Poema Sorriso 2017


São poemas de membros ativos, escolhidos  aleatoriamente pela Administração e divulgados no SORRISOS NOSSOS, diariamente. A ideia é que sejam poemas antigos....mas nem sempre é possível.


19-10-2017

É melhor amar e perder
Do que nunca chegar amar...!
Olho a estrada
vejo uma curva , o que se seguirá?
não sei...
tal como em nossa vida
o dia passa e ao vir o cheiro da noite
em nosso leito nos deitamos...
é como uma curva da estrada
não sabemos como vai ser o nosso amanhecer...
esta é a nossa estrada da vida...
ao acordar vem o cheiro a fresco
aí começa um novo dia , que esperamos seja de alegria
mas a cada hora é uma curva
e por vezes bem apertada
até lágrimas derramadas, neste dia da estrada da vida
o dia vai passando e nossos olhos secando
para uma nova curva encontrar
e aí vem um sorriso
vem o cheiro das flores
ou da maresia quem sabe...
temos vinte e quatro curvas para contornar
nesta nossa estrada deviam ser apenas cheiros de rosas
cheiro a branco que é da paz...
cheiros a verde, ou do mar...
mas por maldade de muitos seres
assim nos fazem desaparecer tais belos cheiros
e vem o cheira da negrura
onde nos trás tristezas e solidão
ao nosso pobre coração...!
mas vamos tentar nesta longa estrada
apenas sorrir
pois é longa esta caminhada.
Laurentina Moreira



18-10-2017

Corações enlaçados
Hoje foi meu dia de princesa
Tu o meu príncipe
Entre beijos e abraços ficaram se
os olhares
Despida de felicidade , vivo cada momento da festa no meu castelo
Teu carinho um cartão me fez ficar
Fazer parte de tua vida de tua menina estava admirar -te , de quantas palavras fazem contar cada segundo de uma manhã
O sol se abre
Recordações que ficaram sempre nos nossos corações enlaçados
Carla Mendes


17-10-2017
 NESTE NOVO ANO EU…
QUERO….Tudo o que me abale da ponta dos pés a cabeça,
Quem me ame agora sem nunca ter pressa.
QUERO…Aquilo que me faz sonhar sem ser ilusão,
Aquilo que me faz tirar os pés do chão.
QUERO…O que me apaixona o que me faz sentir menina,
Adolescente outras vezes rainha.
QUERO…Correr pelos campos e gritar
Vem somos livres… Vamos amar!
QUERO…Andar pela cidade e me sentir segura,
Sem sentir medo e tanta amargura.
QUERO… Bem no fundo dos teus olhos olhar
E sentir que nasci para te amar.
QUERO…Com tudo isto poder dizer…
Que quero muito amar sem voltar a sofrer.
QUERO…Ser eu sem me importar com o que o mundo diz
certamente lutarei…. Para ser feliz!
Fátima Verissimo




16-10-2017
APRENDER COM A VIDA
Meus pais me ensinaram
Muitas coisas que hoje sei,
E aprendi tanta coisa...
Ao longo da minha vida,
Com pessoas que sofreram,
Que melhor que eu aprenderam,
Com os erros aprendi...
Mas ainda não aprendi tudo,
Aos outros queria ensinar...
O que o raio da vida me ensinou,
Não quero roubar, nem burlar
Só coisas boas queria ensinar !!!
Não se aprende a amar...
O amor vem ao nosso encontro...
Sai da alma...do coração,
No declinar da minha vida...
Não tenho muitas duvidas...
Que tudo ainda não aprendi...
Mas tenho uma certeza,
Vou morrer... sem tudo aprender.
Antonio Gonçalves



13-10-2017
 PORTO DE ABRIGO
Sou um mar
Sou um rio
Sou um porto de abrigo
Sou amparo, um ombro amigo
Pra quem me quiser ter consigo.
Meu mar é d’ esperança
Meu rio de confiança
Viajo pelo mundo dizendo:
Vem! Parte comigo!
Se o digo dou a mão
Se não digo é porque não consigo.
Quero levar-te como amigo
Numa jangada feita de fiança.
Meu convite é feito de graça
Não t’ obrigues a qualquer praça
Nem a qualquer coisa que eu faça.
Entrega-te à partida
Que te leve sem porfia
Num baloiço feito de liana.
Tem por certo quem te vigia
Foge de quem te engana.
Sou mar feito de sal
Sou rio que corre contra o mal
Que’ a ninguém quer fazer tal!
Zita De Fátima Nogueira



12-10-2017
Fui um livro em tuas mãos,
Um livro
Que leste por poucos e breves momentos,
Apenas levemente passaste teus olhos por minhas paginas,
que ansiosamente esperavam o momento
em que por ti seriam folheadas
fui um livro
com páginas cheias de códigos,
apenas descodificados para ti
um livro
que hoje fica aqui, numa prateleira empoeirada,
esperando que de novo o venhas ler,
mesmo que novamente
por poucos e breves momentos
sou um livro
que apenas deseja
por ti ser folheado
Se me quiseres ler
estou na mesma prateleira de sempre,
e se por acaso nessa procura
esqueceste meu nome,
sou um livro
chamado AMOR
Fátima Rodrigues



11-10-2017
1 DE OUTUBRO
O mês de Outubro, chegara...
Ao meu leito - intempestivo -
Há um sonho que ficara;
Bem mais morto, do que vivo.
As horas - como folhas mortas -
Caem, pela madrugada.
E tu, noite... não te importas,
Que toque mais uma badalada!
São quase sete da manhã...
Dum Outono - que estremece -
Bebo um chá quente, de maçã,
P'ra ver se meu corpo aquece.
E o dia 1 de Outubro;
Bem desperto... está ao rubro;
Numa ilusão, desconfortante.
Passo a passo... vou caminhando;
Aqui e ali... tropeçando.
Enfrento o dia... confiante!
Liska Azevedo


10-10-2017

E se a inspiração
Dentro de ti adormecer
Deixa-a estar
Quietinha no seu canto…
Não a perturbes
Não a julgues
Com precipitação…
Afinal, nem sempre o coração
Se quer abrir
E é preciso saber respeitar
A sua vontade!
Deixa o coração também dormir
Alimenta-o em silêncio
Mas não o desprezes
Nem o leves
Por caminhos que não são os seus…
Dá-lhe apenas tempo
Algum repouso e tranquilidade
Algum dia
Ele irá abrir em total liberdade
Oferecendo-te o que de melhor possuir:
Todos os sentimentos
Com os quais poderás construir
A tua própria essência!
Sabes… escrever não é uma ciência
Exata!
É preciso saber esperar
Saber parar ou avançar
De acordo com o momento.
Não tenhas pressa de soltar o pensamento
Deixa-o crescer dentro de ti
Depois, sim
Liberta-o e dá-lhe asas para percorrer o teu mundo!
Clara Lopes


09-10-2017


2015....
Um ano em que chorei....
Resmunguei. ...
Sorri....
Dei gargalhadas. ..
Até internada fui... minha parceira já à seis anos pregou uma partida
Sofri bastante. ...
Arrependimento nunca...
Aconteceu, aguentei, passei, mas cheguei ao fim...
Pois 2015, assim fez o caminho para eu caminhar...
Falta pouco para o novo ano...
Ansiosa por saber o que me preparou. ...
Mas estarei cá para de novo arrancar. ...
Não peço mais ou menos. ...
Só peço saúde, trabalho e dinheiro. ..
E tudo mais será por acréscimo. ...
Amor, amizade, carinho não é pedido. ..
É conquistado naturalmente ...
Sem artimanhas e vícios. ...
Em 2016, quero ser o que sou à 45 anos....
Paula....Paulinha...
O mesmo vos desejo amigos ....
Sejam físicos ou virtuais. ...
Resumindo. ....sejam felizes. ....
Haja alegria em cada um dos vossos dias.....
PC Infinito Paula Oliveira



06-10-2017
Tesouro ...
Palavras lançadas no teclado,
Procuram descontroladamente uma saída ...
Guardadas num Tesouro fechado no fundo do Mar
Onde a força da corrente não consegue quebrar!
A agitação marítima ...
Descontrola o pensamento ,
E as palavras embrulham se no rochedo ...
Salpicadas pela areia ...
Se o Tesouro abrir ,
As palavras flutuarão ao saber da maré
O Mar embalará as frases
E o arco íris flutuará !!
Carla Félix



05-10-2017
SONHAVA…
De olhos cerrados e sono profundo
Sonhava…
Sonhava com águas tépidas de uma ilha inexplorada
Onde palmeiras serviam de abrigo
E girassóis me traziam à memória tempos da meninice
Sonhava com pequenas ondas que me lavavam o rosto
E sóis que me escureciam com a passagem do tempo
Uma ilha que parecia ter sido inventada para mim
Da cor dos lábios que eram o ADN do teu sorriso
Sonhava com o crepúsculo ao fim da tarde
Que abria as portas à lua minha companheira
Fazia-se silêncio…
Tão doce quanto as palavras caladas que me dizias
Aquelas palavras que só o olhar sabe definir
Numa interpretação sublime da cumplicidade
Sonhava com um mar que não adormecia
Que falava
Quando a sua viagem escalava a areia
Meu piso seguro, meu miradouro do horizonte
Que me mostrava um além tão distante
Menos longínquo do pensamento que nos unia
Era um manto de azul o que me rodeava
Era uma chama que me aquecia a alma
Sonhava…
Ângelo Gomes



04-10-2017
FONTE DE INSPIRAÇÃO
És para mim a fonte
A fonte de inspiração
O teu caudal não tem fim
E o tempo não o secou.
Só por ti continuo a cursar
Os montes e vales de sempre
Sem nunca desfalecer
Porque tu me dás de beber
Podias ser o teclado
O teclado do meu piano
Para à noite poder tocar
E compor uma cantiga
Que falasse da magia
Da magia de amar.
E se fosses tu a aurora
Que me acorda pela manhã
Deixa sempre a brisa fresca
E de mim leva um sorriso.
Queria ter em ti o meu mapa
Que conheço como ninguém
E ver-te sempre comigo
Para nunca mais me perder.
Agostinho Silva


