Era Uma Vez... 2018




Imagem Google


O “Era uma vez…”, já nos dá, por si só, a ideia de encanto, magia, mistério. Por isso, TODOS OS ESCRITOS, POEMA OU PROSA, têm de começar por "Era uma vez", só assim a iniciativa fará sentido.  O que virá por aí, não sabemos e estamos todos ansiosos. Inspiração, imaginação e momentos que queiram partilhar, certamente que não faltarão. Em poema ou prosa, ofereçam-nos algo que nos solte a alma, ou até, nos arrebate o coração!


ATENÇÃO: SÓ SERÃO VÁLIDAS AS PUBLICAÇÕES FEITAS NO PRÓPRIO DIA - DAS 00:00H ÀS 23:45H. FORA DO DIA SERÃO ELIMINADAS

A DIVULGAÇÃO É SEMPRE FEITA NO DIA ANTERIOR!

1 - Obrigatório identificar a iniciativa com:
- ou com o nome da iniciativa,
- ou com a foto da iniciativa,
- ou com ambos.

2 - OBRIGATÓRIO O PRIMEIRO

 VERSO, OU PARAGRAFO, COMEÇAR POR "Era uma vez,"
 

3 - A foto a usar é sempre a da iniciativa.
 

4 - Poemas em texto a publicar no Grupo

TODOS PODEM PARTICIPAR!



28-11-2018 

 Era uma vez...duas ou três,
Que via uns olhinhos pelo espelho retrovisor,
Ai Deus Nosso Senhor,
Se é aquilo que penso,
Não sei se paro ou avanço!
Com tanto precalço,
Mais vale correr descalço,
Que ao volante deste motor.

Como entrou pra li,
Tão cobra pequenina,
Que no tejadilho se aninhou,
Tão arrepiante bichinha?

Ui, até custa a falar,
Em tal situação.
Mas, não é animal de estimação, isso não!
Mas não é, por ser tal,
Que não possa falar em tal animal!

Faz bem, tira-nos o medo,
Falar d'aquilo que não se gosta!
E se não fosse tal marota,
Que apanhou a porta aberta,
Esperta!

Não estaria aqui a relatar,
Esta estória de arrepiar,
Para dissipar o que não está bem,
Em troca do bem que faz.
Ser capaz!

Moral da estória:"Quem tiver medo deste réptil, continua a tê-lo, fuja!
Puxa, que é dose!
E se possível fosse, nem vê-lo!"

RAADOMINGOS 






E não se resolve o assunto.

Era a vez um assunto,
Que de assunto não passava.
Mas,assunto ele buscava,
Mesmo ,onde não houvesse assunto.

Corria de boca em boca,
E dizia de um tudo.
Não queria ser surdo mudo,
Nem tão pouco, coisa pouca.

Não resolvia ,só argumentava,
Convocava reuniões,
Levantam-se questões,
Que ele simplesmente ignorava.

Se existi-se outro assunto,
Há muito tempo pendente,
Não o dava como urgente,
E esquecia o assunto.

Diga-me lá senhor assunto,
O que me tem a dizer?
Se não é para resolver,
Não me venha, com mais assunto!

Todo o assunto lhe perguntava,
Porque não mudas de assunto?
Ele encerrava o assunto,
E do assunto se esquivava.

E assunto sobre assunto,
Nem sei qual deles escolher.
O mais certo acontecer,
É colocar-se, uma pedra sobre o assunto.

Todo o mundo assunta,
Nos dias que ainda correm;
Porque os assuntos não se resolvem?
Mas,ficamos na pergunta!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 






Era uma vez o silêncio
nada me apetecia
só queria ouvir o silêncio
Nem sempre me apetece escrever
também gosto de sonhar
Ouvir o barulho do silêncio…
É maravilhoso
estar só e calada
ouvindo-me a mim mesma
Falo para dentro
ouço a voz da alma
e penso em nós
Disse o que há muito não dizia
o tempo é louco
não dá tempo ao tempo
tem de nos dar tempo
Fecho os olhos
deixo o pensamento voar
até ao infinito de ti
Abro as portas do amor
fecho a janela da vida
Valeu a pena calar
o amor é um ponto de partida
Valeu a pena não escrever
e sim…
Ouvir a voz do coração…
E deixar falar o silêncio…
Era uma vez o silêncio…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 




 Era uma vez um contador de histórias, que à força de tanto dizer:” Era uma vez”, se esqueceu de como começá-las de vez e então começava a contá-las assim: “Certo dia…”, “ Conta-se…”, “Naquela altura…”, “ Num reino muito distante…”, e assim por aí a diante.
Mas pensam que o contador de histórias se calou, lá para os lados de Viseu, só porque de dizer “Era uma vez…”, se esqueceu?
Não, as histórias continuaram a ser contados, passaram a chamar-se “Contos”, guardados nas coletivas memórias.
E ainda hoje, nas noites de Lua cheia, até pode estar frio, mas ao calor da lareira, os avós aos netos vão contando histórias ou contos, com que lhes prendem a atenção e lhes enternecem o coração, os miúdos vão escutando: “ Era uma vez…”, “Certo dia…”, “ Conta-se…”, “Naquela altura…”, “Num reino muito distante…”, e por aí a diante.

Nanda Rocha 





 Era uma vez assim começava esta pequenina história
Que foi escrita há muito tempo por mim
E desde muito menina guardei na memória.
Num sumptuoso palácio rodeado de um lindo jardim
Ali dentro eu me sentia uma bela e encantadora princesa.
Uma noite saí pois estava muito cansada desta clausura
Sentei-me num banco de mármore perto do canteiro das rosas
Mas quando me debrucei para elas para aspirar o seu aroma
Cujo perfume me embriagou com a sua suave doçura.
Piquei-me e a minha capa num espinho focou presa.
Iluminada pela luz cintilante e maravilhosa da lua
Dou conta que a sua luz era mágica e esplendorosa.
E a ela cantei uma balada e declamei um poema.
Quando de repente apareceu um bonito passarinho
Que começou a depenicar um raminho junto ao espinho.
Explodi de contentamento.Este disse-me que veio de roma
Enviado por Deus que como viu que eu estava quase nua
Quis-me salvar e proteger o meu coração e minha formosura.
Fiquei tão feliz e emocionada que o cobri de ternura.
Com ele passei a noite e fiquei deliciada com a sua pureza.
Assim que deram pela minha falta começaram todos à minha procura
E eu e o passarinho mal rompeu a alvorada voámos em plena natureza.
Ainda hoje reza a história que no palácio continuam a esperar por mim
Mas eu não quero voltar para o palácio, não quero ser mais princesa.
Somente quero voar nas asas do passarinho e um dia encontrar o meu jasmim.
Quero voar em liberdade, ser feliz, alegre, amar e dizer não à clausura e à tristeza.
Hei de brincar, pular saltar, cantar, e com as flores , o sol e o girassol me encantar.

Maria Silvéria dos Mártires 




Era uma vez uma alma perdida pelos recantos da tristeza...
Andava tão perdida que já não sorria...
...disso tinha a certeza.

Os seus olhos vivos perderam o brilho,
repletos de melancolia.
No seu rosto corria um rio, pela falta de alegria...

Escondia-se de si própria, tendo medo de se ver...
Cada vez mais recolhida, dentro do seu próprio ser...

Quando tudo parecia perdido,
eis que surgiu uma outra alma...
Devolvendo aos poucos um pouco de luz
dando à vida outro sentido.

A pouco e pouco, o brilho voltou
à alma que se encontrava perdida.
E com vontade de sorrir, sorria!
E com vontade de rir, ria!
E com vontade de viver, vivia!... Aprendendo aos poucos,
a fazê-lo com alegria.

De rosto seco, olhava pra si mesma
feliz por se ter reencontrado.
E com a outra alma voou, de braço dado...
Duma coisa tinha a certeza...
no seu peito,
não cabia mais a tristeza...

Autora: Fátima Andrade




 Era uma vez, um reino distante,
Dele falavam, acrescentando sempre esta frase.
"Contaram os antigos, os velhos e tantos outros que já partiram"
Narravam essa lenda.
Havia um reino perdido na floresta, habitado por gente generosa.
Trabalhavam de sol a sol, para terem fartos os celeiros.
Todas as casas eram pequeninas, ladeadas de hortas, um poço de água fresca. Um recanto de girassóis gigantes, á sombra dos quais brincavam as crianças. Eram crianças lindas de cabelos ruivos e boxexas sardentas, eram muito felizes. Brincavam de rodinha, fazendo entoar cantares infantes. Não sabiam essas crianças o que era medo ou choro, ali naquela aldeia a lei era amor. Havia muitos velhinhos, sentados em cadeiras de baloiço. Olhavam as crianças que cresciam ao ritmo de cada cantiga que cantavam.
Os velhinhos de olhar luminoso e doce, tinham colo sempre vago para acarinhar os pequenitos.
As crianças com suas mãozinhas fagueiras acariciavam as faces dos idosos e numa magia de amor as rugas não existiam. Tinham sim cabelos brancos como alvo linho.
Ali naquele reino distante o amor era tudo.
Pensamento, palavra, partilha, riso, gesto.
Havia no ar um cheiro perfumado sem mácula nem grito.
Os dias eram longos, na hora do sol por regressavam os pais dessa labuta.
Traziam o regaço cheio de frutos, nos lábios sorrisos de felicidade, as mãos calejadas mas vestidas de ternura.
Eram as casas simples, pela noite festa, a lareira crepitava em chama viva, como se houvesse castiçais acesos, como os dos palácios ancestrais.
Lá fora o vento frio trespassava a noite. As estrelas eram mais brilhantes que nunca.
Ao longe sob o luar, um jumentinho caminhava, um dos garotos olhou para lá da janela,
Apontou dizendo mãe uma estrela rasga o céu, a mãe olhou, viu a sombra, recordou da lenda contada tanta vez. Disse aos garotos vai ser natal. Abriu a porta recebeu com amor os que cansados caminhavam, eles eram mensageiros de amor.
Depois nessa noite perdida, nasceu um menino fragil indefeso, era portador dessa mensagem.
Nada é mais importante que o AMOR.
Na noite calada um choro de criança, se fez no mais belo poema de humildade e amor.
Assim deve ser o natal, humilde fraterno e amoroso.
Já entoam sinos em festa, façamos essa história, todos os dias deve ser natal.
O natal está chegando.
Vamos ser partilha e amor.

Augusta Maria Gonçalves.



 21-11-2018

A cura

Era uma vez ,a magia que deambula no interior,
De laboriosas células escondidas
Dão elas ao cérebro o real valor,
Das vitórias conseguidas.

A perfeição se envaidece,
Leva tempo a refletir,
Num reconhecer que merece,
Em momento a surgir.

As células aventureiras,
Voam para lá do espaço.
São chamadas pioneiras,
Dando às outras um abraço.

Abrem um tempo novo,
De descobertas, até aí nebulosas.
São a salvação de um povo,
Chamam-lhe curas milagrosas.

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 






Era uma vez uma sereia
Como se tivesse um véu
Cobrindo o corpo nu
Atravessou o oceano
Levava na ideia
A esperança de o tornar a ver
Calcorreou mares e vendavais
Apanhou pelo caminho
Pequenos mimos
Um beijo do oceano
Um odor perfumado mais ali
Tinha a convicção que o ia encontrar
Voou entre sois e noites
Escuridão e luz
Ao longe
Ouvia o bater do coração dele
Tinha-o na sua memória
Chegou ao fim do caminho
Descansou na areia entorpecida
Cansada mas feliz
Não o via nem sentia
Por onde andaria ele?
Transformou-se em mulher
Com uma ansiedade de amar
Percorreu cantos e recantos
Adormeceu na areia quente
Exausta
Mas tinha uma certeza
Ele estava a chegar
Ouvia as batidas do seu coração
Sonhou com ele…
Era uma vez…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 






 Num tempo perdido nas brumas um jardim embalado por música.
Eram harpas de água, melodias vidradas a quebrar.
Arco íris de cristal a entoar.
Todas as árvores adormecidas eram aconchegadas por flores pinceladas ricamente por raios de sol.
Uma vez!
Um dia, caminhava perdido um peregrino da vida. Vinha exausto, de pés magoados, lábios secos, olhos lacrimejantes pelo pó do caminho. Despertou seu cansaço de alma pela melodia mágica que entoava ao passar da brisa.
Olhou rodopiando sobre si, tonteou, caiu, adormeceu.
Repousou na felicidade de cada sonho que sonhou.
Balbuciava palavras sem angustia, caminhava entre as brumas procurando saída para retornar á rota peregrina. Despertou!
Tinha curados os seus pés magoados, na boca o frutado gosto das romãs, os olhos límpido como manhãs plenas, no corpo a força na mente a coragem.
Ergueu-se da esperança renascida, empunhando o cajado fez caminho.
Tão perto o templo das colunas, sem portas nem ombrais, nem arestas, nem esquinas, nem imagens.
Um círio aceso, uma aura de luz imaculada, perdia-se de vista um serpentear de estrada.Papiros enrolados com fitas e sinete bem lacrados. Suspensos, quietos, repousados nas heras verdes reclinadas.
O peregrino olhou interrogando-se, um oh, exclamado no silêncio, uma pergunta fez eco no lugar,
Mas qual destes papiros suspensos é o meu? Onde esteja escrito o meu destino.
Eu que fui amor a vida inteira,e nunca tive a dita de alguém dizer que tinha nascido para me amar.

Augusta Maria Gonçalves



 14-11-2018

 Um dia veio para Lisboa o Zé Garcia, vinha carregado de sonhos e poesia, mas enquanto o sonho lhe fugia ele dedicava seu tempo a conhecer o sítio por onde vivia.
O trabalho foi apenas um dia, pois o Zé era destemido e audacioso, mas não obedecia e todos o temiam embora ele, nada fizesse para que isso acontecesse.
Finalmente conseguiu aquele emprego que procurava, era nas obras, é certo, mas também não sabia fazer mais nada além disso.
Foi à empresa e foi logo admitido, era servente de pedreiro e já tinha uns anitos daquilo, conhecia como ninguém esse ofício.
Era duro o seu trabalho, mas todos os dias ele fazia do seu dia o melhor dia. Adorava bailaricos, tinha vindo da aldeia onde ao domingo se fazia baile, era um dançarino de rodopiar, todas o admiravam também na sua movimentada dança de corrupio.
Tornou-se um borguista, sim era sossegado de mais quando da sua terra saiu, agora tudo o que ganhava gastava e lá se ia o seu ordenado em coisas poucas e de poucos proveitos e alegrias, mas ele era assim.
Começou a jogar na loteria, queria ver se ficava rico, mas a sorte não o bafejava e tornava a cada dia a tentá-la sem grande resultado e simpatia.
Os anos foram passando e ele foi viver para casa da irmã, teve que começar a ser regrado, mas um dia, chegou tão tarde que ela de tanto o aguardar lhe disse de rompante assim que ele abriu a porta, ou começas a chegar cedo a casa ou amanhã tens a fechadura trocada.
Aquilo bateu fundo lá no seu interior e a coisa mudou de figura, o Zé chegava sempre a horas e começou a ter um comportamento mais normal.
Mas um belo dia resolveu sair para festejar com os amigos e de novo pisou o risco, eram sete da manhã quando chegou a casa e pelo que parece bem quentinho, pois ia tão indisposto que resolveu fazê-lo pela janela, mas azar dos azares o vidro estava corrido e adivinhem, mandou tremenda cabeçada, que até se esqueceu que se tinha embebedado.
Todos os dias ele e sua marmita se acompanhavam.
Naquele tempo ainda eram tempos difíceis e a comidinha era levada na marmita para o trabalho e aquecida em banho-maria.
Não havia micro-ondas, eram as fogueiras feitas na obra que os ajudavam a aquecer a comida.
Um dia esqueceu-se da marmita, que arrelia tinha que ir comer à tasca, mas deixou a carteira esquecida no casaco, era escasso o dinheiro naquela época, mas ainda havia confiança e palavra como garantia e o Zé, lá foi comer com uns trocos que o Serafim no bolso ainda tinha.
Daí em diante era a marmita a prioridade do Zé, pois sem ela não havia comidinha e sem comida, nada feito, pois o estômago pedia-a.
O Zé foi crescendo como homem e tornou-se um ótimo operário fabril, mas antes disso fez de tudo um pouco.
Casou-se e hoje continua a jogar com a certeza de que ser rico é o seu objetivo de vida.

