festim
Desenhas letras no meu corpo nu
Que ensaboaste com tanto carinho
Ninguém me excita como tu
Quando dizes amo-te, baixinho
Não consigo suster-me…
O teu é também o meu querer
Tua boca quente nos meus hirtos seios
Solto um grito felino, sou mulher
Tu provocas em mim, doces devaneios
E a ti me dou em consentâneo
O prazer é tal, como nunca se viu
Quando nos entregamos em simultâneo
… o céu, o mar, a terra, tudo sucumbiu.

Nnda Nanda Rochaa 





 Amei-te num beijo profundo
Percorri o teu corpo nu
Num silencio imaculado
Onde estava eu e apenas tu

Ouvindo o teu suspiro
Sentindo o teu corpo vibrar
É aqui que eu prefiro
Nesta carpete te amar

Sou um louco por ti
Gosto de afagar os teus seios
Mulher tão bela nunca vi
Amo-te sempre sem receios

O teu sorriso me dá prazer
Hoje, ontem e no passado
Ninguém precisa de saber
Que tenho um pensamento, assim ousado

Leio nas tuas linhas
Todas as tuas palavras
Um grande amor que me tinhas
E ao mesmo tempo, me falseavas.

José Martinho. 




"Hipotética epopeia"

Atapetada de raras plumas
Salgadas algas marinhas de vida
Adormecida em colcha de espuma
No marulhar de esteira colorida

Que o começo seja sempre afetuoso
De ondulações gigantescas de respeito
Entre os vencedores e marés vivas
Se embarquem por serem os mais afoitos

Tragam vagas almofadadas de colos
Aconchegante e felicidade a transbordar
Muito provavelmente vão em intempéries
Que desgastam e desfalecem no mar

Antes porém adormecidas estão
No embalar de cantos de sereia
Quando as odes de uma epopeia
Sincronizam a vitalidade na areia.

Lurdes Bernardo 







“NOITE”
Viciosa
Abraço de paixão
Bálsamo da alma
Apelo ardente
De amor pungente
Paraíso natural
Luz incandescente
Noite
De amores loucos
Odores noturnos
Amadurecidos na dor
Clamam os sentidos
No prazer de amar
Noite
Mulher flor
De odor sem igual
Mulher amor
Sensual e glamorosa
Amadurecida pelo amor
Mulher fervor
Deixa fogo onde passa
Ateia a madrugada
Noite
Inflamam chispas
Nos poros fundidos
Que se moldam na noite
No corpo que arde
No beijo que aquece
No amor que enlouquece
A madrugada sensual…
Amanhecemos amando…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 





"Tão cheia de mim"

Sou o teu querubim,
repleta, cheia de mim!
Sou aquela que te vira às avessas!
Às cegas! Sem pressas,
num intenso festim!
Sou o raio que te consome!
Te come!
Num total frenesim.
O teu olhar dá-me fome,
água na boca...
...sou tão marota!
Ficando tão cheia, de ti assim!

Arre!... De tão cheia que me sinto, sou meia metade de mim!
Completa! Inteira! Marota!
Com água na boca!...

...o teu olhar dá-me fome,
num raio que nos consome!...
Às cegas! Sem pressas!
Te viro às avessas, num total frenesim!
Repleta! Completa! Tão cheia de mim!

Sou aquela tão cheia de ti assim!
Me fiz tua, completa, repleta...
...sou o teu... querubim.

Autora: Fátima Andrade 





 ÁGUA CORRENTE

Apetecia-me ser água corrente…
a água de banho que percorre teu corpo
invadindo cada segredo
dos teus detalhes e recantos,
a água que desliza em todo o teu corpo
e beija toda a tua intimidade,
água pura que pode até ousar
invadir-te e entrar em ti…

Fosse eu água corrente…
e não pararia de correr
até que corresse em mim o teu prazer,
até que secasse a tua fonte…

Celso Cordeiro 




 AMOR POEMA.

Tão breve o dia
O eco abraçado à luz entardecia.
Suspensa na luz que se movia.
Palavras de amor, beijos calidos,
Vestidos de cor...

Nada mais a escutar amor.
Entre juras feitas com paixão.
De joelhos perante o sol poente.
Pediste a minha mão.

O tempo parou!
A luz ensandeceu.
EU! Perguntei,
Será para toda a vida?

Teu olhar aceso respondeu.
Beijar-te-ei,
Nunca perto de mim te sentirás perdida.

Ergueste os braços,
Colheste a estrela já nascida.
Inclinado sobre a terra arada.
Pediste, deita-te.
A estrela na fronte me pousaste.
Depois de beijo em beijo,
O corpo, jovem e branco desnudaste.

O sol poente deu ao lugar cor.
Ouro antigo, éramos já nós.
A brisa teimava em brincar calada,
Eram só palavras de amor a entoar.
Na hora em que tu e eu amor,
Éramos suspiro...

Eu flor,
Tu o amante perfeito,
Era tempo do sonho.
Já o luar fiado de prata era segredo,
As trilhas que nós decidimos caminhar.
Eram como constelações de astros acesos,
Que este esperançoso amor iam guiar.

Augusta Maria Gonçalves. 




O sol se escreve amor.

O corpo é primavera,
Que madruga de mansinho ,
Com o cantar do passarinho,
Na música ele se esmera.

O local será talvez,
O momento e o espaço,
Eu rosa em teu regaço,
Desfolhando uma pétala de cada vez.

Os sentires,amores perfeitos,
Num jardim de perfume em flor,
O sol se escreve amor,
Inventa-o de todos os jeitos!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana








 27-09-2018

 CUMPLICIDADE DOS AMANTES

Amo-te na quietude das noites
Amo-te no bulício das manhãs
Amo-te quando os dois afoites
Fazemos das dunas macios divãs
E o nosso amor é completo
Seja ele feito num lado qualquer
Estejas muito longe ou perto
Sei que serei sempre a tua mulher
Amo-te quando me acaricias
E me olhas com cobiça e ternura
No aconchego das tardes frias
Quando me levas à loucura
Sussurros roucos, sibilados
E apertas-me contra o teu peito
Beijos sedentos e molhados
Adoro que me ames desse teu jeito
Sem pudores, os dois desinibidos
Damos largas à nossa imaginação
Dizes palavras baixinho aos ouvidos
Que vão directas ao meu coração
Depois… depois tudo acontece
Volúpia, êxtase, supremo prazer
Entras em mim e assim permaneces
Eu a ti me entrego… a gemer
Sorrimos, e finalmente saciados
Sinto que te amo, mais do que antes
Ficamos ternamente abraçados
Na cumplicidade dos amantes.

Nanda Rocha 





 A SEIVA ALIMENTA A VIDA

Nas manhãs preguiçosas, ama-me
Fá-lo com fulgor, com paixão
A chuva cai lá fora…
Encosta o teu corpo ao meu
E mata a fome que tenho de ti
Beija-me e simplesmente sorri
Faz-me sentir a tua rainha
Deixa que em teus braços estremeça
Sacia esta infinita sede minha
Ama-me, deixa que em ti enlouqueça
Devagar, ao meu gosto, ou com pressa
Sem hesitação, mas ama-me
E quando terminares, recomeça
Leva-me ao céu, à loucura
E permite que te leve também
Encontra-me na tua procura
Sacia-me neste louco vai e vem
Dá-me amor e sexo na totalidade
Faz-me sentir tua na plenitude
Faz-me sentir que é pura raridade
O amor que fazemos a miúde
Nas noites longas e frias, ama-me
Com calor, com exuberância
Só tu me deixas de alma plena
Com o teu amor em abundância
Nas manhãs preguiçosas…
Ama-me, esvazia-te de novo
Faz-me soltar o prazer de forma gemida
Preenche-me que eu não consigo viver
Sem a tua seiva...
Aquela que alimenta a minha vida.

Nanda Rocha 




“Doce momento”

Meu coração tem aprumo
É gentil…e delicado
Entregue à paixão em lume
Está desvairando a teu lado.
Perde todos os decoros
Entrega-se sem pudores
Esquece o sítio onde está
Alheia-se a seus rubores.
De tanto ceder se rende
Sem mais querer disputar
Sente ainda que se prende
Mas não se queria magoar.
Mas é em teus fortes braços
Que sente o teu aconchego
Na paixão de teus abraços
Quer aliar-se sem medo.

Lurdes Bernardo 





 LUA SEMI-NUA

O piano ouvia-se na sala inteira, era linda a melodia .Eu estava rendida a ti .Esse teu ar juvenil apesar dos sessenta que te assentam bem como uma luva ,tens um corpo de fazer inveja a muitos miúdos ,cabelo dourado meio desconcertado ,olhar intenso que quase me desnuda a alma .
Ateias este fogo em mim ...tu sabes !

Era apenas mais uma noite em que te ouvia ,naquele bar ,na mesma mesa ,no mesmo canto ,sonhando estar contigo.
Sim ,olhar os teus olhos e ouvir a tua voz ao meu ouvido . Canta-me uma canção ...Sou tua fã....oh se sou amor .

Olhava o mar ,desviando a cabeça de ti por alguns minutos,de repente ouço uma voz
-Boa noite menina linda
Senti um arrepio percorrer a espinha de alto a baixo .Tu ali ao meu lado.
Respondi ,boa noite e sem nada pedires estavas sentado á minha mesa ,como se advinhases o meu pensamento.
Fluiu a conversa neste intervalo em que descansas ,pedi um Gin e tu uma água gelada .
De repente cai para o chão o guardanapo e ambos nos baixamos para apanhar ,tocamos um no outro e deu-se um clique daqueles que nos toldam a visão ,se entranham e arranham e só param quando se sacia a vontade .

Hora de voltar a tocar ,mais uma hora e terminas .
Aquele tempo de espera como te prometi foram séculos .
Terminado o espetáculo ,saímos para a rua ,deste-me boleia até casa ...falamos tanto que a viagem soube a pouco .

Hora da despedida ...não foi despedia ,subimos as escadas feito loucos ,despimos as roupas em uníssono e o tapete da sala felpudo foi a cama .
Fomos um vulcão em erupção,um Oceano de prazer ,uma onda gigante em mar revolto ....fomos o grito no infinito,as tantas luas semi -nuas em êxtase com o sol
Fui eu em ti a colcheia da tua partitura quando nos enrroscamos e demos asas á fantasia e este momento não foi mais que uma ilusão de quem está segura que tudo vai acontecer ... até porque ambos sabemos ....ser possível para quem Ama

Anabela Fernandes 






EU SÓ QUERIA.

Eu só queria tocar na tua pele
E sentir o teu belo cheiro
Eu só queria ouvir o teu coração bater
E voltar a sentir o gosto do teu beijo

Eu só queria que me beijasses
Deitada comigo na minha cama
Eu só queria que me amasses
Com fervor e muita gana

Eu só queria que tu viesses
Ter comigo sinto desejo
Gostaria que me desses
Prolongadamente um saboroso beijo

Eu só queria estar contigo
Nem que fosse só por um momento
Ficaria bem comigo
E acabava, com este sofrimento

Só eu sei quanto desejava
Na minha cama te voltar a ter
Onde outrora te amava
Momentos que nunca vou esquecer

Só eu sei o que é te ver
E não te poder tocar
Só eu sei o que é sofrer
Não poder te amar

Eu só queria te dar
Todo o meu coração
Os teus lábios beijar
Com amor e emoção

Eu só queria que fosse real
Tudo o que acabei de falar
Mas deixa lá, não faz mal
Porque não estás aqui, para me escutar

José Martinho. 





 NOSTALGIA

Está quente
e eu sinto um fogoso desejo por ti
assim tão caliente.

O que dizes???
Seguimos em frente!!!

Olha aqui o meu corpo sedoso de ti
Olha ... olha a tatuagem e a langerie
Olha...olha...olha... Vê-me, estou aqui.

Olha sabes... já me fartei de te chamar,
e sabes também... já me fartei de estar aqui
e agora inquieta e sediada de ti vou fingir que,
já não te quero amar.

Talvez por aí, tu venhas...!
Talvez me sintas, nas tuas entranhas
Talvez aí a imagem, mude de figura
Talvez possas vir até mim para me amares
e sentires a minha candura.

Não... não sou sou louca!
Apenas queria que soubesse que;
amar-te se tornou a minha mais doce
e eloquente ternura.

Florinda Dias 





“RENASÇO”
Renasço
No teu abraço
Na areia adormecida
Nas marés tardias
Na lua cheia
No sol poente
Repito-me em ti
Em pequenos nadas
Nos grãos de areia
No eco do trovão
Beijas-me
Agiganto-me nas madrugadas
Carente de ti
Olho o nascer do sol
Transformaste-o em amor
Renasço
Na minha praia
No entardecer da vida
Enrolo-me nas sombras
Espraio-me em ti
Mergulho no mar prateado
Perscruto a noite
Renasço
Nas sobras da vida
Solto-me e perco-me
No desejo do teu olhar
No toque da tua pele
Do nosso enrolar de corpos
Do nosso amor ardente
Resta somente…
Tu e eu…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 




AMOR ETERNO.

Um recanto e uma fonte.
Um chorar constante de uma fenda.
Musgo verde em capricho,
Decorava a gruta da princesa.

Dizem os mochos num piar.
Que a princesa mora no lugar.
Diz a lua que em segredo.
Veste de luz o príncipe que vem de longe
Para a amar.

Horas mortas,
O silencio brilha na água caída.
O luar se move feito véu.
A princesa espreita
Seu olhar é limo verde.
Se faz claridade.
Pois já entre os arbustos vem o amor seu.

Sentam lado a lado enamorados.
As mão entrelaçam,
E buscam o calor sedoso.
Dos corpos desnudados.
Deleitados na nudez dos corpos.
Elevam taças de suspiros.
Vêm no peito no lugar do coração.
Duas rosas de pétalas bordoux,
Unem os lábios, e nas rosas do peito.
Caem gotas de lágrimas,
Porque a morte de um destes amantes.
Interrompeu o romance
Que um dia a vida escreveu.
A coruja branca é testemunha,
Sabedoria é o seu lema.
Testemunha que no lugar
Se perpétua a lenda viva,
Sempre eterna.
É o recanto certo para amar.

Augusta Maria Gonçalves.





20-09-2018

TEU CORPO.

Teu corpo lindo e perfeito
Parece ter sido esculpido à mão
Quero possui-lo no teu leito
Com muito amor e paixão

Com uma pele fina e macia
Branca e muito bem cuidada
Os meus dedos a acaricia
E pelos meus lábios é beijada

O teu corpo é um monumento
Com um cheirinho a perfume
Merece ser amado a todo o momento
Pois ele é a brasa do lume

Quando o teu corpo nu o vejo
Fico bastante excitado
No peito sinto o desejo
De imediatamente ama-lo

O teu corpo desnudado brilha
É tão bom estar à tua beira
Fazer amor contigo é uma maravilha
E cheirar o teu perfume, da flor da laranjeira.

José Martinho,  





 MEU ANTRO DE IMORALIDADE

Teu corpo nu, meu antro de imoralidade
Tua pele morena meu castelo de prazer
Teu olhar puro, essência de verdade
Tuas mãos suaves me fazem sentir mulher

Beijo-te e com os meus braços te enlaço
Ficam meus seis hirtos e erectos
Dispo-me sem qualquer embaraço
Arfando te entrego meus afectos

É assim o nosso amor, o nosso querer
Sem reservas os dois nos doamos
Seja noite ou dia a amanhecer

Em surdina, sussurro mais ais
Amar-te é deleite puro que faz doer
E nos amamos mais… sempre mais.

Nanda Rocha






 SEM FUTURO, SEM PASSADO

Fazer amor contigo é indiscritível
É algo que sempre vou querer
É tornar real o impossível
É o teu corpo tão bem conhecer
Conheço-te tão bem quanto a mim
Cada centímetro da tua pele
Conheço o toque dos teus lábios de carmim
E o seu doce sabor a mel
Enfim, conheço-te bem, assim o creio
Mas confesso que por vezes sou surpreendida
Quando me arrebatas veloz, sem freio
E me deixas de amor a teus pés rendida
É sedução, ternura, excitação
É sentir-te em mim e querer mais
É luxúria, é loucura, é alucinação
É com prazer, libertar meus ais
É nunca de ti ficar saciada
É soltar na minha alma um grito
É saber que não preciso de dizer nada
Para que me leves ao infinito
É saber-te meu, ter-te na minha mão
É desta vida nada mais querer
É dádiva, entrega do coração
É ser tua e gostar de o ser
Por isso amar-te é indiscritível
É ventura, é também, talvez pecado
É saber que nada é impossível

É o agora sem futuro, sem passado.

Nanda Rocha 






Despi-me do preconceito.

Abro a porta de mansinho
Para que tu possas entrar,
Não te desvies do caminho,
Já me despi para te amar!

Despi-me do preconceito,
Tua condição não mais me interessa,
Só te quero a ti em meu leito,
De te amar tenho eu pressa!

Sei que o mesmo por mim sentes,
Teus beijos tão bem o sabem escrever.
Não escutes o que as outras gentes,
Andam de nós os dois a dizer!

Despidos somos iguais!
Temos todos a mesma vontade!
Os prazeres são transversais!
Não importa a cor a condição ou a idade!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 





 Jóia Rara

Lembro-me daquele dia,
em que vesti uma langerie
e me despi de pudor.

Lembro-me também a cor dela
ela tinha a cor do amor.

E depois, como que por magia,
usei também uma pérola vermelha; cor da paixão.
Langerie e pérola tinham as duas a mesma cor,
e nós amamo-nos intensamente de alma e coração.

Passou um tempo...!
e... continuamos a dar asas ao sentimento
e aí... a pérola e a langerie mudaram de cor
passaram a ser de verde esperança,
vesti-me para ti de cor esmeralda,
dando asas ao pensamento.

E nestas duas cores,
lembrei aquando me chamavas
de Flor-de-Liz.
Rosa perfumada de doces aromas e sabores

Vermelho e verde,
senti em ti a luz, um toque, uma afeição
passei a vestir outra cor ... amarelo, luz, Conexão!

E hoje guardo-te num desenho,
Revejo nele um arco-íris de amor.
Um quadro pintado, uma lembrança,
Sonhos que sonhei, que realizei,
Numa e(terna) e doce Paixão.

Hoje, a Tatuagem preta marca-nos!
E numa só cor... senti a Nostalgia
De um e de outro. DIA.

Florinda Dias 




“PRAZERES”
Sinto as tuas mãos em mim
Deslizas nesta estrada de seda
Conheces cada recanto, cada passo
Odores na minha pele macia
No meu rosto
Contornas as minhas rugas
Rastejas de mansinho
Beijas cada curva
Arrepio de prazer
Contorço-me em ti
Envolves-me faminto
Abraças-me
Momentos de paixão
Ternura e sedução
Embriagados neste amor
Emoções á flor da pele
Prossegues
Nos caminhos de mistério
Amamos completamente
Olhas-me nos olhos
Beijas minha boca
Selas o prazer…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 




Não sei quantas rosas eu colhi nem em que jardim tu moras, mas sei
que confundes-me...
Que o teu perfume embriaga-me...
Que o teu corpo é a minha casa!!.
Que nele, deleito-me...
Quando descanso na ânsia de te ter, em cada madrugada, morre
um pedaço de mim.
Não sei que nome darei aos teus olhos, nem como beijar os
teus seios de pérolas, mas
sei como dar ênfase e fragrância aos teus abraços.
A tua foto inebria-me sempre que os meus olhos te despem, mes-
mo que a distância
impossibilita aquele toque, aquele carinho e
aquele abraço.
Não sei quantas rosas eu colhi, mas sei que elas são
para ti.

José Maria... Z L 




 CANTATA.
No fim de tarde
Pelos caminhos.
O sol ainda brincava com as flores.
Já havia ouro, sementes...
Rosmaninho, aroma de terra, húmus, musgo flores.
Te fujo amor,
Riem teus olhos.
Num gracejo ardente tu me enlaças.
Ah! O rubor das romãs tenho nos lábios.
Nas tuas mão caricias gratas.
Aqui onde as macieiras são amantes.
De ramos entrelaçados, maças doces.
Sei...
Vamos ser outra vez anjos humanos
Vou deixar cair o véu transparente dos desejos.
Olha para mim, nua de receios.
Guarda esse olhar fogoso de mel,
Guardado-o amor sob a pele rosáceo dos meus seios.

Augusta Maria Gonçalves. 




13-09-2018 
 Momentos únicos
Vividos a dois
Porque quando se ama
Não se deixa pra depois

Depois pode ser tarde
E não passar de uma ilusão
É preciso aproveitar o momento
E não deixar fugir a paixão.

Uma paixão desmedida
Tem que se cuidar
Para não se perder a chama
De continuar a amar

Amar -nos loucamente
Até ficarmos estonteantes
E assim conseguir viver
Momentos escaldantes! !!

Autora...Lúcia Grijó 





FOI CONTIGO.

Foi para ti que plantei uma flor
Foi para ti que a perfumei
Foi a ti que dei o meu amor
Foi a ti que sempre amei

Foi contigo que vi a lua
Foi contigo que passeei nos pinhais
Foi a ti que te vi toda nua
Foi em ti, que vi uns seios divinais

Foi contigo que dormi
Foi contigo que fiz amor
Foi contigo que aprendi
Que a vida é bela e tem sabor

Foi por ti que me sacrifiquei
Foi para ti que nasci
Foi contigo que sonhei
Até hoje, não me arrependi

José Martinho. 





 PARA QUÊ COMPLICAR

Começo a ficar impaciente
Na noite escura te aguardo
Está calor, imagino-te e suspiro
Talvez não tardes a chegar
Talvez surjas ainda que tardiamente
E me voltes a amar
Desejo-te com a força dum vendaval
Desejo-te, nesta insanidade quase imoral
Talvez chegues antes da meia-noite suar
Para te puder abraçar
Para matar meus desejos
Para te ofertar meus doces beijos
Para ousadamente te despir
Olhar teus olhos lascivos e sorrir
Tocar teu corpo cansado
Beijá-lo e saber que logo fica recuperado
Quero-te e tu queres-me também
O desejo cresce a irracionalidade nos entorpece
E num acto de amar consentâneo
Nos entregamos num momento sem tamanho
Partilha absoluta de tudo o que há em nós
O mundo fica esquecido lá fora
Aqui e agora só existimos nós
Partimos os dois num sonho intemporal
Que de sonho pouco tem, estás aqui, és bem real
Sustenho em mim o teu querer, o teu sentir
E neste acto sincronizado de ir e vir
Sinto-me feliz, a levitar
À espera, à impaciência, precede o sorrir
Para quê complicar…

Nanda Rocha 





 NOITE DE OUTONO

No frio da noite, os corpos se aninham
transmitindo calor envolvente que nos penetra
até às almas e se dilui física e emocionalmente
num querer de amar, integralmente.
Os corpos se aconchegam na procura de beijos
ardentes e alucinados que nos percorrem,
suportados de desejos, interruptamente,
acumulados no decurso da espera ansiosa.
O aroma a alfazema recende ao teu respirar,
se diluindo na penumbra que nos cerca,
inebriando os sentires que em mim levitam
e a ti me conduzem, como guia promissor.

José Lopes da Nave 





“Reflexos ardentes”

Vejo a minha imagem
Na água cristalina do teu rio
Que corre sedento do meu amor
Abraço o teu corpo desnudado
E aqueço-o.

Desse torpor
Que ao rubro me enlouqueceu
Abro meu coração em chama ardente
Prestes a explodir junto do teu.

Crio um armeiro de arco e flecha
Para cupido
Me picar com sua seta
De um veneno que bebo só teu.

Me entontece a tua paixão
Me faz galopar o coração
Nossa chama me embriaga
Consome-me e não se apaga
Até a exaustão.

Lurdes Bernardo 





Linhas invisíveis

Em linhas invisíveis te escrevo
Vocábulos exaltados de primitiva paixão.

Peco, peço e prometo,
Em sopros de munidos de mel
As palavras geminadas na imaginação,
Enchendo de desassossego a tua ousada alma

Desfolhas comigo à pressa as páginas...
Fiquemos no verso da última folha
Onde a adrenalina escorre pelo corpo,
Onde nos esculpimos insanos
No emaranhado fecundo das emoções

Pedes, prometes e pecas
Entre imagens sobrepostas
E desejos latentes viciantes
Dando um subtítulo à obra mestra

Entre linhas invisíveis me escreveste
Trocadilhos incontidos de prazeres

 Rute Pio Lopes 





 TE GOSTO

Tocam os acordes
Na minha imaginação
São guitarras a trinar
Numa noite de luar
Onde o céu beijou a lua
Se perderam feito loucos
Entre as mãos que dançaram
com magia
No meu corpo que termia
Junto ao teu que é vulcão
Ondulamos no vai e vem
Dos beijos tão gulosos
Nos lábios que são só nossos
Perdemos a noção
Do tempo em contratempo
Tu queres e eu também
Ter o êxtase de prazer
Do amor em primazia
Na paixão ainda virgem
Tão serena e tão pura
Vi agora a tua imagem
Na lua que me encanta
Sorriu em confidência
Disse aquela nossa frase
Te gosto ....mais que um momento
Te amo ...mais que um segundo
Te desejo ...mais que o mundo
Onde só cabemos nós dois
Libertos sem amarras
Dando voz ao sentimento

Anabela Fernandes 





Almas gêmeas

Mãos tão eloquentes,
Almas gêmeas se seduzem.
Carícias e beijos quentes,
Em felicidade se traduzem.

Os lençóis de cetim,
Rodopiando com fulgor,
Roçando em ti e em mim,
Testemunham nosso amor.

O relógio TIC, TAC, TIC
Está o dia a amanhecer.
Me diz baixinho que fique,
Dando asas ao prazer!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 






 DESVENDA TEU OLHAR! AMA.

Já abre amor a flor da madrugada.
Singela, rociada.
Acorda amor, acorda e vamos.
Pelas trilhas insonhadas.
Sabes?
Ontem ao fazer a festa do amor,
Nós combinamos.
Que hoje partiriamos.
Sim!
A procurar.
O céu mais azul que o habitual.
O mar franjado de rendas, o cheiro a sal.
Ah! No caminho amor,
Beijos foram tantos como amoras.
De flores campestres fizemos um colar.
Refrescamos a boca no riacho,
Que sabia o caminho para o mar.
Já avistamos miradouros na falésia.
Num rir de felicidade, num abraço.
Foi chegando a hora azul,
Num silencio apaziguado sem igual.
Enlaçada eu pela cintura.
Meus olhos nos teus já navegando.
Deslizaram os véus que nos vestiam.
Tinhamos a nudez angelical, de estátuas vivas,
Eu decorei de brilho o olhar.
Tu te deste á grande aventura
De me fazer mulher feliz
No teu jeito carinhoso de me amar.

Augusta Maria Gonçalves 




 Em ti adentro

Sempre que um seio
…Meu
…Toco
É a tua mão
Que me guia

Estando tu
Presente
Ou ausente
…sinto-te
Presente só vaga
Na escura
….madrugada

Pelo que lembro
Das noites
…Que foram
….Ou dos dias
Que ao serem
São presentes

De cada vez
Que …fecho os olhos
E logo os teus olhos
Me …olham

…Fogueira vadia
Numa praia fria

…é rouca a voz
Com que murmuro
…que venhas
…Urgência tamanha

De Cada vez
que fecho os olhos
é a tua boca
que percorre centímetros
….Meus
Que se soltam de mim
E escorrem

Como água sem carreiro
Por um corpo
… Que é meu
….e desconheço
Quando
Não te penso

Cada vez que a cama
Me aconchega
E…. lembro-te
São as tuas ancas
Bailarinas nas minhas
São tuas pernas
Heras em chama
Que enroladas
… tremem

Enquanto as bocas
São filhas sedentas
São poços sem fundo
Onde o clamor
Nesta insana entrega
…nada faz sobrar
…nada deixa existir
…nada é presente

A não ser
Tu e eu
Suando
e manchando
Cada pedaço do espaço
Que nos acolhe

…deixamos a mente
…deixamos a razão
E em união
Onde o físico é só
Uma palavra

…somos unos
…somos entranhados
…somos a porta e a chave
A rosa e o cravo
O forno e a fagulha
…que irrompe
…intempestiva
Numa orgia a dois
…sem conta
…nem medida

ANA MARQUES   




 D' Alma
Escalda-me os sentidos ao pensar em ti,
Escalda-me a vida ao pensar,
os momentos que contigo perdi,
Escalda-me a invasão do tempo,
ao pensar, assim.

Nos...! ''Momentos Escaldantes'' que o tempo levou!
Nos...! ''Momentos Escaldantes'' e o que na minha memória ficou.

Leva-nos a vida
e a idade também,
leva-nos o tempo
aqiele que a vida tem.
Leva-nos tanta coisa por aí,
numa amada recordação
leva-nos tanta coisa por aí,
numa única e amada paixão.
Amados foram os momentos, esses:
em que me entreguei de alma e coração
e o que é que ficou deste momento escaldante...!!!
Ficou uma cicatriz, essa que o tempo...!
Não apaga, Não.

Florinda Dias 





“ACORDAR”
Oiço o barulho da rua, em camara lenta
Os carros buzinam
Volto-me para o outro lado
Amanhece tarde
Está calor, ardo em paixão
Abro os olhos, estás a meu lado
Ainda dormes, calmo e sereno
Indiferente aos ruídos que passam
E ao meu desejo de amar
Que não invadem os teus sonhos
Descanso a cabeça no braço
O sol rasga-se num sorriso
Entrando pela abertura do cortinado
Faz arabescos na parede
Denuncia o amor, que baila em mim
Nestes lençóis enrodilhados
Perna para dentro
Perna para fora
Abraço-te, enrosco-me
Tens um ar feliz, não resisto
Acaricio o teu rosto
Os teus cabelos
Gostava que os usasses
Comprido atrás e fizesses um rabicho
Ris-te sempre que digo isto
Despertas, enroscamo-nos um no outro
Balbucias e não te percebo
Viras-te e puxas-me para ti
Beijas-me sofregamente
Aninhamos o desejo presente
Respiro a alegria de te sentir em mim
De saber que estás aqui…amamos…
Até o dia nascer e sorrir…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 




 "Tango"

Apanha-me se puderes.
Faz de mim o que quiseres.
Aproveita, não te desleixes.
Sozinha não me deixes!
Anda comigo brincar
E fazer diabruras
A cama escangalhar
De tantas loucuras.
Não tenhas maneiras
Tira daí as ideias
Eu, tu... Nós
Vamos dançar este tango feroz!
Trago-te pelo beicinho
Comigo, não te faças de santinho!

Autora: Fátima Andrade 





 O teu abraço

O teu abraço apertado
Faz-me sentir segura
Faz-me sentir amada
É um sentimento
Que a mih’alma sente
Fico em silencio
Sentindo o teu abraço
Sei que é de amor
Sei que é sincero
E Inflama a chama
Dos nossos corpos
Que se elevam
Para além vida
Mesmo que passe
Uma eternidade
Ninguém nos pode separar
Nem o vento que passa
Que tudo pode levar
Mas
O teu abraço
Fica tatuado
No meu ser
Para sempre
para que eu tu
Possamos -nos
Lembrar
Eternamente
Do
Nosso abraço apertado-

Mila Lopes 












 06-09-2018
COMO É BOM TE AMAR.

Como é bom te amar
Sentir o teu sabor
No campo ou à beira mar
Nas noites de calor

Amar-te de qualquer jeito
Amar não tem preconceito
Sentir o teu peito no meu peito
Quando em cima e ti me deito

Sentir o teu corpo vibrar
Os teus braços a me abraçar
Os teu lábios a me beijar
E as tuas pernas nas minhas a entrelaçar

Sentir o meu rosto afagado
O meu corpo com os teus dedos percorrido
A sensação de ser amado
E o prazer sentido

A tua vontade de me amar
O teu desejo a tua entrega
No campo ou à beira mar
Nunca podia, levar uma nega.

José Martinho 





 DESAFIO
Adivinha.
Pois a venda de seda opaca é minha.
Mas amor,
Brinca comigo e adivinha.
Qual é curva mais perfeita deste ser?
Ris e rio...
Adivinha!
Qual é a flor para mim mais perfumada?
Não rias adivinha.
Pois...
É flor de laranjeira do quintal.
Essa de pétala branca miudinha.
Cujo aroma na noite é divinal.
Já as tuas mãos tiram a venda.
Já a nudez branca adivinhaste.
Já a porta se abriu na noite casta.
Sigo por tua mão segura e sonho.
Que teu adivinhar já me não basta.
E lá no chão do laranjal.
Fui a laranja sumarenta,
Que saciou teu olhar...
Embora a noite escura fosse venda.

Augusta Maria Gonçalves. 




 INTENSO MOMENTO DE AMOR

Deixo-me ficar nos teus braços
Que me envolvem com ternura
E me deixam toda rendida
Aos caprichos da tua loucura.
No meu corpo inquieto e despido,
Cresce o desejo que o teu incentiva
E vai aumentando o pulsar
Dum coração que, em cada batida,
O deixa cada vez mais louco e à deriva
Num mar de intensas sensações,
Levando a todo ele se entregar
Numa desmedida vontade de te amar,
Sem tabus, preconceitos ou limitações.

E não há unidades de peso ou de media
Que possam, em mim, quantificar
A intensidade com que vivo o momento
Em que me fazes sentir invadida
Por um clímax que só nós sabemos alcançar
E vivemos como um furacão violento.

Depois ficamos lado a lado, deitados,
Com a respiração a tentar se recompor
E com os nossos corpos suados
Dum intenso momento de amor,
Sentindo os fluidos que partilhámos
Deslizarem pela pele quente e nua
De amantes que foram a tudo alheios,
Apenas nos seus sentires embrenhados,
De almas e corações cheios
E sentindo o outro como uma parte sua.