03-10-2017

QUE FICOU DEPOIS DO ADEUS?
Uma imensa mágoa sem perdão
E tinha bastado tão pouco
Agora é tarde pra arrependimento
Nunca vou esquecer
Odeio-te...
Caiu neve em mim e gelou-me
Tenho os sentidos alerta
E ao menor ataque tenho estratégia
Tornei-me em regime militarizado
E pronta pra atacar
Pois!
Amor com amor se paga
E eu não tenho meias medidas
Não sou carne pra canhão
Sou mulher enraivecida
E de tanto amar odeio
Estou pronta e não vou esquecer...
Fernanda Cerqueira


02-10-2017 
ANO ACABADO
A estrada findou,
O ano acabou.
Mas do que foi meu,
Daquilo que fiz ou não fiz,
Não me arrependo,
Porque não vale a pena
Arrepender-me do que não fiz
E do que fiz
Nem penso se foi certo ou foi errado.
Fiz, porque quis fazer
E porque me bastou querer.
E vou seguir,
Vou percorrer nova estrada,
Outro ano irei viver.
Quem sabe quantos acertos
Ou quantos erros irei dar!!!!...
Não estou preocupado,
Vou errar,
Vou acertar,
Vou ser eu,
Apenas eu.
A estrada findou,
O ano acabou.
Muitas vezes não disse o que queria dizer
E outras tantas vezes fiz mais do que devia fazer.
Dizer e fazer!!!....
No meio querer ou não querer.
Do que não disse já não lembro
E do que fiz,
Foi acerto ou erro meu,
Por mim mesmo assumidos,
Exactamente porque foram meus.
Foram muitos os momentos que teci
Ao longo desta estrada
Terminada.
A correr passaram uns,
Já outros foram insónia,
De cor e fantasia poucos foram.
A estrada findou,
O ano acabou.
Do que fiz e ficou
Foi de minha criação:
- Tristeza ou felicidade,
Alegria ou frustração,
Tudo é agora minha recordação,
Que, por ser minha,
Não tem que ser sorriso
Ou ser lamento.
É apenas o meu canto solto ao vento
Com cunho
Do meu pensamento.
José Manuel Ascenso



29-09-2017

TUA BOCA MEU HORIZONTR
ouvi a musica dos teus desejos
desato a correr sem parar
minha energia teus beijos
tua boca minha língua a dançar
tua boca meu horizonte
teu corpo minha paysagem
uma sede sem fonte
constante miragem
tempestade no deserto
perdido nas dunas
onde estará o caminho certo
não vejo pirâmides nenhumas
perdi a carabana
receio e esperança
neste mundo em chama
aos elementos peço tolerancia
como o orvalho
fresco e suave
no teu corpo me espalho
como te amo ninguém sabe
onde estas
quero-te ver agora
tanta alegria me das
não te vás embora
morrer num ninho de areia
continuar a sonhar
uma noite de lua cheia
vejo peixes me rodiar
uma manha quente
o teu lado vazio
de ti estou carente
sem ti tenho frio
vaporizas meu rosto
já não me habito
fim do dia sol posto
no silencio teu grito
Serafim De Sousa Almeida

28-09-2017


PARA TI....PARA TI...
Faz-te contar nos teus cadernos esquecidos
que todos os dias, ainda recordas vivos
e levas escondidos p'ra casa
Fala-me a mim, dos teus amores antigos
que ainda hoje beijas e te consolam
nos lábios que amornas e mordes
Trata por tu em descuido, esses caminhos vadios
que te fervem ainda, no frenesi dos teus sonhos
Relembra essas estórias que achavas ridículas
e que ainda hoje escreves outra vez de memória
no percurso que te persegue nas veias
Tu ainda estás lá atrás
e vais estar lá adiante
Ainda estás onde as ondas em ti espumam
e te carregam de areias as alpercatas dos pés
Desarruma-te nas gavetas em que te trancaste
e banha-te nos sais dos prazeres que ainda sabes
Podes usar uma túnica comprida
cruzar as pernas de vida
e balançares-te em harpas de música
Põe mais um prato na mesa
e deixa que o forno aguarde e aqueça
a conversa animada que vamos ter
Daqui a pouco, lanço uma pedrinha à vidraça
como lembrança de outro tempo
Recebe-me na porta que deixaste aberta
essa onde te espero...
no cheiro adocicado e ledo
do vento da sobremesa que te levo..
Vou procurar em ti
todos os teus abandonos
e fazer-te menino de novo
no resfôlego do sono dos justos...
Põe mais um prato na mesa
quero encontrar-te
no tudo o que deixaste perdido
Vou levar-te comigo
e fazer-te num querer meu, sentido
gemido restolho
no tudo o que pode ter de belo
...uma surpresa
Susana Nunes


27-09-2017


MAR AO LUAR
O frio em dezembro é áspero
vive até ao meio dia...
Volta ao fim da tarde
a pernoitar, o nosso corpo dilacera.
A alma treme de frio
os olhos querem lume
todo o ser quer a chama
do sol do meio dia.
À noite faz-se fogo e
na labareda nas asas dos troncos
crepitam sentimentos
na cor vermelha de fogo
Iguais aos nossos sonhos...
Os olhos também querem chama
no rosto brilham faces rosadas com luz, despertando
pensamentos a quem não voa
nem na própria luz...
Aleluia, aleluia.
A labareda faz amor
num cante suave e agressivo
numa cama de calor.
Ilda Queirós

26-09-2017


ENTRE O MAR E A TERRA
Sou mais um Ilhéu no meio do mar
Neste meu constante sonhar
Como barco á deriva,
Neste mar calmo e sereno
Como eu me sinto pequeno
Ao longo da maré viva.
Olho de longe e vejo
Sentimentos e desejo
Do mar, e da sua calmaria,
Mas dentro de mim ando revolto
Como toiro que anda solto
No passar o dia a dia.
Sou pequeno sou Ilhéu
Olho o mar e o céu
E pasmo a contemplar,
Como só eu existisse
Ou que sozinho partisse
Há procura de encontrar.
Encontrar dentro de mim
Ao que procuro, ao que vim
Dentro do meu pensamento,
Olho tudo e imagino
Que por falha do destino
Ando aqui ao relento.
Dentro do meu horizonte
E na fresca água da fonte
Onde procuro a sede matar,
Onde sinto que sou pequenino
Preso nas malhas do drestino
Entre a terra e o mar.
Serei feliz por ser Ilhéu
Contar as estrelas do céu
Numa noite calma e escura,
Sentir o mar bater na rocha
Como criança que desabrocha
Para a sua primeira aventura... E HAJA SAÚDE.
Jose Duarte Soares

25-09-2017

 
DESCODIFICAR OS POETAS
Tanta a infundada ficção
que se gera torpe na mente
e turva o pensamento dessa gente…
que ao ler quer decifrar os poetas!
Como se decifrassem nas palavras
os gritos mascarados de luxúria,
de paixão ou de mera reflexão,
ou busca constante de serenidade.
Há poetas que gritam de forma voraz
gritos de angústia interior profunda,
e nas entranhas do sentir se revolvem,
em versos criados se rasgam por dentro.
Tantas vezes os gritos são mudos
e as palavras que ficam por escrever,
de tão lancinantes os gritos agudos,
são vómito que teimam em conter...
Como pode alguém ousar descodificar os poetas?
(Os poetas são seres em ebulição!)
Celso Cordeiro





22-09-2017
Para onde nos leva esse caminho
Cheio de verde e túnel ao fundo
Talvez calcorreando devagarinho
Para encontrar sonhos do mundo.
Eles estão aí e a estrela não acende
Na corrida de cada um a nossa vida
Rogue-se à natureza que compreende
Onde estão sós numa outra guarida.
Eles virão, eles virão
Modificados ou não
Mas quero-os
Espero-os
Modificados ou não.
Jose Cacapo



21-09-2017
Poema Estragado
Quem és tu vindo do nada
Ou do tudo que eu não sei
Impulso da madrugada
Que cumpriu a sua lei.
Quem és tu que mal te entendo
Que vagueias por aí
Saber de ti eu pretendo
Disso eu não desisti.
Quem és que foges de mim
Que sonhas com impossíveis
Segues luzes invisíveis
Numa corrida sem fim.
Quem és ó pobre coitado
Vives teu sonho acordado
Num leito feito de vento
Que não tem pé nem assento.
Quem és ó sonho desfeito
Rascunho feito sem jeito
De poema inacabado
Pra soneto mal cantado.
Quem és poema estragado
De cantiga que nasceu
E eu a canto calado
Porque esse“tu” sou eu.
Hermínio Mendes


20-09-2017
 CAI A NEVE DE MANSINHO
Cai a neve de mansinho
À beira da minha porta
Estou para aqui sozinho
Mas isso pouco me importa

Tenho um bom companheiro
Confidente e meu amigo
Está comigo o ano inteiro
Entende tudo o que digo

É um cão muito inteligente
Damo-nos os dois muito bem
É melhor que muita gente
E a mim só me quer bem

Minha esposa faleceu
Há muitos anos atrás
Agora só resto eu
Muita falta ela me faz

Filhos nunca nós tivemos
O destino nos negou
Um para o outro vivemos
Agora sozinho está

Vejo gente apressada
Andando num desatino
Vir com sacos, carregada
Falando no Deus Menino

Já se chegou ao Natal
Nem me lembro o que é isso
Um dia aos outros iguais
Não entendo o reboliço

Também vejo a criançada
Andando muito contente
Por ver a hora chegada
De ganhar um bom presente

Ó meu Deus como gostava
Ter gente por companhia
Minha solidão mitigava
Nem que fosse só um dia

Familiares já não têm
Amigos já poucos são
Sozinho lá me mantenho
Em companhia do cão

Bate-me à porta alguém
Quem será que está surgindo
Abro a porta, ninguém!
Só vejo a neve caindo

Vejo então um Anjo Branco
Que por mim está chamando
Como estou um pouco manco
Vou ter com Ele coxeando

Vejo uma intensa luz
Sinto um imenso calor
Será que é o Bom Jesus
Com o Seu belo esplendor?