Lurdes Bernardo 





Vivia de dedo em riste.

Era uma vez um tiro,
Sempre disposto a disparar,
Tudo e todos queria matar
Apenas com um só tiro.

De dedo em riste vivia
Semeando o terror,
Viam-no como malfeitor,
Pois na guerra ele insistia.

Com um passado de turbulência,
Tantos tiroteios vivenciou,
Aí vontade,e outros tiros angariou,
Partiram para a violência.

Munidos de sua crente doutrina,
Donos de uma guerra sem sentido.
Mas o tiro destemido,
Não temia a própria sina.

Queria ser tiro certeiro,
E considerado um herói,
Nunca isso ,ele o foi.
A vida fez dele ,seu prisioneiro.

Um dia ao usar de valentia,
Sai-lhe o tiro pela culatra.
A ele próprio se mata,
Desfecho que há muito,se previa.

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 






 Hoje sou eu a Joana que te escrevo ,aquela que é metade de mim e de ti .
Sabes o teu verso do avesso ,aquele que só eu conheço ou será que não ?
Sou a luz que te ilumina ,o luar que te fascina ,uma nota na tua partitura.

Sou também o trovão na noite escura ,que busca o outro lado de ti ,o teu pseudônimo,não António mas o outro ,sabes o romântico ,o sensual ,envolvente quiçá carente .
Dou-te luta ,não sou bruta mas ousada e tu gostas ,sei que sim!

Sonhei contigo ,acordei cansada.Escrevemos tanto que o livro terminamos ,desfolhei cada página e senti-me lá ,perdida algures escondida no meio dos T,dos M ,dos A e mais outros tantos porquês.
Sorri !
Deite aquele beijo ansiado , inesperado e começou a apresentação.

Era o teu dia ,um sonho realizado e eu estava lá ,no meio da multidão que sorria de contente ,e tu finalmente saberás que mesmo que os rios sejam diferentes,nada impede que as almas se juntem.

Será um sonho pergunto eu ?
Responde tu .
Fica no Era uma vez.

Anabela Fernandes 





Era uma vez alguém...
Acordado esperando,
Esperando acordado,
Dormindo aos soluços,
Soluçando dormindo,
Coração em aperto,
Imaginação em aberto,
Imagens que correm na
mente,
Imaginadas por medo,
Despertar pouco dormido,
Muito pensado,
Muito imaginado,
Realidade muito distante,
Mas muito presente,
Dentro do peito,
Dentro do cérebro,
Dentro de mim...
... ...
Noite em claro esperando,
Esperando,
Esperando um sinal,
Um sinal que não chega...
E amanheceu,
E à espera permaneceu,
E a aflição aumentou,
E o amor chorou!!...

Luís Lima Coelho. 







 Era uma vez, uma menina de olhar triste e um relógio velho, muito velho, que só dava as meias hora e as horas completas.
O seu ajudante, o ponteiro dos segundos, perguntou-lhe :
- Porque é que o patrão não dá as meias horas ? Ainda há pouco dava!
- Tenho frio, se as vou dar...
- Então, porque não dá os quartos e troca pelas meias?
-O quarto é para descansar.
O ajudante abriu muito os olhos e pensou: Está mesmo doente e cansado, não compreendeu o que eu lhe disse!
E após este pensamento, lá continuou a trabalhar, segundo após segundo...tic, tac... tic, tac...
Entretanto chegou as duas da tarde e relógio deu duas badaladas. Eram murchas e descompassadas, soando a cansaço.
Chegou-se ao quarto de hora, ele fora descansar. Mas chegou-se a meia, nada, chegou ao quarto seguinte, nada! O ponteiro dos segundos, achou estranho e foi verificar o que se passava.
Viu coisa tão bela, que até se lhe empolgou o metal. No quarto, no quarto seguinte, dormia o patrão com filha da patroa.
Lindo, ternurento, tão gracioso de se ver.
Abraçados, como se não houvesse tempo!
Era agora horas de dar as três badaladas, mas se dormiam como as bateria?
- Que faço? - Pensei.
Não fora preciso fazer nada. Acordaram entretanto.
Atrapalhado, o relógio tentou dar as três baladas, mas não consegui.
A menina tinha o olhar triste.
-Porque está triste, patroa? - Perguntei-lhe.
-Não sei, é de mim. Não sinto alegria... Talvez por não terem tempo para mim. Cá em casa andam sempre apressados! Têm tanta pressa que nem tiveram tempo para me darem irmãos.
O ponteiro dos segundos olhou para o relógio e ficou sem palavras...
Ambos ficaram sem palavras!
O ponteiro dos segundos disse:
-Talvez consiga te ajudar.
Pensou, pensou....e achou!
-E se nós fizessemos o seguinte: - Eu sou o ponteiro dos segundos, mas também o das horas, e se eu atrasasse o tempo para que possa brilhar o seu olhar? Assim até o relógio teria mais energia e seriamos todos felizes. Eu ainda sou vigoroso e bem musculado. Trabalho há tanto tempo, que já ganhei músculos. Até muito fortes!
A menina e o relógio entreolharam-se.
-Boa ideia! - Disse o relógio.
-Boa! - Disse a menina.
Entretanto o tempo não parava e era preciso agir! Assim foi.
Os ponteiros do relógio começaram a andar mais devagar, dando a possibilidade do velho patrão poder trabalhar e os pais da menina terem mais tempo para si.
Não fora preciso muito tempo, para ver os olhos da menina sorrirem! Ia ter um irmão!
Assim, como o relógio ia ter a oportunidade de poder trabalhar mais uns aninhos.
- Eu? Eu, poderia atrasar o tempo para o mundo parar e olhar para dentro desta bola gigante que é a vida. Assim, seriamos todos felizes!
- Que bom que é ver tantos petizes!
E de uma estória triste, fez a mais bela estória, de era uma vez...

RAADOMINGOS 




Era uma vez
Uma história que trago na voz
Trago o amor no olhar
Trago a saudade na alma
Salto pedra sobre pedra
Trago a esperança no caminhar
No silêncio, resquícios de primavera
Trago memórias que se perderam
No sonho dos sentidos
Trago palavras sábias
Fluem como amores no ar
O tempo escreve a vida
Renasce em cada madrugada
As aves voam até ao infinito
Trazendo nas asas
O cântico do amor
A saudade de quem não volta
O corpo adormece na noite
As letras ocupam o seu espaço
Deixam as páginas descansar
As palavras chamam a pontuação
Chamam-nas á razão
Ressoam passos na solidão
Leves muito leves
Para não acordarem a noite
Ouvem-se sussurros falados
Na história que a voz não contou…
Era uma vez…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 





 Era uma vez os números pares e os números impares
Que deram as mãos e fizeram uma brincadeira
Tendo ido juntos visitar belos e viçosos pomares.
Os nª-pares subiram para cima duma laranjeira
E inundaram com os seus aromas a terra inteira
Os impares por sua vez sentaram-se à sombra duma figueira
Constatando e ansiando por ver como esta prospera.
Ficaram ali muito tempo para verem brotar os figos
E passou tanto tempo que ficaram exaustos e cansados da espera.
E os pares foram-se embora pensando ter perdido os seus amigos.
Mas eis que depois de tanto esperarem surgiu o figo de mel
Mas tinha passado tanto tempo e já se tinha posto o sol
Que de janeiro a agosto apareceu o figo de inverno e o figo de verão
Os impares então puseram-se a caminho e encontraram seus irmaõs
Então comemoraram o reencontro e o brilho surgiu em seus rostos.
Que ainda hoje os recordo com imensa alegria e muito gosto
O figo lampa preta de contentamento não parava de cantar
E os números já unidos diziam a todos: sejam bem-vindos
E venham meus amigos com os números aprender a gostar
da natureza, dos pomares, dos figos lampa e figos de mel, do ar e do sol .
E foi assim que era uma vez os números pares e os impares visitaram os verdejantes pomares .

Maria Silvéria dos Mártires 





 Era uma vez
uma "Maria" vive numa casa
abandonada, porque o companheiro
a abandonou deixando-a ficar sem nada.
Ele é um borrachão, gasta tudo em
vinho e não tem um tostão.
A Maria ficou numa aflição, para se
alimentar, anda pelas portas a pedir,
não tem trabalho, anda desorientada
porque é envergonha e não está habituada
a pedir.
Sem condições, a Maria vive em solidão,
porque o borrachão do companheiro,
nem a quer ver,
e assim vive a Maria

Jpina 






 AO FLUIR DA PENA.

ERA UMA VEZ
Uma flor sem tempo
Um lugar recôndito
Um poeta só.
Olhava as colunas de um perdido templo.
Escutava o crescer das heras antigas,
Que escondiam ninhos de frágil beleza,
Era lá que a vida eclodia
Em afinado chilreio mal o sol nascia.

Atento, poético, cismado, sentado.
A cabeça entre as mãos
O chapéu pousado.
Seguia das nuvens o voo suspenso.
Sonhava palavras
Poderia ser,
Músico, flautista,
Ou apenas, um sonhador.
Talvez tocador de um xilofone de folhas douradas.
Suspensas no vento
Seu olhar o vento lia num soprar,
Num eco entoar só em pensamento

Sem por isso dar,
Suspirou profundo
Sentiu estar longe do amor.
Do mundo.
Subiu o alcantilado monte sobranceiro,
Olhou deslumbrado
O azul do céu o mar debruado.

Desenhou num finíssimo traço,
Num rasgo de pensamento um barco a flutuar.
Leve como pena, um adeus, um encontro.
Um aceno a chamar
Sentiu no rosto moreno
Rolar liquida a lembrança.

Sabia que havia um outro lugar.

Era um paraíso para deslumbrar.
Aqui tudo havia.
Um rio nascia.
Uma queda de água.
Verdura frondosa,
Flores de hibisco, como a decorar,
Com magia simples, o misterioso
Perdido lugar.

Ele era poeta.
Esalava perfumes da musa encantada.
Sempre ao luar a musa se mostrava.
E nos labirintos por entre colunas
Ela caminhava.
Era radiosa, um véu arrastava.
Ele a seguia...
Depois já exausto, a noite cansada o dia nascia.
Ele adormecia.

Augusta Maria Gonçalves 





 Maravilhosa Natureza

São casinhas espalhadas
pelo campo encantado
adoçando a nossa alma
e por Jesus abençoado.

São montes e vales
arvores verdinhas
onde os passarinhos
os fazem os seus ninhos

São lugares mágicos
de calma e de luz
onde a majestosa natureza
tem essência e beleza.

Ouve-se o vento
Que canta melodias
sonha-se acordado
olhando com o coração
a imensa mansidão.


linda tela para pintar
com o brilho do sol a olhar
e ninguém consegue apagar
esta belíssima paisagem
da maravilhosa natureza-

Mila Lopes 





 O sol e a lua,
Conheceram-se num baile de carnaval...
Dançaram toda a noite os dois...
Depois,
Antes da dança final
O sol disse à lua que a amava...
Enquanto em seus braços a apertava.

--------- ***** ---------

A lua, linsonjeada
Perante sua cortesia,
Rendeu-se a seus pés... fascinada!
Mas tal união não podia acontecer...
O sol e a lua, jamais se poderiam casar...
Pertenciam a diferente monarquia;
A lua se tornava rainha, depois do anoitecer...
O sol, era rei, apenas durante o dia!

--------- ***** ---------

Um amor proíbido... totalmente!
Mas quem ama, nunca esquece!
Estes dois eternos enamorados
Se saúdam um ao outro, de longe... distanciados.
O sol lhe envia beijos... a enaltece...
A lua, solitária, lhe sorri, nostalgicamente...
Namoro à distância... amor proíbido...
Eterno... sublime... desmedido!

===========================
Autora: Fátima Roque Antunes





 07-11-2018

 Era uma vez,
Uma Senhora Inglesa,
Que lia um livro,
Numa praia portuguesa.

Nada de anormal, até aqui.
Mas não viram o que eu vi!
No meio da água a saltar,
Quando vinha um ondular.

Mas, onde se viu coisa hilariante,
Ler o livro e saltar hesitante?
Isto há cada coisa!
É de aproveitar d'uma assentada,
Tomar banho e não perder pitada.

Talvez fosse de plástico!
Seria genial, bombástico.
Era ver tantos vereneantes,
A fazer coisas semelhantes.

Até estou arrepiada!
Só faltava o vento,
Pra não ter o tormento,
De calma e passiva,
Fazer a desfolhada,
De tal missiva!

''Imagina, certa ventania,
Atirar o livro, pra onde não devia!"

Olhem! Era uma vez...

RAADOMINGOS 






 Bom dia!
Vai um cafézinho?
Acordei com o cheirinho dele logo pela manhã
Como é agradável o cheirinho a café, não sei se concordam comigo, mas eu aprecio e muito.
Mas vamos de novo ao que interessa
Vai então um cafézinho?
Vou sim levo, levo uns trocos na carteira
Dá para pagar um café para cada um de nós sim.
Não, queria antes que fossemos todos
Assim seríamos servidos ao mesmo tempo e podíamos conversar um pouco, concordam comigo?
Está bem, vamos então mais logo e assim já podemos ir todos.
Não ainda não vamos almoçar, mas se preferirem bebemos a seguir ao almoço.
Tenho umas coisas para resolver, vou tentar ser breve e mais logo já estou disponível.
Tudo bem tenham então um bom dia, vou começar o meu também.
Então D. Alegria como está? Entrou tão de mansinho que nem me dei conta de que chegou até aqui, mas muito obrigada por ter vindo é sempre um prazer recebê-la na minha humilde casinha. Meteram-na fora de casa ó como puderam fazer isso.
D. Alegria, claro que sim terei um imenso prazer em abrigá-la na minha casa, apenas lhe peço um favorzinho se não me levar a mal, pode ligar à D. Felicidade que também a estou a aguardar. Com certeza irei imediatamente tratar do assunto, Felicidade tenho aqui uma amiguinha que aguarda a tua chegada, podes vir depressa, ela está com uma certa urgência em ter-te por perto. Sim querida amiga estou de partida não tarda encontramos-nos por aí. Bom dia D. Felicidade quanta honra tê-la na minha casa, não quero perder mais tempo e decidi ir logo ao ponto. Permita-me que me apresente e lhe diga porque a quero aqui, pois bem uma vez que chegou vou levá-la aos seus aposentos que me esmerei para que se sentisse confortável, sim vai ter que ficar com a D. Alegria, mas farão companhia uma à outra. Está também para chegar o amor, não deve demorar a entrar por aquela porta.
Olá Senhor Amor como estava com saudades suas, tinha imensa vontade de o chamar, mas me impedia o meu acanhamento, mas lá me decidi e perdi um pouco a vergonha e assim aqui o tenho com grande honra e prazer meu. Jamais faria tal coisa, fidelíssima aos nossos compromissos, tenho apenas que lhe dizer que também lhe arranjei companhia o Senhor Carinho pediu-me para o alojar em minha casa, mas como lhe disse que estava a lotação esgotada, apenas me pediu um lugarinho nem que fosse ao seu lado num divã, claro que não lhe podia fazer tal desfeita e sim cá está ele para lhe fazer companhia.
Bem já com a casa bem compostinha apenas me resta o sótão onde ainda espero receber mais uma ajudinha da minha amiga Caridade, pois ela prometeu-me que também viria e assim pouco mais me resta que o sofá na sala de estar, Caridade dividirá o sótão com a Saudade, mas ambas só chegarão amanhã.
Enquanto isso agradeço a todos a vossa companhia, mas ainda falta a D. Bondade bem se queria esquivar a marota, mas agarrei-a por um braço e não conseguiu escapulir-se.
É uma verdadeira maratona de sentimentos cá em casa mas ainda faltava a D. Paciência que há última de hora também me queria dar um trabalhinho extra.
Pois, pois dizia-me ela, tem-nos cá a todos e a minha companhia não lhe agrada?
Nem a brincar diga tal coisa D. Paciência, uma senhora assim tão sábia só me podia fazer sentir amada e querida por mim fique e nunca mais saia da minha vida.
Claro que só resta o meu quarto, teremos que o dividir, posso ficar no lado esquerdo da cama o seu será o direito, mas Paciência disse não…isso não, a cama é sua eu dormirei no chão, nunca, isso nunca mas que afronta para uma ilustre amiga como a senhora…então vou arranjar duas caminhas e cada uma dormirá na sua.
Assim todos poderemos viver e numa só pessoa viveremos todas com as graças de Deus.