Dulce Paixão (Pseudónimo de: Albino Teixeira Dias) 






Mascarilha

Cinco pontas ágeis
Dezoito pontos tácteis
De muitos imagináveis.

Conto-vos um conto
De quando em mim os encontro

Era uma vez um gato, mascarilha de pêlo negro
Olhar guloso de luxúria, garras bem afinadas
De ronronar inaudível, entre pernas acetinadas
Faz milagres na minha pele, e cresço e alegro

Usa delicadamente os bigodes,
Pedes, deves… podes, podes,
E a língua macia, quente e húmida
Faz de mim falsa tímida
Lesto, faz o resto,
Deita e ajeita que é hora,
De te alimentares da taça, mando agora
Bebe regaladamente do meu vil quente
Enquanto brindo, eloquente

Conheço esse teu miar
Pode, podes continuar…
Trepa, faz por manter, esse passinho lento
Patitas ásperas, frescas, marcam o alento
Meu feroz e expressivo bichano
Não sou tua por insano engano

Sinto o teu longo dorso eriçado,
No corpo inteiro o gosto, alem de afiado
Impeço-te de me arranhar
Aguço-te mais o ímpeto de entrar
Emaranha por mim, entranha, num impulso
Em ti me enrosco e te afago, leve, livre e expulso

E depois à minha cabeceira,
Por fim assim descansou…
Do maior privilégio, o meu eleito régio
Por fim amansou…

"O Gato Comeu”
Era Uma Vez…

 Rute Pio Lopes 





***Amanhecer apaixonada***
Esmorecia o dia, profundo e triste
Escurecia... e eu só e desalentada
Contemplei a noite intermitente,
Ora estrelada, ora nublada
Pela névoa ondulante e agitada.
E foi no escurecer que surgiste
Ouvir-te... Iluminava-me
Aquecia-me e abraçava-me
Imaginar-te perto sufocava-me
Palpitante desentrapada
... inquieta... irrequieta, abrasava
No peito eras fogo a deflagrar
Respirei ávida a fresca brisa do mar
Que eu tanto demandava
Só nessa brisa amainava
A dor que já me queimava.
E ao sobrevir a madrugada
Rendida, faminta fascinada,
Confessei-me apaixonada…

Penetrou luz no meu coração
Nos céus na terra da imensidão
Senti estrondos e um clarão
Minha alma rejubilou, enfim
Ao vibrar no peito a paixão
A vitalidade agarrou em mim
Nem que fora só imaginação
Precisava sacudir-me assim

Mas a anunciada madrugada
Óbvia de nuvens alvo marfim
Delatara minha glória ideada
Que à crua luz do dia era nada
Mas agora sei que sim.
Preciso sentir-me assim
Apaixonada vivificada
Nem que eternamente desenganada
Pelo fim cruel da luz da madrugada
CAMILA CARREIRA 





O sonho da pele

As sombras na noite,
Se desejam se entrelaçam,
Se beijam se abraçam,
Em mútuo afoite.

E cingem o corpo,
Se moldando ao prazer.
O verbo acontecer ,
Ali não está morto.

São cálidos os beijos,
Porém tão ardentes,
Nas sombras errantes,
Permanecem os desejos.

Talvez seja ela e ele!
Um serás tu e eu!
A vida não pereceu!
O desejo é sonho da pele!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 





 "Juntos"

Dou-te um toque
Levando-te a reboque
Nas asas de um turbilhão
Na mão, feita coração
Meu amor de perdição.
Envolto-te num abraço
No meu colo e regaço.
Dou-te um beijinho
Apanhando-te direitinho
De ti, faço o meu ninho...
...Xiu... Não digas nada!
Deixa-me percorrer a tua estrada
Na noite pela calada,
Onde o amor se liberta
E em nós, o desejo desperta
queimando com prazer o pavio...
Deixa... Deixa correr este rio
sem nada dizer...
Deixa-me apenas ouvir,
os nossos sussurros de prazer.
Dou-te um toque
E levo-te a reboque
Cavalgando o corpo teu
E sem nada mais dizer...
...voo contigo, até ao céu.

Autora: Fátima Andrade 





“DESÇO AS ESCADAS DO TEMPO”
Desço as escadas do tempo
Tempo que não é só meu
Corro
Tropeço
Mas continuo a correr
Até á porta dos sonhos
Onde me aguardas
Sorris
Preciso de ti
Sentir-te em mim
Sermos só um
Envolver-me no teu abraço
Beijar os teus lábios de paixão
Segredar-te ternura
Sinto que a noite é nossa
Nada nos detém
Esta loucura
Esta volúpia de amor
És o meu deleito
Pronuncio palavras loucas
Vivo e morro em ti
Dizes-me que me amas
O sonho não tem hora
A noite não tem fim
A madrugada vem longe
A noite é dos insanos
Somos tu e eu
Nesta noite só nossa…
De desejos e prazeres…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 




Vem amor,
a noite é uma criança
vem na sombra da madrugada,
vem, sem qualquer má lembrança,
vem, na noite de verão ensolarada,
vem, sob o brilho das estrelas,
vem, e vamos bailar como elas,
vem, vem ver a lua parada,
vem ver como ela deslumbra,
para nós o seu luar,
vem, ver só como ela forma
o verbo de saber amar,
vem, entre o claro e o escuro,
vem, entre a terra e o céu,
vem, na brisa que procuro,
sinto o teu aroma no ar,
vem, vem ser só tu e eu,
vem, sentir o meu coração,
vem ver como ele bate
á força de emoção,
vem, no crepúsculo
de esplendor,
vem, vem dar largas
ao nosso amor...

Dia 06 de setembro 2-18

Arminda...T.G.L... 




 SONHO PERDIDO NO TEMPO

Num Momento Escaldante,
tomei a dianteira e fui por aí adiante.
Sorri e tu sorriste também,
ohei-te e tu... Mostraste-me o encanto que a vida tem.

A partir daí, eras tu e eu em pensamento ;
e a cada momento que passava, era só eu e tu;
e num amor saciado de paixão;
nós amamos-nos, esquecidos do tempo
dando calor ao sentimento aquando nossos corpos!
Eram só um.

Olhava o teu corpo nu!
Pintava-te num quadro dourado,
e espelhavam-se, assim as nossas almas!
Num amor com sabor a pecado.
E eu... eu sonhava, tinha saudades daquelas tardes!
as que passavam tão rápidas, as que eram tão estasiadas;
e ao mesmo tempo, tão calmas.

Ah Deus como me lembrei...
Daquele sonho que tive um dia...
Aquando um dia contigo eu sonhei.

Aquando sonhei que o amor existia
Aquando sonhei que tomei a dianteira
Aquando a vida me deu uma rasteira
Aquando por ti um dia... Por amor eu Chorei.

Florinda Dias 




 Meu temporal onde me agito

Amor é
Sentir
o teu perfume
nas minhas mãos
e a magia das tuas.

Amor é
O teu jeito
sensual
dos momentos
vividos a dois.

Amor é
a paixão
e as tuas caricias
antes
e depois.

Amor é
Esse teu olhar
que me despe
ás vezes
sem me tocar.

Amor é
As palavras
ditas com carinho
quando me chamas
devagarinho.
___________*__________

Meu amor * Meu grito
Meu temporal * Onde me agito.

Mila Lopes 





 QUERO-TE

Quero-te assim amor
...
Quero -te...
Meu amante
Sobre nós caem
Desejos em cascatas...
E...
Nós deitados
Em lençóis de linho
Bordados
Com a luz dos teus olhos
Debruados
Com mil beijos doces...
A nossa boca...
Molhada pelo desejo
Envolvemo-nos
Na brisa suave do amor
Tendo como testemunhas
A lua...e as estrelas
Que coram...
Ao ver-nos
Delirar com o desejo...
...do amor...
E...
As nossas juras
Escorrem
Por entre os dedos
Feitas água cristalina
Em cascatas de amor celeste
E...
O tempo
Adormece profundamente
De cansaço
Testemunhando
A nossa noite
Ardente de amor
...
Meu amor
Meu amante.

©Rosa Couto




 12-07-2018

A imensidão do mar,
E a sua calmaria ,
Nos acende o verbo amar.
Logo ao raiar do dia.

A noite foi despida,
Nossa cúmplice foi a lua,
A areia remexida,
Foste meu e eu tua.

As estrelas se enfeitaram,
Com seus melhores vestidos,
Toda a noite escutaram
Os teus e os meus gemidos.

E o mar tocou,cantou e dançou,
Todo ele foi uma orquestra,
Por nós se apaixonou!
Nunca houve noite como esta!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 





Desafio-te...
Fecha os olhos...
Sente as minhas mãos em ti...
Percorrendo o teu tronco lentamente. ...
Centímetro a centímetro sem pressa. ...
Aprecio-te....
Com sensações aos molhos...
Paro e recomeço aqui e ali...
Beijando-te as costas suavemente. ..
E eis que a excitação começa. ...
Sinto-te estremecer. ..
Queres parar e ao mesmo tempo derreter. ..
Sobe o nível do prazer..
E a pele começa a dar sinais de enlouquecer. ..
E eu continuo este jogo de sedução
Quero arrepiar-te e encher-te de tesão.
E vou percorrendo o teu corpo como um mapa
Por caminhos que tão bem conheço
És o meu livro, leio-te na contracapa
E ao sentir-te arrepiar também estremeço...
É chegada a tua vez de me explorar
De centímetro a centímetro me beijar
Fico quieta apenas gozando esse prazer
De te ver deliciar no caminho a percorrer. ..
Sinto-te já faminto
É verdade, não te minto
Vamos perder o juizo
Olho para ti provocante
Com olhar doce e penetrante
Já vale tudo, eu autorizo!
E entramos no jogo um do outro
Ambos queremos chegar ao paraíso
Vai subindo a adrenalina a pouco e pouco
E a roupa desapareceu sem dar por isso. ...
E deixamos-nos levar pela loucura
Em beijos doces, picantes, cheios de intensidade
Desejamos ardentemente perder-nos um no outro com ternura
E é isso que fazemos na realidade.
Perco-me em ti para em ti me encontrar
A alma sorri na conjugação do verbo amar....
Isabel Susana Marouço 





Pó de arroz

Passinhos lentos... nostálgicos...
Pequenos círculos desenhados
no chão que nos perde...

O abraço longo... afago,
infinitamente apaziguador,
Do tempo, da distância, da saudade,
protector de todos os elos
Sela o mais puro dos sentimentos

Toca-nos profundamente o beijo
Toque ligeiro...quente...queima.
E assim,de imediato,a ávido
Incitador, longo... Inebriante,
Arrebatador, desejo.... paixão.

Os lábios trocam, suaves, o beijo
As mãos tocam, dedo a dedo, ligeiro

Procuro-te... Encontra-me...

Dois corpos reflectidos
Em perfeito jogo, cingidos
Na sensualidade do movimento
Silhuetas unas
Na dança lânguida,
desejavelmente lenta,
Desejavelmente ardente,
Desejada

Incendeias-me
(in)corporas-te
Enlaçamo-nos
Numa bela e amantíssima fragrância
Num vaivém de bem-querer
Numa dança de ritmo audaz
Onde o tempo é insano e os sentidos se evadem

Rute Pio Lopes 




AMOR E SEXO.

Existem mulheres bonitas
Existem mulheres maravilhosas
Existem mulheres catitas
Existem mulheres dengosas

Existem mulheres inteligentes
Assim como tu meu amor
Também existem mulheres carentes
Por falta de fazer amor

Amor é pensamento
Também pode ser uma novela
Se não for feito naquele momento
Adeus vindima, que lá vai ela

Sexo é imaginação
Amor é para sempre
Sexo umas vezes faz-se outras não
Amor está sempre presente

Sexo vem de outros
Rapidamente vai embora
Amor vem dentro de nós
Porque dentro de nós ele mora

Amor é mesmo isto
Sexo é com disse
Amor na vida está previsto
Fazer sexo dá chatice

Também pode dar prazer
Quando feito devagarinho
Quem vos está a dizer
É o vosso amigo Martinho.

Já estou um pouco velhote
Se não fizer sexo não faz mal
Mas ainda vou procurando a minha sorte
Tal e coisa, coisa e tal

José Martinho. 





 HARMONIA

Suave tempo, o imaginar-te,
em mim pensar-te,
fechando os olhos, sentir-te,
com os braços abertos, esperar-te,
alegria no teu rosto, causar-te
num imaginário beijo teu, desejar-me.
Deslumbramento!
Despertaste os meus olhos, como uma primavera precoce,
em apelo de amor que esperava ouvir,
na delonga de sensitivos ventos,
alegre fonte de vida, fizeste minha alma sorrir.
Como aurora de amor,
trouxeste a vida,
o início de uma melodia,
a despertar-me
a fantasia.
Olhei-te, olhaste-me.
Converteste o tempo, em harmonia.!

José Lopes da Nave 




“DISPO A TERNURA”
Dispo a ternura
Visto-me de amor
Mascaro-me de musa
Desnudo-me de mim
No silêncio da noite
Aqueço o sorriso
No teu olhar terno
Apetece sempre amar
Nestas doces madrugadas
Em que o amor acontece
Entre ondas de caricias
Sensualidade à flor da pele
Enlaço de corpos
Toques suados
Num enfase sem fim
Loucos de paixão
Vagueamos até ao infinito
O silêncio acalenta a noite
Como folha despida
Nua de preconceitos
O amor tem muita sorte
É abençoado pela lua
Que espreita matreira
Pelas frestas da janela
Sorri babada
Invejando a sorte minha
Não lhe ligo
Só te agradeço a ti
E ao nosso amor…
Só porque amamos…
“BRASA”MAGDA BRAZINHA 




 POEMA TRISTE

Hoje senti o vento me acariciar o rosto
Beijar os lábios com sabor a maresia
Como naquele dia em pleno Agosto
Onde o deleite entre os corpos foi alegria

Senti a dor do passado muito além
Deste espaço que é a memória já cansada
Do amor que eu falo e sinto sem desdém
Queimando as horas de um dia já amada

Relembro os teus braços onde estremeci
Na areia que foi manto e nos ouviu
Sussurrando delírios de paixão q'ue não esqueci

Entre olhares fomos um só vulcão em erupção
Beliscando tal prazer com tanto brio
E hoje....pois hoje, fica apenas a recordação

Anabela Fernandes 





DEBRUÇADA À JANELA

Debruçada à janela
Fantasio as lembranças
De quando te apaixonaste, um dia,
Pelas minhas belas tranças.

De belas tinham mais que eu
Que poucos olhares atraía
Até que tu apareceste.
Nesse dia renasceu
Algo que em mim exista
Num livro que abriste e leste.

E como soubeste ler…
Mas também interpretar
O desejo que eu tinha de te ter
E a sede do meu corpo saciar.

Depressa nos conhecemos
E no caminho do amor
Demos passos de gigantes.
Nesse caminho crescemos
E vivemos sem pudor
Momentos loucos e escaldantes.

Tinha, nua, nos meus braços,
Todo o teu corpo despido
Que se enroscava num frenesim
E desbrava vastos pedaços
Do meu que, completamente rendido,
Te tinha todo inteiro em mim.

Ficávamos molhados nos fluídos
Que dos nossos sexos brotavam
E das bocas que sofregamente se beijavam.
Os odores por nós sentidos
Tinham a pujança dos nossos gemidos
Que nenhum estrondo abafavam.

Eram assim os nossos momentos
De amor e de paixão
Que vivíamos com uma intensidade singela.
Foram levados pelos ventos
E hoje vivo-os em terna recordação,
Debruçada à janela.

DULCE PAIXÃO (Pseudónimo de Albino Teixeira Dias) 





 HÁ MOMENTOS

Há momentos em que o silêncio fala
As palavras se calam
Para escutar a cadência dos corações
Os corpos se abraçam, se roçam
Se embalam em doce melodia
Os lábios se tocam levemente
Depois em loucura se procuram
Beijos molhados, roucos gemidos
O prazer, o arfar, os sabores proibidos
O saber que se dá tudo e querer dar mais
O sussurro, o deleite, os ais
O Silenciar do grito…
A vontade com que fico
De te voltar a amar, de querer mais
É momento único, invulgar
É o meu e o teu momento
Aquele em que damos forma e cor
Ao verbo amar e ao nosso amor.

Nanda Rocha





Pintei-te na tela da vida...
Na profundeza dos meus olhos, como se fosses uma boneca
de fogo.
Para que não partas, para que eu não te perca, tenho-te
dentro dos olhos...
Na certeza porém de que és a estrela que eu abraço na
finitude das noites.
Poderá ser o desejo ilusório...
Mas és a fantasia escaldante dos meus sonhos.
É tão fugaz quando olho para ti... e
relembrar-me-ei da ternura com que eu te pintei, que me dá
vontade de pintar o mundo em ti: ou
todo o mundo de ti.

José Maria... Z L 





 Estes...Somos nós

...Estes...somos nós
Com sorrisos adormecidos no rosto
E gosto...de pêssego na pele
Cheia ela...de cheiros agridoces
De sabor deixado...no olfacto
Com odor...do amor
E no olhar... estrelas ensonadas
Quase apagadas
Quase escondidas
Pelo acordar...das madrugadas
Proibidas
...Estes...somos nós
Perdidos algures no tempo
E no espaço desfolhado...do amar
Entrelaçado...de segredos
Na confiança mágica...do soltar
Dos medos...do roçar das mãos
No tocar bailarino dos dedos
Na liberdade...dos corpos...somos
Respirares compartilhados
Ofegantes... navegantes
Em mares afogados de braços
Num deslizar da alma
Acordada nos sentidos nervosos da pele
Somos noite...a parte perfeita do dia
Ela nos absorve...e nos guia
Pelo silêncio dos sorrisos adormecidos
Nos rostos extasiados...
E nos corpos bem amados
Entorpecidos pelo sabor...
Da energia do amor
...Estes...somos nós

Fernanda Carneiro Jacinto





05-07-2018 

 RECORDA-ME O QUE OUTRORA SENTI...

Vem... Chega-te a mim devagar...
sem pressas tira-me a roupa
quero sentir o teu tocar
numa ânsia quase louca
de vontade de te amar
procurando a tua boca
pra o doce néctar provar.

Vem... A espera começa a amargar...
tudo em mim chama por ti
aperta-me até sufocar
quero-te de novo aqui
no meu corpo a mergulhar
recorda-me o que outrora senti
quero de paixão me afogar.

Vem... Envolve-me no o teu ardor...
acolhe-me em ti agora
prova de mim o sabor
o vento calou-se lá fora
e o dia tem mais calor
que a magia desta hora
seja a celebração do amor...

Aida Maria (Aida Marques) 





Sinto as tuas mãos no meu corpo
E o desejo começa a subir
Já nem sei como me comporto
Apenas que já não suporto
Estar aqui sem te sentir!
Encostaste a mim provocante
Sinto-te...
Fazes-me suspirar...
Dizes-me ao ouvido algo picante
Mordo o lábio ....
Desejosa de te amar....
Tocas-me...
Provocas-me ....
Arrepias-me....
Já não consigo resistir. ...
Toco-te....
Provoco-te...
Arrepio-te....
E adivinho o que vem a seguir. ...
A roupa está a mais....
O calor é demais. ..
O desejo é sem fim
De te encaixar em mim....
Mas sigues provocando-me
Gosto dessa sedução
Um beijo aqui e ali
Pequena trinca na orelha
E onde vai essa mão. ....
Estou quase a derreter
E tu continuas a me aquecer
Levantas a ponta do véu
Perguntas "queres que seja teu?"
Ouves a minha respiração ...
Nem precisas de confirmação. ..
Fico à tua mercê. ...
Faz o que quiseres de mim
Sem explicações nem porquê
Só tu me deixas assim
A ferver, em ebulição
Uma bomba pronta a explodir
Tocas-me o corpo e o coração
Dás-me prazer e Fazes-me sorrir!
A roupa cai lentamente ...
Beijas-me suavemente. ..
Tocas-me delicadamente. ..
Seduzes-me propositadamente. ...
Fico efervescente. ..
Confundes-me a mente...
O corpo todo te sente...
Te deseja intensamente. ...
E entras nas minhas entranhas
Provocando maravilhosas sensações
E os gemidos moveriam montanhas
Ai meus Deus as tuas provocações. ...
E juntos chegamos à lua
Como me sabe bem ser tua
Adoro que sejas meu
E que me leves ao céu!
Isabel Susana Marouço 




 AMA-ME

Ama-me… com fulgor
Arrebata-me o corpo e a alma
Sê dono dos meus sentidos
Dos meus pensamentos proibidos
Ama-me… com despudor
Abraça-te ao meu corpo nu
Beija-me o pescoço, o colo
Mordisca meus hirtos seios
Devagar ou rápido, sem rodeios
Ama-me… com vigor
Aperta-me de encontro a ti
Faz-me arder de desejo
Faz com que nada pareça real
E toma-me neste amor carnal
Ama-me… com calor
Aquece-me a carne, as entranhas
Até que me faças derreter
Vira-me até do avesso
Dá-me tudo o que não peço
Ama-me… por favor
Faz assim, como sempre fizeste
Nessa cadência louca, desenfreada
Com que aqueces as noites frias
E te desejo… todos os dias.

Nanda Rocha 




 AINDA HÁ TEMPO

Antes de partires…
Ama-me mais uma vez
Sacia esta avidez
Entrega-me a tua ternura
Ainda há tempo
Envolve-me, sê ternurento
Leva-me de novo à loucura.
Ama-me mais ma vez
Beijarei a tua tez
Com sofreguidão e carinho
Ainda há tempo
Sacia meu coração sedento
Depois segues o teu caminho.
Ama-me mais uma vez
Acaba com esta fome de vez
Entrega-te a mim num todo
Ainda há tempo
Para ficares em mim gravado
Como gosto, do meu modo.
Ama-me mais uma vez
O avião só parte às dez
E ainda é de madrugada
Preenche-me, no acto de amar
Eu adoro ser amada
… antes de partires.

Nanda Rocha 





 PENSAMENTOS E SAUDADE

Penso-te na penumbra do meu quarto
Tento recordar o perfume da tua pele
Esta saudade que de mim não aparto
Derrama em mim um pote de fel
Lembro-me de quando a dançar
Me envolvias no teu abraço
E o meu coração no peito a saltar
Não cabia em mim nem naquele espaço
Rodopiávamos em plena diversão
Parecia que tínhamos asas nos pés
Dávamos aso à nossa paixão
E o baile acabava por volta das dez
Depois, à socapa saias depois de mim
Para logo a seguir me encontrar
No escuro da noite ficávamos assim
Extasiados depois de amar
Foi loucura, foi entrega, o corpo em ebulição
Foi ternura, foi querer, dádiva e doação
Nos prometemos mais amor no futuro
E já a Lua subia no Céu a brilhar
Ouvimos barulho, saltaste o muro
Não fosse alguém nos denunciar
Foi um episódio bem caricato
Que durante algum tempo nos fez gargalhar
Hoje estou aqui, sozinha no meu quarto
Ouço as saudades no peito a gritar.

Nanda Rocha 





 Querido,
amo essa tua maneira, de me deixares louca...
Brincando com a tua língua, na minha boca.
E eu quero,
todos os dias e a toda a hora,
que brinques dessa maneira,
na minha boca, extasiada, louca!

Autora: Fátima Andrade 





 TEU CORPO

Teu corpo um piano
Onde toco
E retoco
A escala
Que fala
Geme ,treme
Em sintonia
Semi-breve ou colcheia
Ateia o fogo
Da paixão
Dó... RÉ...Mi
Em ti ,em mim
Nesse corpo m'envolvo
Dançamos ,tocamos
Amor em sinfonia
Subo , desço
A partitura
Com geitinho ouço o som
Dou-lhe o tom
Está perfeito
Conseguimos
Ir aos agudos
Solto a voz
Num trinado
Canto o fado
Ao teu ouvido
Estás rendido
Amanhece
Foi-se a noite
Delirante
Onde a lua pousou
Aqui ...
Por instantes

Anabela Fernandes 





 PARA ALÉM DO ARCO-ÍRIS

É bom estar contigo
Sentir o teu amor
Que numa entrega total
Nos amamos com fulgor…
Todos os dias são novos
Todos os momentos são nossos
Na inconstância da vida
Felizes somos os dois…
O amor corre em nossas veias
Dando-nos vigor e desejo
De unirmos nossas bocas
Num delicioso e supremo beijo.
Passeamos junto ao mar
Com ternura e inebriados
Foi junto a ele que prometemos
Andar sempre abraçados.
Ao luar duma noite quente
Nossos corações se uniram
Nossos corpos se entregaram
Para toda a nossa vida.
É delicioso sentir-te junto a mim
E sentir tua pele na minha
Teu cheiro que me embriaga
Numa entrega que em mim se aninha
Temos amor e cumplicidade
Vivemos o nosso amor com delírio
Não sentimos o peso dos anos
Voamos para além do arco-íris.

Rosete Cansado 




SE QUERO SER TEU?

Apareceste sem avisar
Com um sorriso no rosto
Desejosa de me amar
Com a ternura que gosto

Com os meus dedos
Descubro a maciez da tua pele
E sem qualquer segredos
Te digo, me sabe bem, me sabe a mel

Os nossos lábios se tocam
Com desejo de serem beijados
Arrepios em nós provocam
Não fossemos nós dois apaixonados

Acaricias as minhas costas
Enlaças as tuas mãos nas minhas
Fazes tudo como gostas
Com as tuas gracinhas

Sinto palpitar teu coração
Quando encostas os teus seios no meu peito
Provocando-me uma enorme excitação
Que me obriga, a amar-te com preceito

És simples e carinhosa
Só por mim queres ser amada
Também és linda e formosa
Por mim és sempre desejada

Quando estamos a fazer amor
Nos intervalos do teu gemer
Perguntas-me se quero ser só teu
Penso... já sou teu sem responder.

José Martinho 





Teu perfume.

O perfume enebriante,
Que o teu corpo emana.
Pelo prazer ele chama,
Quero o mesmo de antigamente!

Teu cheiro sedutor,
Teu perfume quente e doce,
Ele o teu corpo me trouxe,
Em tantas noites de amor!

No ar o cheiro aquece,
Por nos lençóis ser só prazer,
Tudo ele faz acontecer
E jamais se desvanece!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 





“TEU CORPO É POESIA”
Teu corpo é poesia
Escrevo em ti palavras de amor
Enfeito as estrelas
Amo-te perdidamente
Provo o teu sabor
Sabes a amor
Em ti encontro o que procuro
De mente aberta
Clamo o amor
Rebelde, único em mim
Amor que vem da alma
Agarra o meu amar
Acaricia-o com as tuas mãos
Dorme debaixo das minhas asas
Quando me procurares
Encontras-me em ti
Trago-te em mim
Momentos felizes
De partilha
Luz que alumia
Os teus passos desalinhados
Acorda amor…
São horas de amar
Acorda…Os minutos passam
Guarda o meu amor
Dentro de ti
Não o deixes fugir
Deixa-o onde eu o encontre
Onde o possa amar…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 





 Sonho delirante

Sonho contigo
Na minha vida
Na minha cama
Apagando a minha chama.
Sonho contigo
Que toco nas tuas mãos
Que me olhas com carinho
E que lês os meus pensamentos.
Sonho contigo
Com a tua boca na minha
E com os teus beijos
Que me embriagam de desejo.
Sonho contigo
E fecho os meus olhos
Sinto o gosto do teu beijo quente
E as tuas mãos acariciando os meus cabelos.
Sonho contigo
Com o teu corpo colado ao meu
Com a tua respiração ofegante
Com os teus beijos vibrantes.
____________*____________

De repente acordo
E o que eu sonhei
foi um sonho delirante,

Mila Lopes 





FURIOSA PAIXÃO

Procuro-te como antes,
Com o mesmo forte desejo
De te ter num longo beijo
E bem colada ao meu peito,
Em momentos escaldantes
Que vivemos ao nosso jeito.

Procuro-te, mas não te encontro
Na minha cama vazia
Onde me deixavas louco e tonto
De tanto me quereres amar,
Numa descontrolada euforia
Que hoje apenas me passeia na memoria,
Mas que teve a força e a intensidade
Com que fizemos a nossa história
De amor, de paixão e de verdade.

Os nossos corpos eram vestidos
Com a nudez com que nascemos
E os fundíamos em apenas um,
Em movimentos repetidos
Que iam de bruscos a serenos,
Terminando num sincronismo comum.

Podia acabar o mundo
Naqueles intensos momentos
Que não tínhamos, nem por um segundo,
A noção de dele sermos elementos.

Hoje, vive apenas, mas constantemente,
Na minha inquieta e saudosa imaginação
O que me povoa a mente
Dessa louca e furiosa paixão.

Albino Teixeira Dias 





 Momento Ca(liente)

Escrevo na calada da noite
e sinto no silêncio o desejo
sinto um arrepio na pele
e para bem dos meus pecados
sinto os teus lábios saciados.

Sinto a proximidade, a dualidade;
sentido o toque de dois seres
extasiados de felicidade.

És vida, és calor, és paixão
és alma serena, és coesão
és meu, e eu sou tua.

E na calada da noite, fizemos amor
testemunhou-nos o céu, as estrelas e a lua.

Lábios mel
mãos doçura
e na calada da noite,
vivemos um momento caliente
num momento escaldante!

Num momento de ternura.

Florinda Dias





28-06-2018 
 RASGASTE AS VESTES

Rasgaste as vestes de amor que me cobria
E sussurraste ao meu ouvido frases de amor
Tua voz rouca de desejo me inebria
Tuas mãos trémulas me percorrem sem pudor
Excitação, no seu estado mais puro
Erotismo, sedução, não falta nada
Em ti encontro o nada que é o tudo
E o prazer que me deixa arrebatada
Entrego-me a ti e tu também te entregas
Na incerteza das horas, neste momento
Delicio-me com os beijos que não me negas
Sou tua serva e tu és vida, encantamento
Agora sou eu que te rasgo a alma
Rasgo até a pele suada que tu tens
Quando ouves a minha voz que clama
Vem-te amor… e tu te vens…
Não é só corpo, luxúria, sexo
É algo maior que não sei decifrar
Não são só amassos, frases sem nexo
É o supremo prazer de a ti me entregar
Amor? Não sei se esta palavra basta
Se é preciso uma outra inventar
Se nos amamos na pureza da alma casta
Se queremos sempre recomeçar.

Nanda Rocha 





 AMOR SEM IDADE

Olhas para mim com olhar desafiante
Insistente, intenso, convidativo
Puxas-me para ti de rompante
Beijas-me e segredas-me ao ouvido
Não sei o que dizes, mas sei o que queres
Beijo-te, abraço-me a ti desinibida
Para ti sou numa, todas as mulheres
Tu és aquele onde encontro guarida
Voltas-me de costas, fico surpreendida
Nossos corpos estão trémulos de prazer
Tuas mãos aos meus seios tiram a medida
Para me levar à loucura, sabes o que fazer
Vais descendo, beijas-me a nuca, os ombros
Tuas mãos de seda descem também
Coloco para trás a cabeça e os cabelos longos
Enlouquecer-me de amor tu sabes bem
Queria gritar, mas gemo baixinho
Nesta luxúria, neste constante suceder
Tuas mãos lestas, sabem bem o caminho
Não aguento mais…morro de prazer
Voltaste-me então para ti, abraçada pela cintura
Um beijo longo, sedento, molhado
No sofá me deitas com ternura
Nosso amor o deixa envergonhado
As molas rangem ou estão também a gemer
Tu preenches-me… na totalidade
Quanto mais o tempo passa, maior é este querer
Nosso amor é assim… não tem idade.

Nanda Rocha 





 TANTO AMOR E PRAZER

É um acto cobarde e vil o matar
É um acto cruel que abomino
Mas… matar as saudades que sinto de ti
É tão bom, está escrito no destino.
Tomo-te num abraço quente e terno
Sem o desejo conseguir controlar
Está mais calor aqui do que no inferno
Teu beijo me arrebata, me rouba o ar
Depois é só deixar fluir
É amar-te loucamente sem pensar
Neste acto sublime de ir e vir
Tu és prazer que me sabe deleitar
Sinto em mim o teu corpo forte
Tua tez fervente e transpirada
Contigo viajo, perco o meu norte
Noite fora… até de madrugada
Os dois somos insaciáveis
Corpo e alma unidos num amor bendito
Repetimos o acto, somos inconsoláveis
E em êxtase, mergulhamos no infinito
Com ternura ou com sofreguidão
Nos buscamos num sedento querer
Meu amor recebe a minha gratidão
Por me dares tanto amor e prazer.

Nanda Rocha 




 ACTRIZ PRINCIPAL

Fui actriz principal
No filme que nunca viste
Nos sonhos que sonhas-te
Em tempos onde andaste
Fui o que já não sou
Subi o varão ,ondulei o corpo
Caíram as peças do corpo semi-nu
Meu desejo eras tu
Entre olhares que nós trocámos
Ousei ser tua concubina
Musa de cada dedo
Verso escrito ao acaso
Nosso segredo
Nunca contado
Subi ao palco ,despi o melhor de mim
Pétalas rubras
Diamantes em bruto
Sementes de prazer
Orgasmos de loucura
Poder absoluto
Na candura d'amor
Vieste ,foste
Intenso temporal
Acalmia no meu peito
Alegria infinita
De amar no mar
Onde me deleito
Pensando ser ainda actriz
No teu écran

Anabela Fernandes 




Adoro quando nos amamos assim
Os corpos colados,
suados, molhados
Neste frenesim...
Adoro o teu toque, o teu beijo
Adoro que mostres todo o teu desejo!
Que me arrepies a pele enquanto me fazes suar
Que me leves ao céu, que me faças viajar ...
Adoro ser tua
Que me leves à lua
Nos teus braços despida, nua
Adoro que sejas meu
E juntos toquemos o céu
Sem tabus, sem véu. ...
Adoro esta tão nossa loucura
Cheia de desejo, intensidade, ternura....
Adoro, adoro, adoro.....
Isabel Susana Marouço 




"Ao léu"

Sabes como ser
e como o fazer...
Sabes como me tocar
e deslumbrar.
E eu sei, como te receber!
Oh se sei!...
A ti, me ofereço meu rei!
Toda, todinha, sem caroço e sem espinha, como vim ao mundo...
...neste querer profundo!
Eu sou tua e tu és meu...
...vamos os dois pormo-nos ao léu!
Tu sabes como ser e como o fazer...
...vamo...vamo-nos juntos, dar prazer!...