Vejo uma linda Mulher
Estendendo-me Sua mão
Sinto que Ela bem-me-quer
Acabou-se a solidão

No dia a seguir ao Natal
Há na aldeia burburinho
Morreu o Chico Pardal
Que morava no moinho

Estava caído no chão
Por fina neve tapado
Com ele estava o fiel cão
Morto também, a seu lado
António Henriques



19-09-2017
SEM IGUAL
Alandroal, terra de encantos mil
Acarinhas, quantos te visitam
Refúgio deste Alentejo anil…
Ah… quantos sonhos por ti transitam!...
….
D’ espírito jovem ou senhoril
Na tua beleza todos meditam
Musa nobre e de caráter subtil
Contigo, mentes felizes levitam!...
….
Inspiras, os poetas e pintores…
E os demais que na arte flutuam,
Enlevando, almas de sonhadores!...
….
E com tanto requinte eles atuam
Depondo em tudo, seus grandes valores
Que, logo suas obras perpetuam!...
Ausenda Balsante Ribeiro 


18-09-2017
 Da vida breve,fútil ,passageira
Colhi pedaços vários de esperança
Surgiu, em mim, por vezes, a bonança
E a aurora antevi dessa maneira.

E neste meu presente, de tal sorte
Eu vi o senso lato do amor
Mas, de repente se anuncia a dor
Que, depois do nascer, lhe trás a morte.

E segue, assim, seu rumo a natureza
Reservando o destino tal segredo
Que poderá conter singelo anel...

Foi-se a felicidade... Que tristeza
Ao sentir despido esse teu dedo!
Em vez de amor sentir, eu bebo o fel.
Adelino Pais




15-09-2017
Revisitando…
Meu olhar ciranda por aí
Num bonito renascer
E por aquilo que senti
Tudo é bonito de se ver
Mira a sua alma por dentro
Com seus enfeites viscerais
É da besta o que eu lamento
Onde os labirintos não são iguais
Fazem-se cercos estéreis
A essas gentes sem imaginação
Eu bem sei que vós sabeis
Que isto não passa de maquinação
Uma maquinação de tão reles
Feita por quem não quer saber
Em alguns só se vêm as peles
Para que outros sintam prazer
Armindo Loureiro




14-09-2017
OLHA EU !!!
Ó gentalha mal gerada
Mal parida
Comam-me a carne
Roam-me os ossos
Suguem-me a vida…
Os sonhos
Elevo-os como bandeira ao vento
Numa Nau de livre pensamento
Rasgando silêncios além do mar
Levem-me os restos de rastos
Que eu derradeiro e em pedaços
Ainda serei o poeta que não ousareis calar...
Jorge du Val




13-09-2017
Encontro
Nas artes perdidas das palavras
Invento quimeras, conquistas
Reinvento-me poeta
Escrevo em ti o desejo
Inscrevo em mim a sedução
Lanço nas ondas da manhã
Paixões perdidas na noite
Rumo a terra, porto seguro
Raio de luz que me guia
Na calma e aprazível
Baixa-mar, elevas-me
Conquistas-me,
No louco movimento,
Com que me rebolas na alma
As curvas do teu corpo,
Perco-me nas palavras
Para me encontrar em ti!...
Alberto Cuddel


12-09-2017
DESILUSÃO-XIV
O meu pensamento voa, procuro teu nome
No musgo verde do vale, na cale que pinta paredes brancas em muros sombrios
na calçada que cobre a minha rua, e segue os meus passos nus e frios
Procuro teu cheiro no perfume das violetas
no brilho dourado do cometa azul e desconhecido
procuro teu sabor no requinte de uma taça de champanhe francês
na exuberância de um prato de ostras decoradas com perolas negras
Procuro teus encantos, em histórias de Mouras encantadas
em corpos de virgens nuas de pecado e que amam pela primeira vez.
O meu pensamento voa como o voo de uma ave de rapina em voo picado
É negra a ave rara e a a solidão que invade a minha alma
Foste o meu destino e nele viajei, ao sabor do meu pecado
transformaste a minha vida na transparência de um arrepio
A noite corre em segredo escondida num beijo furtivo
Procuro nesta noite o som liquido dos teus passos apressados
Procuro a sombra fugaz do teu tímido rosto
Tenho vontade de dizer que te amo, tenho medo dos meus devaneios
Tenho medo dos meus sonhos quando sonho a preto e branco
e acordo inerte na areia entre a espuma branca e os meus anseios
Quero caminhar teu corpo com as minhas mãos, percorrer suavemente o teu desejo, sentir uma ténue brisa ao percorrer a tua pele
Seda vermelha, veludo encarnado, cetim amarelo. no teu corpo desejado
És em mim a desilusão de cada dia, a minha sina
a minha droga, a minha morfina mais pura
Minas o meu horizonte com a tua ausência
Cultivo a tua recordação no silencio e na minha candura
Encho o firmamento de palavras infinitas
E a noite forma-se longínqua e morre neste entardecer..
com sabor a Dezembro e a e fruta madura.
Maria Da Conceição Marques



11-09-2017
" A MAGIA DO AMOR!"
Leve e suave odor de perfume ou de loção;
Misto de rosas , violetas ou jasmim ...
Cupido entrou na nossa alma e coração,
Anunciando que o Amor...chegou enfim!
Flutuando qual borboleta no espaço;
De asa transparente...multicor!
Envolveu nossa atracão num forte laço;
Transformou nossa amizade num grande Amor !!!...
Nossas vidas o destino quis cruzar ,
E num halo de felicidade as envolveu ...
Com magia implantou o verbo amar ,
Dia a dia o nosso Amor então cresceu !!!...
Sonhos vividos na solidão como reais ,
Revividos no nosso leito intensamente ...
Momentos inesquecíveis...que jamais ;
Podem ser anulados nas nossas mentes !!!...
Sonhar...sorrir...viver com paixão e alegria ,
Sentir a emoção de amar...ser-mos amados !!!...
Vibrar intensamente por amor...essa magia ;
Ficar-mos felizes e...loucamente apaixonados !!!...
Antonio Claudio



08-09-2017
POESIA
SOMOS VAMPIROS AO SOL
Em sensata alucinação,
consentida
e semeada de metáforas
mais ou menos libertinas,
os dias sucedem-se
a beijar abismos
nas grutas de sombras
que nos atraem
como drogas duras
a aliciar veias resignadas.
Se estendemos, corajosos,
os braços à realidade,
injetamo-nos
com transfusões do nosso sangue,
lambemos o contraveneno
para resistirmos
aos dentes incómodos
ferrados na carne.
Somos vampiros ao sol,
de olhos fechados
no mel de nós mesmos,
como pássaros a beijar
sementes de sésamo
na fuga ao Mito da Caverna.
Jaime Portela


07-09-2017
 ELOS PREZADOS

Depois do Adeus
entre oceanos
mares e rios
ilhas e ilhéus
todos os sonhos
serão meus!
Prevalecerá
no ano q` abraço,
afincadamente,
a ternura
das lembranças
serenas
de um sorriso
de um olhar
de uma palavra
de um aceno
na harmonia
do sentimento
que revigorará
na infinidade
de azuis do mar
e dourados do poente
entre laços de quem sente!
Silvina MaiaRibeiro 

06-09-2017
Uma passagem que deixou saudades
Uma cicatriz
De um amor
Um querer
Um adeus
Um aperto de mãos
Uma palavra
Uma voz que sussurra
Um pensamento sem razão
Um desejo eloquente
Um pulsar de uma paixão
Caminhos que se cruzam
Vidas marcadas
Um oceano de emoções
O viver sem reservas
Acreditar no amanhecer...
Fernando Garrido




05-09-2017
Tempo
Tempo ou contratempo
Vai e vem num momento
Quanto nele encerra,
A memória destempera.
Nas voltas que o tempo dá
Mudam-se vontades
Dos tempos que já lá vão
Sabem a mudança…
De tempos-em-tempos,
Trazem tempos
Desconformes
Nas formas temporais,
Tempos em que jamais,
Os tempos se encontram.
Nesses momentos
Lembranças de outros
Tempos…
Tempo em que tudo
Tem tempo
Nem que para isso
O tempo tenha a hora,
Do que julgas sem demora,
Ter tempo para mudar,
Onde todo o tempo
Vai lembrar,
As horas que vão passar.
Em cada minuto da hora
Fica na memória
O tempo que sem demora
Se quer lembrar…
Tempo que o tempo tem
Na orla das histórias
Construídas pelo tempo
Registadas no momento.
No tempo p’la vida fora,
Nesse tempo
Tem o momento
Em que o tempo se demora.
O vento nos segreda
No tempo que se espera,
Diz-nos que o tempo
Nos traz incertezas…
Que o tempo
Não tem singelezas…
Ana Matias




04-09-2017
Fascínio
Não sei de onde me vem este fascínio
Que sinto pelo tempo do passado!
Fui princesa?! Ou fada eu terei sido?!
Ou será minha mente num delírio?!
O futuro! Essa incógnita... Esse mistério!
Tanto me atrai! E me faz viver, sonhando!
Entro nele...mundo iluminado!
Sonho-o...vejo-o como um idílio.
Fascínio!...do passado que me encanta,
De memórias que eu tento recordar
Porque o tempo, não esqueceu de girar.
Futuro!...desse tempo ando faminta!
O meu tempo de "ser," veio correndo...
Antes do tempo!... E foge, voando.
Sara Mota



07-07-2017
UM PAI SABE COMO UM FILHO SE AMA
És o terceiro querido rebento
Da velha árvore chamada mãe 
Contigo triplicou o amor também
Um menino!... Grande contentamento!...
Hoje o menino é já um cavalheiro
Honesto, educado, trabalhador
Cumpre a ordem da vida com rigor
Pai, marido, dos melhores, o primeiro.
O bébé tão pequenino... é pai!...
“Meu menino” ainda agora a mãe chama
Por vezes...uma lamecha...lá vai...
Amor de mãe tem sempre acesa a flama
Não te digo o que na alma me vai
Um pai sabe como um filho se ama
Ausenda Balsante Ribeiro


06-07-2017
Anseio
Luz e encanto tudo me transmites
voa meu pensamento ao teu encontro
numa doce visão eu me confronto
e dentro de meu peito em mim existes
Irradia de ti tanta ternura
serenidade nesse teu olhar
que nele vislumbro sonhos de encantar
eivados de emoções e de candura
Vento que parte em tua direção:
transporta esta mensagem, sentimento
para que essas forças que separam
anulem essa distância da razão
e nos faça sentir por um momento
que nossos seres, enfim, se aproximaram!
Adelino Pais