Lurdes Bernardo 





 Era uma vez…
Não, não era uma vez!
Desta vez, eram duas vezes…!
Sim, eram duas vezes…
Porque, pela segunda vez,
a meia levantou-se
e disse:
- Então, e eu…?
Foi então que a partir daí
passaram a ser
duas vezes e meia
e viveram felizes,
não sei se para sempre
ou se apenas de cada vez
que foram duas vezes e meia
sem que a outra meia
estivesse presente.

Albino Teixeira Dias 






 TRÊS IRMÃS

Era uma vez três irmãs, a Ima, a Gina e a São.
A Ima, gostava de rima,
Só sabia falar a rimar,
Só sabia comer com colher,
Só sabia dormir a sorrir
E com o calor, ficava com dor.
A Gina era menina fina
Adorava ir nadar
Ou então andar a correr
Adorava competir
Ninguém lhe levava a melhor.
A São, nunca tinha os pés no chão
Passava os dias a sonhar
E dê lá para onde der
Ela tinha sempre onde ir
Estivesse frio ou calor.
Estas três irmãs eram as melhores em tudo o que faziam,
Mas estavam sempre separadas e raramente se viam.
As saudades já eram tamanhas,
Que um dia as três manas,
Numa feliz ocasião,
Decidiram juntar-se numa bonita união.
À Ima, juntou-se a Gina, à Gina, juntou-se a São.
E vejam lá o que resultou desta sábia decisão: ImaGinaSão.
Mas a Ima que gostava de rimar,
Logo se pôs a pensar:
Creio que para ser feito com esmero
Esta nossa união,
Não pode ser escrita com erro,
Temos de encontrar solução.
Depois de muito pensarem as três,
Resolveram de uma só vez,
A melindrosa questão,
A palavra seria escrita
E ficaria mais bonita
Se fosse ImaGinaÇão.
A Ima continuava a rimar,
A Gina a ginasticar
E a São sem pôr os pés no chão.
E foi assim que surgiu
Como um relâmpago ou um trovão,
A fantástica palavra,
Que com rimas ou sem elas,
Voa alto e vai até às estrelas
Sem precisar de avião.
Acho que ela não tem medo
E eu conto-vos um segredo: é a IMAGINAÇÃO.

Nanda Rocha 






Era uma vez, assim começavam os contos e as histórias que minha mãe me contava e que tão carinhosamente guardo na memória.
Lembravam tempos longínquos que nunca conheci mas imaginava-os cheios de mistério muita magia e fantasia.
Hoje se minha mãe cá estivesse como eu fazia gosto de lhe contar um conto uma prosa ou uma poesia com os cheiros das flores do campo do Alentejo onde as searas verdejantes e douradas, dançando ao ritmo do vento que minha mãe acariciava quando as mondava ou ceifava e de que eu tanto gostava e a minha mãe tanto eu amava.Lembro quando a olhava e me parecia que o trigo as suas mãos beijava.
E era assim que à noite minha mãe começava:

Era uma vez dizias tu
Aprende o A. o E, o I, o O, e o U
Era uma vez digo eu hoje
Deixa que no meu coração te aloje
E te murmure ao ouvido este segredo
Que nunca te disse não sei se por vergonha
Se por ignorância ou se por medo
Como minha alma te deseja e sonha
Que estou juntinha e abraçada a ti
Dizendo que sempre te quis e muito te amei
O que me deste e ensinaste nunca esqueci.
Mas hoje sei que seria muito diferente
Além de brincar de te ajudar e aprender alegremente
Cantava para ti lindas e bonitas canções e melodias
Para suavizar e tornar melhor os teus dias.
Com o A aprendi a escrever Ana o teu bonito nome
Com o E, digo que o nosso amor é verdadeiro e ETERNO
Com o I,imagino -te, lembro-te e deixa que a Deus por ti clame
Com o O,digo obrigada e peço o Paraíso e a eternidade para tua alma
Com o U, escrevo último mas não quero que seja o último poema
Que te escrevo e pelo qual mando beijinhos e um abraço terno..

Mãe
Amor, mais que tesouro
Eterno e mais puro que o ouro
Inigualável sublime e admirável
O maior e mais verdadeiro
Único no mundo inteiro.

Maria Silvéria dos Mártires 






Era uma vez.... A vida...

de ruas apinhadas de gente apressada, sobrecarregadas,
a cada esquina.
Avança lento um camião a "passo de caracol", tocando a buzina.
Alguém leva um safanão pela rua acima
e outra,
com um bocado de jeito, apanha uma bolina.

Anda-se em círculos, girando em torno de nós.
Apertamos-nos em exíguos cubículos, rodeados de gente e ao mesmo tempo sós.

Gente pobre, gente fina, apressadas rua acima.
Rua abaixo vai-se à bolina,
de gente sobrecarregada em cada esquina.
Avança lento o camião, a passo de caracol tocando a buzina.
Atira-se moedas pró chão, defronte a alguém, tocando concertina.

Ruas apinhadas de gente apressada, atoladas, sobrecarregadas...
...rua abaixo, rua acima...
...gente pobre e gente fina.

Autora: Fátima Andrade 






 Era uma vez um tempo
levava tempo a passar
porque o tempo que se queria
era um tempo de sonhar...

Foram breves os momentos
desse tempo tão diferente
que tudo acabou no tempo
tormentoso tão presente...

Chegou finalmente o tempo
que levou tanto a passar
que é agora esse tempo
dos sonhos concretizar...

O presente é recordar
esse tempo doutro tempo
que demorava a passar
porque é tempo de sonhar!

2018 maria g. 






“UMA CABEÇA E UM CORAÇÃO”
Oh cabeça, por favor
vê se ganhas juízo
não andes sempre no ar
põe-te no teu lugar
E tu coração
porque és tão lamechas?
Pintas a vida de mil cores
neste quadro sem nexo
não vês que está escuro
nem se vê a luz do dia
Vê se tens tino cabeça…
E tu coração endurece
ou então fica a dormir
para não fazeres asneira
Esquece o que vai aí dentro
não fales com a cabeça
E tu alma
também já acordaste?
Esquece e cala-te
sabes perfeitamente
que tudo tem um fim
deixa-te ficar quietinha
Tu cabeça, não penses mais
deixa o coração em paz
Ouviste coração?
Deixa-te de fitas
não tiveste juízo
deste ouvidos á cabeça
aí tens o resultado
Fizeram tudo errado…
Perderam a batalha…
Era uma vez…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 





 Era uma vez um poema que deu problema.
Se vestiu de atrevido,sorriu de matreiro , louco e vadio provou do pecado ,gostou e ficou apavorado.
Obra do seu autor ,um mero senhor que o delineou,deu traços de magia , alguma alegria e sensualidade,deitou fora a maldade e com a maior vaidade partiu à conquista.

Tinha por meta ser lido ,melhor interpretado,sonhado por muitos ,amado por tantos ,aguarela de poesia ,escrita até desenhada.

Mas um dia o poema chorou lágrimas de sal . Algo vai mal !

Afinal o poema descobriu ,por um mero acaso que dele se serviram só para darem um recado.
Que triste foi ser poema ,uma pérola bendita ,uma flor a desabrochar ,o amar do Poeta que é coisa certa .

Jamais versos vestirá nem prosa nem pensamento enquanto houver no mundo que não respeita a Poesia .

Anabela Fernandes 





 Era uma vez
Um querer aceso.
Um dia
Uma memória.
Um coração cheio, insuflado de amor ,
Era como balão no ar
Suspenso por um fio
Seguro na mão da menina flor,
Que ria feliz a cirandar.
Não sabia não
A menina flor que o seu balão
Era insuflado desse sentimento
Livre em movimento chamado de amor.
Ela tão criança
Tinha tudo então
Lar amor carinho
E tinha um balão.
Era então um quadro muito bem cotado.
Que foi a leilão.
Mas o tal balão feito coração.
Se extinguiu no ar.
Do quadro restou a pintura só,
A menina triste sem o seu balão.
Era sim-bulo de amor o balão vermelho daquele pintor.
Era um querer garrido esse coração,
Suspenso na mão da
Menina Flor.

Augusta Maria Gonçalves 






A velhice é sábia

Era uma vez a idade,ela nos dá mais cor,
E saber em abundância,
A vida é feita de amor,
E de muita esperança.

O vinho ao envelhecer,
Vai ganhando propriedade.
Também o ser humano até morrer,
Irá melhorando com a idade.

Todos os dias com os outros se aprende,
Se assim nós o quisermos.
O nosso saber depende.
Do professor que tivermos.

O corpo se irá enrugando,
Mas a sabedoria aumenta.
Aos mais novos se vai ensinando.
Não se é ,caduco aos noventa.

Autora Maria Gomes Pereira Cabana  






Era uma vez

Um amor consciente
não indiferente a quem ama
todos nós devemos
amar intensamente
e amar diariamente.

O amor é uma voz em duas vozes
e são dois corações
batendo ao mesmo ritmo.

O amor são duas vidas
que caminham lado a lado
sem terem pressa de chegar.

O amor é gritar sem medo
de atropelar mentalidades
que nada sabem de amar.

O amor é um perfume
de essências de prazer
e de emoções bordadas de cores

O amor está na alma
abraça o coração
e quando é um sincero o amor
é eterno e sentido
como muito dos poemas
que escrevemos com alma-
____________________________

Ama, luta, vive e guarda o teu amor
num lugar bem seguro do teu coração.

Mila Lopes 





 ERA UMA VEZ

Uma menina muito bonita,
casou, mas a vida não lhe sorriu,
porque o marido a mal tratava.
Mesmo assim ele quis emigrar
para um país distante, ela o acompanhou,
mas os maus tratos continuaram.
Era uma luta constante. Um dia quando
chegou a casa, ele havia ido embora e
levado os filhos"(um menino é uma menina)
Naquele país, sozinha e desamparada
passou fome.
Durante anos trabalhou dias a fio
muitas horas por dia para ganhar o seu
sustento, pediu o divórcio e para conseguir
reaver os filhos, teve que ceder a exigências
do marido.
Recuperou os filhos e mais tarde
a sua vida refez
Hoje é uma pessoa feliz
e tem netos e marido que ama.

Está é uma das muitas histórias verdadeiras de muitas Marias" nome fictício"
que há em Portugal e no mundo

Jpina









31-10-2018 

 PÁSSARO FERIDO

Preso na gaiola ,querendo sair ,bater asas e ver a luz ao fundo ,é o fim do mundo ?
Pensas tu a medo ! Te digo em segredo ,é só um dos caminhos,vence esse medo abrindo alas ,sacode as penas de anos a fio e com muito brio vive tu a vida em liberdade .

Chegaste nas palavras soltas ,no bailado dos versos ,uns controversos são a alma que chora ,quando presa fica com vontade de ir embora .
Vieste pássaro ferido ,porta entreaberta ,um vôo à deriva ,na penumbra da noite entre olhares te vi chegar

Tomei o teu tempo,desatei o nó deste sentimento ,voaram as horas procurando os segundos que nos reconheceram ,não se perderam ...estão na outra margem de ti ,aquela que eu vi quando vieste e eu sem saber , senti.

Só quero uma das penas a mais colorida ,verde olhar ,sabes-me bem para te enxergar ,não ficar perdida para poder abrir a porta soltando-te por aí ....até junto de mim

Ou em qualquer estação porque solto está esse coração ou não ....

Anabela Fernandes 





Era uma vez um dia
Nasceu sombrio
Assim como eu estou hoje
Réstias de nuvens enfeitavam o céu
Olhei o mar calmo e sereno
Parecia desafiar-me
Sussurrou-me…
Vem ver o meu marear
Vem deixar aqui as tuas mágoas
Sei que precisas de mim
Olha as minhas ondas
Lembras-te dos dias passados
Nestas águas límpidas
Quando eras criança
Nadavas de sol a sol
Numa brincadeira e numa chilreada
Também te lembras
As lágrimas choradas
Neste mar que te acolhe sempre
Não fiques triste
Vou pedir ao sol para aparecer
Te beijar e aconchegar
Queres dançar comigo?
Vês, já sorris
Consegui deixar-te feliz
Volta sempre que queiras
Aqui estarei para te abraçar
E ouvir as tuas mágoas
Sabes que não tens amigo como eu
Ouço-te, nunca te critico…
Cai uma lágrima teimosa…
Era uma vez…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 




 Era uma vez e sempre assim será

Mãe————
O teu amor ...
é colo que me embala
sempre que eu precisar

É alegria no meu peito a bater
asas para o meu voar
raiz que me faz crescer

Porta sempre aberta de par em par
para me receber ...no meu regressar

É sol que desperta o meu renascer
segurança no meu caminhar

É o prolongar da minha infância
no meu envelhecer!

maria g. 





 Era uma vez a Marta, que vivia numa linda casinha à beira mar, mas a Marta era triste, não tinha irmãos nem meninos para brincar.
Uma noite a Marta veio ver o mar e qual não foi o seu espanto quando de um círculo de luz gigante saiu um belíssimo menino.
A Marta radiante embora um pouco assustada dirigiu-se para aquela roda de luz e começou a falar na sua língua com o menino que supunha a iria entender. Mas o seu espanto foi maior ainda quando percebeu que se tratava de um menino caído do céu.
A Marta de tudo fez para se entender com o menino, mas ele apenas sorria para ela.
Entretanto a Marta estendeu a sua mão e tocou os dedos compridos do menino, aí sentiu que o seu sangue começou a ferver-lhe nas veias e se transformou.
Algo em si mudou o seu pensamento e aquela mudança tão brusca fê-la sentir-se incomodada, mas sem perceber o que estava a passar começou a gritar para que a mão ouvisse e viesse acudir-lhe pois estava deveras transtornada com o seu novo sentir.
Sua mãe ao ouvir a filha naquele desespero acudiu imediatamente ao seu chamado de dor, mas quando se deparou com aquele espetáculo de luz e cor também ela por momentos se assustou e num ápice agarrou sua menina com receio do que esses intrusos podiam ter feito com ela.
Pegou-lhe ao colo como se a quisesse proteger de estranhos que a pretendessem levar para longe de si e qual não foi o seu espanto ao tocar na sua filha também ela parece sentir-se picada por um inseto e comodamente volta a meter no chão a sua menina.
Nesse momento sentiu-se impotente para a proteger, as energias libertadas daquele círculo de luz eram superiores às suas forças e também ela se deixou transportar para um longínquo e distante lugar.
Aparentemente nada mudou a não serem os seus sentimentos interiores.
Marta e sua mãe estavam possuídas por tal poder que não conseguiam libertar-se dele.
A luz as encaminhava para dentro daquele círculo gigante e elas como que hipnotizadas iam entrando nele lentamente.
A certa altura ele se fechou e começou a movimentar-se pelo celeste do firmamento.
Elas cada vez mais assustadas e aturdidas pelo sucedido, sem saberem o que as esperava à chegada estavam desconsoladas num pranto que fazia dó.
Porém depois de breves instantes pelos ares, aquela coisa parou e começou a abrir as portas.
O espanto foi muito maior quando se aperceberam que não estavam sós, que muitas outras pessoas iam com elas também, mas maior e muito mais espantoso foi estarem perante seu esposo e seu pai que também já saía daquele círculo de luz.
Afinal, a sua família estava completa e daí em diante embora numa terra estranha e distante, Marta nunca mais se sentiu só, pois nesse reino para onde a transportaram com seu pai e sua mãe, também levaram outras famílias e daí para a frente a menina ali encontrou a comunidade familiar que sempre desejou. Seu mundo passou a ser aquele em que todos eram livres de preocupações vivendo entre irmãos e sem solidão.

Lurdes Bernardo 






Era uma vez...

uma saudade perdida.
Não tinha lugar certo, nem guarida.
Andava de lado pra lado cabisbaixa.
A ninguém "arreganhava a taxa".
Tão só e desabrida, destemperada, incontida...
Ninguém a queria no peito!
Todos a afastavam de qualquer jeito!
Ela queria revoltar-se, "marimbar-se" para as recordações que lhe davam vida.
Queria morrer e saudade deixar de ser.
Mas não conseguia.
Como! Como viver?
Como deixar de ser lembranças e recordações!
Como deixar de fluir no peito em doces e ternas emoções?
Sim!...
Porque saudade, só sente quem tem algo de bom para recordar!
Então porquê, que para ela se estão a "marimbar"!
Ela sabe que é agridoce...
...um sentimento do que se foi.
E se ela pudesse, fazia o que fosse,
para atenuar este sentir que dói.