Autora: Fátima Andrade 




NÃO TE CONHEÇO.

Procuras-me todas as noites
Antes de adormecer
Gosto que te afoites
E me dês muito prazer

Deixo-me embalar pelas tuas palavras
Pelo teu carinho, ternura e amizade
Na cama não temos horas vagas
Tal é a nossa vontade

Afago e acaricio o teu rosto
Beijo os teus lábios docemente
Faço-o com prazer e muito gosto
E olho nos teus olhos de frente

Sinto-me bem aconchegado
Nos teus seios repouso a minha cabeça
Enquanto por ti sou beijado
Esperando, que mais algo aconteça

Minhas mãos percorrem o teu corpo levemente
Fazendo alguma fantasia
Excita-me completamente
quer seja noite, quer seja dia

Sei que é contigo que quero estar
Não sei se te mereço
Amo-te e gosto de te amar
Mas não te conheço.

José Martinho. 





“CONVITE”
Saímos
Fomos até ao bar da praia
A música era estonteante
Convidas-me para dançar
Aceito
Só nós dois
Naquele areal encantado
Sem mais ninguém
Só a amiga lua nos espreita
Maliciosa
O meu corpo vibra
Ao compasso do teu
Sinto o teu corpo
Roças-te por mim
Nesta noite misteriosa
Passo a passo
Colados
Dançamos o amor
Que mora em nós
O desejo aumenta em cada passo
Apertas-me
Uma leveza no ser
Passos sensuais
Não me apetece
Despegar de ti
Deixo-me conduzir
O desejo acelera os movimentos
Já pensamos no que vem a seguir
Beijas-me
Dás-me a mão e sorris
Voltamos para casa…
Há muito mais para fazer…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 




 PRAZER
Dizes que sou louca
Quando a ti me abraço
Que não quero apenas abraçar
Mas ficar no teu regaço
Sentindo o perfume do teu peito
Que o conheço tão bem
O defeito não é meu
Pois o que eu quero, tu queres também.
O sentir da tua mão
Afagando-me o pescoço
Um momento de ternura
Que me dá muito gozo.
A tua boca linda segurando uma cereja
Que mordicas e poes na minha
Sentindo a tua língua.
Surge um beijo delicioso
Que nos faz estremecer
Ambos já sabemos
O que vai acontecer…
A lua nossa madrinha!
Pisca um olho e sorrindo
Vai andando devagarinho
Mas sempre espreitando.
Gosta de ver nosso gozo.
Somos do amor dois apaixonados
Da vida uma visão
Sentindo-o com muita paixão
Ficamos extasiados no meio dessa loucura
Que nos leva em frenesim…
Para um momento com muita ternura.
Por isso não digas que sou louca
Porque a loucura é dos dois.

Rosete Cansado 





ENCONTRO ESCALDANTE

Deixo-me envolver na candura do teu sorriso.
No meu corpo, já despido,
há um fogo que incendeia
cada um dos meus sentidos.
O tempo deixou de ter expressão
e cada instante pulsa ao compasso
das batidas inquietas do meu e do teu coração.
Na lonjura que os teus dedos anulam,
quando me tocam e acariciam,
Passa a existir apenas o contacto
da nossa pele que se funde numa só,
em simbiose de desejos que se aliam
na cumplicidade a que nos entregamos.
Não importa que o mundo gire ao contrário
e que não saibamos sequer se nos amamos.
Importa apenas que nos encontramos
e que os nossos corpos despidos, como dantes,
se saciem dos desejos desmesurados e escaldantes
a que se entregam por breves, mas intensos instantes.
Na troca dos nossos beijos inicia-se um bailado
em que o teu corpo, suado,
se apodera do meu que aguarda passivo
sentir o desabrochar dum quente e viscoso fluido,
percorrendo-o por dentro,
num êxtase que só não conhece
Quem não é mulher e não terá intensamente vivido.
Depois, vestimos as nossas roupas
que apanhamos espalhadas pelo chão,
e, num longo beijo e abraço, nos despedimos
até uma nova ocasião.

Dulce Paixão
(Pseudónimo de: Albino Teixeira Dias) 




Quem me dera!

Que o teu cheiro ,
Se entrelaça-se com o meu.
Que o suor de nossos corpos,
Nos transporta-se para o devaneio,
E nos eleva-se para lá do céu!
Quem me dera amor,
Que esse momento fosse eterno,
Que o beijo fosse de paixão e sereno!
Que o tempo parasse naquele segundo,
Que fossemos só nós dois apenas no mundo!
Há, mas quem dera que na minha vida tu existisses.
Que com o teu olhar o meu corpo despisses.
Para que que se ausenta-se de mim este
Meu fogo de paixão.
Quando a noite se desse por inteira,
Ao prazer e a sedução!
Há , quem me dera amor!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 





PERVERSA, EU OU A LUA.

Cheia vestida de luz,
Oscila, roda caminha.
Deixando seu manto de luar beijar relevos.
Terra em oração na noite quieta.
Ama-a em segredo,
Aquele que de lábios sedentos é poeta.

Olhar meu que te prendes no nascer da lua em dia claro.
Vês esse espaço circular, sonhas...
Galeria iluminada.
Esculturas, tantas de alabastro.
Ou jade, ou pedra de sal rosado.

-Já a melodia da brisa me embalara.
-já o deus do sono me raptara.

Na lua crateras, ventos.
Eestátuas... tantas delicadas.
Eram corpos viris esculturais.
Em poses sublimes, de atos ancestrais.

Amavam as estátuas á luz da noite.
Em silencio num gozo recatado.
Algumas eram de jovens, a inocencia.
Eram assim, como flor de vidro,
Estilhaçada na hora nupcial,
Em que dois seres se tornam um,
Num suspiro pleno, no frenesim das bocas.

Aih! as mãos, de tato acordado na noite da procura.
Entoava musica, eram violinos,
A entoar sopros divinos,
Na delicadeza de beijar.
Sonhei assim essa galeria.
Suspensa entre a curva da noite
E o raiar do dia.

Augusta Maria Gonçalves.  




O tempo do amor

O tempo aqueceu
O corpo tremeu
Num tremor constante,
Corpos suados
Nus abraçados
Numa dança hilariante.
É a dança do amor
Num grito de dor
De loucura e prazer,
Dois copos de vinho
Entre lençóis de linho
Como seios a verter.
Não se olha a meios
Entre longos enleios
Entre beijos estonteantes,
Corpos entrelaçados
Pelo amor enfeitiçados
Próprio dos amantes.
E o tempo continua quente
O suor escorre constantemente
Como se fossem duas fontes,
Fontes de amor e prazer
Onde o amor continua a correr
Para além dos horizontes.
Dois corpos cansados
Por sonhos separados
Num amor cadenciado,
Onde tudo parece real
Pois amar é normal
Quando se está apaixonado… E HAJA SAÚDE, José Duarte Soares, 





 Caminho
pela noite escura
e encontro
o teu olhar
a minh’alma
sente desejos
de te amar
o teu olhar
penetrante
deixa-me despida
e o meu corpo
quente ferve
de paixão
vem amor
e apaga
a chama
que vive
e que queima
no meu peito –

Mila Lopes








 21-06-2018

 AI MEU DEUS

Ai meu Deus, quem me acode
Já não há santo que me valha
No peito o coração explode
Para o chão já caiu a saia
A blusa também já está aberta
O meu peito desnudado
Teu abraço forte me aperta
E me deitas no sobrado
O que depois daí adveio
Foi um louco frenesim
Tu mordiscavas-me o seio
Ai meu Deus, pobre de mim
Já não consigo resistir mais
No teu jogo de sedução entrei
Os meus gemidos e ais
Com prazer os libertei
Sabes bem como me agradar
Fazes isso com classe
Levas-me ao céu a voar
E atingimos o clímax
Já não há Deus nem há Além
O que aconteceu eu também quis
Como tu não há ninguém
Que me faça assim, tão feliz.

Nanda Rocha 





 O MUNDO PAROU

Olho para ti, desejo, cobiça
De assalto o calor em ascensão
Teu corpo, minha imaginação atiça
… se eu pudesse tocar-te com a minha mão
Estou febril, que desconsolo
Olho-te de novo, imagino-me nua
Este fogo que me consome sem controlo
… e tu estás do outro lado da rua
Se soubesses o que vai dentro de mim
A chama imensa que em mim lavra
Este alvoroço, este frenesim
… o querer raptar-te, ser uma ladra.
Voltaste-te, o teu olhar cruzou o meu
Nos teus olhos vi também uma chama
Foi um momento ténue que aconteceu
… que me denuncia e me trama.
Calmamente atravessaste a rua
Eu só queria fugir dali
Senti-me a levitar, direção à Lua
Sorriste para mim e eu te sorri
Tocaste o meu rosto corado com a tua mão
Os dedos queimavam como brasa
Uma autêntica varinha de condão
E estávamos os dois em minha casa
Abri-te a porta com hesitação
Pressentiste que te estava a temer
Abraçaste-me, beijaste-me com prontidão
Agora era demais…estava a derreter
Entraste em mim com tal ternura
Descobri em ti apimentados sabores
Alternados com um mundo de doçura
E misturaram-se os nossos suores
Sexo ou amor, pouco me importava
Eu me entreguei, o receio desapareceu
Se iria durar ou logo se acabava?
… o mundo parou quando foste meu.

Nanda Rocha 




Quero-te minha....
Fazer de ti minha rainha
E eu ser teu cavaleiro andante....
Disse ele con sensualidade
Abraçando-a com intensidade
Puxando-a para ele de rompante!
E ela deixou-se levar
E ao seu ouvido murmurou
Estou aqui só para ti,
A ti me quero entregar!
Fechando os olhos o beijou
E o que se seguiu não vi....
Mas dá para imaginar
Que se amaram com loucura
E nos corpos a suar
Houve bem mais que ternura...
Houve entrega, houve paixão
Prazer, pura sedução
Desejo carnal e de amor
Porque os dois se desejavam
Em segredo já se amavam
E entregaram-se sem pudor!
A pele dela sentiu o arrepio
E nem sequer estava frio
Foi algo arrebatador
Os seus corpos se fundiram
E as temperaturas subiram
Tudo foi então calor!
Faz tanto que se desejavam
Nem um nem outro o passo davam
Assaltados por um medo qualquer!
Mas quando se deixaram levar
Sentiram que iria resultar
E rejubilaram de prazer!
Isabel Susana Marouço 





 TU E EU SOMOS AMORAS.

Voltemos de retorno ao tempo da inocencia.
E já por entre o arvoredo,
Tecem tantas criaturas o segredo.
Os anjos em bicos de pés, descansam asas.
As citaras entoam hinos ao amor.

E nós num encontro de almas.
Despimo-nos na trigal das promessas.
Eram nossas mãos estrelas.
Nossos corpos vias láteas.

Nossas bocas taças de morangos.
Nossos beijos vagos de romã.
Minha pele seda aveludada.
Teu corpo amante perfume de terra molhada.
Eu rosa inocentemente desfolhada.
No ato único de mulher amada.

Augusta Maria Gonçalves. 





 Eróticos pensamentos

Nessa tua silhueta de rosa perfumada
Nascem ténues borboletas
Prosas perfeitas de pura sensualidade
Lês-me ao ouvido o verso que arde
Dois corpos despidos na cama suada
Enlaças-me, quase enlouqueço
Nos teus braços desvaneço
E num ritual frenético, renasço
Como fénix, em labaredas de prazer
Rendido aos teus gemidos
Recomeço, sem pressa de amanhecer
Fundidos, numa noite bem passada.

Jorge Ferreira 





 DESORDEM DOS SENTIDOS

Deixo-me diluir no teu corpo
Como se só houvesse presente
E o amanhã fosse um reflexo do nada,
Onde os nossos sentidos
Não pudessem coabitar.
Os meus braços são a neblina da madrugada
Que, envolvendo cada centímetro de ti,
Percorrem a nudez inteira
Do teu corpo, ao acordar.
Os meus lábios são um barco a naufragar
No mar do desejo de que são feitos os teus.
As minhas pernas, e tudo o mais
Que o meu corpo comporta,
São como água deslizando
Desenfreadamente por entre os labirintos
Escarpados do teu ser,
Numa total desordem dos sentidos
E num êxtase de sublime prazer,
Onde o tempo não é medido
Pelo pulsar dos instantes,
Mas pela intensidade de sentir e de viver.
Deixo-me diluir no teu corpo
Respirando o ar que expiras,
No intervalo dum sorriso,
E, enquanto me diluo em ti, eu sinto
Que, só tu, és tudo o que eu preciso.

Albino Teixeira Dias
Poema publicado no meu segundo Livro, "Labirintos do Sentir" 





O Baile.

Me olhas-te de relance!
Eu fiquei a pensar:
Estará a me cativar?
Não sei se recue se avance!

Voltas-te a me olhar,
Com olhar mais sedutor!
Me provocaste um calor!
Que me deu para avançar.

Fui um pouco atrevida,
Entrei logo a matar:
Se me quiseres amar,
Convida-me para dançar!

Noite adentro tanto dançamos,
Bem juntinhos dando a mão,
Falando ao coração!
Logo nessa noite nos amamos!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 





Olhou para ela....
Vestido curto , corpo sensual...
Que mulher aquela
Sentiu uma atracção fatal. ...
Não avançou ,
Não quis faltar-lhe ao respeito
Mas acelerou
O coração que lhe batia no peito....
Ela aproximou-se
E os olhares ficaram cruzados
E ele desejou sentir aqueles lábios encarnados. ...
Havia algo ali que nenhum sabia explicar
E em gestos suaves acabaram por se beijar...
Um beijo doce, as mãos dele nos cabelos dela
E desenhou-lhe o rosto antes de uma ligeira mordiscadela...
Trincou-lhe a orelha depois de pequenos beijinhos
Sentiu-a tremer na recepção destes pequenos miminhos
Um e outro beijo mais intensos e molhados
E os corpos a pedir para ser amados!
Mas ele parou olhou-a nos olhos mais uma vez
Para perceber se era do seu agrado aquilo que fez...
O que se seguiu....
Não era sua vontade agora contar
Fica o desafio. .
Cada um que se ponha a imaginar. ...
Isabel Susana Marouço 




PRECISO DO TEU SORRISO.

Olha bem para mim
Que eu ofereço-te um sorriso
Sei que gostas de mim
E consideras-me o teu paraízo

Sorri para mim também
Quero ver o teu sorriso
Irá saber-me bem
Porque é dele que eu preciso

Dá-me um abraço apertado
Como só tu sabes dar
Esteja eu em pé ou deitado
Os teus lábios tenho que os beijar

Seja em que posição for
O que importa é te beijar
Fazer muito amor
Até o sol raiar

Preciso do teu sorriso
E o teu gemido ouvir
Sou o teu paraíso
Fazer amor contigo preciso
Até saciada te sentir.

José Martinho. 





CORPOS E OLHARES, de Pj.Conde-Paulino
*
Passeio-me na tarde das fragrâncias floridas.
Sinto o cheiro quente das gardênias
A embriagar-me os sentidos.

Sentado, no banco da alameda
Sonho a tua presença...
Ainda oiço os passos, suaves...
Surges, no teu sorriso escondido.
Não vens só... nunca vens só...
Os teus olhos de sorrir viajam sempre contigo.

E, ao abrir os lábios, não digo:
Canto: ao encanto perfumado
Aos teus lábios-romãs,
Ao teu andar endeusado...

E admiro-te as volutas,
Alvas e preciosas;
No teu pescoço elegante.
Sobre os ombros, tão melosas.

No ensejo deixo o beijo...
Ficas...ficas sempre: sentada nos meus joelhos.
Olhas para mim e eu morro...
Ressuscito, no abraço e no reencontro
Das almas além do tempo.

Antes, e no porvir...
Onde o tempo não morre
Vivo, e volto a viver, nos teus Olhos-de-Sorrir! 





Sou-te vulcão?

Sabes-me a lava na ponta dos dedos
Exaltação, meus etéreos segredos
Quero-te!
No ponto alto à escala de te querer
És-me,
erupção que exala prazer por prazer.

Leonor Nepomuceno. 





 SEXTO SENTIDO

Pergunta -me onde estou
E tu também
Se sentada ou deitada no teu colo
No sonho que despertou
Meu sexto sentido
Aquele que me diz que estás rendido
Ao meu corpo onde te deleitas
Extasiado de prazer
Nos lençóis de espuma das palavras
Que presas estão na tua voz
Presentes no pensamento
Aguardando um só momento
Onde a coragem ganha outra dimensão
E sem reservas te enrolas e te soltas
Na noite confidente dos amantes
Onde juntos damos asas ao amor
Desfazendo a cama acetinada
Adornada de pétalas rubras
Num instante vimos o céu colorido
Das estrelas que são nosso porto de abrigo
E eu tão serena desnudo o teu olhar
Nesse Norte que é hoje meu desnorte
Sentindo que sou mais que verso escrito
Tu de poema foste um dia
Agora és o breu de cada noite
Deslizando nos meus dedos a vontade
De tocar no teu peito musculado
Subir os degraus desta saudade
Até onde o espaço fôr ausente
Juntos abraçados discretamente
Nos amando até à eternidade
E se de novo nós vivermos
Escreverei p'ra ti uma das tuas cartas
Que eu nunca li apenas senti

Anabela Fernandes 





 SEXTO SENTIDO

Pergunta -me onde estou
E tu também
Se sentada ou deitada no teu colo
No sonho que despertou
Meu sexto sentido
Aquele que me diz que estás rendido
Ao meu corpo onde te deleitas
Extasiado de prazer
Nos lençóis de espuma das palavras
Que presas estão na tua voz
Presentes no pensamento
Aguardando um só momento
Onde a coragem ganha outra dimensão
E sem reservas te enrolas e te soltas
Na noite confidente dos amantes
Onde juntos damos asas ao amor
Desfazendo a cama acetinada
Adornada de pétalas rubras
Num instante vimos o céu colorido
Das estrelas que são nosso porto de abrigo
E eu tão serena desnudo o teu olhar
Nesse Norte que é hoje meu desnorte
Sentindo que sou mais que verso escrito
Tu de poema foste um dia
Agora és o breu de cada noite
Deslizando nos meus dedos a vontade
De tocar no teu peito musculado
Subir os degraus desta saudade
Até onde o espaço fôr ausente
Juntos abraçados discretamente
Nos amando até à eternidade
E se de novo nós vivermos
Escreverei p'ra ti uma das tuas cartas
Que eu nunca li apenas senti

Anabela Fernandes 




 "Devaneio"

Agarra-me...
Larga-me, em devaneio
Empolga-me, seduz-me
Completa-me por inteiro!
Abarca-me...
enlaça-me, em surdina.
Deseja-me, beija-me
Deixa-me tontinha.
Lê-me...
Relê-me, totalmente
Aprende-me, sente-me
Faz-me diferente.
Vem-te...
Deita-te, ao meu lado
Estreita-te, enleia-te
No meu abraço apertado.
E assim os dois...
Damo-nos ao amor
No antes e no depois
Até o sol se pôr.
Agarra-me...
Larga-me, em devaneio
Empolga-me e seduz-me...
...mas seduz-me por inteiro!

Autora: Fátima Andrade 





 PASSEIO-ME POR TI

Passeio-me por ti, com tuas mãos
Quando elas em mim abrem os caminhos
Que exploram nas veredas dos meus chãos
Os becos fervilhantes de carinhos

E quando neles fazem seus os ninhos
Teus dedos verdadeiros artesãos
Tecem afago em todos os cantinhos
Onde existam os mais pequenos grãos

Já cansados teus dedos se sossegam
Procurando plos meus que não se negam
Nessa entrega tão doce e tão feroz

Mas quando com os meus eles se enlaçam
E os nossos corpos vibram e se abraçam
O mundo não existe para nós

Maria Encarnação 




E de repente a chuva caiu...
Molhou o corpo quente do sol...
Causando arrepio..
E ao mesmo tempo acalmando
Aquele fogo interior
Aceso por aquele homem
Que com ela em prosa fazia amor....
As palavras tocavam-na
Como se das mãos dele se tratasse
Despiam-na, excitavam-na
Era quase impossível aquele grito calar-se...
Deixou-se envolver. ..
Deixou-se levar...
Sem querer e por querer...
Sentiu-se a latejar....
Fechou os olhos e imaginou-o ali
A sua pele na dela
Como tinta em aguarela...
E a pintura era daquelas que até a alma sorri
E o momento foi poema
Sendo aquela loucura o tema.
Isabel Susana Marouço 




 DUALIDADE

Sinto as tuas carícias
e o teu olhar penetrante
isto... quando me cobiças.

Ah, e é naquele intante
que o meu corpo sacia por ti
acalientam-se desejos,
vontades e mil beijos.

Sonhados ou realizados
são momentos tão nossos
testemunha-os a calada da noite
para bem dos nossos pecados.

Pecados???
Ah não... amar não é pecado.
Amar é sonhar, é ter, é ser, é realizar
E é estar noite e dia contigo, ao meu lado.

Florinda Dias





 14-06-2018
Adoro acordar com o teu abraço
Que me envolve e me seduz
Sinto o carinho, o desejo, o amasso...
E só penso: Ai Jesus!
Sabes como fazer-me despertar
O sono e o desejo
Quando as tuas mãos começam a viajar
E tudo acaba num beijo!
Todo o meu corpo desperta ao teu toque
E como é bom assim ser acordada
Renasço como o novo dia
Tem outro sabor esta alvorada!
Adormecer e acordar no teu abraço
Não encontro nada que seja melhor
Que o teu carinho que me envolve como um laço
E me mostra como adoro o teu amor!
Amo-te!
Nunca deixes de me fazer feliz
De me deixar adormecer no teu abraço
E de nele acordar
És o que eu sempre quis
Ficar para sempre presa no teu laço
Esse laço bordado com o verbo amar!
Fazes-me rir, sonhar, querer te abraçar
Fazes crescer em mim o desejo
Nunca deixes de no meu corpo navegar
Quero naufragar em ti em cada beijo!
Isabel Susana Marouço 




 SIM É CONTIGO

Sim, é contigo que me perco
Na cumplicidade dos sentimentos
Sim, é contigo que exagero
Nas horas que parecem momentos
Sedenta de amor e sexo
Abraço-me a ti e me dou
Sussurrando frases sem nexo
Num gemido nem sei quem sou
Perfume de magnólias
Que se sentem no ar
Provocam vontades desinibidas
Nossas mãos percorrem os corpos nus
Suados, loucos, de amor embriagados
As bocas trocam beijos quentes, molhados
Os silêncios ficam silenciados
E nós no éden do amor
Nos perdemos numa visão do infinito
Aí o amor, o sexo, torna-se intemporal
Já não és tu, nem eu sei quem sou
No momento do supremo prazer
Em que tu te dás e eu me dou…
Sim, é contigo que me perco
Desperto, preciso de um banho… vou.

Nanda Rocha 




Perdendo a Sensualidade:
Os Amorfos não Vivem – Nem fazem amor!
.
Quando se deseja, na alma não se envelhece.
Sabe-se inventar e experimentar novas sensações.

Aprendemos a ser mais jovens do que os jovens.
Mais aventureiros nesta história com pretérito.
Melhores amantes:
na alma e no corpo que não perece.
Quando se deseja e ama:
na alma com corpo - não se encanece!
.
Não querendo morrer em vida, vivamos!
Se queremos que os olhares brilhem, inventemos!
Se não, ficaremos quebrados na tristeza dos amorfos.
-
.
Pj. Conde-Paulino 





NOS SILÊNCIOS MUDOS....

Nos silêncios mudos da noite e da lua
Faz reles farrapos das roupas que visto
Com beijos e abraços vem chamar-me tua
Num impulso brusco que não foi previsto

Quando o teu amor é a força e a grua
Que sublima o meu e ao qual eu não resisto
E entrego-me inteira e aquietada e nua
O teu corpo é trilho no qual me despisto

Ávidos os dois bebemos a paixão
Que se entorna em nós e, nos tira a razão
Porquanto há nos corpos duelos de ardor

Os sons emitidos acordam a luz
E o escuro da noite deslumbra e reluz
Nos olhos brilhantes e quentes de amor

MARIA ENCARNAÇÃO 





 QUANDO O AMOR

Quando o amor se torna carnal
Quero-te assim no desejo animal
Sinto o teu corpo quente entrar em mim
Minhas mãos trémulas de amor e prazer
Tateiam o teu corpo forte e nu
O suor irrompe dos nossos poros
Os teus eu já os conheço um a um
E na mais pura luxúria
Na mais louca das paixões
Tomas-me ora lento ou em fúria
No acelerado bater dos corações
…mordes-me a pele…
Não existe dor, apenas mel
Inventamos os dois momentos, posições
Paradoxo, acalmia e explosões
A campainha toca…
Não ouvimos e continuamos a amar
Este amor é assim… não se esgota.

Nanda Rocha 





APROVEITA OS MEUS BEIJOS.

Aproveita os meus beijos
Para te satisfazeres
Mata os teus desejos
Sentindo prazeres

Aproveita os meus beijos
Doces, belos e quentes
Morde-me a lingua
E diz-me o que sentes

Aproveita-os molhados
E percorre a minha boca
São beijos delicados
Que te põem louca

São beijos de amor
Que devem ser aproveitados
Beijo-te com fervor
Para ficarmos excitados

Nos meus beijos encontraste
Tudo aquilo que te faltava
Só que nunca pensaste
Que eu te engravidava.

José Martinho. 





És o meu destino.

O veludo dos teus lábios,
Teem a cor do prazer!
Sabem-no ler e escrever,
São da matéria eles sábios

Momentos de sedução,
Se alimentam de carícias.
Querem-se reais não fictícias,
Selando a bela união.

E quando o sol se deita,
Nosso leito nos espera.
Aí o amor impera,
Até que manhã espreita.

Entra um sol clandestino,
Apreciando o momento,
Eu enroscada em teu peito.
É este , amor nosso destino!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 






 "Mar de Amor"

Nada fica em falta, neste nosso emaranhado de paixão!
Nada nos escapa neste rio de paixão!
E como um lápis de carvão, traço na tua pele um fio ardente de desejo...
Beijo a beijo, vou percorrendo o teu corpo, sentindo a tua prontidão extasiante que me fascina!
E nada fica em falta nesta nossa prosa que acaba em rima...
...e sei-te de cor, avançando neste mar de amor.

Autora: Fátima Andrade 





“QUANDO”
Quando sentires o sussurrar do meu sorriso
É a minha saudade que te chama
Quando ouvires uma voz macia recitando poemas no teu ouvido
Sou eu a dizer que te amo
Quando sentires que a distância dói
Sente as minhas mãos flutuarem no teu corpo
Quando a emoção tomar conta de ti
Vais sentir a chama da paixão e o meu toque
Quando a brisa te beijar
Sou eu a saciar a minha sede na seiva da tua boca
Quando os teus olhos falarem com os meus
E o tempo parar no teu corpo, sou eu
Quando os teus braços me apertarem
Vou sentir o teu amor em mim carente de ti
Quando sentir o teu sabor no vento
Sei que me vais possuir e saciar a minha paixão
Num resfolgar de sentidos.
Quando me amares ama como se fosse o ultimo dia
Como se fosse o ultimo clímax
Agarra o meu sonho, o meu prazer
Ama-ma como só tu sabes
Quando vires uma gaivota dançar ao sabor do tempo
Lembra-te…sou eu a chamar-te
Quando os nossos sonhos se misturarem
Beberei os teus pensamentos
Serei mais uma vez, tua…
Quando o silêncio invadir o nosso quarto
Quando enrodilharmos os nossos lençóis
Palavras para quê o amor fala por ele
Quando o mistério, a magia bailarem na nossa vida
A sintonia do amor prevalecerá
Vamos amar…Assim…Sempre…

“BRASA” (MAGDA BRAZINHA) 





 ALÉM DE TI

Além de ti, o vazio
Além de ti, o tormento
Além de ti, está frio
Além de ti, o sofrimento
E eu não gosto de ir além de ti
É em ti que quero ficar
Nos teus braços já suspirei e gemi
Nos teus braços aprendi a amar.
Em ti semeei minhas emoções
Em ti deixei ficar meu triste fado
Em ti descobri segredo e confissões
Tu és o meu deus, o meu amado.
Mas quando os dois num querer desenfreado
Vamos para além de ti e de tudo
O nosso amor carnal, sabe a pecado
Tu te despes, eu me desnudo
E então…
Além de ti, o prazer
Além de ti, o grito
Além de ti, o querer
Além de ti, o infinito
Assim, eu já gosto de ir além de ti
É além de ti que gosto de amar.

Nanda Rocha 




 Levito de Alma

Momenta-me no teu seio...
Leva-me contigo ao mais alto teor.
Leva-me contigo e segrada-me ao ouvido,
as mais belas palavras de amor.
Despe-me de pudores e sente
sente o meu calor, caliente.
Faz de conta... faz de mim...
Faz e diz...
Diz que eu sou a mais bela rosa,
do teu jardim.
Solta a tua alma de petiz
e faz-me feliz.
Beija a minha boca
e faz-me sentir louca.
Louca, mas sem loucura,
louca de amor, neste amor que perdura.
Louca... sem loucura;
apenas extasiada pelo momento de ternura.
Apenas completa nesta nossa dualidade,
nesta minha inspiração
e neste momento de felicidade.
Neste momento escaldante,
onde reina só e somente,
uma aleatória ilusão, tão intensa e caliente.
Senti-me a(sim) de alma nua e tão tua!
Senti que toquei o céu, as estrelas e a lua!
Assim tão... Completamente.

Florinda Dias 





Completamente despidos
De preconceitos,
Somente vestidos
De sentimento,
Desgraçadamente
Nos entregamos
Ao incontrolável desejo,
Sofregamente
Nos beijamos,
Avidamente
Nos acariciam os,
Ignorando por completo
O que se passa lá fora,
Esquecendo as horas,
Entregando-nos
Ao momento,
Sabendo que,
Momento esse,
Terminará num piscar
d'olhos...
E choramos,
De amor mútuo,
De tristeza inexplicável,
De impotência perante a
vida,
Que teima em pôr
obstáculos
No nosso caminho...
E quando a magia do
momento
Termina,
Fico dias e dias
A reviver cada minuto,
Cada segundo,
Porque não quero esquecer
O quanto te amo...

Luis Lima Coelho 





 Amor meu

Dispo o meu corpo
no silêncio no teu ventre
pinto no meu as cores
do amor que sinto
quando no teu peito
eu me deito
e deixo - me guiar
pelas tuas mãos
e pelas tuas palavras
saídas da alma
ditas com paixão
amor meu
vida minha
és caricia sem fim
fazes parte de mim
és o meu vulcão
em chamas
e só tu
preenches o meu coração
és o meu céu
és a minha terra
és a ousadia
que me guia
é o abraço que me conforta.
_________________________

Amor meu
vem! Eu quero amar-te-

Mila Lopes 





Verso devoto

Devaneiam sobre ti gotas marotas
E eu, deste lado, invejo-lhes o sinuoso percurso

Sorris, sob os lábios finos de garota
E eu, deste lado, sinto-me dessa boca perfuso

O vapor aromático que se solta,
De cada teu poro banhado
E a toalha macia no corpo envolta
Deixa-me assim, de juízo toldado

Vejo nos teus olhos... Aprovação.
Não leem poesia de mim
Consomem prosa sem pontuação
Soletrando ditongos em frenesim

Ui, se te contasse o que me vai alma dentro...
Se quisesses saber, bastava o olhar atento
Ou apenas,
Ai, varrer-me de alto a baixo, num lento gesto
E... Descobrir um ângulo em pleno manifesto

Descuido... Precavido de intenção.
E cai, diante de mim a inútil proteção
Desarmada, acolho teu verso devoto
Porque sei, pertenço ao teu lado canhoto

Rute Pio Lopes






 07-06-2018
Hoje dou-te um poema de amor
Escrito em pétalas de flor...
Espalho as pétalas na nossa cama
Junto com a ternura de quem te ama
Acendo velas, ponho musica ambiente
Visto-me de forma mais atraente ...
E chegas tu...
Cheio de sensualidade. ...
Em tronco nu
Mostras-me que tens sentido saudade...
Encostas-te a mim
E começamos a dançar
Tão bom estar assim
Tão bom sentir este amar....
E trocamos beijos
Abraços, desejos,
E a roupa cai...
Somos um do outro
Neste amor louco
Que do coração não sai.
Amamo-nos sempre
Como se não houvesse amanhã
Somos o presente
O futuro o tempo o dirá. ..
Mas no futuro sei
Que queremos de novo aqui estar
Não apenas por ser nossa lei
Mas porque nos queremos sempre amar.
Isabel Susana Marouço






 ROÇA

Roça a tua perna n' minha
Será que tens ?
Será que tinha ?
Nosso jeito de encostar
Se enroscar
Sem deslizar
Um só momento
Corpos colados
Lado a lado
Somos ousados
Será que não ?
Pois então
Roça mais
Vamos bailar
É um tango
Sensual dizes tu
Vem ,me seduz
Olha a saia
Tem brilhantes
Nestes instantes
Entrelaçamos
No roça ...roça
Moça jeitosa
Desliza na pista
Dou uma volta
Caio no teu peito
Me deleito
Introduzo
Será que abuso?
Neste roçar
Até fartar
Nos lambuzamos
Ai se gostamos

Anabela Fernandes





 BEM QUERER

Caliente
senti o teu corpo ausente
ausente de mim, e eu...
eu aqui sedosa de ti
amadureci... cresci
e ao tentar te seduzir
vesti a minha mais sexy langerie.
Abracei-te e beijei-te
olhas-tes pra mim, não resististes
e hoje... hoje já não sei se existes,
virei-te as costas porque fiquei sem respostas.
A(inda) estou aqui abrançando o meu corpo
a(inda) estou aqui caliente e te sentindo ausente.
Fui eu que quis, fui eu que desisti de ti
fui eu que a ti me entreguei
fui eu que perante ti me despi
fui eu que cansei
fui eu que não quis continuar.
Agora sim sou eu que...
Acabei de acordar
Acordar de um sonho
Sonho...?
Não... Não foi só um pesadelo...!
No que jamais quero acreditar.
Quero amar-te até a Minh'Alma saciar,
quero amar-te sem o meu coração se cansar.
Quero de novo usar aquela langerie.
quero de alma e coração,
me despir para Ti.