05-07-2017

“Queria fazer-te um poema”
Peguei na caneta para fazer um poema
Mas a caneta não conseguiu deslizar,
Parou, encostou, chorou e reprimiu...
Me confessou tristonha; não consigo falar…
Transmitir ao papel as mágoas, as incertezas
Pela escrita que espelha a verdade da mente,
Voltou a dizer baixinho, 
Estou triste, estou sonolenta,
Preciso de um aconchego, preciso de um carinho,
Para escrever aquilo que tu sentes…
Irritada com ela, a pus na secretária
Uma gota de água deslizou-lhe de mansinho…
Estava apavorada, por se sentir vazia…
E a tremer, tremente, porque sentia frio…
Sorriu de repente, aconchegou-se a mim
Pediu me pesarosa para lhe dar a mão,
Perdoa, eu hoje estou sem pensamento algum
Não consigo transpor o que te vai no coração….
Emudeci por longos minutos,
Suspensa no vácuo, perdida em mim, 
Perdida em sentimentos, esvaziada em ideais…
Queria fazer te um poema,
Queria que tu lesses esse meu poema
Tão magoado,
Que ficou sem emoção, que ficou multiplicado
Em partículas desfeitas pelos vendavais…
Apenas sinto, neste desequilíbrio solitário…
Que lendo e relendo aquilo que escrevi,
Esta caneta, que versos imensos te têm escrito
Hoje chorosa, recusou-se a escrever para ti…
Fanny Mota





04-07-2017
METANAMORFOSE
Um dia, de dia, estive só, submerso em mim
Preenchi-me, submerso, sonhava em respirar.
Um dia, esse dia, submerso, chegou ao fim
Pensei, basta... Suspirei, sem rumo sai, ao ar.
Nessa noite, de noite, estava só, sem mim
Ao lado, um sinal, em frente, vinho, no copo
Nervoso, atrevi-me... Ao lado, não estava só,
Arrisquei, basta, sorri, em mim, era pouco
À tona fiquei, à deriva, cheio de mim, sem dó.
Perdido, continuei, mas, não estava sozinho
Amanheceu, sem dar conta, aconteceu, nada fiz,
Emergi, sonhei, sem dormir, e sai, de fininho
Acordei, de dia, submerso, em nós... Feliz!
Joaquim Jorge Costa




03-07-2017

Lembra-te de Ti
Sentei-me a escrever 
Uma prosa, um texto, ou um poema
Ainda não sei, qual vai ser o tema
Ainda não sei, qual o título que lhe vou dar
Vou somente escrever...
E no branco do papel, deixar a minha mão deslizar
Necessito de escrever, talvez mais do que falar
Bendito é cada escrito que a Minh ‘Alma vem aliviar
Talvez porque o papel é branco
Talvez porque o papel é da cor da paz
Talvez porque os meus olhos
Sejam dele o encanto
Lembro do primeiro, ao quase, último dia do Ano
Lembro o meu empenho, a minha sensibilidade
Em procurar em cada rosto um sorriso de felicidade
Lembro cada passo que dei, no chão duro da calçada
Lembro as vezes que andei, sem sentir o chão que pisava,
Lembro cada sorriso cada gargalhada
Lembro que também sorri muitas vezes, para esconder uma lágrima
Assim eu sou, assim eu me faço à estrada
Lembro as vezes que naveguei sem rumo, num barco à deriva
Lembro os abraços que dei e a forma sincera, como a eles me doei
E agora... É mais um Ano que se vai,... É mais um Ano que passou
E juro... Juro que vou...
Vou começar novamente, a doar-me e fazer por me merecer,
Em toda e qualquer magia,
Deslumbrar-me-ei, a cada encanto do dia a dia 
Procurarei em cada recanto, a felicidade
Na vida ... E na Arte da Poesia 
Tenho tanto ainda para dar,
A este Mundo, que mesmo que o sinta perdido
Quero fazer o meu papel e assim a ELE, me doar
...
E para não me esquecer, 
Lembro-te, ainda:
Que para ajudares outrem,
Não podes nunca esquecer-te de Ti... 
Florinda Dias




01-07-2017
JÓIA...
A juventude...´
É para uma hora...
A beleza é uma flor...!
Mas a joia que conquista
Todo o mundo
É o amor...!
O amor com paixão...
Vem em forma de borboletas...!
Às pintinhas douradas...
Dito pelos antigos profetas...!
Esvoaçando no céu...
À luz da lua clara...
Entrelaçando corações...!
Com fios...
De paixões...~!
Que até há pouquinho...
Estavam frios...!
O amor favorece paixões...
Esse delicioso êxtase...!
Que nós somos capazes...
De experimentar...!
E que os pintores...
Não conseguem...
Pintar...!
Nem as palavras...
O revelar...!
Muito menos os poetas...
O poetizar...!
Nem outra arte conhecida...
O consegue simular...!
O amor com paixão...
Faz milagres...
Faz virar a razão
De pernas para o ar...!

Mario Sampaio



29-06-2017

Pétalas suaves, doces, matizadas
Com que me enfeitaste o cabelo,
A alma, o corpo que era o teu jardim
E um sorriso de perfume abriu-se
No meu rosto desfolhando-se
Em beijos, rosas de carinho
No sentir... Silêncio que entornavas
Em mim, amando-me por mim
Pela primeira vez, entreguei-me
Rasguei-me e o teu corpo absorveu-me,
Mulher...melodia de te ter como uma rosa
Suave e audaz no auge de todos os limites
Em que o prazer me excedeu e te abracei,
Morrendo no teu ombro em centelhas
De. Líquenes no infinito...
Ana Cristina Macieira



28-06-2017
CAMINHANDO PELA PRAIA

Calma e bonita a manhã surgiu!
 A praia está magnífica com seu manto dourado resplendente já pelo sol, que foi chegando e tudo iluminando. Uma fina aragem, suave afagando os corpos que são ainda em pequeno número àquela hora da manhã.
 A maré baixa faz a praia parecer ainda mais longa… acentuando a sua beleza. As pedras, agora deixadas à mostra pela maré, estão cobertas de um musgo verde e macio, que contrasta com os vários tons de azul do mar. Desde o claro cristalino ao mais escuro, até ao azul turquesa.
 Ao longo da praia os chapéus, solitários, cabisbaixos, esperam o sol aquecer... as cores alegres do verão, as vozes e o riso das crianças a quem hão-de do sol forte proteger.
 O incessante marulhar das pequenas ondas, faz lembrar o som de uma longa canção… e os picos, escuros, lá longe parecem penitentes em fervorosa oração.
 Os bares ainda fechados, cadeiras e mesas a um canto recolhidas, vêm acentuar ainda mais o aspecto de abandono que reina àquela hora à beira mar. Mas é um delicioso abandono e muitos aproveitam para caminhar, para desfrutar do silêncio e da calma que revigora o corpo e a alma! Outros apenas em meditação olhando o vasto mar, como quem tenta , como quem quer seus segredos decifrar!

Maria Correia




27-06-2017
CANÇÃO
À janela da casa,
Ave só na lembrança,
Já nem levanta a asa
Que a mãe lhe deu de herança.
A sua dor é clara:
Bate-lhe o sol em cheio;
Um sol branco, que vara
Tudo de meio a meio.
Não é sede nem fome
(Água tem ela à mão,
E comida, que não come),
Doença má também não.
Falta-lhe a liberdade.
Só essa dor lhe dói.
Mas só por ela há-de
Não ser o ser que foi.
José Silva




26-06-2017
Retrospectiva

No ano que agora finda
 Pensei recomeçar de novo
 Desenhei novos planos
 Que não conclui ainda
 Quis tanto viver em paz
 Na minha auréola fugaz
 Só em parte consegui
 A bênção que o amor traz

O ano que chega ao fim
 Quis reservar para mim
 Das surpresas a maior
 Registei e tomei nota
 Num calendário de vida 
 Como pequena gaivota
 Que do mar andou perdida
 Mas sempre ao amor devota

Tardiamente um abraço
 Que esperei a vida inteira
 Vivi à minha maneira
 Amei, chorei e sofri
 Por tantos anos a fio
 A esperança nunca perdi
 Mas no coração senti
 Um gelo que não è frio

O grande mestre, o tempo
 Que tudo diz e ensina
 Mostrou arrependimento
 Lembrou-me enquanto menina 


Maria Amália




24-06-2017

 Vai além da ignorância.

Sejam felizes também
 E que amem sempre alguém
 Porque o amor é profundo.
 É um sentimento agradável
 Tantas vezes insaciável
 Que pode mudar o mundo!
 Tenham sonhos sem ter medo
 E peguem aquele brinquedo
 Escondido em velho baú.
 Sonhar é eterna meta
 E o sonho é do poeta
 Ficando-lhe a alma a nu!

Meus queridos, meus amores
 Deixo-lhes estas lindas flores
 Como prenda de saudade.
 Digo com cheiro a hortelã
 Boa noite, até amanhã
 Porque amo…a vossa amizade!


Renato Valadeiro




23-06-2017

Lume de dor...
 Incendiares-me 
 No teu querer...
 É tardio...
 E
 Por muito 
 Que tentes
 Atear de novo
 O lume ...
 Com madeira 
 Inconstante
 Do teu corpo
 Sobre o meu
 Que se esvai...
 Apagando-se...
 Aos poucos
 Na dor 
 constante...
 Sobre ramo verde
 Que não ateia 
 A minha chama 
 De amar...
 Colocada 
 Na fogueira 
 Do teu desatino...
 Que não arde 
 No corpo
 Mas queima
 O peito
 Que morreu 
 Nas cinzas...
 Em fim 
 De amor
 No lume de dor...
 Incendiada
 Por ti...