Este nome que ninguém quer soletrar,
sem lugar certo!
Sem ela!
Não teríamos como recordar,
aqueles que dentro nosso coração viveram de tão perto...
E ainda vivem! Por mais tempo que passe!
Ou este sentimento não se chamasse...
... SAUDADE.

Autora: Fátima Andrade 







 Era uma vez:
Um um trigal dourado.
Ou uma ilusão...
Miragem,poema
Um beijo caído
Um rasgar de asas,
Um sopro evadido
Um sonho quebrado
Um amor sentido
Um peito rasgado
Um tempo já gasto
O trigo já grado
Um campo colhido.
Dentro dos teus braços
Sou flor de pão.
És apenas Mãos
Que amaciam terra,
Que semeiam,
Colhem,
As espigas loiras
Milagre de pão
Seiva deste seio
Teu pousio arado
Meu amor perfeito
Que aceita meu ser
Um ser imperfeito
Que amas, não julgas!
Conheces de cor este coração.

Augusta Maria Gonçalves










 24-10-2018

 Era uma vez um gato
Pacato
Que gostava muito de comer
Num prato
Um dia o prato se partiu
Fez um tal barulho
Como nunca se ouviu
O gato assustou-se
Fugiu
A dona do gato
O procurou em vão
E chorou
O tempo correu
O gato não apareceu
A dona não parava de chorar
Nem o gato de vadiar
Até que num frio dia
A dona exultou de alegria
Viu o seu bichano chegar
Tão magro, nem conseguia miar
Dele se abeirou
No colo o tomou
Seu coração ficou em brasa
E logo disponibilizou
Todos os pratos da casa.

Nanda Rocha 






"Era uma vez uma máquina de costura, que costumava dizer:

Costura-me...
Costura-me os laços
Com eles me adorno.
Conserta
Este meu coração estilhaçado.
Enfia as linhas
Corrige os meus dedos imperfeitos
E remenda o meu pecado.
Sutura-me a carne rasgada
Enfia as agulhas com que me coses
Solta-me o coração que se atou
No meu peito de nós atrozes
Carrega a fundo nesse pedal
Para que saia bem o ponto
Repara nas imperfeições
Que o traje fique logo pronto.
Prende-me com ao teu xaile
Com que me vais baloiçar
Cose as flores do meu vestido
Para que nunca mais se desate
O meu laçarote colorido

Lurdes Bernardo 







 "O Príncipezinho"

Era uma vez um rapazinho,
que se chamava Príncipezinho.
Tinha a sua amiga Raposa,
assim já não precisava de esposa.

Havia uma Flor que era uma Rosa,
era toda chique e também vaidosa.

Explorando planetas,
o Príncipezinho
andava, saltando e pulando
com o seu amiguinho.

Pelo menos a rosa não tem frio,
porque está sempre dentro
dum frasco vazio,
ajudando o Príncipezinho,
com o seu amiguinho.

Autor: Gabriel Ferreira 





 PÉTALAS D'OIRO NO DOURO

Era uma vez um sonho que galgou as margens e inundou o coração
Entrou de mansinho ,se encostou na poltrona e foi ganhando asas feito condor
Alimentou a alma ,deu de beber à dor e transformou-a em amor
Era um sonho poeta ,talvez pateta ....queria ser rei sem trono ...ser padre sem batina ...ser amante sem ter par ...ser um tempo verbal do verbo amar
Um dia subiu o Douro ,viu as castas já maduras ,viu beleza e fartura e então já meio seguro ,tocou a campainha e sorriu de emoção .
Os olhos se trocaram de paixão ,as mãos cansadas de escrever escorregaram até à cintura ,se abraçaram sem o espaço ser vazio.
Se estava frio não saberemos ,nem as cartas que trocaram ,quando um dia juraram ser diamantes por lapidar .
Eram tais jóias raras, excepções do tão comum que o sonho as guardou.
Como nunca aconteceu ,este sonho vive triste ,mas algo resiste,a candura deste amor que de poeta se vestiu.
A musa serão as tantas que um dia sonhou ter.
Resta agora eu esperar as folhas do teu encanto ,sabe sonho vou ler e reler quiçá cair de espanto se em alguma me reconhecer .
Esperarei ....

Anabela Fernandes 





Era uma vez uma folha em branco
Não sabia que fazer dela
Percorri tantos caminhos
Neste mundo em que me deito
Viajo no mundo dos sonhos
Onde encontro folhas em branco
Poemas, não sei deles
Os meus poemas insanos
Andam perdidos e magoados
Sem esperança
De encontrar o seu caminho
Sentem-se desamparados
Sem poema e sem prosa
São apenas folhas em branco
Correm desenfreadas
Ao encontro do sonho
Pisam suavemente
As linhas direitas
Tentando que os poemas nasçam
Mas nada…
Continuam nuas e tristes
Choram desconsoladas
Mas de repente…
Aparecem os poemas loucos
Prosa até mais não
É um correr incessante
Para cá e para lá
Encontraram finalmente
O caminho…
Eras folha em branco
Hoje és poema e prosa…
Era uma vez…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 




Era uma vez
Um livro em branco...
Décima quarta edição...
Página a página,
Poema a poema,
Foi sendo escrito...
Um mês,
Dois meses,
Sete meses depois
E o livro está completo,
Entregue ao destinatário,
Musa de todas as páginas,
Todos os poemas...
Manuscrito,
Como tudo o que é valioso,
Escrito com o coração,
Como tudo o que vale a
pena,
Relato de vivências,
Sentimentos, sonhos,
Amores e desamores...
... ...
Edição oficial está na forja..
Esperemos...

Luís Lima Coelho. 





 EXISTÊNCIAS

Seguem almas errantes
os caminhos trilhados
de alienação
que a razão não explica.

Percurso de existências
abandonadas
à conduta desviante
traçando distâncias
que conduzem à solidão.

De mãos vazias e frias
sem o calor de outra mão
que lhes possa
a fome de amor, saciar.

Mãos que vão
arrancando cardos
pelo inóspito monte
deixando-as a sangrar
ignorando o colher
das alegres flores do campo
que enchem de encanto
só de as olhar!

Desesperança:
alimento da dor
neste peregrinar
sem horizonte!

2018 maria g. 




Era uma vez um dia, que acabou cansado.
O cansaço era tanto,tanto,tanto
Que não desejou boa noite,saiu apressado,
Entrou no transporte e desatou num pranto.
Vestido de solidão,de desamor,
Sem vontade de caminhar,
O corpo cheio de dor ,
Só queria era chegar a casa ,para descansar.

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 





 Hoje
procurei
por ti
e dei conta
que já não estavas aqui
ao pé de mim
desapareces-te
como a areia
que desaparece
entre os dedos
sobrando
apenas um pequeno grão-
Hoje
fiquei gelada
como que um corpo
ausente de vida
desnuda
como um farrapo
deixado por ai
ao relento
de repente olho
e vejo uma luz
de fé e de esperança
onde agarro com força
o meu coração aflito -

Mila Lopes 






 Era uma vez um lugar distante
uma pedra grande, um cantar gotejante.
Era... diziam ELES,
Vi-os no caminho, sábios e mudos.
Segui-os de perto para os não perder.
Eram velhos,
nas mãos caídas bandoleando a cada passo
não carregavam seus haveres.
Eram porém as mãos o pêndulo desacertado das horas gastas.
Tudo perderam, nas tempestades invenciveis do tempo.
Dobraram confiantes o nascer,
riram felizes como um cantar de água.
Estóicos de alma engelhada enfrentaram a morte num travar de lágrimas.
Eram agora VELHOS, indefesos, gastos cansados.
Seguiam nos lentos passos, de inseguro o perfil.
Gastos os trapos, os sapatos, já os braços não eram aconchego nem abraço.
Vi o terreiro largo destelhado,
O fumo erguia-se sonâmbulo, entoava uma prece gasta.
Não desisti, fiz-me sombra.
Segui, não os velhos, mas sim livros de sabedoria.
Permaneceram pacientes, eram muito mais conhecedores da visita da morte.
Só que sentados na noite do presente, esperavam ansiosos a vida que nascia.
O silencio era transparente.
Entoou um valido,
Os VELHOS de olhos vidrados,
Deixaram correr pelo rosto,
Um cantar decantado de sal.
Num rumor cantavam,
Era uma vez uma pedra grande, um cantar gotejante.
Louvavam a vida acabada de nascer.
Sabiam eles que a vida é impetuoso rio.
Depois da nascente escolhe o caminho livremente.
A vida merece respeito e liberdade.
Não só a vida acabada de nascer.
Os VELHOS são livros, de letras um pouco indecifráveis.
A palavra que ressalta é SABEDORIA.
"todos têm que contar, começam quase sempre"
ERA UMA VEZ.

Augusta Maria Gonçalves













17-10-2018

 Era uma vez, um grupo de sorrisos, que enchia de afeto os corações mais escuros e esquecidos. Um dia esse grupo decidiu fazer propostas para que entrassem nele, todos os que tinham um amor secreto dentro de si a poesia, que era inerente a todos eles. Começaram-se a povoar páginas a fio durante anos no grupo. Certo dia e com grande simpatia chegou a casa o João que decidido fez a maior maravilha de então, casou o gato e o cão num jantar de ocasião. Porém os canteiros plantados de flores viraram triciclos de cores. Os inimagináveis encontros imediatos dos animais resolveram-se em traquinices tais que as flores viraram tapetes paradoxais.
Antes da noite porém veio para o matagal o coelho e seu padrinho que estava ainda mal do seu pezinho, mas como não tinha carro veio a pé. Pelo caminho encontra o Caracol que com muita dificuldade arrastava a sua casinha com os corninhos ao sol foi fazendo sua estradinha de baba e assim chegou a sua amada caracolita com a sua vivenda lustrada de riscas estampadas.
O canguru trazia o filhote na sua abada em bolsa bem aconchegada, como não estavam na pradaria fugiram todos e ao fim do dia, quando o sol já declinava, fizeram a festa maravilha e cantaram à desgarrada.
A cigarra com sua viola fez a festarola e a formiga carregada de comida serviu aquela trupe toda.
A festa esteve assim animada até de madrugada, quando regressavam a casa depois de comidos e bem bebidos, cada um seguiu o caminho para o seu lugarinho de esconderijo.
E assim termina a minha fábula que entre sorrisos e caminhadas enche de alegria este bonito grupo com poesias encantadas.

Lurdes Bernardo 




Sorriso nostálgico.

Era uma vez um sorriso,
Que nunca estava a sorrir.
Quando era preciso,
Só sorria por sorrir.

Era alegre por dentro,
Nunca ele o demonstrava,
Sempre aos outros sorrisos atento,
Mas o seu ele não mostrava.

De madrepérola seus dentes,
Os lábios cor de cereja.
Sorriram eles tanto dantes,
Foram alvo de inveja.

Dono de extrema beleza,
Vivia de nostalgia,
Não tinha ele a certeza,
Se a sorrir voltaria.

Certa vez,deu de caras com um sorriso,
Daqueles que contagia,
E logo abriu seu sorriso.
Agora sorri,seja noite,seja dia.

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 





Era uma vez
Uma menina de bibe cor-de-rosa
Que ia para a praia
Ver partir os barcos
Que iam para a sua faina
Na praia ficavam
Mães e filhos de olhos postos no mar
A rezar para que tudo corresse bem
Para mim era uma brincadeira
Menina de bibe cor-de-rosa
A minha infância era esta
Ver partir e chegar os barcos
Correr e brincar
Enquanto as mulheres rezavam
Tanta alegria na partida
Às vezes angustia na chegada
Os barcos
Pareciam bolas de sabão
A desapareceram ao longe
Menina feliz
Para onde foste?
O que foi feito de ti?
Já não sei quem foste
Nem quem és
Foste a minha infância
Às vezes ainda sonho
Ainda vejo barcos
A partir e a chegar
Não esqueço a minha infância
O tempo passou a correr
Mas fica sempre algo
A que chamamos…Saudade…
Menina de bibe cor-de-rosa…
Era uma vez…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 




 Naquele tempo
trazia na pele
o perfume das rosas
que todos os dias
colhia no meu jardim.
Nesses aromas
trazidos com ternura
deixava me enibriar
e deslumbrar...
com tão doce
formosura.
Aguarela colorida
poema de vida
que enternecia
o meu olhar
e me fazia sonhar!
Hoje secaram
as rosas, ficou a dor
na sede desse amor
que então morreu
o perfume
na minha pele
desvaneceu.

2018 maria g.





Sim uma vez, essa talvez que me desencontrei de ti do teu sorriso.
Vi assustada que o tempo tinha desenhado linhas fininhas no teu rosto.
Preservou-te a doçura do olhar,
Tinhas nele um brilho marejado.
Tinhas nos lábios um tremor acentuado.
-Disse no silencio fitando teus olhos-
Fala estou aqui,
Elevei-me em bicos de pés,
Para te dar uma pepita de mel num beijo.
Disses-te, como riem esses olhos.
Sem imaginares o mar que os fustigava.
As minhas mãos nas tuas mãos eram o cais, porto de mar o meu abrigo.
- fala por favor, fala me de ti -
Fita me, toca com a ponta dos dedos o meu rosto.
Fiz o que pedia.
Deslizei na pele sardenta os dedos macios.
Li em relevos na sua face um poema.
De solidão e ausência,
Mil e um beijos gastos já pela saudade.
Contornei sua boca, era ao passar dos meus dedos,
A estrofe do poema.
Um beijo perdido.
Agridoce como o suor do rosto.
Caminhamos na berma da noite abraçados mudos.
Deixamos que a chuva rolasse como pérolas soltas do colar dos dias.
As pérolas perderam-se no abismo do tempo que passamos lado a lado,
Ignorando as marcas do tempo, vivendo de olhos vendados, coração amordaçado, ignorando os poemas que éramos cada dia.
Era uma vez...
 

Augusta Maria Gonçalves 




Era uma vez um velhinho,
que precisava tanto do meu carinho,
ah e como era façil pra mim de; lhe o mostrar,
ele era durão e borracheirão,
sim borracheirão; tinhas a faces do rosto rosadas
era do ar do campo, do ar do mar, o que tinha como vizinho.

Ah e que saudades eu sinto d'Ele,
caiu até uma lágrima ao lembrar o velhinho,
pois (ele) era o meu avózinho.

Pra mim era fácil lidar com ele,
sei que tinha uma especial ternurinha por mim
e sei que eu era a flor preferida do seu jardim,
Ele era um homem do campo
e eu amava-o tanto:
e hoje, hoje o que é que resta de Nós...?
Resta apenas uma história de vida,
a que se não for contada num livro,
por mim e enquanto viver.

Jamais será esquecida.

Florinda Dias


 


 10-10-2018

 O vento passou pelas colinas da indiferença
Perdeu-se na bruma da tua ausência
Carregado fustigava como um louco
Sua respiração ofegante
Dava-lhe um pouco de insanidade mental.
Inverteu-se o instante
E a clareira se abriu de sol radiante de cor
Amainou-se e silenciou
A luz brilhou de novo e no horizonte
O mar imenso se avistou.
Areal extenso ladeado de grandes palmeiras
Com aquela ondulação
Entre o bate que bate na areia.
No longínquo todos aqueles arranha-céus
Se destaparam de neblina
E deram uma gigantesca imagem da civilização.
Era um amontoado de betão é certo
Mas com a imaginação que o deserto se permitia.
Passos gigantes de uma construção
Que crescia alinhada e cuja engenharia
Fazia antever a sua arquitetura.
E lá estavas tu, de cabelo ao vento desalinhado
Bela como Deusa de um encantamento
Saída de uma qualquer torre ou masmorra
De um castelo de conto de fadas.
Esperavas o príncipe
Que no seu cavalo branco alado
Chegava e ao colo te pegava
E perdido na bruma do teu olhar
De novo voava
Para um maravilhoso mundo
Encantado.