Florinda Dias




 POR TESTEMUNHAS AS ROSAS.

Idilicos momentos meu amor.
Guardados em segredo nas conchas das mãos todas ternura.
Já amanhece amor.
O leito continua perfumado.
As rosas desfolhadas repousam.
Depois da valsa que dançamos.
A noite já vazia.
Nós agora olhando o além onde o sol nasce.
Embalanos ainda o eco desse desejar.
O repetir de gestos, o beijar.
O saborear suor e mel.
Dois seres que se completam.
Na dádiva dessa perfeita simetria.
Nós nos bebemos no brilho do olhar.
No leito as rosas nos aguardam.
Na estrada alva de outra noite,
Iluminada por nosso ansiar de caricias e ternura.

Augusta Maria Gonçalves.




AMO-TE

Amo-te de uma forma fervorosa
Sempre te amei assim
Por seres simples e não vaidosa
Peço-te que não te afastes de mim

És a minha musa a minha flor
És o oxigénio que respiro
És o meu grande amor
És o mel que eu prefiro

Vamos juntos caçar estrelas
Uma a uma até acabar
Quando deixarmos de vê-las
É hora de nos amar

Somos jovens com desejos
Que existimos neste mundo
Não nos fartamos de dar beijos
Porque o nosso amor é profundo

Sempre que nos encontramos
Como estamos apaixonados
Excitados ficamos
E os nossos corpos transpirados

Transpirados e com desejo
De ambos se amarem
Com fervor e sem pejo
Até eles secarem.

José Martinho.




"Castelos no ar"

Gosto que me chegues
E que te aproveites
Que sintas o meu sabor
E com ele te deleites.

Gosto de me chegar
E de te aproveitar
Vem amor, vamos lá
Fazer castelos no ar!

...e também acrobacias,
Estou à tua disposição
Gosto desse teu charme
E da tua marota mão.

Gosto que me chegues
E gosto de te chegar
Gosto que te aproveites
E de ti me aproveitar!
...vem amor, vamos lá
Fazer castelos no ar...

Autora: Fátima Andrade 





“PALAVRAS”
Entre palavras e quimeras
Entre linhas imaginárias
Há sonhos que se desfazem
Há pontos que não dão nó
Há laços que se desfiam
Atas-me ao teu amor
Dedilhas os contornos do meu corpo
Eriças-me a pele
Deixas-me a alma nua
Entre desejos e segredos
Amordaço o grito preso na garganta
Perante caricias e sentires
Prazeres infinitos
No ato de amar sem limites
Misterioso o amor que descobre
Sentimentos que se desvendam
No meu ventre rasgado
De sensuais emoções
Sacias a minha fome de amar
Consomes os meus desejos
Amamos até á exaustão
Construímos um sonho
Um nó que não se desfaz
Um laço que se solidifica
E jamais se desfiará
Porque o amor é a fonte
Nesta quimera da vida
Neste momento de amar…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 





 31-05-2018
TUA
Uma boca aberta de paixão
Um desejo a passear-me na pele
Um carinho na escuridão
Uma mão que insiste…
Um insinuar atrevido
Uma língua que não resiste
Um gemer de satisfação.
Um pecado escrito na alma
Um calor ardente
Um suspiro carente
Uma chama azul que me acalma
Uma duna…
Um ninho de areia quente
E tu….
Que desfaleces num orgasmo de vida
Sentiste-me tua
Na pele branca…
Na pele nua
Deitada na areia…
O orgasmo que veio…
Ao sabor das ondas
E foi na maré cheia.
M.C.M (São Marques) 




Gosto tanto quando me desejas
Quando a minha boca beijas
Com ímpeto e paixão
Gosto de em ti me sentir mulher
Num misto de amor e prazer
Que me aquece o coração!
Gosto! Gosto tanto que gostes de mim
Que até sorrio de outra maneira
Não sabes o quanto é bom sentir-me assim
Tua mulher, amante e companheira!
Sabe tão bem esse teu beijo
Que aumenta em mim o desejo
E me faz sentir amada
Sabe tão bem que sorrio
E levada pelo desvario
Já não penso em mais nada!
Já só quero nossos corpos unidos
Já só quero ouvir o bater do teu coração
E no eco dos nossos gemidos
Escutar a melodia da nossa paixão!
Já só quero adormecer no teu regaço
Ao som doce de uma alegre canção
Já só quero sentir no teu abraço
Carinho, doçura e protecção!
27-5-2018
Isabel Susana Marouço 





 SONHO.
Pedi amor venda-me os olhos.
Com fita de seda cor carmim.
Leva-me num abraço,
Ao cume da loucura.
Despe, beija, semeia à flor da pele
Mil beijos nus,
Escreve com teus lábios um poema,
De desejo, amor e sal.
Eterniza o momento do suspiro.
Enquanto agonizas num abraço.
Deixa que eu fique queda,
A saborear, o sal e o mel.
Tudo que me fizeste desejar.
No momento em que pedi para que vendasses meu olhar.

Augusta Maria Gonçalves. 




 Num fogueira de rosas desfolhadas
ardem desejos de momentos sentidos
em lume brando de prazeres vividos...
... corpos entrelaçados esquecidos de nadas!!!!

31-05-18 maria g. 




Os olhos não mentem!

Meu olhar solteiro,
Só é enamorado,
Ficou prisioneiro,
Pelo teu olhar embriagado!

Cantos e recantos,
De prazer por descobrir,
Ternura de encantos,
E o tempo a pedir!

Teu corpo docemente se alonga,
Sobre o meu,
A noite já vai longa
E me leva ao céu!

Meu olhar tem agora outra luz!
Raios de cristal se refletem,
Em teu e meu corpo o prazer se traduz!
Nossos olhos não nos mentem!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 





FOSTE O MEU AMOR

Foste o meu amor sereno
Sempre que te ia amando
Amava-te em pleno
E não de vez em quando

Tinhas um olhar perfeito
Como uma planta florida
Como era bom amar-te no teu leito
Eras a minha preferida

O teu doce corpo beijei
Sentindo o fogo à flor da pele
Quando te toda tomei
Tudo me soube a mel

Quando no teu leito te amei
Parecido com um castelo
Sentia-me como se fosse um Rei
Desfrutando do teu corpo belo

Deste-me um delicioso beijo
Ai...a doçura que senti
Eras um amor fogoso sem pejo
No corpo ardente em que te vi

Quando te ia amando
No teu castelo de amor
Hoje apenas me vou lembrando
Daquela que foi, a minha flor.

José Martinho. 





 "Perco os nortes"

Perco os nortes,
quando me tens nos teus braços
e entre beijos e amassos,
fazes do meu corpo um repasto,
digno de um rei!
E eu sei...
Chegas-te a mim e eu te afasto,
naquele festim, em que eu digo sim, sim, sim!...
Tantos sins, perdendo-me de mim!
Em que eu perco os nortes,
nesses teus braços fortes.
Chegas-te a mim e eu te afasto!
Fazes do meu corpo um repasto,
digno de um rei
E eu sei....
Que a ti me entreguei!

Autora: Fátima Andrade 




 Vejo-te chegar..
Vou ao teu encontro.
Abraças-me com força e desejo.
Despolota o calor que fervilha em mim.
São labaredas de fogo,
que se descontrolam
quando estás por perto,
e que chamam por ti!
Delicadamente, caímos ao chão.
Nessa sedutora tentação carnal.
E está tão quente esse chão..
Onde nos deitamos e amamos.
Nossos corpos já meio despidos, molhados..
descobrem-se..ainda que envergonhados!
E todo o corpo se arrepia..
e se agita..
nessa doce corrente envolvente de prazeres!
E conduzes-me descaradamente..
com o toque suave dos teus dedos.
E na safadeza dos teus lábios.
Transportamo-nos para outra dimensão.
E nesse chão..
Fica eufórico o meu coração.
Tão impaciente!
Mil sensações despertam em segundos..
e seguem-se horas de ternura..
e de muita aventura.
Tão boa essa explosão de sentires!
Lavra esse fogo, intenso.
E caiem gotas de suor por todo o corpo.
Perdemo-nos nesse nosso tempo.
Despidos de tudo lá fora.
A viver o momento do aqui e do agora.
E deixamos, que todo o passado fique para trás.
Só importa este momento.
E o nosso melhor presente
é o nosso presente momento!

by Tania Lourenço 




“OS TEUS BRAÇOS”
De novo os teus braços me aprisionam
De novo sinto as tuas caricias
Pés descalços, corpos nus
Garganta rouca de beijos
Pele húmida e escorregadia
Madrugadas acetinadas
Num amanhecer de amor
Os segredos, os sorrisos
Descobrimo-nos na noite
Que antecede prelúdios loucos
Silêncios e gritos calados
Ecos que soam na noite
Devolvo o que me dás
Amamos de novo
Como se fosse a primeira vez
Como se nunca houvesse ultima
Na armadilha desse olhar
Enredamos a nossa teia de amor
Ultrapassa a realidade
Vamos mais além do sonho
Sentimentos que perduram em nós
Cansados…
Mas saciados…
Adormecemos finalmente…
Abraçados…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 





 RAMO DO MEU CORPO

Vem nas asas do amor
Para que meus olhos te vejam
Meu coração bata de alegria
Vem ramo do meu corpo
Beijo com sabor a cereja
Voa no espaço
Trás um amor ainda maior
Aninha-te no meu peito
E sente-me com emoção
Nesta onda de mar calmo
Que te deseja em desejo
No luar de lua cheia
Sentir-te junto a mim
Âmago em serenidade
Cumplicidade perene
Vem ramo do meu corpo
Junta-te ao meu, em silêncio
No desejo forte de, amar, amando.

Rosete Cansado 




 A NOITE CAI

Adormece a noite,
com ela a imaginação acorda
e nebulosas de sentires se revelam
ao meu agitado espirito
e tornam a ti,
continuadamente,
até o sono me adormecer
e o sonho me cativar
em companhia tua,
envoltos em perfumes de jasmim
que de ti rescendem
e inebriam todo o meu ser.
E canto-te de saudade,
quando o sonho se despede,
de mim.

José Lopes da Nave 




 SE EU PUDESSE MORRER EM TI

São cinco da manhã ,a noite parece não ter fim ,os segundos são contados um a um e eu nas tantas voltas que já dei só penso em ti .

Se eu pudesse morrer em ti,nos espasmos das nossas loucuras num daqueles momentos em que tudo tinha a cor da lua prateada,o doce das amoras que trincámos ,a fragrância das flores que recebia das tuas mãos .
Morria ,para depois renascer de novo ,as cinzas do passado davam a luz à lavra do vulcão que arde no meu peito .

Desejo-te nas manhãs de nevoeiro onde não vislumbro um palmo à minha frente mas sei que vens na direção ,desejo -te nas noites de temporais onde as lágrimas caem em pranto ,mas eu aqui no meu canto não desisto de esperar .

Quero rebolar nos lençóis suados de prazer ,nos tapetes farfalhudos que escutaram os gemidos ,morrer em ti e acordar na Primavera de outros tempos .

Agora deixa que te lembre que és meu manto nesse céu onde estarei mesmo viva ,porque a morte é apenas uma passagem .
E um dia tu e eu nos vamos nos abraçar porque solto já estarás à minha espera.

Anabela Fernandes 




 Preciso de ti para sempre

Preciso de ti
do teu olhar
que penetra a minh'alma
do teu corpo em mim
em mil caricias sem fim .

Presiso de ti
dos teus abraços apertados
que me envolvem com desejo
e das tuas mãos quentes
entrelaçadas nas minhas.

Preciso de ti
dos teus lábios nos meus
dos teus beijos doces
cheios de ternura
e que me levam há loucura

Preciso de ti
pois quando tu me abraças
abro o meu coração
sinto emoção
amor e paixão .

__Sabes amor!
Eu preciso de ti para sempre
pois quando amamos nós nos doarmos
e pertencemos um ao outro
eternamente__

Mila Lopes 





 SONHOS E ILUSÕES

Oh tanto que tenho sonhado
Não sei se a dormir ou acordado
Mas o teu corpo tenho descoberto,
Mas sinto no meu interior
Esse teu ardente calor
Como areias quentes do deserto.
Sinto o teu respirar de prazer
Vejo o teu corpo a tremer
Não sei se de medo ou de ansiedade,
Mas sei que arde o meu coração
Ao pensar se é ilusão
Ou se és mentira ou verdade.
Fecho os olhos e vejo-te com clareza
Seminua na tua nudez de pureza
Que me leva há loucura,
Por isso vou continuar a sonhar
Quem sabe um dia ao acordar
Sejas a fonte que mate a minha secura.
Tenho sede, tenho vontades
Tenho as minhas necessidades
Onde contigo as tento satisfazer,
És vulcão de lava pura
És o veneno da minha tortura
Que vou degustando aos pouco com prazer.
O teu veneno não me mata
Apenas me maltrata
Por não te possuir,
Mas sei que sonho acordado
Mas desejo estar a teu lado
E do meu sonho usufruir… E HAJA SAÚDE, José Duarte Soares,  





 Ins(piração)

Porque será,
que está escuro?
e porquê que te viras de costas?
vejo-te assim tão esbelta feito sereia!
mas sinto entre nós um muro...
e não encontro respostas.
Provocas-me com teu corpo nu,
olho o teu corpo estático,
lindo, puro, angelical,
aproximo-me de ti,
tiro-te a langerie,
e o que tem?
tem mal...!
e o que faço?
não sei não...!
uso os dentes?
uso a minha mão?
ah, que baralhação...!
ah, que descaramento...!
e que provocação...
Ah... fui eu que escrevi isto?
Ah... que momento caliente...!
Ah... cuidado com a má interpretação...!
Ah... fui eu fui... Não levem a mal;
Apeteceu-me brincar com a sexualidade...!
E servi-me dela num momento de inspiração.

Florinda Dias

    


24-05-2018 

 Conto erótico

"Desejo cru"

Ia espreitando, ciente que estava a ser observada.
Naquela rua, onde existia uma encruzilhada.
Pela fresta da porta, pintada de um azul cobalto, eu espreitava com assombro, quem por ali passava!
O meu coração batia descompassado,
ao ver, aquele príncipe encantado.
Ele parou e olhou na minha direção... Fiquei presa ao chão de madeira gasto.
O coração galopava no meu peito!
Tive a impressão que ele, conseguia ver-me através da porta...
Queria afastar-me, mas as pernas não me obedeciam e o meu olhar não despregava!
Conseguia ouvir o meu próprio coração a galopar, querendo ir ter com aquele homem.
Meu Deus! O que era aquilo, que estava a sentir, por um total desconhecido!?
Recuei para trás e "Zás", estatelei-me no chão! Fiquei zonza, desnorteada...
De repente, a porta abriu de rajada e... lá estava ele, parado, olhando para mim.
Fiquei embasbacada, sentindo um rubor nas faces.
O olhar dele, era de um negrume intenso, como uma noite sem luar, deixando-me com falta de ar!
Aproximou-se, estendendo a mão, à qual, estendi a minha, quase mecanicamente.
Estava ciente daquela pressão, eletrizante, que nos rodeava.
Ele ergueu-me, não despregando o olhar... Roçou os dedos no meu rosto, afastando uma mescla de cabelo, que caía sobre o meu nariz, sentia-me sem jeito... Toda eu tremia, o meu coração revoluteou, e já nada ouvia!
Chegou-se a mim... reparei que também ele ofegava, era alto e robusto...
Para mim olhava profundamente, e eu li, desejo, naquele olhar ardente!
Foi como um fogo, consumindo-me ferozmente, quando ele me beijou! Primeiro delicadamente, para depois me consumir naquele desejo, inconsequente, estouvado, necessitado...
Agarrei-me com sofreguidão, ao seu pescoço, enquanto ele me devorava os sentidos, e me despia com urgência.
A sua mão roçando num mamilo, deixando-me tonta de desejo, descendo a boca, mordiscou-o... Dei um gritinho!... Que loucura era aquela?!
O seu olhar captou o meu, como que a pedir consentimento, e eu a dei, naquele mesmo momento!
Quando dei por nós, já estávamos deitados, sobre o chão de madeira gasto, mas não me importei, a ele me agarrei!
Aquela urgência dentro de mim palpitava, bem no centro do meu corpo, toda eu brilhava de desejo...
Toma-me... Sussurei
Toma-me, sou tua!...
Arquejei, perante a investida dele! Primeiro docemente, depois profundamente...
Toda eu sentia aquele membro duro , preenchendo-me, dilacerando-me de prazer... a cada estocada, ouvia-nos gemer... Ele olhou-me e vi o desejo cru, flamejante, crescendo à medida que nos aproximavamos do ponto sem retorno, da libertação...
Emergindo de nós, deu-se uma explosão de prazer, em perfeita sintonia.
Aquele querer, aquele necessitar, aquele poder ter, e o prazer prolongar...
Os nossos gemidos e corpos fundidos, como ferro em brasa, incandescente, rumorejante, vibrante...
Ficamos agarrados, entrelaçados de braços e pernas, ofegantes, delirantes... Os nossos corpos orvalhados, repousando no chão de madeira gasta. Ficamos assim, um no outro misturados, olhando-nos intensamente, aturdidos com o que tinha acontecido, este desejo e prazer desmedido, que nos assolou e conta de nós tomou!
Ele sorriu para mim, com os seus olhos negros, penetrantes, lendo-me o pensamento, e, eu soube naquele momento que tudo iria recomeçar! Beijou-me com sofreguidão, devorando-me por inteiro, senti o seu cheiro a masculinidade e a desejo...
...tudo, naquele intenso beijo! Recomeçamos aquela cadência palpitante, extasiante, penetrante... Incitando-me, ele falou, sussurrando... Toma-me, sou teu... E eu tomei-o, por inteiro!
Abdicando de todo o discernimento, ele levou-me pra lá do firmamento! Entalhados um no outro,
fomos fundindo-nos pouco a pouco, num frenesim brutal, de entrega total!
"Tem-me...toma-me...sou tua...eleva-me até à lua..."
E este necessitar e querer, explodiu, em milhares de partículas de prazer...
Para lá de nós, numa torrente imaterial, fundin-mo-nos um no outro, numa entrega total!

Autora: Fátima Andrade 





Uma vida bem vivida.

Amor o teu cheiro a tua pele,
De delicioso sabor a mel!
As tuas mãos tão suaves,
Porém fortes e calejadas!
Afagam lentamente o meu corpo,
Daquele jeitinho que eu gosto!
E quando tento adormecer,
Eu não consigo esquecer,
Que tu existes em mim,
E eu sem ti não sei viver!
Nossos filhos, são fruto da paixão,
Que arrebata nosso coração!
E nós um ao outro dando a mão,
Como amante, amigo é irmão,
Uma vida bem preenchida,
Com muito amor vivida!
Se houve algum momento,
Difícil de ultrapassar,
Evocamos o verbo amar,
Navegando naquele mar,
De um azul cinzento,
Que mais não foi que um lamento!
Um beijo amor meu!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 






JÁ NÃO ME ENCONTRO SOZINHO.

Já não me encontro sozinho
O meu coração recebeu um beijinho
De um amor que chegou
E por ele se apaixonou

Apaixonou por uma mulher linda
Que em boa hora foi bem vinda
Vamos construir o nosso lar
Onde será a guarida do nosso amar

Vou-lhe dar muito amor
Um amor cheio de esplendor
Que a possa levar à loucura
Com bastante desenvoltura

Debaixo dos lençóis de linho
Sentir os teus seios passar de mansinho
E os teus lábios no meu peito
Dando-me beijos a perceito

Com os nossos corpos colados
E os nossos lábios bem beijados
Fazem-nos sentir perdidos
Ouvindo apenas gemidos.

José Martinho. 





 Segredos

Ah! Quantos segredos guardam os teus dedos.
Ah! Como conheço a curva dos teus lábios.
Loucos amantes,
Insanos tanta vez.
Perdemo-nos na curva dos sentidos.
Procuramos com certa avidez.
O momento alto da loucura,
Quando a voz se perde num suspiro.
E num sussurro se pede na mudez de um beijo.
Amor leva-me ao céu mais uma vez.

Augusta Maria Gonçalves 




“AS MINHAS MÃOS”
As minhas mãos
Percorrem os traços do teu rosto
Com as minhas mãos
Acordo novas estradas
Noutros caminhos já percorridos
Onde teimosamente
Te amo e te sonho
Quero pertencer aos teus sonhos
Não quero que se desfaçam sem mim
Naquele amanhecer
Onde encontrámos o amor
Deixa que o tempo
Nos deixe viver e amar
Deixa que os nossos corpos se afaguem
Nossas línguas se cruzem
Deixando de lado
Preconceitos e medos
Semeio searas de saudade
Nos desencontros em ti
Deixa que os tempos vividos
Ponham o passado de lado
E nos deixe amar mais e mais
Perdi-me no amar dos teus beijos
No roçar de corpos
No calor dos desejos
No ardor desses beijos
Neste anseio de estar em ti
Perdi-me em mim
Vivo em ti…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 





 SETE SOMBRAS...

caiu a noite de mansinho
o corpo estremecia de desejo
sentada no vazio
do nosso quarto
sonhei acordada
levitei no sonho
voltei aquele recreio
imaginado
senti-me por ti desejada
recuei no tempo
olhei a lua
cada sombra eram momentos

Fui amante vestida de tigresa
real certeza em ti
fui o ÀS de Espadas do baralho
nas noites onde jogámos
o jogo do AMOR
fiz a Dança do Varão
ao som de uma melodia
caíram as peças de roupa
nua, fiquei até ao romper da madrugada
fui Actriz Principal no espaço da ousadia
fui a tua musa encantada
alma danada que te tira do sério
mistério por desvendar

De manhã vesti a farda
Hospedeira de profissão
dona do teu coração
saí para rua senti-me Leoa
e agora meu Amor
até que a voz me doa
vou vestir as sete sombras
do filme que ambos vimos
vou recriar a personagem
quando o sol beijar o mar
e de novo houver luar

Anabela Fernandes 




 Beijos de desejos

Os nossos beijos
deixam marcas
nas nossas noites
de amor
são gotas de sedução

Os nossos beijos
são como lava de vulcão
arrepiam a nossa pele
são carícias ardentes
de paixão.

Os nossos beijos
estão gravados
no nosso corpo e alma
são sensações únicas
são beijos de desejos
sentidos pelos dois.

Os nossos beijos
são pura emoção
são loucura e prazer
selam o amor que nos une
e que sentimos no coração.

Mila Lopes





 NOSTALGIA

Lembras-te daquele dia
em que eu não te esperava
e tu me aparecestes em magia?
Lembras-te daquele momento,
em que eu disse, espera um pouco:
e ao aparecer de langerie, quase que te deixei louco?
Certamente que sim, pois eram momentos tão nossos
e eram vividos num amor que mais parecia,
que não ia ter mais fim, eles eram preciosos.
Lembras-te das nossa rotinas
e de como o tempo passou?
Tanto amor, tanta paixão
tantas promessas
tanta ilusão.
Ah e o tempo... o tempo que não parou!
Ah e o tempo... o tempo que tudo o vento levou!
Ah e tu... Ah e eu... E a langerie?
Sabes onde está...?
Está guardada à espera de Ti.

Florinda Dias





 17-05-2018
 Queres ver ?
Será que não ?
A liga na m'inha perna
Pois então
Vem ...Sim ao meu jardim
Traz flores
Rosas vermelhas
Paixão ao rubro
Sensação
Perto de mim
Eu te cubro

Destapa e vê
Lê-me nos olhos
Tira a colhant
Preta arrendada
Sou tão safada
Será que gostas?
Fiz uma aposta
Meti liga
Um tom garrido
Agora espero
Assim eu quero
Tu muito mais
Desliza a mão

Apenas vê, se é teu agrado
Tira depois
Ao anoitecer
Atrás da lua
Perto do mar
Serei só tua
Se acontecer
As ondas levam
A liga que liga
As duas margens
Personagens somos

Anabela Fernandes 





 O MANJAR DOS SENTIDOS.
Jovens,
De olhares castos,
Nus, belos.
Corpos desabrochados
Na sublimada beleza da perfeição.
Olham-se com ternura vestida de descoberta.
Em silencio sonham.
O desfrutar dessa liberdade,
Amar sem pecado,
Nas almas puras não há lei,
Nem vergonha da beber a prodigiosa nudez.
Bebem-na em beijos caídos no ventre
Enfeitam já pétalas os seios.
As mãos aprendizes castas puras.
Tocam a pele como quem toca piano delicadamente sem ter partitura.
Já nos olhos se acendeu a luz,
Seus corpos são tochas iluminadas.
Enleiam-se na dádiva imprumiscua,
São eles a força do querer.
Esquecem por momentos,
O mundo, as leis.
Um beijo profundo, um grito de paixão.
Eles desatam o segredo,
Já sem medo, saboreiam a taça tranbordante,
Que jorra de dois corpos famintos,
Que descobrem o manjar pleno dos sentidos

Augusta Maria Gonçalves. 





 Chego a casa.
Pouso a mala .
O corpo cansado,
despe-se de tudo,
e do nada que carrega.
Toca a campaínha.
Espreito pelo buraquinho da porta.
E vejo-te!
Com aquele sorriso malandro,
Que me faz sentir desejo de ti.
Abro-te a porta.
Surpresa, dizes tu!
Arrebatas-me,
em teus braços,
e beijas-me loucamente.
Com fogo, de me querer!
Ferve meu corpo já despido .
Delicadamente,
deixo que me roubes,
pelo tempo que me quiseres!
Deixo-me levar nesse desejo.
Matamos a sede com beijos.
Alimentamo-nos de amor.
Até que nosso fôlego persista.
Que bela surpresa tu me saíste!
Fossem assim todos os dias,
de muita loucura e ousadia!

by Tania Lourenço 





Mãos acetinadas.

Tuas mãos acetinadas,
Pedem momentos de prazer!
Nossas bocas esfomeadas,
Já sabem o que fazer!

Palavras cor de cereja,
Sussurram entre os gemidos,
Quando tua boca me beija,
Se elevam todos os sentidos!

Os sons vão rodopiando,
Dando vida aos sentimentos,
Dois corpos nus se amando,
Deliciando os belos momentos!

Cansados, porém não saciados,
O fogo em nós permanece!
Busco tuas mãos acetinadas,
E tudo de novo acontece!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 





O AMOR

Olhei-te, tão linda,
parecia não ser verdade.
Era difícil afastar os meus olhos de ti.
Se pudesse acariciar-te,
seria como tocar o paraíso
e desejei abraçar-te tanto!
O amor estava a chegar
e, agradecia por isso.
Reparaste na maneira como te olhei?
Nada havia que se comparasse,
ao teu olhar alegre que me fascinou
e, não tinha palavras particulares para te dizer.
Mas, se vieres a sentir o que sinto,
diz-me que é real.
Precisarei de ti para iluminar meus dias.
Amar-te-ei, acredita, quando o disser.
Então, que te encontrei serás todo o meu bem.
Deixa-me amar-te.
José Lopes da Nave 




 "Aqui e agora"

Ao teu lado...
Por cima
Olhando-te de esquina
Rebolando, brincando,
Minha coisa minha.
Entramos em delírio
De tanto rir,
Beijos à mistura
E o bom, que é sentir,
O teu amor e delicado,
Esmerado, prazerado...
Por mim!
Somente por mim
Tu que és o meu falorin
E me revestes, com suaves carícias de cetim.
Rebolamos...
um com o outro nos deleitamos
E amamos.
E é tão bom este sentir,
Por ele nos deixamos ir...
Aqui, agora...
Pois o amor para acontecer,
Não tem tempo nem hora!

Autora: Fátima Andrade 




FOI TÃO BOM AQUELE ENLACE.

Todos se foram deitar
Apenas nós ali ficámos
Com vontade de nos amar
E a oportunidade não enjeitámos

Sentia a respiração na minha face
Enquanto minhas mãos passeavam no teu peito
Foi tão bom aquele enlace
Um enlace amoroso e perfeito

Quando a tua boca se aproximou da minha
Com desejo e muito amor
Eu senti em mim que tinha
O corpo a arder com calor

Os nossos corpos se juntaram
As nossas mãos se entrelaçaram
Os nossos lábios se beijaram
E os calores quase que passaram

Estávamos ali apenas os dois
Fizemos amor que nos viciou
Alguns minutos depois
O ritual, se reiniciou.

José Martinho. 




“MOMENTOS”
Há momentos em que as palavras
Não querem dizer nada
O silêncio é eloquente
A alma não retém os sentimentos
Os olhos traduzem
E as mãos ficam inquietas
Não resistem aos sonhos
Às emoções e às paixões
Aconchegam-se na esperança
Nos momentos de quereres
De sabores e odores
Há momentos
Em que vejo o amor
Sensual e louco
Escorrer por entre os dedos
Agarro-o
Numa ternura sem fim
Alojam-se na tua boca
Desejos e prazeres
Não se conseguem calar
As estrelas sussurram entre si
O grito é abafado
Na garganta seca e rouca
O sol deixou um rasto doirado
Nas réstias do marulhar do mar
E nós de mãos dadas
Pés descalços na areia
Caminhamos …Suspiramos…
Esperamos o momento de amar…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 





ENTREGO-ME
Entrego-me e entrego-te
o meu corpo ainda quente
como tu te entregaste.
Entrego-te o meu corpo
que arde na labareda escaldante
de um instante de loucura
onde o desejo e a volúpia
se contorcem de tanto prazer.
Respiração ofegante
lábios em chama.
Entrego o meu corpo ao teu
sedento de desejo
e os teus lábios quentes
se entrelaçam nos meus.
Dois corpos que se querem
e se entregam numa dádiva
de amor e paixão
e as nossas mãos escorrem
pelo nosso corpo ardendo
em sensualidade
onde a volúpia acelera
pelos nossos corpos abastecidos
de ternura, amor e tentação.
Onde os lábios famintos
ardem de prazer e se consolam
num espaço sem espaço
onde o suor escorre e chora
de tanto prazer e deleite...!
M J S





 Amor para toda a vida

O nosso amor
é carinho e doação
sinceridade e fidelidade
dedicação e ternura
prazer e emoção
vive no nosso coração

O nosso amor
não é só desejo
nem é só sexo
é o querer e sentir
é o encontro de duas almas
que se doam um ao outro com doçura .

O nosso amor
é intenso e puro
é para toda a vida
nós somos dois seres
amigos e amantes
que se vão amar eternamente.

Mila Lopes 






QUE DOCE SERIA...

Que doce seria o amanhecer
na alquimia dos cansaços
se eu conseguisse
fazer o tempo retroceder
ter-te de novo em meus braços.

Adormecer no teu conforto
depois de uma noite ardente
arrepiada de euforia
vestida com o teu corpo
saboreando o que ele sente.

Treme o peito de ansiedade
levado pelos pensamentos
teus lábios poder beijar
ó suprema felicidade
sentida nesses momentos.

Se em ti eu pudesse acordar
que doce seria o viver
por uma palavra de amor
de novo voltaria sonhar
que doce seria o amanhecer...

Aida Maria (Aida Marques) 





 QUERO-TE

Fico tremula com o toque do teu corpo
Minha respiração suspende-se
É um querer tentando abater este desejo,
Meu corpo começa a tremer
Tu começas a descer
E meus dentes a ranger
Quero te prender em mim
Reaver tua boca contar a minha
E em teus lábios os meus permanecer,
Tuas mãos quentes
Acariciam minha pele
Meu coração dispara
Em compassos possíveis e impossíveis
Me deixando eufórica,
Quero desfrutar de prazer
Quero que me ames sem limites e limitações
Quero sentir
Teu corpo como o ondular das ondas em seu mar
Quero sentir intensamente
Tu invadindo a minha alma
Quero ser tua
Somente tua
Ama-me além do corpo
Ama-me acima de todas as coisas do universo
Deixa nosso amor transformar
Esta ânsia numa fusão
Dos nossos seres
Serem entrelaçados
Num só prazer

Sónia Pinto




10-05-2018 
 "Queremo-nos"

Quero-me em ti!
Quero-me no teu coração.
Quero-te assim que te vi
Quer queiras, quer não!

Mas, eu sei que tu me queres
pelo teu jeito de olhar
Por isso não desesperes
E vamos namorar.

De mãos dadas caminhando
ladeados por rosmaninho
Vamo-nos presenteando
Com um ou outro beijinho.

Quero-me a ti entregar
Como se fosse uma guloseima
Para que me possas saborear
Pela vida inteira.

Quero-te em mim
Quero-te no meu coração
Quero-te simples assim
Quer queiras, quer não.

Mas sei que me desejas
Pelo teu jeito de me querer
E quando me beijas
Todo o meu corpo, fica arder!

Por isso, queremo-nos
Assim, sem tirar nem pôr
E vamos juntos fazermos
O que fazemos de melhor...