Jaca





21-06-2017

Sou tua quando queres
Quando me queres?
Nunca ou Amanhã
Devo estar amando
Ou te sufocando...
Talvez eu esteja sonhando.
Não sei de onde surgiste e voaste
Lá de longe ou daqui perto invadiste
Fazendo duas almas se encontrar
Novas alegrias e sentimentos descobrindo
Antes o sol não era tão luminoso
Nem tão rosada a Primavera
Agora, contigo, surgiu o fogo mais gostoso
E as tristezas pertencem a outra era
Tu a nada obedeces
Nem a razão em ti manda
E eu peço-te
Não fujas nem para longe
Nem para perto
Não transformes
Nossas vidas num deserto
Porque meu corpo está
Condenado a vagar pela noite
Em chamas.
Sonia Pinto






20-06-2017

HUMANIDADE? Já não paro nem reflito. Sempre tive pressa de viver. Vivi os atropelos e os encontroes.
 Sequei as lágrimas...as que caíram e segurei as outras que teimosamente queriam rolar. Chorei por mim.mas pouco!
 Tenho chorado mais pelos outros.
 Meu pranto tem sido pela observância dos ignorantes ,dos malvados e de todos aqueles que se julgam superiores .
 Tenho enfrentado e confrontado os omnipotentes e prepotentes , que fazem do fraco o joguete de suas maléficas diversões .
 Já bati em alguns e já apanhei de vários por ser e me fazer defensor do oprimido.
 Meu pranto tem sido pela crueldade para com os animais e pela diária destruição daquilo que na natureza consideramos belo e insubstituível.
 Vivo neste tempo, mas não pertenço aqui.custa-me acreditar na crueldade requintada de certos seres humanos...que pouco tem de seres e nada de humanos
 Autenticas bestas ferozes de algum filme de terror.pois as consideradas bestas nunca são tao ferozes como estes tais considerados seres humanos.

Jorge Pincoruja




19-06-2017
O AMOR
Que pena eu não saber escrever 
Como Neruda
E não conseguir definir essa coisa
De que tantos falam
E escrevem
E sentem
E gemem
E fazem...
Que pena eu não saber amar
Como Neruda
E será por certo por isso
Que as palavras se me dissipam
Se escasseiam de sentido
E me ficam sempre aquém
No sobrar do sentimento
Ele é o único que me brota
Ardentemente
Tão desesperadamente
Como também
Foi o sentir de Espanca
Mas, verdadeiramente
Esse desejo é o meu gozo primeiro
E será o derradeiro
Quando por força da Natureza
Eu as escrevo e componho
Na tentativa voraz e maior
De tas dizer
Inteiramente
Acho-as sempre
Pequenas e curtas
Insípidas e fracas
Tão distantes e parcas
Do sabor quente
Com que as queria ter sempre
Para ti
Eternamente
Um dia hei-de aprender a ser
Como Neruda
E falar-te -ei
Concretamente
Desse termo
Desse grandioso termo
Que é a palavra
Amo-te
Susana Nunes




17-06-2017
Vento de alento…
Assusta-me…
Este vento pérfido…
Gélido
Que teima em me fustigar!
Que sopra de norte
Que me traz a má sorte…
A desgraça…
O azar!
Assusta-me…
Esta inquietude…
O desassossego da alma
A palavra que não me acalma
O lento passar do tempo
Que não atenua a minha dor!
Peço-te vento que mudes
De sentido e direção
Que tragas o vento suão
Para que sinta o teu calor!
Não me assustes mais…
Dá-me o alento que preciso
Bafeja-me…
Oferecer-te-ei de novo…
O meu sorriso!

Luis Farto




15-06-2017

"De todas as belas flores"

De todas as belas flores, foste tu quem escolhi,
 Perdi-me logo de amores assim que te conheci,
 Tanto tempo procurei e sofri pelo amor,
 Mas agora que te encontrei e a minha vida ganhou cor...

Quero-te para todo o sempre, aninhar-me junto a ti,
 Esquecer-me por momentos de tudo o que já vivi,
 Envelhecer a teu lado até chegar o meu fim,
 Sabendo que o teu coração só me pertence a mim...

Refrão:

Como é possível amar alguém desse jeito,
 Quando estas longe de mim sinto um aperto no peito,
 És como um raio de sol que brilha entre a tempestade,
 Quando estas perto de mim a alegria me invade...

Nunca pensei que iria encontrar alguém,
 Que com um sorriso fizesse-me sentir tão bem,
 Não imagino o que seria de mim,
 Se me deixasses acho que seria o meu fim...

Tu és a alma que alimenta o meu coração,
 Que me ilumina e deixa louco de paixão,
 És como água que faz crescer a semente,
 Fizeste de mim um homem bem diferente...
Diogo Silva



14-06-2017

LISBOA
Na cidade adormecida
Apenas os amantes da noite
Se cruzam em cada esquina.
Ouve-se o som das guitarras
E ao longe, numa voz quente
Canta-se o fado em surdina.
É a saudade que chora
No coração de quem canta.
É a alma da cidade
Trinando nessa garganta.
Lisboa, cidade ladina
És paleta de mil cores
Espalhadas pelas sete colinas.
Deusa fiel dos amores
A todos tu te revelas
Nas tuas graças divinas
As sereias te encantaram
Eternamente donzela
E os Deuses te apadrinharam
Para que fosses tão bela!
Aida Marques





13-06-2017

Se quiseres que eu te ame!
Se quiseres que eu te ame
Dê-a apenas aquilo que o meu coração consome
Que eu te ame com tal zelo de amor,
No sentido de uma paixão mais cativador.
Mas ainda me falta a coragem te amar,
Eu amo de modo que entendo as pessoas.
Como também só me apaixono em coisas boas,
O que sinto por ti não me faz desejar.
És uma primavera em que o verão se aborrece
Se quiseres que eu te ame Não faça tudo que te apetece.
Queria eu fingir só para te agradar
Mas só que, com o tempo poderia te magoar,
Por isso, digo: pelas minhas palavras não se desanime

Ngunza Domingos Prince




12-06-2017
Olá
 Eu sou a chuva mudinha,
 Caio caladinha e mansinha
 Sei que sou malandreca.
 Às Senhoras """""estrago os cabelos…
Aos Homens,,.rsrs, molho a careca .....
 Penetro sem pedir licença, rsrs ,,,
 Na vossa pele me aconchego,
 Fininha quando sou, entro direta,
 Vos murmurando, como dica,
 Afogo as mágoas, aos adultos,
 Às crianças,as faço rir,
 Comigo, vos podeis divertir,
 Vos escondo ¡ a luz do Farol,
 Escondo, os raios do Sol
 Não por maldade,
 ,Vos dou a certeza,
 Cumpro a necessidade!
 Da Mãe Natureza ',',',
 Preciso que gostem de a mim.
 Há resmungos,porque chove assim.
 Olhem só. Quando vos faço companhia!
 Estou amaciando, o vosso dia
 Vos deixo o dia sem cor
 Mas,vos faço aconchego,
 ,No Amor,
 Sou oportuna, para quem
 Se ama a minha chuvinha;
 Propõe manter a. CHAM
Maria Arminda Araujo Silva




10-06-2017 
O silêncio
É doce

Quando os teus olhos
Me contam
O teu amor

O silêncio
Junta

Numa só palavra
Todas as palavras
Que te quero dizer

O silêncio
Fica

Quando os teus dedos
Percorrem
Caminhos sem regresso

O silêncio Jose Fernando Delgado Mendonça





09-06-2017
Sorrisos.
 São enigmáticos e doces
 Os sorrisos que esboças
 Aprendi a lê los
 Nas linhas de teu rosto
 E desde então
 Esculpo os com amor.
 Sei o que dizem
 E o que pensas
 Mas peço te
 Não fales.
 Dilui te tão-somente
 Nos sons dos teus sorrisos
 E os teus olhos dirão
 O que a magia da tua boca desenha
 Nas linhas suaves de teus lábios.
 Sorri me
 Preciso ouvir te.
Natália Pais Dinis


 
08-06-2017

EU, PARA QUEM NÃO ME CONHECE
 Sou a loucura e o fogo que arde e se expande a cada sopro respirado.
 Eu, audaz e profundo, como um guerreiro que não dá um passo atrás numa batalha, enfrentando todas as guerras sem medo, ao mostrar meu peito e assim rasgar pedaços mim, para que me acertem no coração de aço, despedaçando os medos dos homens fracos.
 Este coração...
 Vadio e tantas vezes concertado, ao bombear o sangue quente nas artérias que pulsam vida.
 E mesmo assim, nestes remendos mal acabados, porque jamais esquecemos quem nos faz mal, ainda luta com força, em ecos que estremece o peito, como dizendo "estou aqui" com garra, pronto para todos os combates.
 Sobrevivendo...
 Com tudo e como todos, um dia de cada vez, apenas sorrindo.
 Eu, desconhecido, apreciado, acarinhado e muitas vezes mal amado, por quem nem sequer faz um esforço por me conhecer...
 E o declino da sociedade, cada vez mais se esmera a foder o próximo, sem sentido, e apenas pretendido nos apetites da mediocridade, e assim se foi, o tempo que se conversava antes de apontar o dedo, e nas costas temiam os verbos e os adjetivos.
 E assim foi o tempo...
 Porque hoje, basta sorrir, para sermos de seguida chamados de vadios, de putas e vazios, num abraço de deleite, dizendo, eu sou teu amigo!
 Mesmo sós, fingindo conversando para as paredes, o quanto somos felizes...
 Pois...
 E eu que gosto de abraços e beijos, e de amigos nem os vejo!
 E eu, que gosto de conversar, hoje em silêncio procuro o carregador para no telemovel nada me faltar.
 Neste vazio... Que todos fingem ser vida!
 Esta porcaria...
 Esta mania, de aos poucos dizermos que somos felizes, sós.
 Nas paredes que observam as lágrimas que ninguém vê, e na almofada que desabafamos, somos puxados e ignorados, neste pesadelo que ainda muitos chamam vida.
 E eu, e tu, e nós?
 Como acreditar num abraço sentido?
 Como ser gente, sem fingir porque é moda, e chamarmos mana e manos a tudo e a todos que nem sequer conhecemos.
 E assim neste meu eu, sonho e sonho-te como flor ou como o aço forjado nas lutas da vida, tal como eu...
 Que começo todos os dias como a primeira vez, apenas sorrindo.
 E tu, salta do vazio...
 Abraça e beija, porque amanhã é tarde!
 Amanhã morremos, e depois nada sentimos!
Isso, amanhã amamos e tudo conseguimos e no corpo recebemos, sem pedidos.