Lurdes Bernardo




 ERA UMA VEZ UM POETA

Era uma vez um poeta ilusionista
Transformava as palavras e escondia a dor com amor
Tirava da cartola sorrisos e lágrimas
Amor e emoção ,paixão e sensualidade
Era uma vez um poeta refilão
Gritava ao vento a revolta sentida
Dava voz à caneta envelhecida
Escondeu-a e teclou até fartar
As agruras do passado e a esperança no futuro
Quebrou tabus e muros e viajou
Nos poemas de Abril e na revolução
Era uma vez um poeta de amor
Teve todas as musas e levou o sentimento até à exaustão
Teve delírios , fantasias e foi ao limite
Bebeu rios de prazer e ondas de loucura
Foi homem ,mulher sem ditadura
Era uma vez um poeta que chorou
Sem vergonha foi vadio entre ruas e ruelas
Andou à deriva quando muitos o julgaram louco

Mas era uma vez um poeta que sentiu a poesia sem a fazer arma de arremesso
Não se serviu dela mas a serviu
Dei-lhe retoques e a aprimorou
Porque um dia por ela se apaixonou
Foi amante ,foi audaz ,foi capaz
No reino da ilusão ser diferente
Então contente ...SORRIA....

Jamais farei da poesia um recado de mau gosto mas sim um fado cantado com o coração porque ser POETA todos podem mas só alguns mostram a alma de quem escreve e a sente bem no fundo de si mesmo.

Eu não sou poeta mas aprendiz

Anabela Fernandes 




Um beco escuro
Vizinho da minha ruela
Gosto daquele beco escuro
Nele desenhei o amor
A saudade e a liberdade
De menina alegre e saltitante
Desenhei os sonhos e a verdade
Desenhei aquela gaivota
Que poisava todos os dias
Na minha janela
Desenhei a minha alma
Em traços que falam do amor
E a tela onde desenhei a dor
Neste beco encantado
Oiço a voz da mãe cansada
Que embala o filho até adormecer
Tantas recordações, tantas emoções sentidas
Escrevi nas suas paredes
Onde contava os meus segredos
Agarro o nevoeiro com as mãos
Que seguram o lápis de carvão
Naquela brecha na parede
Nasceu uma flor
Flor só e desamparada
Agora acompanhada
Com as minhas cantilenas
Neste beco pequeno
Vizinho da minha ruela
Acordo do sonho a meio da noite
Adormeci…
Já não quero voltar a dormir
Vou ficar por aqui…
No meu beco encantado…
A escrever belos poemas…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 




Doce mão.

Era uma vez,uma lágrima que caía triste,
De tanto estar recolhida,
Ao sofrimento resiste,
Mas agora sente-se perdida.

Vem uma mão de aconchego,
Querendo-a consolar,
Vai-lhe tocando com medo,
Não vá ela ,se afogar.

Soluça ela baixinho.
Seu pranto de solidão!
Mas,aproveita o carinho,
Ternamente beija a mão.

Na doce mão adormece,
Fazendo dela seu leito.
Quando o dia amanhece ,
Desagua em amor perfeito.

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 




 ERA UMA VEZ.

Essa correria louca contra o tempo.
Tanto por realizar, tanto por aprender.
Tanto por repartir,
Tanto para sorrir.
Mas porquê guardar?
Um nobre gesto, um grito de alma,
Uma carícia nascida ali.
Ao olhar um dos grandes amor entre os demais.
Mas por senso envergonhado a mão descai,
A carícia é só um suspiro sussurrado.
O dia passa fugidio,
A noite cai.
Ás estrelas diz...segredos.
Dá à noite a lágrima enclausurada,
Essa que reluz rolando,
Na face enrugada desta escultura cansada.
Dessa correria que faz com que se passem sem medo as pontes do abismo.
É estoicamente mulher, escultura que ama.
Ganhou algumas imperfeições, ou erosão, fruto de rir...
Deu-se ao vento,
Esse que ria com seu rir, escondia seu lamento.
É na noite sem véus de luar,
Que olhando o firmamento,
Escuta sons saudades das imperfeições do tempo.
Repete, serena como quem promete.
A um sopro de vida, outro colher, outro doar.
Tanto por realizar,
Tanto por repartir.
Tanto para sorrir.
Ah! Cansaço que a veste,
Deixa-a saber,
Amar em dobro,
Melhor viver.

Augusta Maria Gonçalves. 


 




03-10-2018 

 Um tempo que vai e vem, num frenesim
e as estações também, andam assim!
Cada vez, vêm mais misturadas, confundindo a natureza
ficando sem saber se dorme ou se cresça!
As gentes não sabem o que vestir!
Será melhor um agasalho?
Ou um fato de banho e para a praia ir!
Imensas confusões entre as quatro estações!
Ora está frio, ora está calor!
Ora a chuva cai, ora o sol aparece,
formando um lindo arco íris e tudo a gente esquece!
Ora cai granizo em pleno verão!
E em pleno inverno se come melão.

São enormes as confusões
nesta troca de estações!
Ainda vai chegar o dia, de no Natal estarmos na praia!
De toalha na areia, fato de banho e mini saia.
Era bom era, termos lá também a Primavera!

Autora: Fátima Andrade 




“Carochinha e João ratão"

Era uma vez Carochinha e João ratão
Eis que chega o João ratão
E à sua carochinha
Oferece uma florzinha
Romântico e brincalhão
Pergunta?
Queriam a minha carochinha
Mas é minha e muito minha
Então chega o mafarrico
E arreliado diz num grito
Está calado João ratão
A carochinha só quer ratos
Dispensa bem os gatos
Mas olha que quem me levar
Terá um trato de louvar.
E num miau miau fru fru, se foi.
A lagarta que não falava apenas fez olhinhos
Rastejava com sua cauda de folhinhos
Mas veio ainda o esquilo com seu estilo
Trepava e a carochinha já brava, resmungava
Salta daí que ainda cais, vê lá por onde vais.
Eis que num rabo redondo chega o pombo
Arrolhei o dia todo, mas me fartei
Já sei carochinha que não queres o meu pio pio
Mas olha até te cantava ao desafio!
Isso querias tu, meu cara de cu,
Mas comigo João ratão nem corrido nem brincalhão
Faz trampolim e plam plam catrapum já vai mais um.
A cegonha enfadada bebe um gole de água
Cala a boca fanfarrão ou dou-te uma bicada
Já não me serves para nada.
Roubo-te a carochinha e faço-lhe uma casinha
Para ela não tenho prosa, mas paisagem maravilhosa.
E enquanto tudo isto se passava, a carochinha fervia de brava
Saí da minha casinha, vou ficar com o João ratão
Sou uma simples carochinha, tão fina e educada
Ele é meu único amor e eu sou a sua amada.

Lurdes Bernardo 




 De repente tudo se transformou
No reino encantando o sol se escondeu
E o povo chorou,
O pássaro de asas brancas vôo e nos deixou.

De repente nas casas que eram alegres só o silencio
Reinou e as belezas que haviam só o tempo guardou, todos emudeceram e o céu chorou
Como se tudo tivesse morrido de dor . . .

Fechei o livro e olhei ao redor, soltei o ar dos pulmões , senti a alegria no ar !
As flores ainda estavam alí.

Os pássaros a voar, meu paraíso era mesmo
Não ia mais chorar; cochilar no meio de leitura
É coisa de amargar . . .que pesadelo !

Zi Ferreira. 




 NÃO ME DIGAM QUE É AMOR

Podes ser tu Maria das Marias
Ou apenas a Manuela de uma delas
Tantas em que os dias foram anos de enganos
E os segundos contatos em soluços
Não me digam que é amor
Quando se bate
Quando se grita
Sem desdita se quer acreditar ser por bem querer
Num desenrolar de palavrões
Pela casa se arrastam aos puxões
Quando o ego não é alimentado
Não me digam que é amor
Só amar o seu umbigo
No mundo falseando as verdades
Sem apego nem carinho pelas crias
Se cria um muro entre o real e fantasias
São os lobos que atacam em covardia
De valentia só a teem escondidos
Na cidade são cordeiros tão mansinhos
Não me digam que é amor
Ver cara roxa
Ou perna cambalear já meio coxa
No acaso de um caso foi mais um
Sem respeito já tudo parece então vulgar
Abrindo a boca diz ser por muito amar
Não me digam que é amor
Porque amor não tem dor ,tem cor ,sabor
alegria e cumplicidade
Não ...a sujidade de mãos vazias de sentimento

Então só me digam que é amor
Se quem ama se vestir de seriedade
Com hombridade souber ser um ser humano
Não outro engano cujo tempo só refinou
Nas maldades vingou e foi ao leme
Pronto para atacar é tirano
No tempo que amadureceu somente e é
A nódoa mais suja no fino pano
Gasto pelos Outonos desta vida

Não me digam que é engano
Hoje não ....

Anabela Fernandes 





Quando eras apenas, uma sementinha a germinar.
Já o meu coração sentia, que para sempre te ia amar.
Conheci o significado do amor, mais puro, mais arrebatador.
Quando vi os teus olhos, pela primeira vez a brilhar.

Brincamos aos tesouros .
Eu sou o pirata.
Escondes-te de mim.
É assustador, tenho medo, vamos avó sai daí!

Está tudo bem vou proteger-te,com a avó por perto,nada de mal vai acontecer-te!

Vamos continuar, entre abraços e beijos, que a
vida não pára.
Quando olhar para trás, já tudo acabou, não queres brincar.
Tu vais crescer,eu fico só!
Fica a lembrança,fica a história.
Era uma vez a minha avó...

Poema, Gertrudes Fernandes 




Era uma vez um pedaço de céu,
Gostava ele muito de brilhar.
Fosse qual fosse a estação,
De quando em vez uma nuvem,
Vinha-o cativar.
Docemente lhe falava ao coração,
Mas, por ele era ignorada.
Com audácia continuava brilhando,
O solo ia secando,
Pouca vida já restava.
Os incêndios se alastravam,
Todas as fontes sem água ,
O povo com fome e mágoa ,
Ia aos santinhos rezando.
O céu ia sorrindo,
A nuvem o cativava,
A natureza secava,
De chuva nem só um pingo.
Mas um dia se fez breu,
Houve ribombar de trovões,
Uniram-se todas as estações,
E fizeram chorar o céu!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 




Era uma vez...
...a intriga, que não tinha para onde ir!
Por mais portas que batesse, todos a mandavam sumir.
Dirigia-se a toda a gente, com o seu ar de mal amada.
E com cara de quem mente, de falsidade e coscuvilhices, queria ser idolatrada
arranjando chatices.
As suas intrigas caíam em saco roto
e ouvidos moucos as gentes faziam!
Antes que a intriga desse pró torto
as gentes viravam-lhes as costas e sumiam.
Como não tinha para onde ir
pediu ao vento que a levasse.
Ele largou-a na sua própria intrujice
para que nela se afundasse.

Da intriga nem sinal
ficou no "era uma vez"
Acabando-se todo o mal
e toda a mesquinhez.

Autora: Fátima Andrade



Era uma vez…
Umas pontas soltas
Não sabiam bem quem eram
Eram pontas soltas
Eram laços sem nós
Uns tocam-se…outros não
Eram risos e lágrimas
Eram vida que se esvai
Umas vezes navegavam no mar
Outras…atravessavam o infinito
Somos o que somos
E quem somos
Damos… Recebemos
Odiamos…Amamos
Somos como um junco
Partimos e chegamos
Somos o calor do verão
Ou a invernia sentida
Às vezes sabemos onde vamos
Outras perdemos o rumo
Hoje temos o coração a pulsar de amor
Amanhã ele dói, porque alguém partiu
Hoje somos o tudo
Amanhã o nada
Hoje rimos despreocupados
Amanhã caem lágrimas de dor
Hoje damos as mãos
Amanhã cortamos amarras
Somos cabeça e coração
Sentimentais e impulsivos
Somos um laço de pontas soltas
Somos afinal…Um castelo de solidão…
Nesta vida de… “Era uma Vez”…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA





 Era uma vez!
Uma queda de água um rio limpido.
Uma flor nascida de um útero materno.
Flor branca, roliça, de cabelos negros.
E olhar apavorado.
Olhou o mundo, viu rostos ou sombras?
Reconheceu a voz da mãe.
Seguiu seu olhar sempre o cantar melodioso da ternura.
Alba flor menina,
Trazia naquele olhar escuro, o querer apressado de SER!
SER MULHER, SER LIVRE.
Foi menina, foi ao colégio, vestiu o traje a rigor,
Com a austeridade de todas as regras de uma boa educação.
Guardava na memória golpes de frio, na noite vestida só de silêncio e medo.
Na sua mente ainda em formação,
O medo se fez coragem, foi passando o tempo, era mulher sem medo.
Eram seus segredos alguns, tão poucos. O amor era um mar sem fim nas mãos do avô que a criara. Avó mulher, mãe coragem, se dava em amor de um outro jeito.
Fazendo entoar palavras... Menina inteligente, olha que a vida é escrita em brayle, tateia-a com saber e cuidado. Ela a flor branca nascida ontem, era borboleta em liberdade.
Se fez ave por sonho e amor. Atravessou o mar, criou laços fez abraços. Guardou num relicário as saudades, trouxera as asas, as penas as deixou lá tão longe.
Já uns anos passaram. Os avós guardaram o brilho daqueles olhos escuros, talvez fossem uma réstea de sol a brincar-lhe no branquear dos cabelos.
Avó descansa agora de todas as lutas de uma vida.
Creio que será raio de luz a iluminar o caminho daquela que um dia foi menina.
Hoje é dia de aniversário, para avó a menina acende um cirio na alma, cai uma e outra perdida lágrima de saudade, bolo de aniversário é apenas a recordação colorida na memória. Como foi imprudente a pressa obstinada de crescer, quando menina, bastava erguer-se em bicos de pés e sempre o amor estava presente nos olhares ternos dos que amava.
Hoje! É tudo distancia.
Era uma vez... uma história de verdade.

Augusta Maria Gonçalves 





 Da Vida ao Firmamento

Era uma vez alguém que queria ter, mas não sabia como; nem sabia o que fazer e por ironia do destino; nem sequer, sabia ler.

Um dia pensou que tinha de aprender e que em nada se podia contrariar, no seu tão forte bem- querer falou o que pela cabeça lhe passou:- aí alguém lhe disse ''nunca é tarde para aprender'' logo seguiu o seu instinto e foi.
Os tempos eram outros e acabou por cair nos cornos do boi. Criticavam a sua coragem; não era normal nesse tempo e nos contextos de vida de antigamente, seguirem nessa viagem.
Mas esse alguém, não se importou, seguiu em frente e aprendeu.
Aprendeu a ler a gostar e a saber estar também.
Daí saiu vencedor, passou a ser uma pessoa mais realizada e não se temia a nada. viajou.
Era uma pessoa sonhadora, vivia feliz, sorria; trabalhava e gozava a vida.!..
Ah mas aí nem pestanejava
.
Era uma vez uma estória que um dia a(inda) vai ser contada, vai ser escrita, tatuada num livro o que se vai abrir para o Mundo e que vai viajar sobre a terra e sob o céu, vai ter as estrelas para o acolher e vai ter alguém para o ler, vai passar junto às aves a voar em folhas soltas levadas pelo vento.

Aí... irão por lá ficar tatuadas palavras tuas.
A(quando) a tua história for contada e te levar ao firmamento.

Florinda Dias


 26-09-2018

Riqueza versus pobreza.

Era uma vez a Dona Riqueza,
Julgando-se muito abastada,
Ignorava a pobreza,
Por ela ter pouco ou nada.

Dava-lhe um sorriso a fingir,
Logo a seguir dela desdenhava,
Só lhe sorria a bom sorrir,
Quando dela precisava.

Sem ela não sabia viver,
Pois tudo ela lhe fazia,
Desde o alvorecer,
Até que adormecia.

Quando ficou doente Dona Riqueza!
Humilde como sempre foi,
Chegou a doce pobreza,
Perguntou: Minha senhora onde é que lhe doi?

Doi-me ter sido prepotente,
Quando de ti precisava,
Não sou és de mim diferente.
E fiz de ti minha escrava!

Doi-me teres sido parida,
E a mim delicadamente me tiveram,
Mas as duas saímos de uma barriga
E nossas Mães ambas sofreram!

Doi-me saber que nada é meu,
Só necessito de um pouco de atenção,
Queria muito ir para o céu,
Mas não sei se tenho o teu perdão!