Autora: Fátima Andrade 





NAMORAR

Namorar é nunca cansar
E dizer sempre o que sinto
Ouço o teu coração palpitar
Quando te beijo não minto

É sentir o teu cheirinho a perfume
Que me deixas na camisa suada
Do meu corpo parece que sai lume
Quando estás a ser amada

Namorar é acariciar os teus seios
E a tua boca beijar, beijar
Loucamente sem receios
De te poder enjoar

Se hoje não te procurar
Sei que irás ficar defraudada
Aconselho-te a recordar
A noite de ontem, bem passada

José Martinho




 AO CLAREAR

Te vejo,
ao alvorecer,
com o olhar desenho-te
e sinto-te,
com as mãos te esculpo
contigo regalos saboreio
te louvo
com olhos nos olhos
lábios em lábios
corpos num corpo
flutuantes
amantes.
De desejo me visto
em ânsias me sinto,
em tempo
de amor me perco,
no anoitecer.

José Lopes da Nave 




 SOBREMESA

Vesti a saia amarela
Cor tão bela dizes tu
Batem à porta...truz...truz
Abro os braços ,te recebo
Algum medo
Estremeço
Se agita o coração
Entre os seios a tua mão
Mereço esse toque e retoque
Beijo teu que é o meu

Subo as escadas
Vês as pernas
Saia rodada que malvada
Mais a cima
Atrevida...arrebita
Uma das pontas
Oh..que tonta
Vens ou não ?
Já fizemos a digestão
Do jantar
Agora falta a sobremesa
Ou na mesa ..

Trincas de um lado
Eu do outro
No morango
Cai p'ro chão
É do tango
Mexe a mesa concerteza
Peso a mais
Alguns ais
Afinal a sobremesa
Foi uma excitação
Sobre a mesa

Anabela Fernandes 





“GOSTO DESSE SORRISO”
Gosto desse sorriso
Desse olhar enternecedor
Gosto do teu enigma
Às vezes não sei bem quem és
Gosto do teu ciúme
Como se não soubesses
Que só te amo a ti
Gosto do que parece e não é
Gosto de te procurar
De te tocar e apalpar
Gosto de te encontrar
Nos becos e ruelas que percorremos
De mãos dadas
Devagarinho
Sem pressas
Sem horas
Só nós os três
Eu, tu e o nosso amor
Gosto de contigo
Olhar a lua
Olhar a noite e amar
Roçar na tua pele
Gostar do teu sabor
Do teu toque em mim
Gosto de andar contigo
Nas ruas do desejo
Na luxuria de um beijo
No desnorteio do momento
Na hora em que esquecemos tudo
E amamos…
Gosto desse sorriso…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 





Adoro sentir-te em mim
E o desejo não tem fim
Quando os teus lábios me tocam
Não sabes a sensação
Nem a verdadeira emoção
Que eles em mim provocam.
E o teu toque.... ai o teu toque
Faz-me enlouquecer
Não há outro que em mim provoque
Tamanho pico de prazer!
É loucura?
Se é loucura, louca me podes chamar
Porque no teu mar de ternura
Gosto de navegar !
"Então deixa-me no teu mar
Ser louco navegador"
Dizes-me tu ao beijar
Os meus lábios com amor!
E derreto de paixão
Nesse teu doce abraço
E fico a ouvir teu coração
Deitada em teu regaço!
E o seu bater compassado
Faz-me adormecer ao teu lado
Depois deste doce momento
Que encerra o nosso sentimento!
Isabel Susana Marouço 





 SONETO DE AMOR

Não me peças canções nem baladas,
Nem palavras, abre-me o teu peito
Deixa cair as pestanas fechando os olhos
Que entre os teus braços me alinho com respeito.

Na tua boca pousarei a minha com desejo
Que nossas línguas desvairadas se buscarão
Na languidez de um sentido profundo
Farão pulsar de amor o nosso coração.

Uma língua somente… em duas bocas unidas
Trocaremos nossos beijos em perfeito ênfase
Sentindo o nosso sangue em nós a pulsar.

Depois… meu amor abre os teus olhos
Verás que os meus estão a chorar por amar
Não digas nada! A vida, foi ela a nos juntar.

Rosete Cansado 





 A ESPERA

Vem amor,
Corre, segue o voo em flecha, dos melros e das rolas.
Não sigas o voo dos patos bravos,
O seu voo em V é multidão.
Querote só, bem junto a mim.
Não passes indiferente ás flores que perfumam o caminho.
São campestres, risos em pétalas garridas.
Colhe margaridas das singelas miudinhas.
Esperote
Destrancei minha trança,
Cobrem meu seio os cabelos anelados.
Vem descobre tu os meus segredos.
O leito é feito de verdura,
Mas para vestir a nudez da minha pele,
Espalha sobre mim as margaridas.
Alinda-me, fita-me os olhos,
Chama-me tua.
Diz!
" tens mulher nas mãos seda de ternura "
No beijo mel, és sol, és vida, amor fiel.

Augusta Maria Gonçalves 





 Tu e eu
e o amor
que nos une
e nos faz completos
entre desejos
e sonhos
somos duas almas
e um só coração
que unem
em íntima comunhão
são emoções
sentidas a dois
onde os nossos
sentimentos fluem
na dança de amar
e as nossas almas de doam
ao intenso querer
que invade o nosso ser
em provocação
é corpo no corpo
é beijo no beijo
numa e entrega total
da nossa história d’e amor-

Mila Lopes






 03-05-2018
TEM CALMA AMOR TEM CALMA.

Sossega o teu coração sossega
Que não me apetece agora
Descansa que não te dou nega
Só faço amor contigo, pela noite fora

Tem calma amor tem calma
Que mais logo a gente goza
Irei fazer amor com calma
Passaremos uma noite maravilhosa

Iremos fazer história
Nunca me irás acusar
Irá ficar na tua memória
Que levei uma noite a te amar

Meu amor tu tens um jeito
Lindo, belo sem rodeios
Enquanto beijas o meu peito
Eu beijo os teus seios

Quando me beijas mais abaixo
Fico imediatamente em brasa
Desfrutas do meu corpo
Como se fosse a tua casa

Deixa a mão caminhar
Por baixo do edredão
Algo hás-de encontrar
Que te encherá a mão

Escuta meu amor
Isso é algo que tem pele
Se beijares com fervor
Verás, que te vai saber a mel.

José Martinho 





 TU em Mim

Escrevi cada verso
No reverso
Debaixo da calça na tua perna
Letra a letra
Sem caneta
Comecei no tornozelo
Com as pontas dos dedos
Desenhei cada traço
Fui subindo sem embaraço
Compondo o meu poema
Levemente esborratei
O meu baton
No teu mamilo
Ganhou cor
Nosso amor
Já sem espaço
Subi um pouco cintura
Tinha altura
Escrevi em segredo
Nossos nomes
Gravados no coração
Deslizei as mãos
No teu corpo tatuado
De aguarela
Coisa bela
Agora em U
Corpo nu
Penetro na tua alma
Este rendilhado de emoções
Tu em mim
Quatro estações
Hoje terminou
Poema em ti
Um pouco de mim
Semente nossa
Floresceu à deriva
Agora fica
Num tempo agreste
Flor campestre
Ornamentou
Onde não consegui escrever
Nas curvas do teu corpo nu

Anabela Fernandes 





 INSTANTE MÁGICO.

Amor, porque vejo em teu olhar um mundo aceso.
Porque te quero perto, perto.
Porque sem ti sou aridez, murcha flor,
Duna de areia fina, um deserto.
Entardece, lá fora a natureza sonora entoa,
Cantos de despedida.
O dia em magicos rigores alaranjados,
Se dá ao sono pelos prados.
Fascinio raiado de luar.
A lua nasce, escuto passos,
Vejo tua sombra.
A porta entraberta é essa espera.
Estou aqui,
Vem traz nas mãos a seda das caricias.
No olhar o verde esmeraldado das promessas.
Não fales, beija devagar.
Segue pelas margens do meu corpo.
Dá de ti o melhor no gesto generoso de me querer.
Rega com suor de modo arrebatado.
O instante mágico do amor acontecer.

Augusta Maria Gonçalves  





 BAILANDO EM NÚVENS

A luz reflectia-se em teu rosto
como em imagem mágica,
enquanto bailávamos,
a compasso da musicalidade das notas
vibradas.
Teu abraço que me envolvia,
enlaçado,
me agradando
meu prazer sentindo,
te querendo.
No salão, vislumbrando
vi-te abeirando,
me deslumbrando,
meus sentires aumentando.
Flor de lótus que me floresceste
asinha, me ofereceste
promessas de amor,
em gaivotas a par voando
em mar azul.

José Lopes da Nave 




“IDEIAS”
Ideias que vêm do nada
Num sopro
Num aceno da brisa
Num afagar de amor
Numa folha esvoaçante
Numa lágrima caída
Num olhar apaixonado
Num estremecer de corpos
Num olhar de ternura
Num toque em ti
Num beijo louco
Num abraço suado
Num sorriso rasgado
Num trocar de caricias
Tanta coisa por dizer
Tanta para explicar
Não sei mais que fazer
Chegou a hora
O poema chama
Vou fazer amor com o poema
Vou fazê-lo transpirar
Vou contornar as suas formas
Dizer como é quente e belo
Vou incendiar a sua chama
Dizer como o adoro
Como quero ficar dentro dele
Cansada e serena
As palavras viraram poema
Obrigada poema…
Viva o poema…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 




 "Tu e eu"

Apenas tu e eu
neste retalho de céu
de um azul profundo.
Enamorados
Entrelaçados
Um no outro, embutidos...
de prazeres desmedidos.
Anichada em ti
num arroubo me perdi!
Neste amor fulgurante,
inefável, pujante...
E em ti, me excedi com vigor...
... Sim amor!
Sou tua e tu és meu,
neste pequeno...
retalho de céu!

Autora: Fátima Andrade 





ABC

Se quiseres comigo explorar o abecedário
Podemos iniciar com A de amante abraço
Prosseguir com B do bom beijo diário
E o cê... Do caloroso carinho, que te faço

D de desejo dos dois, do dividido devaneio
É de emoções, de merecidas evasões
Feliz tem F, tem furor e futuro pelo meio
G tem a gente com gozo e gigantes sensações

Ahhh tem H e também tu, oh homem
Juramos juntos liberdade em livro
De L maiúsculo, de M graúdo também
De miúda, muito mulher que me sinto e sirvo

Nem nunca nem não, N na nuca e eu nua
Vem P... Porquê? Por puro prazer, conchinha
O riso em resumo, é de Rê, de letra Rainha
S de sempre sim, sombra e de sina, a tua!

Quero aquele Quê do teu T, tão traquina!
Uuuuuui...vem! Vive comigo em rima azáfama
Vivemos a vida num vocabulário de adrenalina
Com acentos matreiros e pontuação máxima

Somos corpos de linguagem afinada,
Sou alfabeto táctil, sabes-me de cor
Falo-te baixinho, em sílaba arrepiada
Que pontuas com teu dom maior

Rute Pio Lopes







 26-04-2018

 ONDAS DE PRAZER

Noite escura
Praia vazia
Dois corpos na água
Sedentos de amor
Toques audazes
Olhares capazes
De seduzir
Deslizam as mãos
Inebriante prazer
Nas ondas se emergem
Vontade de mais
Suspiram gemidos
Em sons delirantes
Por breves instantes
Fomos à lua
Num truca truca
Que não machuca
Caímos na areia
Acordámos ao sol
Aqui neste momento

Anabela Fernandes




 A NOITE.

Obrigada amor
Comigo rasgaste a noite de cetim e luar.
Alindas-te o leito de flores singelas.
Era de rosmaninho o perfume.
Tu perfeita escultura de marfim.
A mim me despia já o querer-te
O robe rosa velho acetinado, era de rendas alindado.
Fitaste-me amor,
Um convite desse olhar verde como um prado.
Já nos lábios o beijo era presságio.
Do romance, entre a terra e o céu.
Tu amoroso, terno.
Eu a deusa amante.
Nós figuras delicadas na noite delirante.

Augusta Maria Gonçalves.





DE LOUCOS NADA TEMOS.

Os teus beijos me cativa
Tornando-me atrevido
Todos os dias que eu viva
Por ti tenho que ser possuído

Os teus olhos me ilumina
Tua boca, só quer a minha boca
O calor do teu corpo me contamina
A vida para nós é muito pouca

Fazemos amor deitados
O contrário de como era dantes
Sempre bem enroscados
Como se fossemos dois amantes

Mexes-te como se fosses uma bailarina
Sinto os teus seios no meu peito a bater
Provocas em mim uma adrenalina
Que não consigo a suster

Fazer amor é maravilhoso
Com a pessoa que se ama
Estou sempre desejoso
De ir contigo para a cama

Agimos como se fossemos loucos
Mas de loucos nada temos
Fazemos amor todos os dias aos poucos
Porque bastante nos amamos.

José Martinho. 





 "Conchinha"

Deitados de conchinha,
o roçar dos teus lábios
arrepia-me a espinha.
As minhas mãos, procuram as tuas
e, naquele aperto de corpos em conchinha,
com a tua mão na "minha"...
começa o frenesim,
e eu suspiro sins, ao sim daquele frenesim.

Autora: Fátima Andrade 





HORAS SEM HORAS

Momentos Escaldantes

Tenho horas que arrefeço
Outras que nem me conheço
Quando se trata de amar,
Sinto cheiros e aromas
Serei fruta que comas
No meio deste mar.
Sou do teu corpo costela
Por isso vivo com ela
Sentindo dor e prazer,
Sou o teu fruto proibido
À espera de ser comido
Escutando o teu gemer.
Somos almas inquietas
De amor em horas certas
Entre lençóis de cetim,
Somos apenas pensamento
À espera do momento
De estares junto a mim.
Sentir o teu calor
Beijar-te com ardor
Como vulcão que rebenta,
Sou Águia sempre à espreita
Sou a tua alma perfeita
Que de prazer está sedenta.
Deixa me gozar o que me resta
Explorando a tua floresta
Onde eu sonho mesmo acordado,
Percorro o teu corpo luzidio
Como vela sem pavio
No porto que estou ancorado.
Aí! Este delírio infernal
Ao verte de fio dental
Seduzindo a minha mente,
Deixo-me levar pela imaginação
Enleados nesta terna paixão
De amor e prazer constantemente… e haja saúde José Duarte Soares,  





Adorno

Meia lua, quarto crescente.
Dois corpos maduros cingidos
Pele fresca em pele quente
Em formato amor unidos

Saudades em tom natural.
Másculos viris convidam a perna de seda
Para o encaixe de sensibilidade igual
Ao da conchinha, na areia quêda

A roupa cede à vontade.
Eu, vestida de mim, de dunas e vales
E tu, de simples querer e habilidade
Sou o perfume de vento que tu equivales

Quarto crescente, a lua meia.
Tu, mesmo no escuro sabes o contorno
De mim, na justa forma da tua candeia
Assim, somos do céu o perfeito adorno

Texto de Rute Pio Lopes 





Estarmos chateados?
Detesto...
Mas em contrapartida
Fazermos as pazes sabe-me pela vida....
Adoro quando me tocas de forma carinhosa. ..
Quando me provocas e me fazes sentir vaidosa...
É sempre especial cada reconquista
És o meu fado e adoro ser fadista...
E para ti sou guitarra cujo som sabes decor
Quando com teus dedos me tocas a nossa canção de amor....
Sabes o meu dó e o meu fá
O meu ré, mi, sol, si, lá. ...
Sabes os agudos... os graves...
Os silêncios... apenas tu sabes....
Sabes como me tocar para o melhor som obter
Como fazer-me vibrar e me levar ao prazer...
Quando me tocam as tuas mãos
Facilmente chego ao céu
Nunca são desejos vãos
Que existem entre tu e eu.
Isabel Susana Marouço 





“SIGO-TE”
Sigo-te com os olhos
Abraças-me
O meu ser entrelaça o teu
Eternizamos o amor
Sempre juntos
Laços meus e teus
Cúmplices do sol e da lua
Tudo me faz tua
O teu roçar de pele
O teu respirar em mim
A lua ilumina a noite
Deixando sombras
No nosso quarto escuro
Derrete-se a solidão
As palavras calam-se
O amor apodera-se de nós
Paira no ar um clima
De sabor a ti e a mim
Uma dança de amor
Sobrevivência do ser
Dois corpos que se amam
Duas almas numa só
O amor explode
Numa respiração ofegante
Num mar de emoções
Só nós dois
Neste quarto
Iluminado pela lua
Onde o amor permanece
Até ao amanhecer…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA





Namoro.

Tempo de encanto!
De cativar em cativar,
Tempo de deslumbramento,
O tempo de namorar!

Tempo do doce beijo,
Do olhar sedutor,
Que provoca o desejo,
E se transforma em amor!

Tempo da concepção,
Fruto do amor maior,
Onde só se escuta o coração!
Nosso namoro, será eterno amor!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana


 

 

 19-04-2018
Fogo posto

Há fogo aceso que não se vê
Brasas dentro de ti que ninguém lê
Só tu sabes como atear
Num simples sopro de corar

Depois, levíssimas cinzas, quase invisíveis
Serão afinal partes de mim bem credíveis
E de novo hei-de inflamar, quando a ti voltar
Numa sinopse perfeita do corpo a reiterar

Mas, se for eu uma vela esculpida
Tu serás o elegante castiçal à medida
E então, meu fósforo em lixa suave
Num encosto breve, chama imediata e grave

Ardo, desde o ponto fiel
Em pavio humedecido em mel
Ardo, em gula incandescente
Num clarão consumido, semiconsciente

E depois... Depois, de novo hei-de imaginar
Em ti outro qualquer modo de deflagrar
Adocicado ou salgado, intenso e apurado
Desde que me sinta totalmente incendiado

Rute Pio Lopes 





 És vulcão
És chama
A cama
Onde me deito
Deleito
Nesse corpo semi-nu
És tu
Raio de sol
Luz intensa
A carne que alimenta
Infinito
Bonito
És seara de trigo
Meu abrigo
És regra
Sem ter regra
Contratempo
Neste tempo incolor
Mas amor
Chegaste
Num fulgor
Radioso
No sonho em pleno Agosto
Vi-te ....
Viste-me
Tal como agora
Sem ir embora
Ficaste

Anabela Fernandes 





 "Vem"

Amor, vem aqui!
Deixa-me fazer-te
o que eu quiser...
Vem para junto de mim,
moldando-te ao meu corpo de mulher.
Vem amor...
A tua musa, deixa-me ser.
Olha bem pra mim...
Diz lá, se não estás desejoso de me ter!
Humm... O que me dizes amor?
Estou aqui!
Vem arrebatar-me...
Vem silenciar este meu pedido
Vem amar-me,
em desvairio.
Vem, não me deixes arrefecer...
Vem moldar-te, ao meu corpo de mulher.
Não te demores!
Desejo tanto que me proves,
como só tu sabes!
Deixa-te vir, não te acanhes...
e em mim te sentir.
Amor, vem aqui!
Esbatida de ternura,
espero por ti.
Vem...
vem provar, toda esta doçura...

Autora: Fátima Andrade 





Era silêncio a palavra.

Era silêncio a palavra,
Apenas olhares de sentir,
E o silêncio penetrava,
Sendo obrigado a partir.

A natureza deslumbrada,
Afagava o momento,
Nossa pele desnudada,
Em mútuo consentimento!

Os passarinhos música nos deram,
De enlevo,de desejo,
E tanto , tanto eles quiseram,
Que nós demos aquele beijo!

O riacho foi contar,
Tudo aquilo que viu,
Ninguém o conseguiu calar,
Nem nosso amor o permitiu!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 





 Êxtase...

Na voz
As palavras
Embriagadas
Tontas
A rodopiar
No ouvido
E no corpo
O dedilhado
Em bailado
De pontas
De língua
Dançante
Em lençol
Colorido
Amarfanhado
De mãos
Desprendido
Despenteado
Sem abrigo
Tão livre
Tão solto
Forte tambor
Revolto
Que se ouve
No bater
Do coração
Perda do sentido
Evasão
Desmaio
Estrelas
Constelação
Estaremos vivos?
Ou não?

FCJ
Fernanda Carneiro Jacinto 




Prazer ....
É aquilo que sinto quando me tocas...
Quando um arrepio em mim provocas
Num simples beijo....
Pensando bem
Enlouqueces-me como ninguém
Sabes como despoletar em mim o desejo...
E não precisas de muito para o fazer
Sabes como tocar,
Onde tocar,
Como me levar ao prazer .
Sabes-me decor...
Sei o teu sabor ...
O teu cheiro. ..
Gosto de te sentir inteiro....
Sabes fazer-me estremecer. ..
E como gosto desse teu saber...
E às vezes basta apenas um abraço
E adormecer em teu regaço
E sou feliz!
Sabes perfeitamente o que por ti sinto
E nem ao escrever te minto!
És o que sempre quis!
Isabel Susana Marouço 




“UM SÓ”
Sentamo-nos olhando o extremo da tarde
Esperamos que a noite chegue
Com o seu sombreado
No seu vaivém de sonhos
Numa incerteza de silêncios
Ouvimos ao longe
O murmúrio da dança
Paira nos nossos ouvidos
Ensaio o gesto sem tremor
Entrego-me de corpo e alma
Leio o amor no teu olhar
Perco-me na tua descoberta
Continuamos a dançar
Embalados no sopro da música
Que em surdina me desvendas
Afinas as cordas da guitarra
Escrevo poemas no teu corpo
Amamos no entardecer
Invento o som na garganta
Desafio as tuas mãos
Que flutuam em mim
Entre a forma e o desejo
A noite amanhece
Para além do horizonte
O vento leva a minha dança
Num afoguear de corpos
Que acabam sendo um só…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 





DESNUDADO.

Quando estiver desnudado
Na cama deitado
Por ti vou chamar
Para te amar

Sei que gostas de me ver
Completamente despido
Sentes um enorme prazer
Um prazer desmedido

Deitas-te a meu lado
Acaricias o meu peito
Passado um bocado
Me beijas com preceito

Gosto do teu beijar
Beijas com ternura
Gosto do teu acariciar
Porque me levas à loucura

O inevitável acontece
Depois de ser acariciado
Rezas uma prece
Para de novo, me veres desnudado

José Martinho. 





NOITE DE LUAR

Debruçado sobre a montanha
te sinto em mim,
a brisa sopra quente,
tal os teus beijos
que me enamoram.
A lua queda-se
no poente carmim
do firmamento,
tal os teus lábios
de cereja rubra
e reflecte o teu olhar
cantante,
o corpo baloiçando
e aspergindo
flores de jasmim
em bailado colorido,
oscilante e mavioso
num pas de deux
afectuoso
de carinho e amor.

José Lopes da Nave 





 Na areia deitados
Unidos enlaçados
Sentimos no corpo o calor
Trocamos caricias de amor!
Sob o efeito do sol na pele
Com beijos que sabem a mel
Amar ao fim da tarde
Tocados pela brisa suave
No delírio do momento
De amor e envolvimento!

19-04-18 maria g. 





ESCALDANTE LEMBRANÇA

Escaldante, foi o teu olhar em mim,
Nosso colubrino abraço, à noitinha,
Nunca mais senti um olhar assim.

E os beijos escaldantes que trocámos
E as palavras ditas sem pudor,
Naqueles alvos lençóis, onde deixámos
Nossas impúdicas marcas de amor.

Mas escaldante é já o pensamento
Daquele vão libidinoso momento,
Que o tempo e a distância, arrefeceu.

E o que, hoje, resta de mais excitante,
É só essa lembrança escaldante,
Do tempo em que isso aconteceu.

LAF19ABR2018 






(...) teu corpo é o símbolo da perfeição...
o teu sorriso, escaldante... alimenta
o " Grupo SORRISOS NOSSOS"...
as tuas curvas, são estrofes d'um poema...
o mais lindo...
alguma vez escrito pelo homem.

José Maria... ZL 




 ESFINGES.

Em poses plenas
Irreais nus.
Graniticos apenas.
Na amplidão do tempo.
Vestidos de erosão,
Homem fragil agora pelo passar avassalador das eras.
Mulher...
O vento em seu cabelo tece tranças.
Sopra, fazendo ondular as suas ancas.
Bebe taças de ternura ao recordar.
Seus lábios, vermelha rosa,
Eleva vagarosas as mãos para afagar.
Fez o tempo o homem amante esfinge.
Ela sentiu o rosto dele áspero, frio.
Triste viu, exclamou!
Que fizes-te tempo ao passar?
Caíam, bátegas de chuva molhando a granitica imagem gasta e nua.
Homem e mulher, na sublime grandeza.
Corpos entrelaçados, granitica imagem
Desse tempo em que foram em pleno extase apaixonados.
O que foi amor resiste á erosão.
Guarda a mente pleno e inteiro o sentir do coração.

Augusta Maria Gonçalves. 




DEITADO NO MEU ABRAÇO...

Chegas pela calada da noite
e acordas em mim o desejo
derrubas as minhas guardas
num voraz e ardente beijo.

Chegas pela calada da noite
e soltas em mim a magia
desse fogo que arde em ti
e alimenta a fantasia...

Chegas pela calada da noite
envolves-me nesse teu laço
de feitiço embriagador
deitado no meu abraço.

Viajas sobre o meu corpo
em afagos de paixão
levada por esse ardor
solto-me em sofreguidão...

Na saliva dos teus lábios
doce mel eu quero beber
na seiva que brota de nós
alagar-me de prazer...

Aida Maria (Aida Marques) 




 Quero

Quero teu beijo doce
o teu abraço apertado
incendiar os teus sentidos
e nos teus braços me acolher.

Quero as tuas mãos
percorrendo o meu corpo
e ouvir a tua respiração
ofegante.

Quero ser a tua mulher
e a tua amante
a tua maior loucura
e nos teus braços desfalecer.


E depois de nos amarmos
quero repousar no teu corpo
de dormir abraçada a ti
até ao amanhecer.

Direitos de @utor reservados
Mila Lopes







 12-04-2018
 FUI e VIM ao LUAR

Hoje deitei-me ao luar
Vi estrelas cadentes
Olhares reluzentes
Vi o teu interior
Muito mais que amor
No farol do t'eu olhar
Repousei as minhas pálperas
Fui e vim na maré cheia
Do prazer não fui alheia
Nem tu dos encantos meus
Retoquei a maquilhagem
Que os teus dedos esburrataram
Quando em mim tocaram
Deslizando na minha pele
T'antas circunferências
Creio agora ser capaz
De voltar a ir e vir
Contigo na direcção
Empolgado o coração
Deitarmo-nos na areia
O luar de primazia
Na teia do fogo ardente
Vir-me em ti simplesmente
Sem demoras nem a horas
Chegou o momento certo

Anabela Fernandes 





Pérolas

A longa fiada de pérolas pende
Do pescoço pelas costas desnudas
Num elegante colar que te surpreende
Quedes-te. Olhando as bolas miúdas

Pressinto o que o corpo quer
Sei que m'as vais arrancar
No jogo novo que te aprover
Enseio. Sem nenhuma fazer balançar

À distância de um palmo, imóvel
O dedo enrolando. Sofro. Sobe tão lento!
As pérolas frias tocam a pele. Notável.
Urge, dentro de mim. Ruge, o teu advento

Súplicas... Poros impacientes
De um corpo no outro, desse no meu
Do confuso respirar, das bocas quentes
Do que o fio de contas acendeu

Rute Pio Lopes 





Sonho sedutor.

Tenho o silêncio entre as mãos,
No sentimento perfeito,
Quando sinto tuas mãos,
Acariciando meu peito.

As palavras são leves,
De uma ternura sem fim,
Mas como é que te atreves.
A gostar assim de mim.

A noite se envaidece,
Deste nosso belo amor,
Tanta loucura acontece,
Neste sonho sedutor.

Abro os olhos, pestaneijo,
Ainda sou languidez,
Mas, não tenho o teu beijo!
Como no sonho se fez!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 




“CEGOS DE EMOÇÕES”
Cegos de emoções
Não temos nexo
Deixamos
Que as palavras se percam
Separem a realidade
Do surreal
Arrastadas
Pelas loucuras da vida
Olhos fechados
Ou tapados com um véu
Não deixam ver os poemas
Amordaçam-nos
Não deixam ver a sua essência
Não nos deixam amar
Perdem-se no tempo
Rasgam-se com o vento
Não nos dão chance
Não conseguimos ver nem ouvir
Lentamente
Saímos da letargia
Do medo do dizer ou não dizer
Respiramos por fim
Amamos até á exaustão
Corpos cálidos e loucos
Sedentos de amor
Gritam ao vento
Que precisam amar
Saem palavras
Recheadas de amor
De sentido e saber
Abrimos os olhos
Finalmente amaram…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 





"Momentos escaldantes "

Lembro-me daquele abraço. ...
Foi o primeiro de tantos que se seguiram...
Senti-me aconchegada em teu regaço. ..
Senti que todos os meus poros se abriram. ..
E passaram a respirar amor...
Sempre que sentia o teu calor...
E passaram a querer-te mais
A desejar teus lábios sensuais...
Conseguiste me seduzir
A pouco e pouco me conquistar....
Olhei para ti a sorrir
E jurei que te iria amar...
Sabes o toque
Que me conquista
Sabes o jeito que me leva a derreter
Sabes o gesto
Que me salta à vista
Sabes o modo de me levar ao prazer....
Sabes o beijo
Que me fascina
Sabes o cheiro que me faz enlouquecer
Sabes que te desejo
Por trás da cortina
Sabes como fazer acontecer. ...
É quando quiseres, como quiseres
Por ti me deixarei levar
É onde quiseres, se me quiseres
Sabes que sempre te hei de amar!
Basta um abraço e estou derretida
Completamente a ti convertida...
O que se seguir só a nós pertence
Contigo acredito que o amor tudo vence!
Isabel Susana Marouço




 Fantasia...

Fantasio-te...
Enquanto os olhos se fecham
Num absorver... de encantamento
De te ver chegar bem de mansinho
Com mãos cheias de carinho
E no corpo...o desejo...
Que vejo...e sinto...no quente beijo
Que largas... desesperado
Esmagado...na minha boca...
Louca...de pele...e mãos falantes
Dos enigmas e das descobertas
Cobertas...por dedos... desconcertantes
Somos árvores...meu amor
Árvores balançando ao sabor do vento
Em troncos plantados no tempo
Entrelaçados...em braços nus
Abraçados no calor d'um beijo
Colado nas bocas dormentes
Quentes...no seu desejo
D'um ápice saboroso e sem norte
... forte...no seu arrepiar
E fantasio-te...imaginando-te...
...no meu amar...

FCJ
Fernanda Carneiro Jacinto 






 ENTRE A TERRA E O AMOR

Subi, subimos.
Éramos só plumas nuas, sopro, desejo.
Beijo rouco.
Subimos tinhamos entrelaçados os dedos.
Mudos por olhar sem fim a imensidão.
Fitamos o mundo,
A solidão.
A nudez.
Tinha o rubor do rosto refletido nossa nudez purpurea.
Eramos chamas acesas no alto da brancura.
Reinou a vontade.
O beijo foi desfolhando como pétalas.
Já era um leito de rosas o lugar.
Fomos um,
Fomos um momento.
Fomos o celebrar o nobre sentimento.
Fomos dança, fomos velas enfonadas,
Fomos amor, fomos céu, patamar, fomos loucos.
Fomos mar!

Augusta Maria Gonçalves. 





 Agora é assim!
Estou farto que me ames com tão pouca medida
És a mulher que sonhei
Não sei se és a mulher da minha vida
Mas sei que és a que me tolda o pensamento
És a que me torna num vulcão
Que aumenta em 200 por cento
As batidas do meu coração
Sei que és a mulher da minha eternidade
E por isso é assim
Não vou esperar mais pelo teu sinal
Esse medo que sentes paralisa
Vou avançar
Esta noite vais ser minha pra valer
Não quero ser teu dono
Mas quero que me faças viver
Vou fundir a tua pele
Com o meu corpo pleno de desejo
Arrancar a tua roupa e atirar no chão
Como tens feito com a nossa paixão
Por isso agora é assim
Vou molhar os teus lábios
Percorrer o teu corpo em toques lentos
Saboreando
Essa pele quente e todos os aromas
Vou seguir o desejo e os sentimentos
Te amando
E serás minha
Pois eu já sou teu de todas as formas

Sónia Paulo 




 Nossos
Beijos ardentes
lábios nos lábios
unidos em beijos sem fim
nossos corpos molhados
ardendo em doces caricias de amor
somos dois cúmplices amigos
e amantes apaixonados
somos uma só alma
e um só coração
repletos de amor e paixão
juntos somos pura emoção
como lava de vulcão
em explosão.

Direitos de @utor reservados
Mila Lopes




 Pela calada da noite
Sinto por todo o meu corpo
o desejo ardente...
de ser por ti tocada!
Essa chama se inflama
na saudade dos teus beijos
pela noite fora ...
ardem esses desejos
até surgir a madrugada!

maria g.





 

 "Desejo ou Amor"!?

Será só desejo
este intenso rufar?
A sofreguidão de um beijo
quando nos estamos a amar.
Será só desejo
as tuas mãos querer
percorrendo o meu corpo
com um delicioso prazer!
Será só desejo
em ti me colar
num abraço de pernas e braços,
sentindo este intenso rufar!
Será só desejo
este nosso contorcer
onde nos moldamos,
deixando-nos absorver!
Será só desejo
a minha boca na tua,
sussurrando-te em gemidos
que me leves à lua.
Será só desejo?
Não me quer parecer!
É amor entre amantes
que o desejo faz acontecer!