Augusto Pinto


07-06-2017
Olhares sem esperanças
Cala-se o medo,
Acorrentado em corações
Sem dias de esperança no amanhã.
Os dias acordam na madrugada
Com raios de sol
E os sorrisos silenciam nos olhares
Das crianças assustadas,
Onde há corpos e almas,
Almas sem corpos e corpos sem alma...
Ao longe ouvem-se gritos
Contidos abafados,
Pelas mãos das mães
A protegerem os seus filhos.
E o medo materializa-se nos sobrevivos
E as almas superviventes
Abraçam-se nos corpos
E oram na nudez de sorrisos
E nos olhares sépticos
Como se alvorada
Surgisse como um abismo.
Lucia Saraiva



06-06-2017
Sorrir.
Sorrir faz bem á alma, limpa o espírito.
Como é bom ver um sorriso.
Um sorriso de criança onde tudo é inocente,
Nada neste mundo é tão verdadeiro, este sorriso não mente.
As crianças são seres maravilhosos,
Que nos ensinam como amar, sem nada esperar,
Como agir, para saber perdoar.
E afinal, dizem eles, na sua mais pura inocência,
Perdoar é tão simples e normal.
Nós os adultos só dificultamos o que é tão fácil.
Pessoalmente um sorriso de uma criança,
Acalenta o meu coração.
E sem imaginarem o quanto, os seus sorrisos dão -me...esperança.
Sorria...e seja feliz.
Mónica Dias




05-06-2017
O PENSAMENTO.

Eu sou filho do tempo,
Deste tempo em que vivo,
Mas o meu pensamento,
Um pouco mais atrevido
Teima em pensar à frente,
E segura:-lo eu não consigo,

Hoje já sonha com o amanhã,
Para quê tanta pressa,
Não sei se esse dia virá
Mas ao passado também regressa,

Voa voa pensamento,
Mas não me causes aflição,
Deixa:-me viver no meu tempo,
E não digas ao meu coração,
Certas coisas a destempo,
Que lhe causam aflição,

Pensa tanta coisa à toa,
No seu livre pensar
Às vezes até magoa
Mas porque existe para pensar,
Em coisas más e em coisas boas
Não o posso criticar,

Meu pensamento é velhinho
Está cansado de pensar,
Qualquer dia fica pelo caminho,
Mas eu tenho que o levar,
Até aquele cantinho,
Onde os dois vamos ficar.
António Martins



03-06-2017


NUNCA…
Nunca, entre tanta serenidade,
 Poderia percorrer o caminho,
 Entre a vida e a morte, que ficasse
 Na recusa percorrida na Terra..
 E dela brotasse a dor de viver
 Sem saudade e amor...

O tempo escurece e à nossa volta
 Só o frio e o medo resistem a separar-se
 Das brumas da noite e a angústia persiste,
 Quase sempre no poema da vida e do poeta
 triste...que resiste ao medo, que o conduz
 À poesia!
Mary Horta



02-06-2017
“O MORANGO”
O morango do meu quintal
Acabado agora de colher
Tem um gostinho especial
Mesmo antes de o comer.

É bem regado e adubado
Com um alimento natural
É sem pesticidas tratado
À saúde não me faz mal.

Nos dias que faz mais calor
É quando tem melhor sabor
Tem um requintado paladar

Se logo pela manhã colhido
E bem fresquinho consumido
É como os teus lábios beijar!

Abílio Aires
 



01-06-2017

" Não te Conheço "
Numa simples fotografia
Vejo no teu olhar
Uma imensa nostalgia
Que vais disfarçando
Vislumbrando o mar
Que naquele momento
Te faz companhia
Não te conheço
Apenas vi a tua fotografia
O teu rosto fica gelado
Os teus olhos são tristes
Tentas disfarçar o teu passado
Mas ali naquele lugar
Só tu existes e o mar
Vislumbras a imensidão do infinito
Onde ao longe avistas um barquito
E pensas como se afoita
Sem medo das ondas perigosas
A brisa que toca 
Os teus cabelos
Soltando-lhes as pontas
Mesmo curtos ficam com os
Salpicos das ondas
Mesmo por debaixo do chapéu
Libertando-os de uma forma carinhosa
Dando-te a coragem que precisas
Para enfrentar a tempestade
Da vida tão tempestuosa
Que te levou a liberdade
De uma forma leviana e presunçosa
Os óculos escuros
Apenas escondem o rosto
Onde esses olhos querem voltar
A brilhar...
Não te conheço
Nem estou a adivinhar
Apenas nas palavras que escrevo
Consigo sentir a mágoa
Desse terno e doce olhar
Pensas na força do barquito
Pensas que também podes 
Lá chega...r
Na imensidão do infinito
Ultrapassando os perigos
Do mar...
Não te conheço
Só vi a fotografia do teu olhar
Mas através desta poesia
Te peço...
Nunca desistas do infinito
Alcançar...
Não te conheço
Só apenas vi a fotografia
Do teu olhar...

Alfredo Batista




30-05-2017
“TODO O CANTO”
Todo o canto
 Tem seu encanto
 Cada passo
 Traz um compasso
 Todo o beijo
 Tem seu sabor
 Quando o amor não causa dor
 Toda ida
 Tem a volta
 Toda a maldade
 Causa revolta
 Todo jardim
 Tem uma flor
 Em toda flor
 Um beija-flor
Ira Rodrigues



29-05-2017

HOJE, CHEGUEI AO CAIS!
Hoje, cheguei ao cais…
Sem nada que não fosse meu
Com tudo o que Deus me deu!
Cheguei ao meu porto de abrigo
À espera de estar contigo
E que Tu estivesses comigo!
Hoje, cheguei ao cais…
Despido de adereços e querer
Para nas tuas águas morrer
E renascer nas tuas águas de sal
Que me libertam de todo mal
Com a profundidade do ser!
Hoje, cheguei ao cais…
Contemplei a imensidão da Tua beleza
A saia ondulada azul-turquesa
Bordada de espuma branca e realeza!
Sabias a mar…
Um mar que só sei amar!
Hoje, cheguei ao cais…
Para ouvir a sereia cantar!
Entre a serenidade e vendavais
Fazias nas rochas festivais
Serenatas de encantar
Para quem te sentia vibrar!
Hoje, cheguei ao cais…
Para, em mim, sentir teus sinais!
Senti!... Eram reais!
Sabias a mar…
Sabias me amar!...
Sempre estiveste no meu cais!

João Bettencourt



27-05-2017

TEMPO
 Como eu anseio
 Que o tempo passe
 Que o vento o leve
 Depressinha
 Para eu poder ir 
 À minha terrinha
 Matar saudades
 De tudo que está
 No meu coração
 Quero ver o meu mar
 Os meus amores
 Estar com eles
 Até me fartar
 Peço mesmo 
 Ao tempo para parar
 Deixar-me estar
 Até meu coração
 Se encher
 E se deliciar
 De tudo
 Que quer
 Para depois
 Tudo recomeçar

Fernanda Costa




26-05-2017

Hoje serei breve…
Hoje serei breve…
Serei mais breve, não porque não tenha vontade de dissertar, mas porque estou carente demais da tua presença e por isso, sinto a tua falta…
Fazem-me falta, o teu sorriso, o teu olhar brilhando de desejo, o teu rosto angelical, o teu porte de mulher sedenta, o teu corpo ondulante quando te levantas e andas, as tuas curvas pronunciadas onde distingo tanta perfeição e beleza, os teus abraços e os teus beijos quando mos ofereces… 
Fazem-me ainda falta as tuas palavras, as nossas conversas sérias, as blagues ou as brincadeiras com segundo sentido, os teus pedidos de vem, te espero, estou aqui, o deixar ver e o mostrar, a excitação momentânea e o prazer continuado, o êxtase final em prostração e, o beijo de despedida entre sorrisos, embora com aquela mágoa e muita tristeza, por separação.
 Anda, chega, vem depressa… 
Estou-te esperando de braços abertos, para te receber junto ao meu peito e assim poder dizer-te ao ouvido, muito baixinho… 
Fazes-me falta… Amo-te.

Antonio Bernardo



25-05-2017


Sou
 Feita de sonhos mágicos e encantados
 Viajo pelos corações e vivo de emoções
 Voo em liberdade e amo o que faço
 E em cada voo deixo um pouco de mim .

Sou poesia, pintura e desenho
 Sou amor que sinto no meu coração
 Sou brisa da manhã

Sou gota cristalina e purpurina
 Sou luz que me faz viver com magia
 Parece que sinto alguém me guia.

Escrevo sem rimas
 Pinto e desenho sem nada planejar 
 Assim levito no meu caminhar. 

Sonho e voo nas asas da imaginação 
 Canto, danço e faço magia
 E mergulho no mundo dos sonhos.

Assim é o meu mundo
 Assim é a minha vida de magia.


Mila Lopes




24-05-2017

POEMA NÃO SOU
 Não,
 Não gosto quando eu não sou eu. 
 Não gosto quando sendo eu não sou capaz e fico desfeito. 
 Não gosto quando me apanhas descalço
 Não gosto de ser apanhado calçado com sapatos desiguais.
 Não gosto de estar fechado sem janelas
 Não gosto da ausência do horizonte
 Não gosto do tempo dos interesses mesquinhos
 Não gosto que me apontes dedos
 Não gosto de apontar o dedo
 Não gosto de estar sem amor
 Não gosto de ficar sem amar!

Gosto de ser eu quando és tu 
 Gosto da união velejante 
 Gosto do vento na face e o sorriso
 Gosto de ser nós: caminhantes
 Gosto da cumplicidade, subtil
 Gosto do cumpliciar de amigo (a)
 Gosto quando ris alto
 Gosto do sorriso e silêncio
 Gosto quanto eu sou em ti, e tu és em mim
 Gosto!