O pobre do rico precisa!
Mas também é vice-versa!
Ambos nascem sem camisa!
E a morte ninguém dispensa!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 





 Era Uma Vez. . .
Duas irmãs ficaram órfãs,
Como sofreram as pobrezinhas
Foram criadas assim assim na casa de uma tia.
Mas logo essa senhora faleceu
E mais só ficaram as duas.
Uma era boazinha
Vivia pegada nos livros
Apaixonada por borboletas
Sonhava com um belo jardim onde suas amiguinhas pudessem pousar e perto delas poderia ficar.
Menina tão sonhadora , amava os pássaros,
que usavam suas grandes asas pra todo mundo visitar!
A outra muito diligente ,
Mas não tinha jeito com gente
Estava sempre emburrada
E não tinha pela vida apreço.
Assim passou o tempo e adultas se tornaram.
Como eram sozinhas , logo se casaram.
A emburrada não quis ter filhos,
Por medo de morrer e os deixar jogados ,
A outra quis logo três que amou com todo seu ser.
E assim foi muito feliz , esquecendo os infortúnios,
Seus filho são sua riqueza e sua maior alegria!
Porém a outra irmã continua sempre só, triste de fazer dó .
Era uma vez. . .

* Moral da história : Não se prive de ser feliz por medo ; a felicidade é pra quem tem coragem de ariscar.
Zi Ferreira 





"O menino com assas gigantes"

Era uma vez um menino que queria apanhar o sol, mas como era tão pequeno e o sol estava tão longe resolveu começar a construir umas asas. Andou longo tempo a juntar pena a pena para construir suas próprias asas, pensando que assim poderia chegar até ao sol.
Deixou de brincar com os companheiros, e todo o seu tempo disponível era gasto na construção das asas.
Os anos passaram-se e o menino já mais crescido, resolveu experimentar as suas asas.
De tanto subir com elas ficou parado, julgando já estar próximo do sol, mas o seu espanto foi tão grande que não se conteve de tristeza, quando se apercebeu de que ainda estava distante.
O sol continuava distante e as suas asas de tão imensas que eram, começaram a tapar o sol.
A terra tornou-se escura, gerou-se um momento de grande aflição, as asas tinham tapado o sol de tal forma que o menino começou a sentir frio.
Mas que fazer para voltar a descer, as asas eram enormes e ele já estava a começar a ficar cansado, o peso era superior às suas forças e então começou a chorar com as poucas energias que ainda tinha.
Suas lágrimas eram tão intensas e corriam com tal velocidade que foram formando um denso lago, que foi crescendo com todas as lágrimas que corriam pelas faces de todos os seres humanos que se entristeceram com o fracasso do menino.
Assim o vento começou a soprar, a princípio de mansinho, mas logo se começou a agitar mais e mais, o menino começou a cair em queda livre.
As asas tornaram-se mais leves e finalmente chegou a poisar na torrente das lágrimas que originaram um rio.
O menino lá conseguiu sair a muito custo das suas asas e nadou até lugar firme e seguro.
De tão empenhado que tinha estado nunca se tinha dado conta de que tinha tapado o sol e escurecido a terra, o frio que sentiu nunca soube que tinha sido pela falta do sol.
Começou por ver coisas que nunca antes tinha visto, lágrimas formarem um rio e um rio correr para formar o mar.
As árvores cresceram e os frutos nasceram mais saborosos e abundantes.
Afinal nem tudo foi mau no moral da história, não se pode atingir o inatingível, mas podem mudar-se as atitudes e criarem-se melhores condições de vida.

Lurdes Bernardo 




“ADORMECEU”
Era uma vez uma sereia
Adormeceu no abraço do mar
Deixou-se ir no seu marear
Acordou ao som das gaivotas
Que deixavam o seu grito no areal
Sentiu frio, estava gelada
Pediu á lua que a aquecesse
Ela veio embalar o seu sono
Embrulhou-a nas algas
Que espalharam docemente no ar
O pó das estrelas cintilantes
Pareciam visões de um novo mundo
Adormeceu e sonhou, fantasias e ilusões
Parecia uma criança adormecida
Como se a vida recomeçasse agora
Como se os sonhos não a traíssem
Amordaçou o coração
Como uma andorinha de asas quebradas
A Primavera ainda anda por aqui
A noite é tépida, mas fria
Embalou o coração dorido
Deu voz ao silêncio
Como uma pétala lançada ao vento
Vai á deriva na maré que a invade
Sem medo, nem pranto
Esqueceu tudo o que passou
Vai rumo ao infinito
Á procura do seu outro eu
Como uma borboleta de mil cores
Que se deixa ir nas asas do sonho
Não quer saber de mais nada
Só quer acordar e ser ela mesma…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 





Era uma vez
Uma borboleta
com asas multicores
encantamento !
trazida no vento
pousou em meu jardim
de sonhos, de jasmim...

Borboleta que espera
Encontrar a frescura
em campos de verdura
De eterna Primavera!

Repleta da doçura
Colhida na flor
Exalava o odor
presente da ternura..

De flor em flor
colhia o suco, a vida
pousou em mim e fez
sua flor preferida...

E esse suco doce
Que a fez saciar
Permitou-lhe ficar
Até que o sol se fosse....

Porque encontrou amor
E o néctar transformou
Por ali se ficou
Nesta eleita FLOR!...

Senti-me Amor Perfeito!
.......................

2018 maria g. 






 ERA UMA VEZ:

Fitando a tarde ciosa de silencio.
Apenas os rodados tremiam no asfalto.
Longe um bater de asas não cortava o eco.
Só a brisa suave suspirava na tarde.
As mãos pousadas, riem num cansaço.
Têm fiapos das sedas rasgadas do afagar do tempo,
No silencio gritam como crianças brincando longe,
Ecos cristalinos, talvez risos
Correm por labirintos de rosas e camélias desse tempo.
Fazemse meus olhos dois tuneis de água azul.
Sou naufraga das recordações,
Como passam as horas.
Como voaram esses anos,
Em que afaguei os anéis de ouro dos vossos cabelos.
- Um de vós era loiro como o sol.
- Outro... menos caracois.
Acastanhados como avelãs numa haste de árvore a brincarem ao sol.
- E TU, olhos de lago limpido, teu olhar era como despertar das manhãs sublimes.
Não perco de vista o labirinto.
Brincais felizes, sei! Dentro do meu sonho.
Passa um cavalo branco num tropel suave, não há trote, nem poeiras.
Uma voz entoa suave a palavra mãe.
O sonho exclama!
Vai, o amor já não é menino, mas...
Por ti chama.
Falei da vida,
Pois!
Era uma vez.

Augusta Maria Silva Gonçalves. 




 Era uma vez um ladrão que estava preso
Numa penitenciária
Como já não tinha dinheiro estava teso
Pediu uma licença precária

Foi-lhe dada essa oportunidade
De uns dias ir poder trabalhar
Mas como ele só tinha maldade
Voltou de novo a roubar

Roubou a carteira a uma senhora
Esta começou imediatamente a gritar
Mas logo em boa hora
Apareceu um polícia para o algemar

O gatuno desalgemou-se
E fugiu sem direção
O polícia irritou-se
E foi em sua perseguição

O gatuno corria em alta velocidade
O polícia perdeu-o de vista
O gatuno entrou numa propriedade
Que pertencia a um famoso vigarista

Ao ladrão lhe deu guarida
E dinheiro com fartura
Também lhe deu comida
E protegeu-o da aventura

No dia seguinte o ladrão desapareceu
Escondeu-se num local errado
Onde estava um polícia que o prendeu
À penitenciária o devolveu
Teve um dia azarado.

José Martinho. 






 Era uma vez uma criança, ela aprendeu a escrever e depois, depois de o saber fazer, logo-logo, também aprendeu a gostar de ler, levitava nas palavras que lia e qualquer bocadinho de papel que tivesse letras, lhe chamava a atenção, e então... ela lia, lia, lia e ficava alheia ao que estava à sua volta, amaranhada nas letras, ela sentia em torno de si algo que a comtemplava em magia. degustava a leitura e a cada página que folheava, sentia-se em candura, envolvia-se tão ternamente na prfomance, que se sentia a personagem de um, ou outro e qualquer romance, sentia a Nostalgia e sempre se sentia Musa, de uma ou de outra Poesia; ainda hoje, ela tenta descobrir o porquê que assim se em volta das letras que lia, se envolvia... Um dia como que por magia olhou o céu e viu, viu uma ave de cor branca que voava e ao passar perto d(ela) viu que do seu bico, algo caiu... correu em direção e o que viu...? Viu um bilhete dobrado caído no chão...! Curiosa, abriu-o e nele; tinha uma mensagem.

O papel dizia na primeira abertura:
''Trouxe um recado, leva-o como sagrado''
E dizia na outra parte:
''És uma menina Cristal e em ti eu só vejo Luz & Arte''

Meu Deus, como me senti iluminada!
E naquele momento senti-me!
Tão profundamente...! Abençoada.

Florinda Dias







19-09-2018 

Era uma vez um livro muito bem cuidado,
Mas as frases fogem e não riem,
O que se terá ali passado?
Para do livro fugirem!

Vão as letras saltando,
Uma a uma em catadupa
Entre elas refilando
Nenhuma delas se agrupa.

Estão zangadas de verdade,
Algo de grave aconteceu.
Será que foi por vaidade,
Ou alguma se enfureceu?

Vem o A todo enervado,
Chamando o Sr Z
Está o alfabeto todo bagunçado!
Sabe me dizer porquê?

E o Z com toda estima,
Que tinha pelo senhor A.
Disse,esta malta só se anima,
Quando o senhor está por cá!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 




 Era uma vez uma senha de aguardar a vez esquecida no bolso dum casaco que se movia pelas pernas do corpo que o vestia, naquele dia de ir às compras ao supermercado. Por ter sido aí deixada, sentia-se abandonada e entregue à enorme angústia de não saber se a sua vez estava próxima ou afastada. Receava que, quando saltasse do bolso, a sua vez já tivesse passado e se sentisse reduzida a uma total e absoluta inutilidade. Sabia que a sua vez seria respeitada, se tivesse a oportunidade de ser exibida na devida altura que seria a vez a seguir à senha de aguardar a vez que estava antes de si na ordem de aguardar a vez. No entanto, saber isso não lhe bastava para se sentir tranquila. Precisava de sair daquele exíguo espaço onde, fazia muito tempo, havia sido colocada. Sabia também que a sua função era aguardar a vez na fila do peixe e que quando aí foi adquirida havia doze senhas de aguardar a vez à sua frente. Mas, se por um lado isto lhe dava alguma tranquilidade, por outro, com o passar do tempo, aumentava a sua ansiedade. Além disso, à medida que o tempo ia passando lhe cheirava menos a peixe, o que significaria que estaria cada vez mais afastada da fila que lhe dera o ser. Sentia mover-se em várias direcções e que os passos responsáveis por esses movimentos não paravam mais que uns parcos segundos de cada vez que se imobilizavam. Experimentava, nestas andanças, uma angústia que nunca esperara sentir, pois a sua expectativa seria apenas aguardar a sua vez, tranquilamente, na fila onde todas as suas irmãs de aguardar a vez se perfilavam impávidas e serenas. Era para isso que tinha sido criada, não para andar a deambular por todo o lado, receosa que a sua vez pudesse não ser respeitada e que, em função disso, terminasse a razão da sua existência. Por uns momentos sentiu que um ténue cheiro a peixe a aproximava do sítio onde deveria ter ficado a aguardar a sua vez, mas logo esse cheiro se afastava, passando a existir em si apenas como uma miragem. No momento em que esta miragem já nem isso era, mas apenas uma vaga recordação, ouviu os bips duma máquina registadora e, sem ter tempo de flectir sobre a sua natureza, sentiu que uma mão entrava pelo bolso dentro e a amarfanhava como a um insecto que se pretende exterminar. Contorcendo-se dentro dos dedos que a enrodilhavam com o propósito de a deitarem ao lixo, teve tempo ainda para dizer para si, como que fosse esse o seu último suspiro: - Já passou a minha vez…!

Albino Teixeira Dias 





 Era uma vez um pastor
que vivia numa aldeia pequenina
da serra.
O pastor vivia com tanta alegria
que nem ele próprio sabia.
No pastoreio o seu rebanho guardava.
Guardava-o com tanto amor
que nunca o largava.
Com ele, o seu cão de guarda trazia,
para lhes fazer companhia, porque
é o seu fiel amigo.
Nessa aldeia, pouca gente mora,
é uma aldeia quase deserta, no
interior da serra.
No inverno, cai neve e o pastor gela de frio,
não pode abandonar o rebanho,
porque na serra há lobos.
O pastor, ali passa os dias, sozinho
com o seu fiel amigo "o cão" que nunca
o abandona, nem ao seu rebanho,
que o pastor ama.
O cãozinho e o rebanho
são a sua família.
O pastor vive feliz, com alegria
por ter um rebanho e um cão.
Toda a gente na aldeia o conhece,
por ser um homem prestável e
trabalhador.
Homem simples, de cajado na mão,
guarda o seu rebanho, com a ajuda do cão,
o amigo que nunca o larga,
quer chova ou faça frio.

Jpina 





Era: Era uma vez... e, foi-o tanta vez, que mesmo em mulher; (ela) prefere retratar-se como se a(inda) fosse criança, a criança que a(inda) vive dentro de si...! Em tempos (ela) era sensível, meiga e carinhosa e de quando em vez... passeava-se num jardim olhava as flores e sentia-se tão airosa. Sentia-se leve que nem as pétalas de uma rosa soltas ao vento numa manhã de Outono... e deliciosamente, hoje, (ela) a(inda) se senta nesse banco de jardim, namora a vida e o tempo que não demora e com pressa se vai indo em(bora). Namora com seu ar sonhador ao sentir o tempo que está pra vir. (ela) não quer falar, quer ficar só, quer apenas sentir, sonhar, ser livre. viver e ser. AMAR... Ser e ter coração ao escrever o que lhe dita a sua mente; (ELA) pretende que assim seja no que lhe guia a sua mão a(quando) escreve na sua calma, com o seu coração e a sua Alma..!. Cansada de estar sentada... Deita-se no chão, acaricia a relva, olha o céu e o que vê à sua volta...? Vê um olhar admirador aos seu redor, vê esperança num voo sereno das aves a voar; fecha os olhos; e volta... volta a sonhar, acariciando aquela verde relva (ela) sente esperança e ao mesmo tempo sente de novo confiança. Cada vez mais, confia a sua sorte a cada dia e coloca nas mãos de Deus tudo o que chega até (ela) por magia.
Talvez as letras d(ela) cheguem a algum lado!
Talvez as suas palavras e seu Dom!
Um dia na vida, ou na Imortalidade!
Lhe deixem um Legado.

Florinda Dias 






Era uma vez...
O mar,
Belo,
Imenso (realmente...),
Enigmático,
Indomável,
E no entanto
Frágil...

Era uma vez...
Tu,
Bela,
Imensa (humanamente...),
Enigmática,
Indomável,
E no entanto
Frágil...

Era uma vez...
Eu,
Admirando-vos,
Explorando-vos,
Amando-vos,
Explicando-vos,
E no entanto
Fracassando
Nas fragilidades
Encontrando forças
Impossíveis de ultrapassar..

Um dia de cada vez,
Baby steps,
Olhando em frente,
Sem esquecer o passado,
Vou vivendo...

Luís Lima Coelho 





 Era uma vez uma história que ao ser tantas vezes contada, cada vez crescia mais. Cada um que contava este conto, ia-lhe acrescentando um ponto e não acabava mais. A história foi crescendo, ficou de tamanho gigante, contada pelos avós aos netos, pelos pais aos filhos, pelos amores aos amantes. E o que é certo ainda, é que onde quer que ela se conta, cada um lhe acrescenta mais um ponto e não para de crescer. Esta história tem que ser grande, virou lenda ou canção, então que se conte ou se cante noite fora até ao amanhecer.
Não me peçam para a descrever, pois não o saberei fazer, só sei que todos já a ouviram contar/cantar e eu não a sei escrever.