Autora: Fátima Andrade












In CARTAS A MATILDE:

(Seguimento)

III
...
Morfeu, não me veles, não preciso!... Aproveita a Afrodite, ela, anda por aí!... E, eu, quero a Matilde!... Dá-me essa liberdade... Preciso de imaginação!... Não me aperreies!... Permite-me o sonho, em roda livre!...
...
Vou rodando, imaginariamente, à volta do besuntado varão!... Pele e sorriso, quase tudo e 'odores' de tanga!... Não é tanga, Matilde, é... sedução!...
Estás de queixo caído!? Coças o nariz? Ruborizas? Cansada da posição?! Faz o ângulo menor! Sem tanga, é melhor?... É? Salta, também, para o varão!...
...
Desafiaste-me... Provocaste-me!... Assume as consequências dessa doida prevaricação!... Eu sei que gostas que te retruque... que te provoque!... Ando em redor, dessa desvairada tentação!...
...
Dois, em assédio!... Hum!... Que doideira!...
Não me toques!... Quem tocar, terá o castigo do... chi... coo... teee!...
Não sejas doida!... Masoquista!... Sádica?!... Não és assim!... Iludes-te!?... Iludes-me?... Condicionas-me?... Olha que aceito o repto... Cuidado com a chibata do marquês, marquesa!... Na marquesa!?... Boa sessão, na dita, que eu, noutra, continuarei o sono!

IV

Estive a conversar, amenamente, com Morfeu!... Tornámo-nos grandes e serenos amigos... Confidentes... Toleramo-nos, nas nossas maluqueiras!... Ele, na coordenação de tudo o que é a Utopia Geral do Sonho, e, ainda, não realizada; eu, Mariano, um dos utópicos, nesta minha grande labuta onírica!...
Depois de muitas conversas e de algumas actividades sociais, no Olimpo, o deus, confiando em mim, apresentou-me alguns dos seus amigos, de que me recordo, agora: Oniros, Nix, Hipnos... Dos nossos debates, acerca das minhas actividades oníricas, nas minhas incursões hipnóticas, durante as nix's, após o meu último deambular, pelas nuvens, admitimos que, na forma que se segue, poderia revelar a minha passada campanha... Os deuses, não loucos, acharam bem, concordo com eles... Aí vai...
... M
(). ((Matilde / Matias))...
Somos gente séria, minha querida, e, por isso, faço um parêntesis, para te dizer que serás preservada, como eu, o serei, desta cena menos condigna, tendo em vista, as nossas situações sociais. Sendo assim, neste e nos dois próximos parágrafos, tu e eu, escondidos, no parágrafo anterior, ficaremos, teatralmente, representados pelos, ousados, actores Martha e Mariano. Concordas? Sim? Muito bem, linda!... Então, continuemos... Abra-se o próximo parágrafo!... Gong!...
... Aceitas o meu sadismo, Martha?... Retruca-me !... O que me diz a tua imaginação?... Ui!... O que pensas sobre Masoquismo?... Oh, oh!... Pareço bruxo! Eu sabia! Mas... E, desafiando a tua grande capacidade de desenrascanço, o que é que a tua alma cria, sobre a sodomia? Já, agora, usa o mesmo quelho, que o teu Mariano, e conquista os Jogos da Lama... Tanta volúpia, tanto desejo, enorme loucura!... Estás desvairada, Martha!... Desaurida!... Que descontrolo!... Sei que tens razão, eu estou doido!... Fora de controlo!... Desalinhado!... Não atino!... Não acerto!... Deram-nos bebidas más, certamente, Martha!... Estaremos a ser mais perversos que Masoch e Sade, juntos!?... Nem quero pensar nisso, agora, Marthita!... Não entraremos em Gomorra, muito menos, em Sodoma!... Dá-me um abraço, mulher!... Beija-me, freneticamente, ferozmente!... Isto está a ficar muito pesado! Que devassidão!.. Que extravagância!... Aguentas tanta adrenalina, tanto esforço físico, Martha? Não será de mais? Sentes dor? Queres saber se, o Mariano, sofre? Porque sofremos, ambos? Contudo, estamos loucos, de tanto prazer, de tanta luxúria, de tanta volúpia!... Divertimo-nos!... Deleitamo-nos!... Gozamos!... Que delícia!... Que regalo!... Que satisfação!... Que gáudio!... Que exultaçao!... Que... Júbilo!...
Não entramos nos caminhos ínvios do masoquismo, do sadismo ou de ambos... Nem da sodomia, nem do sumo, nem no jogo da lama... Queres? Martha, que se passa contigo? Enlouqueceste? A bem da verdade, o teu Mariano, está louco, depravado!... Mas, continue a saga!... Há-de ser o que calhar!... Entrelacemos os nossos braços, as nossas línguas, as nossas pernas, as nossas mãos, os nossos espíritos, Martha!... Encaixemo-nos, enfim, em plenos movimentos tântricos, longa e demoradamente, para apaziguar os nossos espíritos, para nos irmos aquietando, amainando!... Para podermos voltar à normalidade, à razão...
...
Entretanto, na sequência de uma das suas reuniões com Zeus, Morfeu, trouxe uma missiva, para me entregar... Percebi... Mas, num gesto misto, de desobediência e de decisão, o botão, foi accionado!...

V
...
A deusa provocou algumas faíscas, os relâmpagos irromperam, pela atmosfera, a trovoada pegou e deu por fim a este pesadelo, minha querida... Será que Morfeu, sonhou ou teve pesadelos?! Hum... E, Afrodite?...
...
A luz, fosca, em tons alaranjados, de vez em quando, prega-nos partidas e, vai desaparecendo,... vai surgindo, de novo! Em fundo, um aparelho, de tecnologia avançada, vai debitando imagens, sons sugestivos, fortes e suaves; arrojados, tímidos, combinando misturas elaboradas, por um DJ conceituado! Queres saber o nome?... Não importa...
...
As paredes do nosso ninho, estão decoradas com temas musicais do nosso tempo de criança - "Há muito, muito tempo, ... - , de quando - "Petite demoiselle..."... "... I have a dream!..." -, tínhamos as, adolescentes, borbulhas... e, quando, mui desavergonhadamente, ousávamos desafiar a 'adultagem' - "Três cosas hay nesta vida: salud, dinero y amor..."
E, quando já formos velhinhos, continuaremos, agarradinhos, a arrastar uns passos de "Dance me to the end of love"... E, lembro-me, agora - porque olvidava este pormenor? - que um dia, já carcumidinhos, pelo tempo, virá Alguém - "Made in Heaven" que nos resgatará, para o céu!... E, já no "Paradise", esperaremos pelos nossos parentes e amigos...
Como estamos agarradinhos, enamoradamente, in love, in passion!...
Ambos, pedimos, encarecidamente, aos olhos, um do outro, aquela sessão frenética de suar os corpos, a quatro joelhos!...
Vamos, antes de sermos interrompidos... Morfeu, já não aparece há horas!... O malandreco, distraíu-se!... Ainda bem, não achas, Matilde?...
...

VI

Sei que Zeus ficou zangado comigo!... E deu uma tremenda reprimenda a Morfeu, por minha causa! Que havemos de fazer? Sonhar?!... Viver?!...
Estamos no nosso ninho, minha passarinha!... Acabamos de divertir e cansar os nossos corpos, em mais uma sessão de alívio das tensões, criadas pela nossa incontrolável paixão!... Fomos competentes, Querida!... Estás cansadita? Confesso que estou!... Cansas-me, linda!... És tramada!... De novo, a franzir o sobrolho, a trincar os lábios, a deslizar o ângulo menor, agora!... Doida!... Está quietinha, vá lá, tonta! Vamos tomar uma banho e beber um sumo natural! Tenho uns biscoitos, que são novidade! Talvez, não conheças!...
...
Como nos divertimos, agora, contando histórias, sobre as nossas músicas! Tantas, delas, dedicadas aos namorados, familiares e amigos: "pode dizer a frase?"... Só, depois, vinha o disco!... Lembras-te, Matildinha? Contámos as histórias de todos, aqueles famosos, das capas dos 'singles e dos 'LP's', dos Velhos Tempos do Vinil... "That's, so good"!...
...
Ridicularizámos, alguns; elogiámos, todos, os que estão a viver, alegres e contentes, nestas, lindas e bem salpicadas paredes!...
Ali, estão, brilhantemente, esculpidos por pintores, desenhadores, designers, retratistas, fotógrafos, serigrafistas, escultores, grafiteiros, cartoonistas, etc, os artistas das músicas que adoramos, porém, não idolatramos...
Estão a rir-se desalmadamente, connosco: Presley, Marley, Stones, Straits, Beatles, U2, Xutos, GNR, Abba, Roussos, Morandi, Pavoni, Modugno, Cinquetti, Piaf, Brel, Aznavour, Brassens, Astair, Sinatra, Diamond, Roger's, Tina, Baez, Streisand, Dion, Enya, Milanés, Serrat, Patxi, Becaud, Ferrée, François, Moustaki, Vartan, Dassin, Sardou, Dalida, Adamo, Celentano, De Lucía, Paco, Cohen, Vangelis, Callas, Pavarotti, Carreras, Domingo, Bocelli, Mercury, Mathieu, Mouskouri, Simon, Sting, Ramazzotti, Zeca, Godinho, Adriano, Freire, Branco, Fausto, Palma, Abrunhosa, Dulce, Salgueiro, Paião, Évora, Cid, Cármen, Regina, Roberto, Bethânia, Gal, Buarque, Matogrosso, Veloso's, Gilberto's, Pausini, Salvador - pintado de fresco!...
...
Para tornar o ambiente mais mítico, ressaltam, destas paredes, as mui carismáticas barbas do Ché!... É um grito de "Libertad"!...
...
Ironia das ironias, ao lado do revolucionário, outras barbas de molho, já crestadas pelos séculos, a mítica, a suave, a expressiva, a serena, o ícone de Jesus, que é o nosso maior ídolo! É, não é, Matilde?
Desculpa, a salada, bastante misturada, mesmo assim, agradável!... O Matias, gosta! Oxalá, tu, também...
São muitos? Achas? Mas, faltam tantos! Sinto que discrimino, muitos!... Certamente, cada um, deles, me perdoará!... Eles, se divertiram connosco!.. Que bom!... Tão bom!...
...
E, foi, assim, que, "Avec le temps" - nesta hora e meia, mais o intervalo, mais os descontos, em que deixámos de visionar o teu Clube e o meu FêQuêPê... Nem o resultado soubemos, nem notícias, nem novelas, nem... nem... - fomos à "Conquest of Paradise", minha querida, onde o Éden nos espera!.....
Mais "Parole, parole", para quê?
...
"Et maintenant", "Ne me quitte pas", Matilde, porque "Je vais t'aimer", "Comme d' habitude", "Oh, oui, mon amour!"!... "Viens, viens"!...
...
"Et, si tu n' existais pas?", "Que serais-je sans toi?"
...
(_ Isto é assim!? Esta, última, cena nem parece tua, Matias!... Tão pessimista!... Arriba, homem!...
_ Mas, até costumo ser desconcertante!...)
...
"Ciao, ciao bambina"! Olá! Estás bem? Se quiseres, de seguida, faremos, de novo, amor! Porque sim!... Porque, assim, faz bem à saúde!...
...
Um abraço, do tamanho do mundo, que conspira, a nosso favor e, por isso, já, estamos em beijos giratórios!...
...
Entretanto, o teu Matias, Matilde, vai revelar toda a história relacionada com os sonhos, no leito de Morfeu, quando ele andou entretido, com uma deusa do Paraíso! Sobre isso, meu amor, "... Je ne regrette rien"!
...
Foi bom ter sonhado, um sonho mais que improvável... De facto, "I have a dream"!...
...
Vou até ao Éden, onde, sonho, encontrar-te... Acho que, Morfeu, te orientará!... Coisas entre amigos!...
Despeço-me, comovidamente e, com muita saudade...

FIM

Matias
MR




 05-04-2018
Hoje, sonho-TE, sensual!...
...
Estás maravilhosa!... Linda!... Deslizando,
Estás linda, deslizando, provocadora, provocante, pelas estradas dessa colcha acetinada, tão bem, pintada com as cores do Arco-íris.
Sensualizas-me!...
Ai, esse teu sinal de Maior!... Como olha para mim!... Sensual!...
Perguntas-me, bem: - o que é o sinal de Maior?! - Sabes, Matilde, é quando a palma da tua mão esquerda, marota, acaricia a tua face, ruborizadíssima, esquerda e deixa o cotovelo, a gingar e o braço, tonto, a deslizar, em pleno cetim!... Ui!... Oh!... Ai, esse teu jeito gingão!... E, que dizer, desse teu esgar!... Hum!...
Entretanto, o teu sobrolho se contorce e os lábios se vão movimentando, ora formando o 'O', mais redondo... ou mais oval, ora abrindo... ou fechando... Mas, hoje, estás mais refinada! Estás mais safadita!... O teu bâton, ficou bastante mais leve! Perde peso, o vadio!... Os teus lábios lúbricos, tão lascivos, a tua língua vuluptuosa, tão apetitosa!... Como contrastam com uma, arrastada e premeditada languidão, porém, perdida de desejo!... Tudo isso, reafirma a tua, natural, sensualidade!... O teu desejo ardente!
Tens o queixo, completamente, caído!... O 'O' perfeito!... Agora, deixaste-me, completamente prostrado!...
E, que faço, eu!?... O teu Matias!...
Deixo que me sensualizes!... Sim!...
...

Matias

...

II
...
Continuo com Morfeu, minha querida!... Mas, tem cuidado com as ideias destrambelhadas!... Não sejas maluca!... Confia em mim!... Não permitas que digam mal de mim...
...
Dás rédea solta, de liberdade, à felina que me ataca... que me morde... que me arranha... que me fere... mas que... não me irrita... porque me excita... me deixa em estado... vulcânico!... em êxtase!...
Sim, sensualiza-me!... erotiza-me!... viriliza-me!... ferozcisa-me!... sexualiza-me!... Animaliza-me!... Porque não me importo... porque quero... porque o desejo!...
Estou extasiado com o teu 'esoterismo'!... Excitadíssimo!...
Sensualizo-te!... Sensualizas-me?!... Seduzes-me!... Seduzo-te!... É tão bom!...
Aceito, tão bem, as tuas provocações!... As tuas prevaricarações!...
Não gosto de fazer, destas comparações, mas, a sessão 'streeptica', continua!...
...
Queria abrir os olhos, mas será que estarás aí?...
...
Exibo toda a minha masculinidade!... O meu vigor!... A minha virilidade!... O meu ego!...
O meu musculado tórax; o, não muito, pneumatizado, abdómen está bem retocado, ainda; um e outro, mantêm a floresta pilosa eriçada, bem erguida e firme!... Cada tronco, hirto!...
E, tu? Que me fazes, doida?... Tu, deliras... Divertes-te!... Divirto-me!... Que boa, esta nossa... (só nossa)... diversão!...
...

(segue)

Matias 






SEDE DE TI

Quero beber
Beber no teu corpo
Ao fundo dos teus rins
Deus que beleza
Me alimentar nos teus seios
Fecho os olhos
Cariciando tua pele
Tiras teu vestido
Delirando beijo teus seios
Um contra o outro
mãos sobre teus rins
Faço-te minha
Neste sonho carnal
Tu és beleza
Tua pele morena
Tua voz sensual
Um quarto ao vento
Não existe paredes
Sentimento sensual
Um sonho gestual

=======Serafim ======= 





“NOITES DE AMOR”
Noite de amor
Em que as tuas mãos me afagam
Os teus dedos procuram os meus
Como se eu fosse uma nota musical
Harmonia de prazeres
Melodia que enche de luz
O nosso quarto
Inebrias o meu ser
Carinhos meus
Vamos até ao êxtase
Entrego-me de corpo e alma
Como presente
Das angústias que viveste
Das tuas noites de solidão
Jamais estarás só
Tocas-me
O meu corpo arde como fogo
Flutuo no teu amor
Luxuria e loucura
Derramas o teu amor em mim
Fazes-me a mulher
Mais feliz do mundo
És sensível e terno
Ardente e fogoso
Roubas-me o néctar
Dos meus lábios
Gosto de estar contigo
És o meu amor
Preenches-me…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 





 Vem amor para a nossa cama.
Vem acender a chama.
Faz o meu corpo tremeluzir
e neste vaivém sentir,
como é bom o prazer
que mutuamente nos vamos oferecer.
Vem, vem reacender esta chama
que por ti clama!
Estou aqui na nossa cama
ansiando pelo teu corpo
colado ao meu
Vem amor...
Leva-me em êxtase ao céu.

Autora: Fátima Andrade 





Verso devoto

Devaneiam sobre ti gotas marotas
E eu, deste lado, invejo-lhes o sinuoso percurso

Sorris, sob os lábios finos de garota
E eu, deste lado, sinto-me dessa boca perfuso

O vapor aromático que se solta,
De cada teu poro banhado
E a toalha macia no corpo envolta
Deixa-me assim, de juízo toldado

Vejo nos teus olhos. Aprovação
Não lêem poesia de mim
Consomem prosa sem pontuação
Soletrando ditongos em frenesim

Ui, se te contasse o que me vai alma dentro...
Se quisesses saber, bastava o olhar atento
Ou apenas,
Ai, varrer-me de alto a baixo, num lento gesto
E... Descobrir um ângulo em pleno manifesto

Descuido. Precavido de intenção
E cai, diante de mim a inútil proteção
Desarmada, acolho teu verso devoto
Porque sei, pertenço ao teu lado canhoto

Rute Pio Lopes 




 Dizem- me os teus olhos
o que a tua boca confirma
e sinto na tua pele o fervor do amor!

Doces palavras que me levam
para lá do horizonte da realidade
e fazem viajar este pobre coração
errante e louco... que sabe ser feliz...
com tão pouco!

Dominas por completo este meu ser
como se o sol em mim se erguesse
com toda a sua energia e calor
e me fazes sentir... viva flor!

05-04-18 maria g. 





Excita-me pensar em ti!
Imaginar o teu corpo no meu....
Os teus beijos, as tuas carícias. ...
A forma como me levas ao céu. ...
Gosto de me perder contigo
Para me encontrar em ti
Que sejas meu porto de abrigo
O lugar onde a minha alma sorri!
Excita-me imaginar-te perdido em mim
A tactear o caminho lentamente
E em cada toque me fazes dizer que sim
Sim, sim, sim ... Não sejas clemente...
Leva-me à loucura,
Em ti me quero fundir
Em mais uma aventura
Em mais uma flor a florir!!!
Leva-me ao paraíso
Quero arder na tua fogueira
Porque o teu sorriso
É a minha paixão verdadeira!
Leva-me ao céu
Como só tu sabes fazer
Porque entre tu e eu
Há muito mais que prazer!
Isabel Susana Marouço 




 VEM ....

Hoje quero me possuas mas de uma forma intensa
Tão intensa e carnal , não banal apenas louca.
Quero sentir o rodopiar da tua língua na minha boca
As tuas mãos atrevidas deslizarem no meu corpo de A a Z
Sem porquês...VEM...ver o streep que te deixa extasiado
Comprei a lingerie de cor vermelha que te atrai ,distrai e meu amor o teu olhar se perde na minha anca
Que balança ao som dos Queen...lembras os tempos do liceu ?
Onde amantes não fomos mas gostávamos de ter sido...SONHO MEU...
Deslizo no varão ,em forma de C e vão caindo as poucas peças de roupa que me tapam
E o C vira 0 quando te aproximas....
Tocas ,sentes a respiração
Neste compasso melodioso caímos na cama de plumas
E eu possuída de uma quase insanidade , faço em ti
Todo o abecedário com a ponta dos meus dedos
Sem segredos investigo cada linha de ti mesmo
Tu CUPIDO vieste e de mansinho me tomas-te
Agora só resta sabermos se o SONHO será real
Porque sonhado a dois já sabemos ser verdade
Vem....
Rendido,atrevido,audaz e sem pudor
Ser muito mais que um simples AMOR

Anabela Fernandes 




 Eu sou e serei
a mulher que te incendeia
o fogo que arde no teu coração
o colo que te acalma
o prazer que te dou
a luz que te guia
a mulher que te ama
dia após dia-

Mila Lopes 




 O que ouvi de ti, meu amor…

Ouvi-te um dia
A falar com toda a alegria
Do que sentias em ti

Perguntei-te então
Qual era a tua satisfação
Para teres tal emoção

Disseste-me que estavas apaixonada
Por um homem que te fazia feliz
Era uma coisa por demais amada
Era o que teu olhar a mim me diz

Fiquei deveras contente
Com esse teu amor
Logo vi que estavas ciente
De quem te dava um tal calor

Perguntei-te logo de seguida
Quem era o feliz contemplado
E numa voz algo atrevida
Disseste-me: és tu o meu amado

Olhei no fundo do teu olhar
Para ter algumas certezas
Vi-o num belo radiar
Ó meu Deus, ó que belezas

Aproximei-te do meu peito
Com todo o meu ardor
Dei-te um beijo a preceito
E te chamei de meu amor

Tornei a olhar no teu olhar
Para ver o que sentia
E não era que ele estava a brilhar
Por esse amor que nele havia

E dali fomos embora
Com a certeza latente em nós
Era pois chegada a hora
De no amor ficar sem voz

Armindo Loureiro  





Já é noite escura ...
Terminou a dança...
Requebres de cintura...
Numa contradança...
Teu braço é minha morada...
Nesta noite mansa....
Sala mal iluminada...
Teu beijo não cansa...
Olhar de janela acesa...
Cais de aportar...
Luar de beleza...
Musica p`ra escutar...
Fala-me baixinho...
Teu colo é meu descanso...
És meu guia meu caminho...
AMOR meu riacho manso...

C.BAIONA.C. 




Dois corpos se procuram
e se encontram em alto mar,
dependendo da onda
que pelo prazer"pode ser indomável.
O coração é grande,
mas cabe um breve espaço de beijar,
e nós calados, tem um barulho
que vem do coração.
Um sorriso se solta, e,
simultua no mesmo sentido
afastando a solidão.
Nosso corpo dá volta e mais volta
tão entusiasmado
que chega a exaustão.
O amor vem não sei de onde?
Vem não sei como!
E doi não sei porquê?
Me insoneia com o teu beijo,
no teu abraço me abrigo
dás largas a meu desejo
quero sempre estar contigo.
Há magia ao nos tocarmos,
é lindo o que vem de dentro,
nunca havemos, nem deixamos
que se acabe com o tempo...

Arminda...T.G.L... 




SONHOS MELAD0S

Hoje acordei de manhã e chovia
De mansinho na minha janela batia
E ao olhar o vidro vi a tua silhueta,
Era como um sonho, mas real
Dos teus olhos brilhava uma luz tal
Que por momentos pensei estar noutro planeta.
Mas estava deitado na minha cama sim
Embrulhado em lençóis de cetim
Onde os acarinhava como se fosses tu,
E sentia a maciez da tua pele
E os teus beijos doces como mel
Enquanto percorria o teu corpo nu.
Sei que era imaginação minha
Que a minha mente continha
Pelos sonhos e miragens,
Mas era tão real o teu odor
Era tão doce o teu amor
Como o fruto proibido entre as ramagens.
Sentia o teu corpo aveludado
Como se estivesse hipnotizado
Na ponta dos meus dedos,
Enquanto te ia acariciando
Aos poucos fui acordando
dos meus sonhos e meus medos.
Medos sim, de não te poder possuir
E de não te poder retribuir
Tanto amor, tanto prazer,
E de acordar sem estar a teu lado
Onde acordo sozinho todo suado
Onde adorava permanecer…José Duarte Soares





 29-03-2018

TOSÃO
 Petulas no chão
No ar o perfume
Procuro a tua mão
Meu corpo se consume

Petulas no chão
Me indicam o caminho
Um calor de verão
Rastejando mansinho

Os dois de pé
Teu corpo macio
Tua cor café
Teus lábios caricio

Teu olhar me descobre
O calor dos teus beijos
Minha mão percorre
A beleza dos teus seios

Tenho calor tenho frio
Puxas a minha mão
humanidade do teu cio
Aumenta o tesao

Febril de emoção
Me ajoelho a teus pés
Beijando tua tosão
Já não sabes quem és

Com a voz em versos
Te transporto linda flore
Os corpos imersos
Na alegria do amor

Entro em ti
Felicidade imersão
Teu corpo sorri
Bate forte coração

Os dois um só ser
Contendo a explosão
Em ti permanecer
Sentindo a inundação

Sentados na margem
Deste lago de montanha
Olhando a paisagem
O amor sempre ganha

Perto das estrelas contigo
Que desceram
Iluminado o teu sorriso

======Serafim ======= 



 "Tu e eu"

Onde é que vais?
Espera por mim!
És o que mais quero
perto de mim assim!
Vem, vamos juntos,
não quero ir sem ti!
Por isso espero,
espero por ti aqui.
Vamos, o nosso amor viver
e juntos, darmo-nos prazer.
Onde é que vais?
Espera por mim!
Tu bem sabes
que gosto de ti assim!
Nos meus braços te esqueces
e eu nos teus.
Vem amor, tu mereces,
os teus "ais", são também os meus.
Onde é que vais?
Espera por mim!
Os dois juntinhos,
coladinhos assim.
E tu sabes!
Ó se sabes!
Que tu e eu...
...juntos, juntinhos,
chegamos ao céu.
Onde é que vais?
És tão tontinho...
...sabes a mais,
ao meu corpo coladinho!

Autora: Fátima Andrade 






Amo o verbo ter!
Mas ter o quê?
O infinito prazer!
Do que o teu olhar lê!

Tua boca também leio,
Tuas mãos quero sentir!
Pelo momento eu anseio!
Se a paixão o permitir!

Só o amor entende,
O que o corpo quer,
Mas de nós depende,
Tudo fazer acontecer.

O prazer é mútuo,
Gestos permitidos,
É um salvo conduto,
A todos os sentidos.

A visão a cintilar,
O tacto dá ternura,
A audição no olfacto a navegar,
O gosto é loucura!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 





Queres-me perdida em ti
Dizes que a alma te sorri
Ao sonhares tal realidade
Vou realizar o teu desejo
Começando por dar-te um beijo
Que te desperte a vontade...
E depois língua com língua
Lábio com lábio a roçar
Não te deixo morrer à míngua
Despes-me com o olhar
Mas são as mãos que tiram a roupa
Por baixo da qual já estou louca
Pronta para te receber
Percorres meu corpo com beijos
Conheces os meus desejos
Sabes-me enlouquecer
E vendo-me louca assim
Entras bem dentro de mim
Nem te preciso pedir
No meio deste frenesim
Chega o orgasmo e enfim
Acabamos os dois a sorrir!
Isabel Susana Marouço 





“PARA ONDE NOS LEVA O AMOR”
Para onde nos leva o amor
Gestos perdidos
Abraços não dados
Beijos amordaçados
Esperanças contidas
Palavras fugazes
Êxtase perdida
Palavras em surdina
Paisagem surreal
Perdidos na noite
Mares e tempestades
Sem saber para onde vamos
Esse amor
Espirito indomável
Diz simplesmente não
Para onde nos leva o amor?
Não sei
Almas cruzam-se
Nas tardes da vida
Despoletam
Desejos adormecidos
Numa espera vã
Noites sem amor
Cama vazia
Lágrimas caídas
Desperta o relógio
Deste amor insano e louco
Chegas…
Olhas…Tocas-me
Já não estou sozinha
O amor tece arabescos nos lençóis
Perco a noção do tempo
Para onde nos leva o amor…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 





 Fui almoçar contigo
Naquele velho restaurante
Era só teu amigo
Mas naqueles instantes
Deixei de ser só teu amigo
Tivemos momentos escaldantes

Quando seguimos os dois
Talvez por caminhos errantes
Houve muitos que dois a dois
Algures noutros restaurantes
Entraram como amigos e depois
Tiveram momentos escaldantes

P.S. Do meu livro «Mensagens e Pensamentos»

Luis Marcelino 






 AMOR.

Quando encontrar alguém
E fizer meu coração palpitar
Tenho que prestar atenção
Que esse alguém me quer amar

Se os nossos olhares se cruzarem
E neles houver um brilho intenso
É sinal se desejarem
E sentirem um amor imenso

Se houver um toque nos lábios
E o beijo for apaixonante
É porque somos sábios
A amar-nos loucamente

Se o ultimo pensamento do dia
For a pessoa que se ama
Sentiríamos uma enorme alegria
Se a tivéssemos na cama

Se conseguisse em pensamento
Sentir o cheiro dela
Se a tivesse ali naquele momento
Amava-a mesmo à janela

Faço do chão cama, para amor urgente
Quando o amor, não tem tempo de ir para a cama
Sobre um tapete que pertence à gente
Nele a gente se ama
E depois, vamos para a cama.

José Martinho. 






AMOR POEMA

Perdida,
Num tempo em que tudo foi poema.
Me deste amor tanta ternura.
Fomos de asa na asa, por trilhas de azul.
Roçando as copas das árvores em flor.

Foi no tempo de explosão de camélias garridas.
De magnólias de cetim.
Deitada no rosal adormecido.
Havia botões de rosas,
Só a despontar.
Sonhava seu perfume o nosso querer.

Reclinada tua sombra.
Tão perto de ti meu coração.
Tanto nascer de sede em nossa boca.
Tanto sonho havia rasgado a noite,
Foste Narciso azul, Jacinto rosado de loucura.

Eras amor o meu lençol de água.
Reflexo de lua,
Eu fui amante nua.
Fomos, melodia de violino, num choro de ave.
Foste ninho.
Fomos luz.
Essa luz que imana o abrir da aurora em plena madrugada.
Fazias de mim mulher… flor.

Desfolhavas beijos sobre mim.
Batia no peito o coração.
A boca desenhava entre sorrisos o meu sim.
Mas, por vezes, o amor cristal tão fino.
Não resiste ao tempo.
Quebra num momento.

Perdida, escrevo poemas,
Com delicadas penas.

Augusta Maria Gonçalves. 




 Amor

Nos teus braços
encontro abrigo .

Nos teus olhos
vejo luz.

No teu rosto
sinto carinho .

Nos teus passos
o meu caminho.

Na tua voz
encontro paz .

Nas tuas mãos
sinto-me segura.

Nos teus lábios
saboreio os teus beijos.

No teu corpo
perco-me de paixão .

___Amor___

Tu és a minha
doce tentação.

Direitos de @utor reservados
Mila Lopes




 22-03-2018

ATREVIDOS

Desliza a tua mão
No meu corpo semi nu
Vem com ousadia

Ler de A a Z
Todos os porquês
Sem pontos finais

Bebe da minha fonte
Inibriante sensação
Remos soltos é vulcão

Mastro á vela
Segue em frente
No porão ou a estibordo

De amar eu não discordo
Mar de sensações
Ondas de prazer

Brisas que refrescam
Quem no deleite se perdeu
No Oásis amanheceu

Na fúria do vento
Levou e voltou
Esguichou com carinho

Os pingos da nuvem e com uma réstea de sol secaram os corpos na noite
Atrevidos

Anabela Fernandes 





Saudades de ti. ...
Daquele teu toque sensual
De como me abraças sem fim...
Daquele beijo infernal!
Vontade de ser tua
E que meu corpo seja teu
Fazer amor à luz da lua
Fazeres-me chegar ao céu. ...
Saudades desse olhar...
Dessa tua vontade louca
Saudades de em ti naufragar
Perdendo me na tua boca...
Saudades da loucura
Desse teu beijo proibido
De descobrir em ti ternura
E tudo fazer sentido...
Isabel Susana Marouço 




PECADOS
*
Memórias de ontem e de madrugadas,

Palmilhando ruelas sem cor ;

Nas horas mortas passadas

Foram pecados de amor...

Foram núpcias do tempo

Desejos como as marés ,

Como o cio da lua ao vento...

Louca na solidão do convés .

Bailado a solo...

Prenha de nostalgia...

Perdida em teu colo

Num grito de primazia .

E no poente , sombra já sem luz...

Em cetim de fogo pulsar de emoção,

Sinfonia que ao amor conduz

Labirinto de nudez e paixão.

São pecados meus ....

Mas são também teus ....

C.BAIONA.C.




 "Lascívia"

Quero porque te quero,
por tanto te querer.
Sabes, que por ti espero
...Amor, dá-me prazer...
Sou tua e somente tua,
aqui deitada sobre cetim.
Com a minha pele semi nua,
vem delíciar-te com este festim.
Vem...porque esperas!
Larga a timidez!
E vamos juntamente,
Perder a sensatez.
Não sejas assim!
Olha, olha bem pra mim,
aqui deitada, semi nua,
nesta cama de cetim.
Sabes que por ti espero,
por tanto te querer...
...vem...
Vem amor, dá-me prazer.

Autora: Fátima Andrade 





“VIESTE DE LONGE”
Vieste de longe
Aportaste de mansinho
No meu porto de abrigo
Preencheste os espaços
Acabaste
Com os medos e os limites
Sorrateiro
Entrelaçaste os abraços
Desnudaste a minha alma
Marcaste com o teu traço
O caminho do amor
Fizeste-me mais mulher
Sem deixar de ser
A eterna menina
Com a ternura do olhar
A sensualidade dos beijos
Na poesia do desejo
Escreves no meu corpo nu
Poemas de sedução
De vida e de paixão
Um envolver de corpos
Um aperto de laços
Perdemo-nos em nós
Numa dança ondulante
Num arrostar de lençóis
Em madrugadas loucas
Viagens alucinantes
De um amor
Que vai permanecer em nós…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 





Surtou um clarão
vindo do meu coração,
em grito ao amor clama
vem apagar esta chama
vem sentir o calor dela
vem pois tem uma janela
onde teu amor me alcança,
e como atmosfera de arco/íris
formamos uma aliança.

Hexiste um céu que nos une
quando espalhas o teu perfume
me segreda o coração
que o nosso amor está impune
isento de oração...

Queria ser um beija-flor
no ar poder flutuar
dar asas ao nosso amor
sentir o teu respirar
ouvir um som de tambor
e no nosso peito vibrar...

Nosso limite é o céu,
até nossa roupa rasgar,
os corpos colados, tu e eu
em nossos sonhos vaguear...