Pj Conde Paulino




23-05-2017

Frasco de Pandora.
 Do frasco de tampa de cortiça de boca larga
 Em cima da mesa velha…. 
Saem perfumes saem pétalas, que criam asas
 E se desfazem no ar.
 Não identifico os aromas e os donos
 Acho que sonho.
 Ao imaginar tanta gente
 Que poderia ali estar, para me saudar.
 Sacudo a cabeça para não inventar,
 Não trocar identidades de pessoas
 Que se podem chatear melindrar, com a troca….
E ficar a perder na sua maneira de ser.
 Respeito esses ideais, porque aromas
 São cheiros especiais diferentes…
Para cada raça de gentes.
 Mesmo assim sorri, cicatrizes 
 São já passados, que foi ontem.
 Senti um abraço apertado de alguém
 Que Deus tem do passado, que foi hoje.
 Fechei o meu frasco de tampa de cortiça.
Maria Fernanda



22-05-2017

Chora ao Meu Ombro
Hoje queria puder dar-te o meu ombro
Para chorares a vontade
Senti uma lágrima em teu rosto 
Mostrando um sentimento de saudade
Uma frase desmedida
Um conceito tão falado
Provoca a dor em teu peito
Pela lembrança de um sonho parado
No silêncio de um amor ausente
Paira em ti a angústia de um sentimento
Que a lembrança e o desejo de o sentir presente
Sente na alma sua dor e sofrimento
Lava a alma com as lágrimas que caem
Sente o desejo desse teu amor querido
Que mesmo ausente e ainda indefinido 
Ele também chora e implora pelo teu sentido
Anselmo Watamen



20-05-2017

Ter tempo

 É tempo de parar

 Para a vida saborear!

 É tempo de chegar e partir.

 É tempo de falar e saber ouvir.

 É tempo de um bom livro ler 

 E as minhas memórias escrever.

 É tempo de ver e perceber,

 Pensar e refletir!

 É tempo de dar e receber 

 Novas amizades fazer!

 É tempo de rir com os meus netos 

 E vê-los crescer!

 É tempo de escutar...

 Os silêncios da noite 

 E um novo sol nascente...

 Ver romper!

 É tempo de viajar 

 E o mundo conhecer!

 É tempo de ter tempo...

 Para poder... Viver!

Maria Goncalves




19-05-2017

ARTE DO POETA
A arte do poeta,
É semelhante à do agricultor.
Com o aço temperado da perseverança
Escava profundo em chão inóspito
Na busca constante da raiz da palavra
Sabendo que é na seiva que a alimenta
Que se fortalece a árvore das sensações.
A arte do poeta,
É semelhante à do escultor.
Esculpe, com a pedra do instante
O momento que passa a caminho do eterno.
Esse é o seu dom, a sua virtude
De gravar a fogo na pedra fria
o imortalizar desse momento
Evitando a sua queda inerte
No poço invisível do esquecimento.
Mas a arte do poeta,
Também se assemelha à do pescador.
Navegando em constante mar de emoções.
Mesmo quando no horizonte se perfilam
Nuvens carregadas de palavras escuras.
As suas mãos consertam com mestria milenar
A rede fina donde provirá o alimento
Com que evita o naufrágio da alma.
A arte do poeta,
Está presente em todas as profissões do mundo!

Antero Jeronimo


18-05-2017

QUANDO TE CONHECI!!!
 Para mim foi um dia lindo, meu coração bateu forte.
 Olhei para o céu, um brilhar diferente,
 E percebi
 Eu estava ali...
 Senti uma emoção tamanha..
 Como nunca...estranha...
 Deixei-me seduzir por meus desejos,
 Só queria teus beijos...
 Fiquei dominada..
 Apaixonada..
 Acorrentada neste amor,
 Nesta louca paixão,
 Nunca amei com tamanho ardor.
 A chama passou a morar no meu coração,
 Hoje tu és o meu mundo,
 Meu sentido de viver,
 Presa me encontro a este amor profundo,
 Meu viver meu bem-querer.
 Por ti morro de amor,
 Mesmo com grande agonia,
 Sei enfrentar esta dor...
 Para ti escrevendo poesia.
 És uma grande magia...
 Como uma rosa entre espinhos,
 És meu prazer que me contagia.
 E norteia meus caminhos.
 O mistério do amor nasceu,
 Um dia dentro de mim...
 Foi assim que te conheceu,
 E lavo-o até ao fim...
 Se não te amasse assim...
 Quem sabe,perderia meus sonhos,
 Que moram dentro de mim...
 Mesmo em momentos medonhos.
 Perderia meus sonhos enfim...
 Vivia na escuridão.
 Porque tu és estrela que brilha em mim,
 Bem no fundo do meu ser, meu coração.
 É grande meu amor, tamanho do universo,
 Perfumada como a rubra rosa,
 E sem fim escrito num verso,
 Igual a flor mais formosa.
 Não sei dizes como nasceu,
 Mas sei que o descobri...
 Estava perdida e como o sol apareceu,
 Encontrei-o com carinho: QUANDO TE CONHECI!

Carmen Bettencourt




17-05-2017
Atrás da esquina 
 Espreita
 O silêncio envergonhado
 Dissimulado
 Num faz de conta.
 Não se vê
 Não lhe dá jeito ver
 ...a penumbra 
 No olhar destas crianças
 A escuridão nas ruas claras
 Onde vagueiam, famintas.
 Esses fixos olhares
 Miram o horizonte sombrio
 Sonhos devastados
 Leem o futuro 
 Como quem lê 
 Uma negra história.
 Por elas... 
 O que eu fiz?
 O que tu fizeste?
 Que mundo lhes deixaremos?
 Lembre-se 
 Serão os homens de amanhã.
Zeze Lopes




16-05-2017

ESTOU QUASE A IR EMBORA”
Estou quase a ir embora!
Espero pela meia-noite ...
Para levar, sem demora,
Aquele valente açoite !!!

Estou, para ir embora !!!

Vos deixei tantas maldades!
E... me "fizeram a folha" ...
Venha o diabo, e escolha! ...
Na ida... Deixo saudades!!!

Um ano, de tropelias ...
Próprias da minha idade!
... Que, até tu ... As farias !!!
Sem dizer, que era maldade!

Tenho mesmo, de ir embora!

Não me deixam cá ficar,
Pois até nem vejo a hora!
Tenho de ir, sem demora,
Estou cheio, de cá estar !!!

Falta só mais um pouquinho!
Sei que me vão expulsar ...
E não tenho outro caminho !!!

Tratem-me com algum carinho ...
Que não mais, irei voltar !!! ...

Tenho o destino traçado ...
Porque é este o meu fado!
Para mim, já não há lado!
Onde me deixem ficar!!!

Um ano, foi pouco ...
Neste Mundo louco!!!

Ó quem me dera saber,
O que O Outro, vai trazer !?
Mas eu, não sou adivinho !!!
... Venha Ele, de mansinho!

Eu, fui "um Ano encrencado"
... Deixo tudo maltratado! ...

Também vou ser emigrante
Num lugar, lá tão distante!

... Sou outro escorraçado!
E a culpa não foi minha!
Sendo de certa "gentinha" ...

Que fez de mim... "Pau-mandado"
... "A tudo, fui obrigado" !!! ...

Em tudo ... tudo, que fiz!
Como tal, nem fui feliz! ...
Nem vou lembrar, o passado!

Põe-te lá no meu lugar! ...
O que é que tu, farias ...
Se não pudesses mandar ?!
... Nos darias ... Alegrias ?!!

É esta, a realidade !!!

Vou fazer-vos um pedido!
Que fará todo o sentido!

Que antes de ter morrido,
Eu vivi... Uma verdade!!!

E, se lembrarem, de mim ...
Espero tenham saudade!
Pois a vida ... É mesmo assim!
Demonstrem vossa amizade.

Sou muito contestatário,
Sem me dever atrasar!
Tenho de ir, no meu horário!

Minha vontade ... É ficar,
E não ir para as "alminhas" ...
Mas, tenho de vos deixar!...

... O Novo irá chegar ...
E não quer saudades minhas!
**
**
Eu ... sou a Aida Dinis,
... Este poema te fiz ! ...

É, Todo Teu ... Meu poema!

Digo, sem nenhum dilema,
Vou ter saudades de ti !!! ...

Neste Teu Ano ... Senti ...
O Teu cheiro a alfazema !!! ...

Para mim e para os meus,
Foi um Ano de Emoções!!!

... Foi o Ano do Adeus ...
Que ficou nos corações !!!
Aida Dinis Sampaio


15-05-2017

Que me queres...............
Assim romântica, dócil, e parada a estenderes-me os braços que acompanham um olhar carente e de boca entreaberta em lábios carnudos e aveludados a solicitares-me?
É desejo de mim, paixão, amor?
Espera……Espera antes que o terror da minha carne frágil se transforme numa mordedura de lábios, num fechar de olhos e no abrir da minha fértil mente a dizer-me tudo….Tudo.
Tudo o que o silêncio das palavras que ainda de ti não as ouvi, nem tu de mim,
Me provoque o cerimonial do abraço para te dar e ter.

Não, não.....
Volta-te ......volta-te e vai........
E baixa esses braços pedintes, e não te tortures. Nem a ti, nem a mim. Porque o tempo da nossa paixão e loucura é frio e inquieto como o vento que levou e arrastou as pétalas das nossas palavras que eram flores perfumadas.
Se não te voltares, volto-me eu,........
Mesmo que fique perdido nos nervos, por não te dizer.... Que me apetece a tua carne quente de mulher nos lençóis da minha cama.

Ahhhhh !.........mas espera.
Espera e não te voltes. Fica, fica aí........afinal, isto não é só loucura, nem só paixão......

......isto, isto é amor.........!!!!!!!
Carlos Lacerda





13-05-2017
BREVES PALAVRAS! MÃE"
 Mãe!
 Palavra pequena...
 Quem, não a sabe escrever!
 Palavra
 Mãe!
 Breve ,serei minha mãe...
 Mãe!
 Sempre cheia de luz
 Assim o caminho
 De um filho
 Conduz...
 Mãe!
 Me ignoras...sem justificação...alguma.
 Como chora
 Este meu coração
 Sabes? mãe...
 Sinto a tua breve partida
 Eu! queria fazer parte da tua vida!
 Mas será ? não haverá outra saída...
 Fica na minha memória
 O teu cabelo parecendo neve
 A tua pele macia e corada, ficando enrugada.
 Quando meus lábios
 Te beijavam
 Parecia veludo
 Como as pétalas de uma papoila...
 Tantas vezes te disse que te amava.
 A minha alma limpa
 Após a última conversa
 Nossa!
 Sei que andas nas despedidas
 Não me esqueço... daquele dia.. .foste fria e distante.
 Onde te conheço desde a minha infância...
 Continuo 
 Contigo
 Mãe!
 Serás sempre eterna
 Mãe!
 Estive sempre
 Permanente nas tuas aflições...
 Aí comigo,comunicavas...
 Mãe, Mãe, Mãe...
 Grito! sufocante...
 Desta minha garganta.
 Vou correr vales, montes, sem destino.
 Mãe ,Mãe, Mãe...
 Eu vou caminhar na ânsia, de te voltar a ver!
 Lá no alto nos vamos encontrar ,aí me vais amar...
 Sim mãe!
 Porque na terra não te deixam
 Tocar nesta pequenina árvore, que plantas-te.
 Já deu frutos! sou mãe e avó!
 Dou o melhor de mim
 Se alguém não quer receber
 A culpa não é minha
 Mãe é tudo! paisagem...
 Lamento! fico com esta agonia
 Minha mãe!
 A vida é um sopro
 Ficam recordações
 Deste descuido da vida
 Raízes duma profundidade sem fim
 Mas tu ficas sempre em mim
 De mim para ti...
 MÃE,MÃE, MÃE.
Clara Patachão




12-05-2017
Num belo entardecer

Num belo entardecer
 Rondando a luz artificial
 Perante os meus olhos vi aparecer
 Uma imagem divinal

O sol no acaso escurecia
 Por traz da espectral figura
 Os seus contornos eram magia
 Que Deusa…Que formusura

Depois desapareceu misteriosamente
 Do meu campo visual
 Seria uma estrela cadente
 Ou fruto da minha ilusão

Procurei-a pela noite escura
 Batendo a todos os umbrais
 Para minha mágoa e amargura
 Não a encontrei jamais.