Nanda Rocha





 ERA UMA VEZ.
Conta-se... Pois!
Conta-se que nesse tempo o tempo não corria apressado
Nos dias em que o tempo era largo, o mundo redondo, decorado de vales verdejantes. Os rios liquida prata escorria em vertigem sob rochas gigantes. Nos vilarejos sempre havia um castelo com ameias, um adro de igreja, um largo, um erguido pelourinho, as pedras que se elevavam ao céu, eram laboriosamente decoradas. Obras mui nobres talhadas por artesãos tão vagarosos e exímios como o tempo desse tempo. As gentes palmilhavam ruas estreitas num labor, de tranquilidade e tanta esperança. Amanhã se irá moer o trigo hoje colhido. E já num pensamento ardia a lenha que esquentaria o forno para cozer o pão. A garotada brincava nas ruas, essas eram, carreiros estreitos.
Seguiam os mais pequeninos a passo o correr feliz dos mais crescidos.
Aih! a descoberta dos ninhos, o imitar a cantiga das poupas e dos cucos. Vestiam a riqueza simples da estopa fiada grosseiramente, trabalho das sábias avós que ao tear distraidamente oravam rezando pelos seus. Eram as mãos delas seda selvagem, com rasgões de carinho. Os cabelos linho alvo do mais puro, o peito delas era só coração cansado que o avental escondia à claridade, só de noite esse coração, ardia como cirio na procissão vagarosa do tempo já sem conta. Os olhos enevoados por cataratas de invernos incontáveis, onde o rigor do frio embalara tantos para a eternidade. Era uma noite de outono. O vento murmurava velhas estorias, lidas nas esquinas de cantaria borjadada.
As mães aconchegavam no colo os seus tenros meninos, a criança de meses procurava o mamilo branco seu sustento. A lenha crepitava na lareira, eram as paredes decoradas de sombras em movimento.
A ceia apaziguada. Pão, ainda quente sai do forno, as azeitonas, o queijo fresco da cabra malhadinha, a sopa fumegava, perfumada de unto fresco.
O tempo escorria das telhas onduladas ao compasso da chuva vagarosa.
Com a graça de Deus o dia que encheu devagar as horas daquele outro tempo,
Deu a todos aquela união vagarosa, desse tempo simples, onde era invulgar gastar demais essa palavra curta e imensa.
Era vagarosamente que todos os gestos eram amor, esse amor que se não esvaía no tempo.
Conta-se pois! Que nesse tempo o tempo não corria apressado...

Augusta Maria Gonçalves
















12-09-2018 


O Rei do afeto.

Era uma vez um tesouro,
Por vezes por descobrir,
Valia o peso do mundo em ouro
E que outro quisesse vir.

Sabes o quão és protegido,
Não escondas teu valor.
Se lá bom para contigo,
Dá aos carentes teu amor.

O coração te esconde,
No seu cantinho predileto,
És Rainha, Princesa, Princepe e até Conde!
Amor és o Rei do afeto!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 

 Era uma vez a saúde e a alegria, decidiram dar ambas à costa num veleiro de fantasia, quiseram ver qual das duas era a primordial, mas ambas acabaram por se dar mal, tiveram uns repeniques pois acharam ser uma mais importante que a outra, mas chegaram os abanicos e recomeçaram a caminhar com fanicos pelo meio, veio então a alegria acudir em sintonia às afrontas da saúde, que apenas desperdiçou mais um pouco de atitude e seu receio.
Caminharam de novo agora sim lado a lado e cruzaram-se com a voz do povo enfadonha e malévola como só elas ouviam, chamaram-nas à razão pois entendiam que a ambas queriam, mas uma dizia melhor da saúde outra preferia a alegria, mas no final das contas ambas estavam em sintonia.
Eis que chega a cotovia dando seu pio de dor, mais um ia ser chamado pelo criador. Mas que agonia era a morte contada com tanta dor, a alegria tremia desesperada não conseguiu chegar a tempo chegar de a dor entravar.
Mas a saúde também entristeceu de infeliz, por não ter tido atitude e a morte travar de raiz. Ambas tão desconsoladas choravam de infelicidade, por não terem o poder de apagar as dores do mundo com a sua caridade.
Embora fossem poderosas, não podiam valer mais aos que nelas depositaram seus sentimentos reais.
Foram tão fustigadas e desoladoramente insultadas, que partiram em busca de outras predestinas.
Encontraram a fada madrinha que trazia o afilhado com a sua cadeirinha de espectador interessado, mas nas graças dos que partem para o outro lado do mundo e mais além, metricamente sustentável, sempre em busca do bem, encontraram a virtude comungando felicidade e assim a sua saúde virou de novo alegria e saudade daqueles dias de grande festividade.
Ambas foram a reboque em cavalos voadores onde de asas voaram entre nuvens de algodão pelos encantos do céu entre anjos de gratidão.
Afinal nem tudo se perdeu, a saúde e a alegria brindaram a fantasia de ver os anjos no céu, em grandes bandos soltos de uma felicidade imensa, voaram uns e outros na saúde e na doença.

Lurdes Bernardo




Era uma vez
Uma folha branca
Imaculada
Seduz-me a sua frescura
Adoro-a
Parece mesmo que me chama
Faz gestos e acenos
Já sei o que vou fazer
Bem no centro da folha
Escrevo um título
Depois…
Vou deixando que as palavras
Fluam lentamente
Ideias não me faltam
Puxo o fio da imaginação
E deixo-as livres e lestas
Para contarem aquela história
De uma menina que foi tão feliz
Tinha um lar e muitos mimos
Brincava na rua com os amigos
Calcorreava ruelas e becos
Chegava a casa cansada
Ia dormir e sonhar
Que era uma princesa encantada
A história estava a compor-se
Mas a vida trocou-lhe as voltas
Passou de menina
A mulher e mãe
E entre gargalhadas e lágrimas
Desejos e paixões
O crescupulo ficou preso
Nas suas mãos vazias
Como aquela folha branca
Que se desprendeu dos seus dedos
Flutuou no ar e caiu sobre a mesa
Deixou que as memórias acordassem
E escrevessem este simples, mas belo poema…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 




 Era uma vez:
Dizia-se, que num lugar recondito, havia um reino chamado reino da felicidade.
Contava um velhinho já cansado que em jovem, embarcara num barco à vela... Só porque era um sonho de menino. Foi dali daquele cais, enfunada a vela por um soprar de vento forte. Feliz o jovem desse tempo olhou para a bússola, viu que se dirigia para norte. Ao longe, tão longe montanhas brancas a brilhar ao sol, mas antes uma ilha verdejante se erguia de uma praia de areal fino, debruçado no barco o viajante via através das águas claras pepitas de um brilho sem igual.
Aportou.
Ouviu cantares de gente, risos de criança a entoar.
Água a rumorejar.
Com o arrojo da idade foi por a trilha entre as palmeiras.
Havia no ar um perfume de flores exuberantes. Árvores de pimenta rosa, pendiam em cachosinhos delicados, a cor era como pintura ainda por secar, um rosa que o pintor acabara de inventar. Avistou uma cascata de água em precipício. Mulheres de tez morena e homens nus. Seres pequenos com colares de flores, banhando-se no lago límpido, imerso em luz.
Havia sob o chão mesas de tosca madeira por polir, taças de frutos coloridos, colhidos por ali, para que todos saciassem a voraz sede... os pequenos precisavam tanto de crescer.
O sol entontecido se escondia era poente. O jovem gravou na memória as cores desta visão.
Tomou de regresso a trilha até à praia, desamarrou o barco içou a vela, pediu a deus vento de feição.
Já em alto mar anoiteceu, viu as estrelas mirando-se nas ondas. Já avistava o cais onde partira.
As mãos vazias, os lábios gretados pelo sol e sal.
Mas no peito um conto para contar, desse lugar longinquo,
onde a beleza era um templo e os seres simples sem terem aprendido, sabiam que a maior riqueza era amar em sintonia com a natureza.
Era esse o reino da felicidade.
O narrador desta estória, tinha nos olhar a cor do mar, no rosto e nas mãos as trilhas, os mapas da memória.

Augusta Maria Gonçalves. 





Era uma vez

Um castelo encantado onde nunca ninguém lá viveu e nenhum sentimento foi sentido, nunca um riso se ouviu, nunca um choro lá se sentiu, foi imaginado por fadas de encantar pelo cupido dos cupidos para nele viver os amores sentidos e os amores unidos e os seres de luz e de amor cheios de sonhos de harmonia, paz e bondade- Um dia pelo castelo passaram um homem e uma mulher e ficaram deslumbrados com tanta beleza e do castelo fizeram a sua casa onde eles viveram encantados e enamorados e como se fosse magia tornaram-se rei e rainha daquele castelo cheio de cores bordado. Eles se desejaram , se amaram e se uniram, e de desse amor nasceu uma linda princesa que com seus risos de felicidade o castelo encheu …Ah como eram felizes viviam de sonhos e quimeras e de desejos muito desejados. As madrugadas eram iluminadas pelos raios do sol os beijos e os abraços eram constantes junto com a alegria e os risos daquela linda princesa que crescia como por magia um dia passou um príncipe conversaram e se enamoraram e encantados juntos começaram a escrever poesias cheias de palavras aladas de amor, harmonia e de sabedoria escreviam sobre o amor a amizade a harmonia e no mundo onde a paz e esperança fosse permanente entre todos os povos . As suas palavras eras puras e cheias significados como as cores do arco Íris das flores e dos passarinhos que rodeavam o maravilhoso castelo . No castelo encantado viveram todos unidos rainha e rei a princesa e o príncipe onde juntos viam o nascer e o pôr-do-sol eu com os seus raios brilhantes cheio de magia os iluminavam-
_____________________________________________
Era uma vez um castelo encantado cheio de amor de magia -

Mila Lopes 






 Era uma vez...
uma jovem que deixou de ser menina
achou- se mulher quando
sentiu pela primeira vez a dor...
de uma platônica paixão !

------------------------
Batia o coração descompassado
numa arritmia louca...
só de pensar no seu nome...
ficava de sorriso na boca!

Suas mãos sempre vazias
sem o poder abraçar
coração sempre á espreita
pela esquina de seu olhar!

Deixou o coração sonhar
com ilusão quase loucura
que até a noite mais escura ...
lhe parecia ser, de luar!

Ficou nela uma tristeza
que a todos ouviu dizer
que a sua fresca beleza
ele não parecia merecer!

Há!!! nome suave e doce
não respondeste á chamada
minha alma ficou cansada
de fazer como se fosse!

07-03-18 maria g. 




 Era uma vez, estudante finalista,
namorava uma colega do mesmo ano,
todavia, face à minha timidez e educação
enraizadas, jamais de mão dada andamos
nem um beijo foi procurado.
Certo dia, ela propôs um passeio pela mata
e eu não vislumbrei o intuito,
apenas mais tarde o deduzi.
Findo o passeio ela sugeriu um interregno,
circunstância que me feriu e inquietou,
mas que tomei como definitiva.
O tempo passou com a minha vinda para a faculdade
e, jamais voltei a pensar no assunto.
De regresso, em férias, ao sair do autocarro,
ela me viu e correu para mim de braços abertos,
a cumprimentar e perguntar
se vinha para o baile de Finalistas, do ano.
Respondi afirmativamente e nos olhámos,
durante o seu decurso, nos olhámos, apenas
e o que fora interregno. tornou-se definitivo.
A última vez que a vi foi em vésperas do meu casamento.
No entanto, a história ficou em memória.

José Lopes da Nave. 





 Era uma vez...
Uma vez em que senti que tinha de escrever, escrever e ao mesmo tempo, ser... ser tanta coisa que tive medo de nas palavras me perder, tive medo de não o conseguir fazer, e aí, respirei fundo, abri-me para o Mundo... escrevi o que senti, embrenhei-me em palavras que me saiam da alma num amor profundo e quanto mais eu escrevia, mais calma eu sentia, o medo passou e o livro, tal como um umbrião se gerou. Levou tempo até a cegonha chegar, levou o tempo necessário para o poder editar e ao nascer, chegou-me como um presente, num tudo enlaçado num sonho lindo, o qual consegui realizar. E em toda a natureza que me acolhe, vou levitando com carinho sinto-me que nem um pássaro que voa, que pousa e que procria no seu ninho.
(...)
Vou... vou deambulando por aí,
ora sonhando, ora sorrindo,
ora chorando, nada lamento.
E de todo o que me vai movendo,
é deveras a força do sentimento.

Florinda Dias



 

 05-09-2018
Era uma vez
Uma mulher feita de pedaços
Feita de sonhos e fantasias
De amores e quimeras
De lágrimas e de sorrisos
São detalhes de vida
De que esta mulher é feita
É o que é, o que gosta e não gosta
Feita de impulsos e controvérsias
De lugares esquecidos
De experiências vividas
De momentos e sentimentos
Mulher feita de amor
De solidão e saudade
Irrequieta e sorridente
De noites mal dormidas
De saudades de quem partiu
De promessas por cumprir
De desistências e persistências
De amizades duradouras
De lembranças e memórias
De mágoas e incompreensão
Vai continuar a viver
Aprendendo e esquecendo
Amando e sendo amada
Mulher feita de tudo isto
Até mesmo em pedaços
É simplesmente…Ela…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 




Era Uma Vez...

Um campo enfeitado
de seara de trigo maduro
que o estio amadureceu
e a luz do sol dourou!...

Por entre a sua cor resplandecente
havia matizes de vivas papoilas
e alegres malmequeres
a compor a mais bela tela da natureza
que um artista jamais pintou...

Era tempo de fartura
para as avezinhas
que pela tardinha
vinham saciar sua fome
num alegre banquete
de pequenas sementinhas
deitadas ao chão
pelo agitar do vento
sobre a seara madura
que as foi espalhando
........ com brandura!

2018 - 09- 05 maria g. 




 Era uma vez a humildade, inocente afavel, desnorteava-se de quando em vez por passarem por si mil personagens deste enrredo vida. Quantas vezes Ela se ruburizou, ao fechar a boca para algumas dignas palavras que tinha o mérito e a vontade de dizer. Olhava-se no espelho de água vendo na realidade seus traços delicados daí sua ténue presença. Rodava sobre si, para ver qual a direção mais singela a seguir. Nas trilhas do tempo teve encontros fabulosos com ninhos vazios e jardins desertos. Olhava de olhos semicerrados e logo mil melodias entoavam. Eram sons indeleveis da folha que cai num rodopio. Era a voz dos liquens, que o vento beijava sem pudor. Era a miragem surpreendente de cada entardecer. Era sua sombra humilde, com um braçado de cardos secos, sementes de papoilas,
" chapelinhos conicos a ensimar a s finas hastes "
Seguia o carreiro estreito da vida. Fim de dia, a casa que habitava era circundada por um pequeno jardim. Alguns girassóis entre as macieiras onde havia maças, eram os humildes frutos doces de sembro. Uma cancelinha de canas da india entrançadas e uma cerca de giestas verdes.
Lá dentro perto da casa humilde a porta ladeada de duas pedras brutas de granito, a convidar quem chegasse a sentar. Nas janelas riam duas floreiras de amores perfeitos coloridos.
A humildade olhou de longe a sua casa.
Se sentiu felicissima, riu, aquele riso que nasce no intimo da alma, um riso de felicidade.
Entrou, acendeu o mistico candeeiro, que o sol com seu calor carregava todo o dia.
Colocou na lareira dois paus de pinho mais a flor caída do pinheiro em dia de tormenta.
Ateou o lume, num crepitar de cor a casa se iluminou.
Respirou o perfume do pinho arder, sentou-se a humildade no seu sossego, respirou feliz, sorriu ao recordar tanto de singelo que seus olhos viram. Trauteou uma melodia simples. Pegou no seu papiro antigo, escreveu mais um poema breve, leve e feliz, com toda a humildade que Ela viu pela manhã refletida nas águas claras.
Mas quem terá a felicidade de ter um espelho de águas?
Pois a humildade era já muito antiga, só confiava nesse espelho de águas claras.

Augusta Maria Gonçalves. 





 Era uma vez ...
Uma cantiga,
Brejeira e atrevida
Que andava de boca em boca
Num rodopio
A bailar pelos terreiros,
Entre abraços disfarçados
E beijos roubados
Apetecidos e cobiçados
Com sabor
A amor
E a maçã camoesa ,
Saboreados na certeza
De serem tão desejados ;
Ali mesmo ao luar,
Ou à luz duma candeia
Na maior eira do lugar !
E ao som das concertinas
As guapas moçoilas
De saias com fitas,
Avental de chita
E lenço enramado,
Bailavam
Com esbeltos rapagões
Que lhes murmuravam
A tal cantiga
E lhes roubavam os corações! ...
...E era um tal derriço
Um alvoroço no peito
Com a saudade sempre à espreita,
Como se fosse um feitiço!
Era um amor tamanho e louco
Que sabia sempre a pouco...
E ficava a morar no peito
Ansioso
Por se dar por inteiro ...