"Em cada amanhecer
só quero te ouvir dizer,
"Amor quero te amar...

Arminda...T.G.L.. 





 Amor.
Foi por nos perdermos na profundeza transparente do olhar,
Que demos à descoberta nossas bocas.
Por caminhos aguados de saliva e mel.
Fomos árvores em pleno cio amando,
Tal como vento que desvirgina florestas densas num momento.
Fomos peitos e beijos desfolhados,
Foram nossas mãos tochas acesas,
Na procura do vácuo dos ventres.
Fomos poesia, fantasiada de ondas,
Fomos sabor a sal e fome.
De ti, de mim.
Éramos dois numa só alma
Num só querer,
Desejar é tantas e tantas vezes,
A porta semi fechada,
A luz que nos veste.
No momento
Sublime de seguirmos as trilhas desse amar.
Ficando sempre a desejar.
Outras tantas caricias,
Como as que dei,
E tu me deste.

Augusta Maria Gonçalves. 





 RECORDAÇÕES DE UMA NOITE DE VERÃO...

A areia húmida contrastava
com o calor dos nossos corpos
sob o luar de prata que nos cobria
olhava a tua pele luzidia
deitados lado a lado
ébrios de prazer
saboreava-mos o acto acabado...

Na boca sentia o sabor a sal
que em beijos loucos
colhera da tua pele
uma suave brisa vinda do canal
chegava até nós
e embalava-nos com os sons roucos
do bater das ondas no areal.

Ali nos quedávamos exangues
olhos postos no firmamento
partilhando com as estrelas
a magia daquele momento
só o mar testemunhava
e o nosso grito abafava
na dádiva desse mútuo prazer...

Aida Maria (Aida Marques) 




 Eu quero…
ter asas
e voar
quero ir
ao teu encontro
para te abraçar.
Eu quero…
sentir
o teu corpo
colado ao meu
cheio de calor
e contigo
fazer amor.
Eu quero …
beijar
a tua boca
com loucura
e abraçar-te
com ternura .
Eu quero…
amar-te
sem pudor
e entregar-me
toda a ti
para tu sentires
como é grande
o meu amor.

Mila Lopes 




 SENTIMENTOS DE MEMORIAS

AI! Saudades de ser menino
Quando era eu pequenino
As senhoras ao colo me pegavam,
Davam-me apertos na face
Diziam é fresco como uma alface
E todas elas me beijavam.
Hoje sou crescido e graúdo
Não sei se cresci em tudo
Mas beijos já não me dão,
Já não me pegam ao colo
Deixam-me secar ao sol
Saudades dos tempos que já lá vão.
Diziam que linda criancinha
Algumas davam-me beijos na pombinha
Que bebé rechonchudo e lindo,
Tem cabelos cor de seara
Quando crescer é cá um palmo de cara
Adeus meu amor a senhora já vai indo.
E eu com a bochechas avermelhadas
De por elas tanto serem apertadas
Coitado de mim só choramingava,
Hoje já sou velho e seco do sol
Elas já não me pegam ao colo
Pois quem sabe a pombinha já pingava.
Oh! Como o tempo passa depressa
Cresci faço parte de oura remessa
Até os meus cabelos ficaram grisalhos,
Já não sou rechonchudo nem lourinho
Não me dão apertos nem beijinho
Agora já nem sirvo para agasalhos.
Mas é esta a vida que temos
Dar graças enquanto vivemos
Vivendo com as lembranças do passado,
E distribuir beijos abraços e carinhos
A quem cruzar os nossos caminhos
E saborear o que em criança fui beijado… José Duarte Soares, 





O silêncio percorre o quarto!
O frio habita o lençol de flanela!
Que pede calor e beijos doces!
Daqueles!
Que outrora adornavam nossas vidas!
O lençol era ,eu e tu deslumbrados,
Com o silêncio!
Agora já com som!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana





 15-03-2018
“SOLTO-ME EM TI”
Solto-me em ti
O fogo cerca-nos
São as chamas do amor
Ardem em nós
Deixa-me perder contigo
Nesse teu amar
Neste amor quase louco
Atear no teu desejo
Perdidos em nós
Nas chamas da paixão
Sou refém do teu corpo
Deste amar de amor
Sufoco no teu ardor
Entontecida de paixão
Beijo o teu beijo
Destilo no teu olhar
No teu odor perfumado
Vagueio nas asas do sonho
Deixas-me em êxtase
Plantas em mim
A flor do amor
Abraçamo-nos descontrolados
Sinto-te na alma
Cansados e suados
Apagámos o fogo de amar
Descansamos…Enfim…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA



A minha alma é tua....
Tu és sol abrasador....
Teu corpo de pele nua....
Faz o meu explodir d´amor....
Entorpeces-me os sentidos....
Numa cegueira de fogo....
Somos ateus convertidos.....
Paixão sem pudor nem jogo....
Provocas-me ...desfazes os laços....
És tocha em altar flamejante.....
Terno no apertar dos abraços....
Meu doce e eterno amante.....
Tens a ternura do afago....
Luz turva de corrompido olhar.....
Somos cúmplices de segredo vago....
Idioma d´ outros mundos no beijar.....
Embriagados do meu e teu perfume.....
Sina d´amantes com coração tatuados.....
Pudor banido....aroma que vem do cume....
Nossas vidas vendavais, com rumos entrelaçados.
<
C.BAIONA C.




Convite

Venho, entre o pestanejar cortês
E o olhar brilhante que sempre me vês
Lançar a ti, mestre da sedução,
Um recatado convite à emoção!

Salpica-me de deliciosos beijos
Entremeios de contidos desejos
Pinga em mim sob a forma de abraço
Num impulso sôfrego de embaraço

Quero-te por longos instantes
Na breve noite dos amantes,
Sucumbir aos teus encantos
Saciar todos nos meus recantos

Sobram mãos. Sobrabram dedos
Dedilhámos tantos segredos
Dividimos tamanhos gostos e ensejos
Em corpos seguros e indefesos

Quero-me no teu auge a surgir
Saber que tens guardado o sorrir
Para celebrar o suspiro de deleite
Quando pedes que contigo me deite

Rute Pio Lopes





 A SÉRIO....

Sou o teu caso sério
Um simples acaso
Um abraço gostoso
Sorriso maroto
Feita a t 'eu gosto
Sou a lamparina q' ilumina
Na noite escura
Qui'ça a fartura
Desses tempos de ninguém
Além de ti
Sou um novelo de fio de prata
Cascata d 'beijos
Desenrola e vê ,sente a sensação
Canta amor a canção
Perdida n'voz
Sou albatroz na praia deserta
Silenciosa paixão
Rasgo-te o pensamento
Estarei eu certa
Que sou ,serei o teu caso sério
A sério? Diz-me !!!

Anabela Fernandes 




Como é bom dormir nos teus braços
Arrepiar o teu corpo, sentir o teu calor...
E ver aquele brilho nos teus olhos
Que me enche de alegria quando fazemos amor ...
Como é bom saber que ainda te dou vida
Que ainda me desejas como na juventude
Contigo pinto aguerela colorida
E a tua presença em mim enche-me de inquietude
Sabe tão bem quando me desconcertas
Quando em mim despertas
A bela adormecida
Como o cupido, no meu coração acertas
E as amarras libertas
Dando á borboleta vida
Deixa-me ser tua musa inspiradora
Aquela que a qualquer hora
Te pode completar
Para os meus braços vem sempre sem demora
Amanhã, logo ou agora
Quando o desejo mandar!
Isabel Susana Marouço



 "Beijo"

Um beijo...
Com sentimento...
Este desejo ardente
que revejo na minha mente.
Percorrendo o meu ser
neste meu corpo de mulher.
Seja simples ou audaz...
De me entorpecer
é capaz!
Em sintonia com a minha boca,
mexendo com os meus sentidos!..
Deixando-me louca!

Envolvendo num véu,
este coração meu...
Que bate forte e descompassado
por este simples beijo,
desejado!

Autora: Fátima Andrade




Quero-me perder!

Queria-me perder
Nas chamas da paixão
Mas não sei com o o fazer
Se tu só me dás a ilusão

Mas como sou teimoso
Vou olhinhos te fazer
Quero em ti ser famoso
Quero ter o teu prazer

Vou-te tentar incendiar
Nastas chamas da paixão
Para que me venhas a amar
Com toda a satisfação

O teu corpo tem odores
Que me despertam para o ter
São assim os meus amores
Aquilo que me dá prazer

Quero em ti me plantar
Como se fosse uma flor
E depois ao te amar
Dar-te tudo com amor

Dar-te beijos e abraços
Com toda a fogosidade
Em momentos tão escassos
Vem ao de cima essa saudade

Saudade que vive em mim
Desde tempos imemoriais
Não sei porque sou assim
Mas em ti eu sou demais

Por isso tu vem amor
Vem a mim que eu gosto
De te dar o meu calor
Pois em ti eun sempre aposto

Armindo Loureiro  





 O RUMO DOS AMANTES.

Por caminhos de ternura fui levada.
De cetins de sedas fui vestida.
De joias mimosas adornada.
Era apenas amor o que sonhava.
Era só esse teu olhar minha morada.

Rasgamos a noite as vestes o peito.
Rasgamos o grito na voz da doação.
Nos lábios mel, no palato sede de desejo.
Na sedosa pele suaves gotas de água.

Se fez no abraço corpo uno.
Se fez da dádiva uma canção.
Fomos para lá dos sete céus.
Nus de pudor,
Vestidos pelo véu leve do amor.
Somos esteios de esperança.
Somos seres carentes.
A festejar o amor.

Por fim exaustos de inventar.
Beijo a beijo a estrada das caricias.
Perdemo-nos no sonho dos cansaços.
Era nossos leito,
Um mar tranquilo,
Um barco rumo á ilha decorada de estrelícias.

Augusta Maria Gonçalves. 




 Amor e eterno

O meu amor …
Vive como o teu olhar
no meu olhar.
O meu amor…
Vive com as tuas mãos
nas minhas mãos .
O meu amor …
Vive com o teu sorriso
que me faz sorrir contigo.
o meu amor …
Vive das tuas caricias
nos meus rosto , e cabelos
o meu amor…
Vive com os teus beijos
de carinho sem fim .
O meu amor ...
Vive do teu cheiro
que fica gravado no meu corpo .
O meu amor …
Vive todos os dias ao meu lado.
numa vida de ternura e sentida a dois
O meu amor …
É a felicidade de quando tu me chamas
como carinho pelo meu nome .
e dizes com doçura .
Vem!... Fica aqui comigo
acaricia-me , e ama-me intensamente
e permanece ao meu lado eternamente.

Direitos de @utor reservados
Mila Lopes





08-03-2018 
AMOR!
Sou mulher estou aqui
Desvenda-me, olha para mim
Veste de limpidez o teu olhar.
Toca-me com a seda desses lábios
Faz das tuas mãos cetim de caricias.
Sente a macieza desta mulher flor.
Beija meu corpo perfumado.
Colhe as flores deste jardim.
Elege-me RAINHA.
Faz com tuas mãos uma teara.
De orquídeas raras e bagos de romã.
Desata o laço da minha cintura.
Logo a túnica se dosa cairá.
Será de seda florida o nosso leito
Para ti me faço deusa nua,
Estrela, luar, requebro de onda, largo mar.
Vem sou tua.
Ama-me, leva-me nesse cavalo branco da ternura.
Rasgaremos as nuvens.
Na telúrica loucura.
Tocam violinos, caem rosas.
Desfolham-se prazeres.
É a festa dos corpos, dos quereres.
Taças de finissimo cristal a transbordar.
A dádiva plena,
Ser mulher é ser amor.
É amar.

Augusta Maria Gonçalves. 





Há um clarão...
...Na janela...
Do meu coração!
Enxergo claramente
O que vai na tua mente,

No brilho do teu olhar
Vejo o sol,,,,,vejo o mar.
A minha mente alcança
Belíssima aura
Em forma de aliança!

Algo forte que nos une
Nosso amor...
.....Está impune...
Aos segredos
Do coração,,,
.....Aí como Sinto...
O teu perfume
... Que invade....
A minha imaginação
.....Querendo ser.....
Como um beija-flor,
....No ar flutuar....
Dar asas ao nosso amor,
Sentir nosso respirar,
Ouvir um som de tambor,
E no nosso peito vibrar..

O nosso limite...
.........É o céu......
A nossa roupa
.......Rasgar....
Corpos colados
O meu e o teu!

Em cada amanhecer
A tua voz, me dizer
....... Amor......
Quero-te amar!!!

Arminda...T.G.L... 






 Tenho em mim um imenso mar
onde se reflete o sol a brilhar
repleto de mares vivas...
de amor e ternura a transbordar!

Tenho o brilho das estrelas
que me guiam na noite escura
pelos caminhos por mim traçados
de coragem e ventura!

Tenho um fogo preso em mim também
sou ...ventania em noite quente
chama de amor sempre presente!

Tenho a força bravia de mulher mãe
cintilações de alma brilhante
materializado em corpo de mulher amante!

08-03-18 maria g. 





“DE MANSINHO”
Enches as marés
Com a tua ternura
Agigantas o amor
A teu jeito
Da profundeza do teu ser
Bem lá no fundo
Soletras a palavra amor
Contornas a paixão
Soltas a tempestade
É a tua essência
É o teu sentir
És um ser único
Com recantos de ternura
Com um amor de maresia
Acessos percetíveis
De amares o amor
Guardas a tua sereia
Como uma gaivota
Vigias a tua enseada
Em que me esperas
E descubro
A mansidão da tua caricia
O silêncio do teu beijo
O teu abraçar de mar
O mar vem e recua
És insondável
Na tua procura de amar
Contornas o meu corpo
Desaguas em mim
De mansinho…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 




 VÍCIO DE TI

Deixa-me ser fogueira acessa
Nas noites frias
Tocar em ti
Percorrer o teu corpo
Sorver o doce do teu pecado
De lado a lado
Ser tua Afrodite
Saturno e Marte
Outra constelação
Saciar a sede desse coração
Romper o dia
Extasiados de prazer
Nos lençóis de linho
D'outro planeta
Ficarão marcas
De quem se amou
Deixa-me ser o vício
Um delírio em ti
O suco de amor
Do mel rosado
Entranhado em nós
O sabor a pouco
Vem...
Ser a erupção
Despertar em mim
O vulcão adormecido
Juntos seremos o vício
De um novo despertar
Na terra
No mar
Quem sabe até o sol raiar

Anabela Fernandes 




MOMENTOS ESCALDANTES
A noite calma prenha estava......
Do olor enlouquecido da maresia.......
A lua com olhar manhoso te olhava........
Querendo roubar carícias com ousadia.

Lânguido na areia teu corpo de chocolate.....
Que foi beijado sem pudor p´lo sol quente......
Num ritmo despudorado de cor escarlate.....
Som musical sussurrado p´la vaga fremente.

Vi-te ao longe.....estranho prazer !
Tremor selvagem roça-me os sentidos.....
Desafio medos tão forte é meu querer......
Pele de chocolate ....ficam pecados escondidos.

Neste instante sei quem sou sou.....
Claridade que explode em festa....
Sou barco que que atracou....
Fogo e perfume de giesta ....
Corpo a corpo , sou chocolate e mel....
Sou mar revolto sem batel....
Sou rocha moldada com cinzel....
No requebrar dos corpos sou tango de Gardel
Na paixão desenfreada sou corcel....
Sonhando em teus braços sou pipa de papel....
Conquistando o mundo em escalada de rapel.

C.BAIONA.C.




01-03-2018 
 SEDUZ -ME

Vem ...
Seduz-me por prazer
Na vontade de te ter
Desnudar o teu sentir
O cair de cada peça
Desse corpo que me atiça
No chão do nosso quarto

Vem seduz -me
Rasga a blusa
Intrusa da tua mão
Perto do coração
Toca de leve no seio
Amor assim eu creio
És luar em noite escura
A fartura deste querer

Vem seduz -me
Rebola comigo
No desejo que nos desperta
Tu sabes e eu sei
Que é fonte de água fresca
Sacíamos a vontade
Presa n ' alma que implora
Vem amor sem demora

Vem seduz-me
Devora o meu corpo
O teu que está excitado
Nada é por um acaso
Transborda a poesia
No deleite desta noite
Faz de mim verso e reverso
O orgasmo é poema
No final....declama
A chama em nós
Presente

Anabela Fernandes. 




Havia em ti...
uma vontade louca...
de atravessar o deserto...
de paisagem de amor ardente!
Deixei despertar nesse dia...
em ti esse desejo
para descobrires em mim
o que eu não conhecia!
E foi lindo esse despertar
de sabores nunca antes provados
quando me deixei morrer nos teus braços
cheia de desejos...
nessa loucura de beijos
que sabiam a pecado!

01-03-18 maria g. 





 SEI QUE ME AMAS.

Sei que me tens amor
Leio no teu olhar
Do teu peito sai um calor
Que o meu coração vem incendiar

Não precisas me dizer
Que me amas com loucura
Tudo irei fazer
Para ser a tua doçura

Contigo irei falar
Assim que te encontrar
Os teus lábios beijar
E no teu corpo me enroscar

Vou-te dar muitos abraços
Muito bem apertadinhos
No meu pescoço, colocas os teus braços
Para sentir os teus peitos quentinhos

Dentro do meu coração
Irás para sempre ficar
Sentirei uma enorme emoção
Quando o teu corpo acariciar

Neste enlace amoroso
Sei que posso confiar
Tornar-me-ei teu esposo
Até Deus me levar

José Martinho 




 "Simples"

Amo tanto, tanto...
que, até eu própria me espanto!
Não amo, assim assim,
nem tão pouco!
Amo tanto sim...
este amor tão louco!

Autora: Fátima Andrade 





É MINHA PERTENÇA
************************************************
É meu o teu sorriso de flor perfumado.....
Canção . partitura, que ninguém cantou.....
É meu o sorriso suave de brisa molhado.....
Palavra soprada ao ouvido que me encantou....

<<
É meu o teu sorriso que vem da alma....
Presente divino..... oferenda por inteiro.....
É meu na doçura que enlaça e me acalma.....
Tal como um sorriso de criança é verdadeiro....

<<
Também é meu pertence esse sorriso.....
Em que me perco e me enlouquece......
Ele chega de mansinho e sem aviso.....
Ele é verso , poema que não se esquece....

<<
É meu o teu sorriso na devastidão de abraços teus....
É lascivo insensato que me entorpece a razão.....
E à flor da pele clamam por ti os desejos meus......
Toma-me os sentidos leva-me à loucura da paixão.

** C.BAIONA C. 



“INQUIETAS-ME”
Inquietas-me
Quando danças comigo
Quando me enlaças
Sigo o teu olhar
As mãos tocam-se
Os corpos beijam-se
A música envolve-nos
No seu ritmo quente
Rasgas-me a alma
Quando roças minha pele
Somos um só
Lentamente
Guias os meus passos
Voamos na dança
Soltamos as asas
Volteamos ao sabor da música
Sigo o teu compasso
Os pés parecem voar
Os gestos intensos
Nada nos detém
Flutuamos
Amamos no calor dos corpos
Embrulho-me no teu beijo
A tua magia contagia
Sigo o teu voo
Agarro o teu corpo sinuoso
Perco-me em ti
Inquietas-me…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 





 Aconteceu

Aquele abraço ,
Na gaveta dos sonhos guardado,
Tão sufocado
Refreado
Mas tão desejado,
Aconteceu !
Num amplexo tão intenso
Tão íntimo
E tão profundo,
Que chegou a tocar o céu!
E raiou na madrugada ,
Num espaço irreal
Intemporal
Onde enfim
Se consumou !
E em transportes de ternura
Se desbravaram emoções
Desvendaram sensações
Que o coração exigia
E a alma consentia !
E assim aconteceu ...

M. de Lurdes Campos 





 Beijos de amor

São beijos de desejo
onde nossos lábios se unem
e se acariciam mutuamente.

São beijos de amor
onde as nossas línguas
se deleitam com paixão .

São beijos quentes
e intensos como a lava
de um vulcão.

São beijos húmidos
que aquecem
a nossa alma.

São beijos de sedução
que nos levam
para outra dimensão.

São beijos de emoção
que ficam para sempre
gravados no nosso coração.

Mila Lopes




 Angelicais humanos.
Vestidos seus corpos
Por alvo linho.
Caminhantes na estrada do acaso.
Passos sem rota.
Aves sem ninho.
Na cidadela havia luz.
Archotes acesos na noite da incerteza.
Se abrissem as portas,
Branqueado de neve era o caminho.
A Velha senhora se abeirou,
Aconchegada num xale de lã.
Olhou seus cabelos nevados.
Entrai disse.
Aqui calor de labareda ainda há.
Na humilde casa da senhora.
Uma tisana quentinha soube bem.
No recantinho da casa uma poltrona,
Seja essa o ninho para nós.
Que o frio desavindo fez juntar.
Caricias de seda acesa a pele,
Abraço aconchegante.
As mãos entrelaçadas.
O rasgar das sedas,
Beijos iluminados como estrelas.
Eles foram dois loucos naquela noite de résteas,
de luz, flores e poemas.

Augusta Maria Gonçalves.










22-02-2018 
 FAZ FRIO MEU AMOR.

Nasceu a noite com a ternura de um verso.
Olhamo-nos no fundo de nós.
Despojados de sedas.
Humanos corpos, frágeis curvas de peito,
Ancas delineadas com perfeita simetria.
Como peças de um puzzle perfeito.
Faz frio meu amor.
Juntemo-nos, nesse enlace sob a pele.
Nessa dádiva de beijo a beijo,
Vamos!
Vestir nossa nudez.
Os braços enleados,
Trepadeiras a colher as flores despertas de desejo.
Já o frio se desvanece.
Ah!...
Como o gesto de amar é mar e lava.
Como na simetria de humano ser ao compasso do bater do coração.
Dois seres são cirio aceso, luz, paixão.
Deixa amor na nossa nudez,
Florescer gestos ritmados na simetria desse grito e gesto.
Não fujas amor ao ritual poético.
É!
Sublime, é apaixonadamente,
Fazer amor.
Acendemos os cirios da vontade.
Já não faz frio, meu amor.

Augusta Maria Gonçalves.



 Sei de um sentimento
que em mim encontrou abrigo
e com ele convivo
mas não sei de ti!

Sei de uma chama
que em mim ardeu
só de pensar em Nós um dia
mas existi somente Eu!

Sei de sonhos
em que fui feliz contigo
mas ao acordar não te vi!

Sei desta dor
de não ter vivido o que sonhei
porque nunca te encontrei!

22-02-18 maria g.



 Hum....tão bom
Sentir este tom
Do ribombar do coração
Apressado, acelerado
Depois do prazer desmesurado
Que juntos partilhamos
Um no outro entrelaçados
Suados, exaustos,
Com "huns" e "ais"...
Sussurrados, gritados...
Olhos vidrados
De quero-te...quero mais!
E ver o amor acontecer
Transformando-nos num só ser.....
Hum....como é bom
Sentir este tom
Do ribombar do coração
Que apressado se acalma
Depois de saciado
Deste prazer desmesurado
A que nos entregamos
E juntos partilhamos.

Hum...como é bom
Ouvir o coração..." tum...tum"...

Autora: Fátima Andrade





“O DIA ACORDOU”
O dia acordou, silencioso
Um sol de arrasar
A cama já está feita
No chão, pétalas de rosas vermelhas
Clamam desejo e paixão
A mesa já está posta a preceito
Toalha acetinada vermelha
Cor do amor
As velas ardem
Cheira a canela e gengibre
Cheiros afrodisíacos
Espero que chegues
O nosso quarto vazio
Espera por nós
Anseio o encontro de corpos
O amor a florescer
Chegas, entretanto
Olhas a mesa e sorris
Ponho a nossa música suave
Sentamo-nos
Os copos tilintam
Um brinde á noite que virá
Noite de loucura
As horas passam
Chega o momento desejado
Cama desfeita
A cheirar a amor
Cheiro a velas queimadas de amor
Corpos suados, sorrisos
Beijos carentes e sensuais
Corpos que se tocam
Mãos que se abraçam
Olhares de desejo
Beijos sem controlo
Acordo do sonho
Foi tudo devaneios
Imaginação fértil…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA



 VIDA

A estrela da manhã me desperta
e. a ti me leva.
O sol do meio-dia me aquece
e, tu me lembras.
O crepúsculo me aconchega
e, com teus carinhos.
O luar se deita comigo
e, me afaga, por ti.
A noite dorme connosco
e, em beijos, nos abraça.

José Lopes da Nave




 Excito-te

Excito-te nos lânguidos desejos
Nos beijos que trocamos
Na imensidão do nosso olhar
Nas frias noites onde nos aquecermos
Quando juntos os corpos entram em erupção
Vulcão em chama que reclama por demais
Excito-te entre os lençóis que nos cobrem
Sedentos de amor os enrolamos até á exaustão
Quando loucos amantes sacíamos a vontade
Em liberdade voamos no prazer
Delírios de poetas , são sonhos á descoberta
Revelados no poema fantasia
Excito-te quando me lês e pensas ser real
Tu próprio dás asas á imaginação
Fogo ardente desse coração que acelera descompassado
Nesse desejo mudo ,quedo que por medo não revelas
Excito-te nesse rio de águas mornas
Na idade que pensas que já passou
Mas amor a água quer-se quente
E o tempo ,ah o tempo ....nunca passa para quem ama
Se na excitação deixares cair o que sufoca
A alma ...o corpo ...a mente ...e sentires que és ainda gente

Anabela Fernandes





Fantasia...

Fantasio-te
Enquanto os olhos se fecham
Num absorver...de encantamento
De te ver chegar bem de mansinho...
Com mãos cheias de carinho
E no corpo...o desejo...
Que vejo...e sinto...no quente beijo
Que largas...desesperado
Esmagado...na minha boca
Louca...de pele...e mãos falantes
Dos inigmas e das descobertas
Cobertas...por dedos... desconcertantes
Somos árvores...meu amor
Árvores balançando ao sabor do vento
Em troncos plantados no tempo
Entrelaçados...em braços nus
Abraçados no calor do amor
E colados nas bocas dormentes
Quentes...no seu desejo
D'um ápice saboroso e sem norte
... forte...no seu arrepiar
É assim que te fantasio
E imagino-te...no meu amar

FCJ
Fernanda Carneiro Jacinto



 É TÃO DIFÍCIL!

Nem de menos nem demais
Nem tão longe e nem tão perto
Amar-te nunca é demais
Nem que seja no deserto.
Na medida mais precisa que eu puder.
Mas amar-te sem medida e ficar na tua vida,
Da maneira mais discreta que eu souber.
Sem tirar-te a liberdade, sem jamais te sufocar
Sem forçar tua vontade
Sem falar, quando for hora de calar.
Sem querer estar susente
E sem calar, quando for hora de falar.
Amar-te simplesmente
Naquele momento amar.
Sempre presente e não ausente
Calmamente ser-te paz
No momento escaldante
O amor que a gente faz.
Não sei bem explicar
O momento de loucura
De querer tanto te amar
Tu... Que és doçura.
Este é o meu desejo
Estar sempre presente
Dar o desejado beijo
No momento escaldante!
O que tenho para ti
Confesso que não é fácil
Falar do que nunca esqueci
Pois que do teu lado sair :É TÃO DIFÍCIL!
Carmen Bettencourt!




 NO TEU OLHAR...

Que encanto tão sedutor
tem o brilho do teu olhar
são mil promessas de amor
que sempre me fazem sonhar.

São brasas ardendo no peito
na ânsia de desvendar
esse fulgor que a preceito
tem o dom de me tentar...

Descubro nele fantasias
Promessas pra me deslumbrares
quando o meu corpo tocares

Desejo todos os dias
dar-me a ti sem condição
na volúpia da paixão.

Aida Maria (Aida Marques)


 15-02-2018

ESTA NOITE.

Esta noite foi boa amor
Ter-te amado com paixão
Do teu corpo saía um calor
Que aquecia o meu coração

Esta noite irá ser para recordar
Porque saímos da rotina
Não me recordo um dia te amar
Em cima de uma cortina

Esta noite foi especial e inesquecível
Que irá ficar na nossa memória
Foi uma noite incrível
Acabámos por fazer história

Esta noite eu senti
Tuas mãos na minha cintura
E nos teus olhos li
Que querias ser amada com ternura

Com os meus dedos, toquei nos teus seios
Lindos, belos e redondinhas
Beijei-os sem receios
Enquanto me fazias carinhos

Esta noite inolvidável
De muitas outras um pouco diferente
Tu ficaste consolável
Deixaste de ficar carente.

José Martinho 





 "Este fado"

Com paixão me entrego
a este deslevo
que é o teu corpo...
incansavelmente,
ardente de desejo
no qual me revejo.
...anda cá, dá-me um beijo...
quente, molhado...
cantemos uma espécie de "fado"!
Com suspiros e "ais"...
...vai com calma...quero mais!
Os meus "pontos", sabes quais!
O teu toque, nunca é demais!
...vem...
Vem Amor...
Não te faças de rogado!
...vamos...
Vamos juntos...
...cantar este "fado"!

Por: Fátima Andrade



 O TEU CUPIDO

Nesses teus cabelos branqueados
Quisera eu pousar a mão
Afagar o rosto,com nuances de carinho
Ser o sorriso que te desperta
Estar de novo enamorado

Nessa lua que te envolve
O olhar tão sedutor
No poema confissão
Dás largas ao sentir
Nos versos saboreio
Tais desejos de amor

Vem numa noite sem pudor
Desatar o laço do meu vestido
Tocar no corpo semi despido
Arranhar a minha pele
Com a barba mal feita
Dizer que sou a tua eleita

Cai as peças uma a uma
No chão do teu quarto
No espelho vejo
Cada traço de nós dois
Sem idade,sem fronteira
Paixão ,chegou e está á nossa beira

Será que sou o teu cupido ???????

Anabela Fernandes




“SÓ NÓS DOIS”
Não deixes a porta entreaberta
Vem daí, vem amar-me
Molha-me a boca de beijos
Enlaça-me, cola-te a mim
Cessa em mim o frio
Que este inverno gélido
Me deixou na alma
Desabotoo-te a camisa
Pensando melhor
Rasgo-ta em tirinhas
Quero-te no meu corpo
Rápido, não demores
Salga-me com o teu sal
Quero ir contigo
Ao limite dos desejos
Dá-me as tuas mãos
Percorre com elas
O meu corpo desnudo
Arrepias-me
Sinto o teu sangue a arder
Matamos a luxuria em nós
Rasgamos o amor a dois
Cansados de amar
Enlaçamos as mãos
E de olhos nos olhos
Adormecemos…
Não quero saber de mais nada
Só nós dois…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 




 Espero te em cada manhã de sol nascente
espraiando se neste mar ...
que permanentemente te afasta de mim
nessa viagem para a outra margem
e me deixas neste cais
sem saber porque vais!
Espero te no amor perfeito
que tenho dentro do meu peito
e de coração nas mãos ...
nestas mãos cansadas de tanto te esperar
neste cais...
onde chegas ...mas sempre ...vais!
Ouço ao longe no vento que passa frio
o som oco do teu coração vazio
nesse teu viver solitário!
Se ao menos quisesses...voltar
Espero te neste entardecer de sol poente
inevitavelmente...porque tanto te quero
...simplesmente te espero!

15-02-19 maria g. 




 SIM FOI ONTEM.

É Fevereiro.
O dia fluiu cinzento.
Olhei de longe a amendoeira em flor, as rosas pálidas do jardim.
Cismo.
Olho a mesa redonda,
É lá que está o vaso de orquídeas que me deste.
Ontem!
Apenas passou uma noite, mas já sabem os lábios a saudade.
Repousa límpida a garrafa de licor que te ofereci.
Bebemos o açucarado dos lábios húmidos.
Fazia tempo que não falávamos só com a ternura das mãos.
Sim para nós se fez uma melodia.
Apagas-te a luz, ficaram acesos os cirios do olhar.
Eu não supunha.
Que tu tinhas para mim ainda rosas.
Inspirei o perfume da cada pétala.
Pensava eu que já não haveria lugar para mim nas bermas do poema.
Foi contigo que percorri o poema perfeito.
Onde as palavras já cansadas.
Brotaram como rosas.
Soubemos ser enleio,
Sol ternura, aves felizes no beiral faminto,
Fazia frio há tanto tempo meu amor.
Percorremos trilhas não sonhadas,
Apesar de sermos almas já cansadas.

Augusta Maria Gonçalves. 





 Eu
procuro o teu corpo
e encontro-o junto ao meu
é deitada no teu corpo
que eu me sinto protegida
e amada
tu abraças-me com ternura
e nos teu braços
eu não sinto frio nem dor
e quando eu fecho
os meus olhos
sei que tu me olhas
com carinho
e sei que tu a meu lado
pois eu ouço o bater
do teu coração
e quando eu abro
os meus olhos
perco –me no teu meigo olhar-
___________________________
Amor tu és o meu ninho
o ninho que me onde me abrigo
de todo o mal-

Mila Lopes 





ENTRE AMADA E AMANTE

Oh tempo que corriges
E ao nosso corpo exiges
Contenção e jejuns,
Mas aos olhos não podes tirar
O bom gosto de apreciar
Os corpos mais comuns.
Mas se os momentos são escaldantes
Juntam-se dois corpos amantes
Para desfrutarem do seu prazer,
E deixando-se levar pela imaginação
Soltam-se as lavas de cada vulcão
Vive-se, morre-se e volta-se a viver.
Mas num vai e vem constante
Entre amada e amante
Passa o tempo a correr,
O tempo esse não tem limite
E dentro dele ainda existe
Muitas crateras e vulcões,
Que necessitam de ser exploradas
E da sua lava retiradas
Amor êxtase e paixões.
Mas como o tempo não perdoa
E vai transformando cada pessoa
Aos poucos e a seu belo prazer,
Mas é assim a natureza
Na sua mais pura beleza
O que é preciso é saber viver…
José Duarte Soares, 




 Amor de Paixão

Adormeço nos teus braços,
acordas-me com carícias.
Beijas-me os lábios,
fazes sempre as minhas delícias.
Teus lábios nos meus,
oh, que doce mel.
Olhas-me com desejo
entrego-me a ti com amor.
Sinto a tua doce loucura
e digo-te... Ama-me com ternura.
Amor meu, meu doce amor,
acaricia-me com fervor.
Oh, que perfeito coração,
olha amor, olha a langeri que vesti!
Olha amor, olha a transparência!
Olha amor, não é falta de decência!
Olha amor não é provocação!
Vesti-a só para ti.
E agora, vamos brincar!
Estou aqui pra te provocar!
Vê se consegues me a despir!
Vê se me me consegues apanhar!