Florimundo Carvalho





11-05-2017

QUE IMPORTA
 Hoje pouco me importa
 De ser esta ou aquela;
 Feia, gorda ou bela;
 Porque nunca fui aquela,
 Que desejei ser.

E nada do que fui,
 Ou sou agora,
 Valeu a pena;
 Já fui loura, já fui morena,
 Madalena, Judite e Helena,
 Fui senhora, mulher, donzela e petiz,
 Só não pude ser como quis...

Que mal fez, essa cor fingida
 Do meu cabelo, e do meu rosto,
 As curvas desenhadas do meu corpo
 Se é tudo tinta, traço, esboço,
 o mundo, a vida,
 O contentamento, o desgosto?

Por fora, serei como leve poeira
 Da moda, que me vai levando.
 Mas por dentro lutarei contra a corrente
 Serei eu,
 A verdadeira,
 A que se refugia no silêncio e na calma.

Que me levem pele e cabeleira
 Agora, não me importa quando.
 Que a morte um dia me levará o espelho,
 Nas nunca me levará a alma...

Adelina Santos




10-05-2017

MENDIGO
 Sou miserável e imundo
 Desprezível vagabundo
 Que segundo a segundo
 Pão mendiga pelo mundo...

Quem me fera, mal profundo
 Ter um amo iracundo
 Me ferindo com seu junco
 Por salário infecundo...

Como preços nem resmungo
 Assim mesmo moribundo
 Arcaria sacos de chumbo
 Pelo osso de seu presunto...

Ó morte... Faz-me defunto
 Aos do Além eu me junto
 Se isso é bom... Nem pergunto
 Ao Céu entrego este assunto.

Eduardo Schultz Gonçalves




01-05-2017

Amizade…

Para alguns, palavra vã
Para outros, um encanto
Para mim o melhor que há
Se ninguém me chuta para canto

Gosto muito desta palavra
Quando ele se reflete
E por justiça nos é dada
Quando algo acontece

Nem sempre será assim
Mas o que é que posso fazer
Há gente que não está afim
De a amizade fortalecer

Por isso muita cautela
Com gente que é assim
Não gosto nada de vê-la
Não faz parte do meu Jardim!


Armindo Loureiro



02-05-2017

A MINHA SOMBRA
Falava o vento com os muros gastos!
As árvores num frenesim,
Agitavam seus ramos semi nus.
E só a minha sombra projetada
Era testemunha de tudo quanto
Se passava.
Na mudez da minha sombra.
Ninguém por mim deu!
Mas eu! Sim eu, tudo vi!
O chão dos sonhos prometidos,
As aves em bando a sombrear
Os castelos de nuvens iluminados,
Ainda o sol ria no pomar,
O perfume das maças do vinho mosto.
O rir das sementes a sonhar,
Num tempo novo, que virá depois.
Das geadas brilharem ao luar.
As folhas num bailado clássico
De harmonia e cor suavemente,
Caíam ainda em meu regaço.
Na minha sombra vestida de poente!
Sonhei a voz das raízes abraçadas,
Num tecer de turfas, ventre, chão!
Pois seio negro tem a mãe natura,
Dele brotam suaves flores e pão.
Anoitece já, a minha sombra apaga-se.
Saio do muro numa correria.
Soprou forte o vento... Levou-me o chapéu.
Mais uma dança de folhas,
Nas mãos da ventania!
Abri o portão do terreiro.
Olhei o chão!
Tive dó de o calcar
Porque para mim!
Esse chão era um altar!
Onde todas as folhas
A chorar.
Cantavam um "de profundis "
Para mim!
Eu!


Augusta Maria Gonçalves




03-05-2017


Minha máquina de escrever

Não havia ainda computadores,
Tinha eu uma máquina de escrever 
Onde inventava os meus amores,
Batendo nas teclas do meu querer,
Criando prosas de múltiplas cores

Havia entre nós uma bela relação,
Muita amizade e absoluta sintonia,
Em cada tecla um som de emoção
E em cada caracter uma melodia
Em ritmo de estonteante paixão

A máquina tinha nome de “Torpedo”,
Por isso trabalhava com tanto vigor,
Nela eu escrevi poemas sem medo,
Alguns de tristeza, outros de amor
Numa parceria de total segredo

Lembro-me da sua cor com saudade, 
Era um azul sereno, quase celestial,
Teria eu uns catorze anos de idade,
Muitos sonhos, coisa muito natural,
Mas meus poemas tinham maturidade 

Recordo outra máquina onde escrevi,
“Remington”, preta, portátil e elegante,
Mas foi na Torpedo onde mais senti
A força das palavras em cada instante,
De paixão e quimera com que eu vivi.


José Carlos Moutinho



04-05-2017

Um mar de silêncio.

As labaredas do meu mar
 Contagiante de alegria
 E nostalgia, as ondas dormentes
 Não se sentiam vivas!
 Sentidas as ausências
 A transbordar os sentimentos.
 O mar tem “ALMA”
Na magia da sua origem.
 Transformou o meu dia
 Em dia sem explicação
 Lembrei-me então das marés,
 Rasantes e alterantes
 Como os pés das mulheres,
 Altivas, bravas pisando de vida
 A areia molhada.
 Sulcada com força de garças!
 São cogentes da vida que transformam
 A terra, homens mulheres
Os oceanos, o Universo…
E eu nas labaredas que quero apagar!
 Nelas entrar e buscar o silêncio
 Entre as vagas me encontro!


Maria Fernanda




05-05-2017



SER POETA:

Não nasci para ser poeta
 Digo alto e bom som
 Ser poeta não é quem quer
 Tem que nascer com esse Dom

Infelizmente eu não nasci
 Com vocação para escrever
 Mas como gosto de poesia
 Poeta gostava de ser

Gostava de escrever lindos poemas
 Para os meus amigos ler
 Por mais que eu tente não consigo
 E isso faz-me sofrer

Tenho uma admiração enorme
 Por quem lindos poemas fazem
 Leio-os com muito gosto
 Mas lamento não ser capaz

Valorizo muito os poetas
 Pela sua inteligência
 A facilidade com que escrevem
 Com muita competência

Ai se eu nascesse poeta
 Agradecia ao Senhor
 Escrevia lindos poemas
 Com doces frases de amor

José Martinho




06-05-2017

“SOPRA O VENTO DA SAUDADE”
Sopra o vento da saudade
 A invadir o meu coração
 E passam na minha mente, 
 Olhares e sorrisos que já são apenas recordação!
 E uma lagrima corre no meu rosto
 E não a consigo deter
 Foi em outubro e agosto
 Que deixei de os poder ver!
 Mas mesmo não os tendo
 Sinto-os comigo em cada caminhar
 de dia nos raios do sol
 Á noite nas estrelas a brilhar!
 E quando o sol me vem abraçar
 Ou o vento me beija e acarinha
 Sinto-os aqui comigo
 Ainda que esteja sozinha!
 Sei que partiram 
 Mas no fundo sei que nunca fiquei só
 Pois aquilo que nos uniu
 Era mais forte que qualquer nó
 Era um laço de amor e carinho que perdura no tempo
 Não o quebra nem a morte nem o maior sofrimento!
 Por isso guardo em mim cada sorriso
 Cada beijo, cada carinho
 E às estrelas cada noite lhes envio um beijinho!
 Porque onde quer que estejam
 Sei que estão comigo aqui
 Ao recordá-los entre lágrimas
 A minha alma sorri!

Isabel Susana Marouço




08-05-2017


VIVER É AMAR
A vida tem razões p’ra ser vivida,
Se temos algo belo a partilhar,
É que, só nesta vida vive a vida,
Quem tem um coração que sabe amar.
Só o amor faz a vida colorida,
Só o amor nos envolve e faz sonhar,
Porque é transcendental se faz jazida
Do melhor que esta vida pode dar.
A vida sem amor é noite escura,
Sem elos, sem carinho, sem ternura,
Jamais terá o selo da alegria.
É agreste, desprovida de sabor,
E se alguém já viveu sem ter amor,
Foi porque um grande amor desconhecia.

Abílio Ferradeira de Brito




09-05-2017


SEM SENTIDO!

 Erva perfídia e daninha

 Em campo cultivado de trigo

 Palavra vilipendiosa e mesquinha

 Dita num portão sem postigo

 Faces descoloridas, pálidas

 Olhos que chispam encolerizados

 Razões ditas e válidas

 Em sentimentos anulados

 Castigo solteiro e impune

 Lei em lucidez falseada

 O réu o termântico ciúme

 A vítima a alma torturada

 Paleio e mais paleiam a arte

 De todo o ser falsador

 Hipocrisia o forte

 De todo o ser enganador

 Noite estrelada mas só

 Caminhos escondidos e ermos

 Na garganta forma-se um nó

 Na boca saem espasmos

 Vida vivida em agonia

 Janela airosamente florida

 O sorriso o vinho da alegria

 No caminhar de uma vida

MIsabel Assunção Machadinho


Sem comentários:

Enviar um comentário