Se conseguires...
Vamos rolar no chão
Vamos fazer de tudo, sem alguém ver
Vamos se amar de Paixão.

Florinda Dias




08-02-2018 
 Estas minhas mãos…

Estas minhas mãos
Que a vida me deu
Guardadas para ti
Acariciadas por mim,.
Mas sempre guardadas
Sempre no meu coração.
Estas minhas mãos,
Que te falam agora
Á volta do meu mundo
São as que te esperam,
Sem esperança e choram
Queimam como vulcão.
Estas minhas mãos,
Que te percorrem veloz.
Que me colam ao teu peito
Neste amor que assim voa
Num louco prazer desfeito,
E que perderam a voz.
Estas minhas mãos
De sentir profundo
São as que mais te correm
És uma armadilha
Na busca deste meu mundo,
E te chegam ao coração,
Estas minhas mãos!

Maria de LurdesCunha 





 LINGUAS SOLTAS

L ínguas enroladas
I ntenso o momento
N um sofrego beijar
G ostosa sensação
U nidos os lábios
A limento de paixão
S aciamos a vontade

S entados na areia
O ndulamos os corpos
L ibertamos os preconceitos
T ivemos presente
A gora e sempre
S ençasões indescritíveis

Indo até aos impossíveis
....No nosso linguajar ....

Anabela Fernandes 




Pérolas

A longa fiada de pérolas pende
Do pescoço pelas costas desnudas
Num elegante colar que te surpreende
Quedes-te. Olhando as bolas miúdas

Pressinto o que o corpo quer
Sei que m'as vais arrancar
No jogo novo que te aprover
Enseio. Sem nenhuma fazer balançar

À distância de um palmo, imóvel
O dedo enrolando. Sofro. Sobe tão lento!
As pérolas frias tocam a pele. Notável.
Urge, dentro de mim. Ruge, o teu advento

Súplicas... Poros impacientes
De um corpo no outro, desse no meu
Do confuso respirar, das bocas quentes
Do que o fio de contas acendeu

Rute Pio Lopes 





 SOMOS MOLDADOS PARA AMAR.

Agradecer, sim agradecer.
Criador que deste teu sopro ao barro modelado.
Deste criador aos seres por ti criados o dom da visão.
Sendo nós humanos de espirito imperfeito.
Nos perdemos nos sentidos.
Extasiados por ver tal perfeição.
Caminhamos nus, sem pejo da nudez.
Nos veste esse arrepio de pele,
A vontade de num abraço bebermos as taças cálidas do desejo.
Vamos a correr com essa sede,
Até ao patamar mais alto da vontade.
Entre suspiros florescem rosas.
Na sedosa fonte dos lábios.
As mesmas caem desfolhadas.
Agitam-se os corpos em dádiva,
Em ventos…
Todos os véus do tempo se esvoaçam perante a força do amor.
As mãos já cansadas.
Os lábios desmaiados pela força de florirem.
Por fim escorregam dois seres amantes unidos.
Reclinam-se no chão do tempo. .
Arfam seus peitos rasgados.
O sexo dorme.
O vento testemunha desta dádiva.
Sopra em melódicas estrofes.
Para que entoe longe
Sublime momento.
Somos seres amantes.
Despimo-nos de pudor.
Elevado e profundo.
É o gesto feito com amor.

Augusta Maria Gonçalves.



 Fúria de amar-----

É no silêncio da noite
que a solidão se agita...
no corpo faminto...
de carícias de amor!
E sucumbe calado ...
aos desejos que gritam
na fúria dos sentidos
que queimam a carne
com perversão e dor!

08-02-18 maria g.




 MAR DE CALMARIA

Oh mar do meu mar,
onde o sol nunca se põe.
de tua água cálida
emerge a sereia
que anjo parece
e, me aparece
em sua resplandecência.
No cinza firmamento
as nuvens se diluem
o azul comparece
raiado de cores,
tua luminosidade,
jamais fenece
a felicidade me traz
em promessas
de calmaria, perene.

José Lopes da Nave 




“SEMPRE TU”
Este inverno frio e árido
Que convida ao amor
Ao enrolar de lençóis
É tão intenso o frio
Até me arde o peito
Só o teu calor o pode apagar
Nas manhãs imersas em sono
De desejos e volúpia
Sinto o teu jeito de amar
Deixas-me tonta
Esse calor intenso
São dos teus beijos
Do teu abraço louco
Ficas em mim
Enquanto o Inverno passa
Numa alvorada de sonho
Filtram-se pela janela
Os raios da manhã
O calor da tua pele
Os nossos corpos enrolados
Desenham sombras na parede
Sou tua nessa hora
Somente tua
Sorris…
Esse sorriso de menino
Pões o universo a meus pés
Cheiro o teu cheiro
Sinto o teu deslizar
No corpo que é meu
Agora também teu
E aqui mesmo…
Somos um só…
Tu…Só tu…
Sempre tu…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 





 DEUSA

A musa perfeita dum pintor
que a esculpiu na perfeição....
Corpo de acentuadas curvas
coberto por fina veste...
A deusa esculpida em arte pelo
pintor modesto que a amou, tal
como a musa de Dali ,Gala foi amada...
Belo corpo de pura seda e de sonho,
corpo banhado pelo ouro dos cabelos,
lívido como as açúcenas e consumido
eternamente, pelo desejo e as chamas do amor..
Água límpida, espelho vivo, paraíso de núpcias ,
em santuário de suspiros e amor ardente ...

MARY HORTA 



A MORENINHA (As aparências iludem)

O calor apertava, afinal era verão e por isso normal tal acontecer.
Terminei o trabalho mais cedo, decidindo ir a pé até casa, em vez de ir de metro,
podendo assim disfrutar das sombras das árvores, que nas ruas, traziam algum refrigério
ao tempo estival que fazia.
Automaticamente, os passos encaminharam-me até aquele bar, que tão bem conhecia.
Não sei como fazia, mas acabava sempre por lá passar, procurando um pouco
de companhia e distração, com as “Novidades” que por lá havia.
Entrei, dirigi-me ao balcão cumprimentando o dono do local, perguntando:
«O que é que temos hoje por cá Sr. João?»
«Temos as louras, as escurinhas que já conhece e uma novidade.»
«Vinha com a esperança de encontrar uma coisinha nova e gostosa.»
«Está com sorte, veio há pouco uma moreninha, uma pequena maravilha,
quer que lhe seja apresentada?»
«Teria muito prazer nisso.»
«Sente-se na mesa do costume, que já lá vou ter consigo.»
A mesa, onde me costumo sentar, fica num canto mais ou menos escondido, fora dos olhares
indiscretos de outros clientes, podia assim estar sossegado e relaxar, sem ser visto por alguém.
«Ora aqui está aquela de que lhe falei há pouco, delicie-se» Disse-me ele sorridente, indo embora.
Olhei e vi uma linda moreninha, de corpo bem torneado e um bonito sorriso no rosto.
«Olá meu querido como estás?» disse, sentando-se no meu colo.
Fiquei um pouco surpreso, mas reagi calmamente, respondendo:
«Estou bem e muito melhor agora que estás aqui comigo».
«Gostavas de me beijar?» perguntou descaradamente.
«Com certeza que sim» e de imediato o fiz, demoradamente, sentindo a macieza e frescura dos seus lábios e o suave perfume do seu corpo.
«Meu querido com você beija bem, está-me deixando louca».
Levantando-se, ficou de frente comigo, entreabrindo as belas pernas, sentando-se sobre as minhas. Deu para notar que não trazia roupa interior, expondo a sua bela nudez, em contacto comigo.
«Me beija de novo meu bem» disse, enquanto delicadamente libertava, o que tanto ansiava da minha parte.
Eu tremia de desejo, ao ter aquela beleza à minha frente, cheia de vontade de ser possuída.
Beijei-a com ardor, enquanto, suavemente, ela deslizava por mim adentro.
«Sou tua, meu amor, sou toda tua, me ama, me consome, me mata de prazer, não pare, não pare…».
Em movimentos lentos e ritmados nos entregámos um ao outro, perdendo a noção do tempo.
«Vem meu amor, vem, estou acabando, finaliza comigo». Diz ela.
Num frenesim de loucura e prazer, agarrei nas suas nádegas e de um golpe, deslizou totalmente para dentro de mim. Senti-me perdido, num intenso êxtase, que durou alguns minutos.
Quando olhei em volta, já ela tinha desaparecido, lá me endireitei, ajeitando-me, olhando em redor, pensando se alguém poderia ter visto tal cena acontecer, mas o bar, aquela hora estava vazio, o local era escondido e o Sr. João estava ao balcão entretido a ler o jornal, não se tendo apercebido de nada.
Estando já mais calmo e recomposto, veio o dono do bar ter comigo, perguntando:
«Então gostou do “Material”?»
«Se gostei, do melhor que tenho provado, cinco estrelas.»
«Eu bem lhe disse que ia gostar.»
«O preço é o mesmo, ou mais caro?» perguntei.
«É mais caro, a qualidade tem que ser paga, mas para si, hoje, abro uma excepção e paga o habitual, quer repetir?»
«Não, não, muito obrigado, estou plenamente satisfeito. Digo-lhe, que foi uma ideia genial ter arranjado estas novas canecas, em forma de corpo de mulher. É que a nova cerveja “Moreninha”, bebida por elas, sabe tão bem, tão bem, que até nos faz sonhar.»
«É essa a ideia, é essa a ideia.» Disse ele sorrindo e piscando-me o olho.

António Henriques




PALAVRAS LEVAM O VENTO

Palavras levam o vento
Para lá do meu pensamento
Onde apenas estou eu e tu,
Ando por ai há deriva
Em busca da minha Diva
Percorrendo seu corpo nu.
Na sua floresta vou entrando
Onde aos poucos vou desvendando
O seu lindo corpo de Cinderela,
E lá percorrendo aos poucos
Dentro dos meus pensamentos loucos
Como será estar ao lado dela.
Fazer dos seus cabelos entrelaçados
Tranças ou caracóis apaixonados
Onde me perco por momentos,
E vou tentando descobrir
O que poderei vir a sentir
Para lá dos meus pensamentos.
Ai! Como seria reconfortante
Ver os teus olhos de diamantes
No escuro do teu corpo a brilhar,
E sentir um tremor, um arrepio
Como quem treme de frio
Ou se estivesse a delirar.
Não sei se sonho ou deliro
Mas sei o quanto admiro
As curvas do teu corpo nu,
Onde percorro com meus dedos
Enfrentando os meus medos
Quando estou a sós eu e tu…
E HAJA SAÚDE. José Duarte Soares, 




 Sol da Noite...

Quando o sol
Desperta na noite
Salpicado de desejos
E de beijos
Arrepiam-se
Os picos
Das montanhas
Escorrendo
Seus raios
Pelas curvas
Laterais
Em calor e afagos
Sem iguais
Libertando
Tempestades
Tamanhas
Terramotos
Nas entranhas
Em escalada
Com sentido
Nos sentidos
E o mundo se acende
Na escuridão
Na luminosidade
Do teu sol
A iluminar meu coração
Despertando-me
Pr'á vida...

FCJ
Fernanda Carneiro Jacinto 




 Sonho

Deliciosas
fantasias
na noite
dos sonhos
eu voo
nos braços
de um Anjo
o céu
cheio
de estrelas
é emoção
vida
e amor
em comunhão
sedução
e essência
em nós
e de corpos
unidos
amamo -nos
com paixão –

Mila Lopes




01-02-2018


QUERO VER-TE CLARAMENTE

Aproximando-te,
mas o que desfruto é um sonho de névoa,
a continuar, durante o dia
e, ao fechar os olhos, a cada segundo da noite,
vivo outra vida, num sonho que dorme.
Cada momento acordado, mais me sinto,
como uma primavera no inverno
rumando em parede de vitral
com visão focalizada,
segurando a esperança,
mas as palavras não têm forma,
desfilam pelos meus lábios.
O sonho retém-me.
José Lopes da Nave  




ILUSÃO DE AMOR

Meu corpo desnudo
Sentiu um arrepio
Eras tu que estavas
a caminho
Silencioso e sorrateiro
chegaste
Vieste pela força do
pensamento
Ficaste recolhido no meu
coração
Na alma era só sentimento
Nossos corpos numa
perfeita união
Falando de coisas vindas
da imaginação
Quanto tempo terei que
esperar?
Por esse amor que insiste
em calar
É um sonho lindo de contar
É uma ilusão que eu quero
guardar.

Maria de Fátima Bezerra de França 




 ORGASMO

O NDA de prazer estonteante
R eacende a paixão
G ostoso paladar
A limento do amor
S atisfação a dobrar
M ágico momento
O ceano em nós

....final do dia nos lençóis de cetim...
......... foste o oásis dentro de mim........

Anabela Fernandes 





 ESSE AMOR.
Ama-me como o vento forte em tempo fértil.
Amar tem sua rima sua métrica.
Ama-me como um rio beija as margens.
Ama-me sem lei.
Ama com o furor da chuva criadora.
Ama-me com a fúria incansável das ondas.
Deixa como o mar sal nos meus cabelos.
Ama-me ao entardecer.
Quando a terra geme perfumada.
Ama-me…
Sei ser tudo ilusão.
Hoje sonho saudade memória.
Mas amor.
Fomos já em tempos mudas de árvore em flor.
No tempo em que rasgamos os preconceituosos,
Papiros enganosos do começo de um romance,
Hoje somos livros escritos em beijos frágeis.
Caminhos alindados de memória.

Augusta Maria Gonçalves. 





 O QUADRO

Sabes daquele dia
em que me olhastes?
Tremi, parece que te senti!
Daí até à atração, foi só um passo,
sentia no teu olhar o melaço
e cada vez que o nosso olhar se cruzava
desnudavas-me, tremia, sentia-me nua
e daí... Foi só um passo até ser tua.
Tornamo-nos amantes, quase que adolescentes sem juízo,
os nossos encontros eram fugazes.
Tinhamos o céu a lua e as estrelas como testemunha,
e às vezes perguntava-me, como é que fomos capazes?
Respostava-me em amor e sentimento e vivia cada momento,
contigo, tudo perecia ser eterno, eras abrigo.
Beijavas-me, amavas-me e falavas-me ao ouvido,
dizias-me adoro-te, amo-te aqui e agora.
Mas eu sabia que um dia, talvez fosses embora.
sabia e fingia não saber, ou então não queria entender.
Viviamos um amor colorido, sentia-lhe tanta cor,
sentia tanto que um dia pintei-te num quadro de amor.
Pendurei-o na parede para não me esquecer de ti
aí... Não me certifiquei se bem pregado ficou.
Oh que lindo quadro e que noite de amor tão boa.
Foi uma noite de amantes,
saciados de amor, vivemos momentos escaldantes.

Oh um estrondo!
Oh que raio de barulho este que me acordou!
Levantei-me da cama e fui ver!
Oh foi o quadro que caiu da parede!
Oh e aquele sonho lindo que estava a ter!
Se desmoronou.

Florinda Dias  




FRUTOS DE AMOR

Há momentos escaldantes
Num casal de amantes
Dentro de quatro paredes,
É como peixe enjaulado
Quando é capturado
Nas malhas de algumas redes.
Mesmo nas malhas do amor
Faz-se sentir o calor
Do carinho prazer e paixão,
Para que juntos encontrar
A forma de desfrutar
E dar largas ao seu coração.
Mas nas malhas do amor
Por vezes trazendo dor
Também traz luxúria e paixão.
Onde dois corpos se abraçando
E do prazer irem disfrutando
O calor da mesma união.
Mas como tudo tem um começo
Tal como pode ter um preço
Assim é o amor do momento,
Pode ser doce como mel
Ou amargar como fel
E tornar-se num tormento.
Mas o tema são momentos escaldantes
Entre namorados ou amantes
Onde o amor vai jorrando,
Vai jorrando lentamente
Dentro do corpo de gente
Por isso vamo-nos amando…
E HAJA SAÚDE, José Duarte Soares  



 POESIA EM RELEVO

Estivesse por perto o poeta
e faria poesia em teu corpo
com a arte de um esteta,

far-te-ia rimas em cada seio
e com métricas do teu relevo
criaria versos em devaneio,

e com teus ais por melodia
fecharia estrofes de enlevo
num poema que se concluía.

autor: Celso Cordeiro



25-01-2018 

 ATRÁS do PANO

Atrás do pano
Transparente e belo
Desnudei o corpo
Sem nenhum tabú
Peça a peça caía no chão
Perto estavas tu
Olhando fixamente
Teu corpo ardia
Era um vulcão
Apenas um passo
De tocar finalmente
Caiu a cortina
Naquele segundo
Seriamos o mundo
Numa união
Dos nossos corpos
Escaldando de paixão
Peguei na gravata
Empurrei de mansinho
Despi o resto
Com o maior carinho
Lábios a jeito
Sequiosos do beijo
Num linguajar
Foi o princípio
Do nosso manjar
Até sentirmos os espasmos
Da nossa loucura
Já sem o pano
Fronteira de nós
Vimos o céu
Fomos á lua....

Anabela Fernandes 




 Momentos

Desvelos contidos em mim
Desejam-te no toque
Que ansiosamente te aguarda
Em frémitos desmedidos
Duma alvorada inventada
De momentos que me sonham
Nas lareiras do amor
Das palavras não ditas
Pelos gestos trémulos
Desse toque
Desse momento
Dessa hora!

Ana Matia 




 A ESTRADA

És o timbre da brisa que me sopra
És a cor do arco íris que me envolve
És o perfume do jasmim que me circunda
És a doçura do mel que me cinge
És a quimera do sonho que me abraça.
Sou o desespero sentido que não quero
Sou a perturbação consumida que me atormenta
Sou a inquietude do viver que me lanceia
Sou o desassossego de ânimo que me desgasta
Sou a esperança oprimida que procuro.
Seremos um caminhar percorrido sem atalhos
Na demanda ansiada e vivida na estrada.

José Lopes da Nave





TUDO A NU

Rasguei o meu olhar frio
Nos lençóis quentes da tua cama
Onde a nudez do teu corpo
Era sedução e prazer à mistura
Senti-me preso na tua imagem
Que fez arder o meu desejo
De ferver nas tuas entranhas
Um temporal tomou conta de mim
Me fez possesso assim
Perdido em abraços era loucura
Confesso, de não estar à procura
Fui encandeado no momento
Num enlace cheio de sentimento
Rasgado ao sabor do vento
Como um filho que nasce sem tempo
Eras fogo e eu de amor sedento .

ANTÓNIO RODRIGUES GONÇALVES




 Foi há tanto tempo...
e ainda hoje sinto marcado em mim
a fúria dessa paixão
que minha carne queimava ...
como lava de vulcão!
Nunca houve nós
o meu orgulho falou mais alto
condenando- me ..
a que fosse somente
um amor a sós!
Apenas e só tive de ti...
o toque da tua mão
e o cheiro da pele...
quando nos teus braços ...
feliz dançava !
As minhas palavras ocas...
não diziam nada
ria brincava e não me mostrava
estar interessada!
Quando o teu olhar me atingia...
o meu desviava ...fugia
mas cá dentro de mim...
sentia o sangue a ferver de desejos
de te cobrir de beijos ...
de a ti me entregar...
e com paixão amar!!!

25-01-18 maria g. 




“LEMBRO”
Lembro
Aquele dia
Em que te conheci
O verão fervilhava
Um Agosto quente e seco
O teu olhar transpirava
As flores cresciam
Nas minhas mãos
Os beijos flutuavam no ar
As folhas esvoaçavam
Numa dança selvagem
No ondular do meu corpo
Um olhar de ternura
Um tocar de cumplicidade
Um desejo contido
Doçura de gestos
A água escorria do rosto
Calor e fogosidade
Ideias loucas
Pensamentos insanos
Devaneios
De duas almas sós
Que se encontraram
Pela primeira vez
Apaixonaram-se
Ao primeiro olhar
Já lá vão 20 anos
Como o tempo passa por nós
Lembro…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA




NOSSOS CORPOS DESEJOS!!!

Nos corpos as carícias, os os desejos;
A pele molhada de suor com cheiro de flor…
De nossos lábios os beijos Imaginam-se sussurros,de amor.
Corações disparados, Carícia ousada...
Espaços conquistados.
Confiança mútua,amada.
Sempre em busca de prazer.
Sentimo-nos sem nos tocar
Sem mais nada fazer...
Só querendo nos beijar.
Tudo é virtual!
Mesmo assim, na madrugada silenciosa e fria.
Tudo é muito especial
Na cama tudo é poesia.
Mas na loucura da paixão, Tudo, é constante
Cada ato, cada entrega,vem do coração,
Naquele momento escaldante.
Na confusão de abraços
Apaixonados pelo prazer.
Tendo-te em meus braços
Sem mais saber o que fazer!!
Palavras são dispensáveis!
Apenas a energia eminente Dos momentos sublimes, disloniveis
Enfim daquele momento escaldante!!
Carmen Bettencourt!




 DIVINOS NUS JÁ ANCESTRAIS.

Só na memória do tempo nos guardamos.
Fomos num enleio o expoente.
Nós esses seres perfeitos entrelaçados.
Fomos sol a fecundar em corpo ardente.
Leves galopamos céu espelhado.
Flancos ondulantes crinas soltas.
Bocas caprichosas.
Beijos ardentes.
Salpicos nectarados, o desejo inocente das sementes.
Tudo já passou,
É recordação.
Nas viagens desfocadas em segredos.
Visitamos os nichos da memória.
Somos poses da arte imortais.
Olha!
Quanta a perfeição das poses sensuais.
Fazer amor é recriar.
A mais pura das artes ancestrais.
Vem vamos olhar.
Amar faz tanta diferença,
De gestos tão banais.

Augusta Maria Gonçalves. 





No vazio d'uma tarde olho o horizonte e vejo
o quanto
foi vago, os momentos que se perderam no
tempo.
Hoje, estás distante da realidade!...
Se, algum dia passaste d'uma miragem?!.
Olho para ti
e vejo uma flor que desabrocha no azul d'uma
primavera,
uma amante perdida nas cinzas do tempo.
Oca,
é o desejo de se construir em cima do nada,
em cima d'uma
falésia, ou num tom musical.
A árvore mais pequena do jardim,
tem raízes.

José Maria... Z L 




 Mãos de Amor

Há nas mãos
Um bailado de gestos
Coloridos e sem palavras
Como lábios
Que se movem na mímica
Quando sedentos
De água
Há nas mãos
Um balé de desejo
Correndo em rio
De veias
A meias
Com a sofreguidão
Do olhar
Há nas mãos
Sabores
Amores
De línguas ardentes
De sal
Nas peles luzidias
Borboletas
No âmago da voz
De sons com sentido
Há nas mãos
Loucuras
Que elevam a libido
À estratosfera
Numa densa atmosfera
Em entrançado
De corpos
Em labareda
De fogos
Que nos mata
De repentemente
Há nas mãos
Conversas mudas
Que nos acordam
P'rá vida

FCJ
Fernanda Carneiro Jacinto 




 Aconchego dos sonhos

Desalinho suavemente
os teus cabelos
enquanto tu me abraças
com carinho
e beijo os teus lábios
devagarinho.

Desenho carícias
com as pontas dos dedos
no contorno do teu rosto
tu deliras de paixão .

E quando as tuas mãos
me tocam
meu corpo é vida
carinho e emoção.

E entre carícias e beijos
amor e cumplicidade
dormimos abraçados
no aconchego dos sonhos
sentidos n’a nossa alma .

Mila Lopes 




Olho para este corpo e vejo
Luxuria, prazer e desejo
Num corpo seminu e belo
Meio coberto de Tule ou Cetim
Provocando um desafio sem fim
Como Princesa fechada num castelo.
Mas como voa a minha mente
Neste sonho intensamente
Onde o procuro saciar,
Mas sei que é loucura
Andar sempre à procura
Dos frutos que não posso provar.
Mas como é fértil a imaginação
Correndo como lava de um vulcão
Sempre de encontro ao mar,
Quando se encontram arrefece
E o desejo desaparece
Para a terra poder voltar…
E HAJA SAUDE, José Duarte Soares,








18-01-2018 

MÃOS

Tocam de leve
Meu corpo desperto
Suaves carícias
Despertam sentidos
Silenciosos gemidos
Doce sensação
Dança na minha pele
Uma melodia
No verão em Outubro
O sol raiou
No Outono encoberto
Senti bem de perto
O prazer de te ter
Sem me envolver
Nas mãos delicadas
Que me seduziram
Anabela Fernandes



 A VERDADEIRA ESSENCIA QUE NOS VESTE.

Humanos somos.
Humanos vestidos de um corpo frágil e carente.
De olhos encovados.
Tão adormecidos.
Recordamos sermos aqueles, em cujas mãos floresciam os sentidos.
Ah!...
Somos a recordação das árvores em cio abraçadas á lua em pleno verão.
Ontem caiu o inverno.
A lareira arde em lenta combustão.
Eu tenho dedos de gelo.
Tu fome e frio.
Mas…
Vamos marcar encontro para o estio.
Já nosso corpo maduro será semente.
Promete-me teu beijo ardiloso.
Pois entre os amantes tem de haver essa cumplicidade de pecar,
Nem que seja em pensamento.
Declaro.
Sem pejo.
Sou humana.
Tu e eu amor somos,
HUMANAMENTE GENTE

Augusta Maria Gonçalves 




“Amar”
Como num sonho
Os teus dedos perdem-se nos meus
O teu corpo baila com o meu
Sinto a tua pele de homem maduro
Suspiro deliciada
Quase me sufocas
Na tua ânsia de amar
Sinto os teus lábios nos meus
Tocam-me e fazes-me reviver
Percorres-me como num labirinto
Sem medos nem tabus
Enlouqueces-me de prazer
Tanta sensualidade
Estremeço de amor
Preciso urgentemente
De te olhar e ver sorrir
Toco-te e amo-te
Os teus lábios devoram os meus
Vagueamos no mundo do amor
Volúpia e prazeres infindos
Olho-te e sorrimos
Beijas-me docemente
Descansamos por fim…
Saciados e felizes
Noite louca de amor…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 




SONHEI QUE EU ERA UM POEMA

Sonhei que eu era um poema
escrito pra ti com afecto
a tua leitura ideal
o teu livro predilecto.

Poema que te oferecia
em estrofes de uma canção
e com os seus versos podia
tornar real a ilusão...

Sonhei que nesse momento
sentindo o calor da tua mão
meu corpo ardia por dentro
tão forte era a sensação.

Sonhando tudo sentia
com uma tal emoção
que o desejo em mim crescia
pra te beijar com paixão.

Sonhei numa ardente cena
a entrega em total rendição...
sonhei que ao leres tal poema
me amaste sem condição...

Aida Maria (Aida Marques)




 Nos
Teus braços
sinto –me segura
sou tua presa
tua mulher
e tua amante
no teu corpo
eu me perco.
E unidos
somos um só
nossos
rostos colados
lábios nos lábios
num beijo sem fim
Eu estou presa a ti
e ouço batidas
do teu coração
sinto o odor
da tua respiração.
E depois
O silêncio fala
por nós.
Carinho
e ternura
abraços
infinitos
e beijos
cheios de desejo .
E depois, depois
enamorados
entregamo-nos
sem pudor
à essência de amar-

Mila Lopes


 



11-01-2018 

 MEDITANDO

Se, contigo
pudesse
contemplar o firmamento,
pintá-lo de aurora,
desejarei o céu
por ser um desígnio,
o símbolo do todo,
o que me permanece.
Tu és o sol
que me surgiste
em noite de luar,
no presente,
no futuro.
És o desejo,
o mistério em voo
de toda a contemplação.

José Lopes da Nave





Como uma ave que chega de longe e pousa num
ramo,
assim é um transeunte que chega; e parte de
seguida.
No peito trazia amor, nos olhos fantasia. Mas a
tarde não lhe
oferecia confiança, a permanência seria
prematura
e a viagem inadiável. O apaixonado partiu: para
um novo rumo,
em busca d'um novo amor e de momen-
tos escaldantes.

José Maria... Z L 




“MARCA-ME”
Marca-me
Como uma tatuagem
Desenha-me
Nas linhas do teu corpo
Deixa-me ser a tua sombra
Morde-me a alma
Deixa-me
Desaguar na tua vida
Beber do teu suco
Atracar no teu porto
És o meu ponto de partida
Sou o teu ponto de chegada
Deixa-me ficar na tua boca
Molhar ai o meu riso
Ser a tua sentinela
E tu o meu guardião
Ouve-me com o teu olhar
Conhece-me com as tuas mãos
Olha-me nos olhos
Eles te darão a resposta
Que a boca não quer dizer
Deixa-me renascer no teu sorriso
Deixa-me saborear-te
Desfolhar promessas
Ama-me
Nesta noite prateada
Quente, enluarada
Neste lençol de mil fios
Onde o amor permanece
Até a noite acordar…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 




 Levito d'Alma

Bebe do meu corpo
... E diz.
Diz que te matei a sede
... E que fostes feliz
Mata-me a minha sede
... E transporta.
Leva-me por aí sem saber aonde
... Não importa.
Mata a minha fome
no alimento de tanto bem querer.
Diz de nós, do nosso amor,
diz, mas fala baixinho.
Não grites aos quatro ventos
a intensidade do nosso carinho.
Leva-me nas asas de um condor,
... E diz de alma leve.
Diz algo que nos eleve,
fala-me de amor.
Faz de mim a tua candura
... Beija-me.
Beija-me como só tu sabes beijar,
beija-me, com a tua ternura.
Beija o meu corpo nu
Beija-me suavemente sem loucura
... E sente.
Sente como bate o meu coração
Sente o quanto somos nós nesta doce ilusão.
Somos somente, eu e tu.
Sente este corpo leve e nu.
Sente este corpo que não mente,
Sente-me na intensidade da nossa paixão.

Florinda Dias




VIAJA COM O MEU DESEJO...

Abraça-me forte
colora o meu dia
faz-me perder o norte
dar asas à fantasia...
Descobre-me com o teu toque mágico
que de agrado me arrepia
bebe de mim este ardor
que há muito consome o meu corpo.
Apaga esse fogo em nós
com um dilúvio de amor
abre-te à minha paixão
prova o sabor do meu beijo
viaja com o meu desejo
pra dentro do meu coração.

Aida Maria (Aida Marques) 




 Um suspiro...
Um gemido...
Um arrepio na pele
por ambos sentido
naquele momento
só nosso, a sós
em que o tempo
pode parar pra nós!

Já os nossos corpos
se agitam
até a vontade
se estrangular
numa vertiginosa
dança de amar

11-01-18 maria g.




SEMI NU...

Cobri o meu corpo
De sedas e rendas
Totais transferências
Despertam olhares
Queres tocar
Com o fino dedo
Até tenho medo
De vir a gostar
Subo ao varão
Redopio sensual
Pernas e braços
Tudo é perfeito
Não há preconceito
Se eleva o prazer
De quem está a ver
Cor de carmim
Nos lábios gostosos
Ânsia de querer
Resta saber
Se é só ilusão
Palpita o coração
Por entre o vermelho
Das vestes ousadas
Sou a concubina
Ou a tua deusa da lua
Apenas estou
Aqui semi nua
Não tocas mas pensas
Queres muito mais
Vem ...deslizar
Teu corpo no meu
Num sonho teu
Adormeço coberta
P'las mãos que são
Plumas macias
Acaricias meu baixo ventre
Acordo e vejo
Não estás presente ❤

Anabela Fernandes




  Amor

E os sorrisos brilharam
Quando a noite se aproximou
Teu corpo frio aqueceu
E junto ao meu se chegou
Respiro ar na leveza do ser
Momento sublime do acontecer
Em que o amor se desarrumou
E nossos nomes gritou
No êxtase​ do nosso querer.

FCJ
Fernanda Carneiro Jacinto 




Não sei de ti ilusão
Partiste do meu coração
Sem saber para onde irias,
Apenas deixaste aberto
O que o amor tinha descoberto
Enquanto te despias.
Despias-te de preconceitos
Onde desnudavas os teus peitos
Frutos da árvore proibida,
Eras sonho ou ilusão
Ou verdadeira paixão
Por vezes não compreendida.
Mas o teu corpo ondulante
Como passageiro andante
Pelos sonhos da minha mente,
Onde te via em visões seminua
Bambaleante pela minha rua
Onde o teu olhar era intransigente.
Passadas horas a fio
Ainda sinto um arrepio
A percorrer-me a espinha,
Olho para trás e nada vejo
A não ser o gosto do teu beijo
E do Batom que dele vinha.
Oh ilusão assustadora
Que te mostras-te tão sedutora
Quando em meus sonhos aparecias,
Parecias vestida de transparente cetim
Como quem desafiava por mim
Mas a acordar já não existias.
Ficou um amargo de boca
Pelas promessas ocas
Em passeios pela branca areia,
Porque em doces enleios me dizias
Que era para mim que vivias
Por isso ainda vives na minha ideia… E HAJASAÚDE, José Duarte Soares.  

Sem comentários:

Enviar um comentário