...Na antiga igrejinha ,
Num dia de sol e de luz
Uma toalha de renda
No altar
E rosas brancas
Aos pés de Jesus !
E ali estavam os dois
Entre lágrimas e sorrisos
A perpetuar o sonho:
Casar !!!
Já não era um amor louco
Era uma história verdadeira
Onde o Amor
Se vinha selar,
Consagrar,
Para uma vida inteira !

M. de Lurdes Campos 





Ausência

Era uma vez a ausência,
Que nunca estava presente.
Fazia-o com tal insistência,
Mas queria ser diferente!

Ausentava-se da vida ,
Se esta não lhe corria de feição!
Ficava de cabeça perdida,
E a tudo dizia que não!

Ausentava-se do amor,
Também não o procurava,
Não queria sentir dor,
E pouco ela falava.

Mas chegou o dia presente,
O tempo lhe disse: Basta!
Que ganhas tu em viver ausente?
Se ninguém de ti se afasta!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 





Era uma vez...

Num país todo encantado
O livro criou floresta
Nele se fez festa
Garças iam chegando.

Flores em pétalas de poesia
Enquanto o pobre pelicano
Ficava sozinho cochilava
A natureza aplaudida..

E do céu outros chegavam
Enquanto o sol clareou
Em nuvens de algodão
O pelicano acordou...

Irá Rodrigues.. 




Era uma vez... Num certo dia

Surgiu uma bola de sabão
no cume de uma montanha
Uma bela visão
de uma beleza tamanha.

Passa o vento ligeiro
e dá-lhe boleia.
Traquinas e sobranceiro
larga-a numa eira.

Um duende atarracado
apanha-a com jeitinho
Leva-a pelo prado
até a um riachozinho.

A água curiosa
espreita por cima dos seixos
De transparência majestosa
enche a bola de frescos beijos.

A bola de sabão
fica enternecida
Entregando-se com paixão
dando à agua cor e vida.

Logo um arcos íris
das águas despontou
Formando um belo arco
que no tempo perdurou.

Do cume da montanha
viam-se belas cores
De uma beleza tamanha
quais Perfeitos Amores.

Sempre que a chuva, teima em cair,
beijando o sol a preceito
Vê-se no céu a surgir
um arco íris, de arco perfeito.

Um amor para toda a vida
entre a água e a bola de sabão
Espalhando cor e magia
dando ao mundo, um novo coração.

Autora: Fátima Andrade 




 Era uma vez
Num reino
Bem distante...
Lá longe
Onde o sol nasce
E ...a lua também
Vivia
Uma bela princesa
No seu reino
Belo florido...de sonho
Sonho sonhado
De ...conto de fadas
Fadada
...não se sabe bem como
Nem por quem
Vivia feliz
...até que um dia ...
Uma notícia recebeu
Trazida...
Pelo seu mensageiro
...
--Princesa...
Deveis urgentemente
Mandar uma missiva
Escrita
Para um reino ...
Lá bem longe !
...
Ela admirada
Apreensiva...surpreendida
Pergunta
...
--Mas para quem?
Que digo?
Que escrevo?
Mensageiro..
...ele altivo
Seguro de si ...responde :
...
--Somente sei senhora
Que com a resposta tenho de chegar !
...
Ela admirada
Pensativa
Estupefacta ...até ...escreveu
...
Como não sei
Quem és senhor
E ...o que queres de mim
Te mando
BEIJOS
Doces senhor
Recebe os
São meus !

©Rosa Couto





 11-07-2018

 Era noite de lua cheia ,os lobos uivavam em alcateia ,os gatos miam em pleno cio,os cães ladram como se perssentissem que algo estava para acontecer .

Final de Primavera,um calor insuportável e eu por trás da vidraça contemplava o mar ,um turbilhão de pensamentos invadiam o meu bem estar ,queria ir ou apenas ficar ,recuei no tempo e fui até íntimo de mim.
Uma vontade de saciar a sede de ti ,lembrava -me das tuas mãos audazes tocando no meu corpo ,dos teus olhos despindo-me só com o olhar ,os lábios quentes pousando nos meus fazendo uma dança com o nosso linguajar.
Ouço um barulho ,a porta de madeira a ranger ,afinal ali tudo era muito rústico ,passos no soalho velho da casa que aluguei para umas férias pensando esquecer o inesquecível.
Senti um abraço que me sufocou ,parecia que os ossos se iam partir com a força que fizeste ,voltei-me ....Eras tu .
Que fazes aqui neste fim de mundo ?
-Vim atrás da lua cheia,estou ávido de ti

As lágrimas caiam no rosto feito cachoeiras ,não era real ,seria um sonho ?

Mas estás aqui ...adoro esse teu sotaque ,esse ar de menino ,homem.

Esbatida a saudade ,caíram as peças de roupa uma a uma pelo chão ,os seios hirtos esperavam por mais .
Rolamos no chão ,na cama, esfomeados de paixão .
Amanheceu ,saímos rumo ao mar ,a lua se foi .
Enamorada de nós , cúmplice dos amantes ,por breves instantes sorriu brilhante ,agora vemos o sol avermelhado pelos dois contemplado .

Entramos na água ,molhamos os corpos ,despimos o prazer nas ondas que nos enrolam lavando o que restou da noite misteriosa.
Afinal o cio era o nosso

Ouvimos a cotovia... dizer os bons dias

Era uma vez de muitas talvez ....

Anabela Fernandes 





 ERA UMA VEZ
Um poeta louco que dizia.
Não!
Não does a ninguem as coisas de alma.
Iluminuras são nas tuas visões.
Obras inacabadas do teu querer.
Dirás.
Hoje para mim o mar é uma ilha,
Debruada a ouro e rendas...
Dirão!
Pobre como é louco este poeta
É um analfabeto sem visão.
E tu surdo poeta,
Ouves só o mar.
E logo te debruças nas varandas só suspensas.
És por uma nesga de sonho
Um barco a navegar,
Gaivota... Andorinha, mas do mar.
Grita na palavra que és poeta!
Claro!
Te dás a grande loucura de sonhar.
Hoje para mim!
O mar é uma ilha, povoada de estrelas a brilhar.

Augusta Maria Gonçalves 




Hoje veio ao mundo um pequeno ser
Clara será o seu nome ficam a saber
Ainda não pousei os meus olhos nela
Mas que Deus a ilumine como uma estrela !
Que tenha sempre saúde e no rosto um sorriso
Que saiba que a tia está aqui para o que for preciso.
Que cresça feliz e cheia de alegria
E que seja para os pais a luz de cada dia.
Porque ter um bebé nos braços,
Posso vos confirmar
É sorrir, chorar, criar laços
Só possíveis no verbo amar!
Um filho é um amor maior
Um sentimento que não cabe em nós
Transborda do nosso interior
Transforma a nossa voz!
Só quem tem sabe como é
Aquela ligação umbical
É sangue do nosso sangue, nele pomos a nossa fé
Amor como este não há igual....
É isto que os pais vão sentir
E sei que razão me irão dar
Quando verem o pequeno rosto a sorrir
Saberão a verdadeira essência do verbo amar!
Isabel Susana Marouço 




 Era uma vez....

Um coração d'ouro,
tão puro, feito de estrelas e luar...
...elegíaco, sublime...
...sobretudo, feito para amar.
Esculpido com harmonia,
pontilhado de Amor.
Bate forte pela vida,
espalhando vida ao seu redor.
Qual rio correndo intenso,
feito d'ouro, até ao mar!...
Sob o sol poente, tão puro de estrelas e luar.
Nascendo num rio de Amor, numa aguarela de alegria...
Um coração d'ouro nasce, tão puro...
...feito poesia!

Autora: Fátima Andrade 




Era uma vez
Uma árvore secular
Vejo-a da minha janela
Falo com ela todos os dias
Olho os galhos
Daquela velha árvore
Apenas resta a saudade
Amanhece só no seu pranto
Morreram as folhas e as palavras
O sol nasce no meu olhar
Canto uma melodia
A árvore enfraquecida
Olha-me sem forças
Com um olhar triste
Relembro-a
Já foste vigorosa e nova
Mudavas as folhas
A vida crescia aos poucos
Renovavas
Davas fruto
Que se aninhavam no teu ser
Os pássaros poisavam em ti
Libertavam aromas e sorrisos
Humedece o teu olhar
Tens um sorriso murcho
Como tudo tens de morrer
Quando chega o nosso outono
Seguiste sonhos
Eras uma árvore encantada
Refugio dos namorados
Não chores amiga
Renascerás das cinzas
Serás feliz…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 





SONHO DESFEITO
Era uma vez um poeta que sonhava mudar o mundo. O mesmo mundo que já muitos outros tinham sonhado e tentando mudar, sem êxito. Mas ele achava que era capaz de o fazer, imbuído duma demência que todos os poetas têm e que se não a tivessem não seriam poetas. Um dia, reuniu todos os seus poemas e dirigiu-se a uma editora a fim de, com eles, publicar um livro. Mas não seria um livro qualquer. Ele acreditava que esse livro iria viajar pelo mundo inteiro, entrar no coração dos donos do mundo que não são assim tantos, mas que estão espalhados por ele fora, ou pelos seus quatro cantos, embora eu nunca tenha conseguido entender onde é que ele, sendo redondo, os tem. Pois bem, deixou um volumoso maço de papeis ao editor que, com aquele ar intelectual que lhe pareceu que tinha, lhe disse que iria analisar todo esse material e que lhe daria uma resposta dentro de um mês. Lá foi para casa ciente de que tinha dado o primeiro passo para concretizar o maior sonho da sua vida. À medida que os dias iam passando e ansiosamente aguardava pelo veredicto final, que ele julgava que estaria apenas nas mãos do editor, o poeta imaginava todo o enorme poder que o seu livro iria ter sobre as consciências dos donos do mundo e nas transformações que, fruto desse abanar de consciências, se iriam operar num mundo que já não seria para ele, devido à sua avançada idade, mas sim para os seus filhos e netos, a quem nada tinha de bens materiais para deixar. Pensava, inundado por um orgulho desmedido, que se lhes pudesse deixar isso como herança, imortalizaria o seu nome e, no caso de reencarnar num futura geração, o que ele acreditava com toda a força da sua alma, iria encontrar um mundo completamente diferente, onde viver seria tudo aquilo em que acreditava e pelo qual tinha dedicado toda a sua vida a escrever. Passavam já vinte e oito dias da apresentação do seu manuscrito à editora quando recebeu, em carta registada, aquilo que ele presumia ser uma resposta positiva à sua proposta de publicação. Enquanto assinava o registo dos correios, todo ele tremia de emoção, pois estaria ali o passaporte para que o seu enorme sonho viajasse pelo mundo inteiro. Após abrir ansiosamente a carta, deparou-se com a seguinte resposta: “Caro autor. A comissão científica mostrou-se desfavorável quanto à publicação da sua obra por não apresentar qualidade literária. Atenciosamente. O Editor, Gustavo Gonzaga de Gusmão”. Não acreditava no que estava a ler, mas, pouco a pouco, foi caindo na realidade. Na dura e cruel realidade que esta frase representava para si e para aquilo que seria o desmoronar do sonho de toda uma vida. No dia seguinte foi encontrado morto numa valeta da estrada que anteriormente tinha seguido na direcção da editora, com um frasco vazio de pesticida ao seu lado e uma folha de papel que dizia. “Não consegui mudar o mundo, mas mudaram a minha atitude perante a vida. Parto com um sonho desfeito. Fiquem com o mundo podre que vos deixo.”

Albino Teixeira Dias





 04-07-2018

 Era só mais uma vez que escrevia

COM A PONTA DOS DEDOS

Desfolho o livro ainda em branco
Com a ponta dos dedos
Ás vezes cansados de tanto escrever
Pedaços da vida ,sonhos e ilusões
Caminhos onde andei
Estações onde parei
Sem saber q'ual o destino
No comboio que viajei
Fui apenas mais uma passageira
Saio na próxima...Digo eu
Olho para um lado e para o outro
Perdi o sentido ...
O coração palpita sem parar
Ouço o seu grito
Recuo ...Deixo o sítio outrora meu
Foste paixão e mais dura desilusão
Não amor! Sei que não foste
Pensamento meu
Toldou-se a vista
Vieste na crista
Da minha solidão
Eras o predador
Eu a presa, apenas mais uma de tantas
No teu teatro de marionetes

AGORA VOLTO A ESCREVER

Olho em frente ,sigo apressada
Nem sequer estou desanimada
Volto a página
Sonho mais uma vez
Escrevo-te nos versos que componho
Vens sereno q'ual vento norte
Serás minha sorte ?
Leio a sina na palma da tua mão
És a mais doce sensação
Que se agiganta neste mar calmo
Quero saber se serás meu
Talvez um dia ou noutra encarnação
Diz-me sim ...este coração
Delicadamente fecho o livro
Guardo na gaveta
Esperando mais tarde escrever
Nas páginas em branco
O que irá acontecer​...
Se um rio de águas brandas ou o mar em turbulência
Mas sei que sempre irei voltar a escrever
Cada começo ,recomeço porque os dedos obedecem
Aquilo que já conhecem

Anabela Fernandes.





 JUNTOS SEGUIRAM...

Era uma vez a poesia
que o amor queria encontrar
foi pelo mundo à procura
para dele se enamorar.

Andou por todas as esquinas
em montes e vales foi espreitar
olhou as estrelas divinas
procurou até no mar.

Por fim encontrou um poeta
e ouvindo a sua alma a chorar
ali se quedou discreta
para o tentar consolar.

Quis transmitir-lhe alegria
num abraço de emoção
e então descobriu a magia
que havia no seu coração.

Assim o amor encontrou
não mais tinha de procurar
com um poema o encantou
e juntos seguiram a amar...

Aida Maria (Aida Marques) 




 "Um dia"

Era uma vez um dia, no meio dos outros dias...este dia era feito de alegria, sorrisos e magia.
Haviam fadas e querubins, anjos e arcanjos de mocassins... Haviam cavalos alados e um sem número de seres encantados...
Badalavam os sinos, espalhando uma doce melodia, livros eram abertos espalhando magia.
Sereias cantavam um canto hipnotizante.
Todos os seres vibravam com aquele som eletrizante.
Cavaleiros resgatavam princesas aos dragões, dos livros saltavam faíscas e trovões...
Era um dia de alegria, ao abrir um livro!
A magia acontecia, tal como acontece comigo!... Tudo ganha nova vida, nova cor... com as letras dançando ao nosso redor!
E o brilho das crianças, quando uma história se lê!... tão boas bem aventuranças, que nos olhares delas se vê!
É tão sublime este sentir, viver uma história que nos faz chorar e rir!
Era uma vez um dia, no meio de outros dias... Era feito de magia, sorrisos e muitas alegrias.

Autora: Fátima Andrade 




QUIMERAS LATENTES HABITAM A MINHA MEMÓRIA...

Vejo me criança pequena, à sombra pela tardinha
contigo acompanhada, abraçando ambos, aquele tronco
da nossa árvore hoje velhinha
cúmplice de tantas lindas histórias!
Eu de saia curta rodada, vistosa, bem engomada
rindo com alegria maldosa
dos teus calções apertadinhos
dos quais já não se percebia a cor!
Eu... filha única, menina criada com miminhos !
Tu... um dos filhos do meio, para quem sobram sempre os trapinhos
sobre os quais dizem... ficar muito bem...
para quem os recebe não sentir nisso dor!
Tu, olhavas me ...qual princesa
das histórias que ouvi as contar!
Eu, apenas te queria ali, comigo, para contigo brincar!

Ah! Imagens velhinhas
Pejadas de inocência
Que florescem pela tardinha
No assombro da consciência!

2018 maria g. 




Era uma vez um olhar
Que dizia mais num segundo
Que mil palavras ditas
Nessa troca de olhares
Existiam poemas calados
Olhares que pontuavam
Formavam frases de amor
Olhares que rimavam em silêncio
Onde nos queremos perder
O amor começa num olhar
Num sorriso, num beijo
Às vezes cai uma lágrima teimosa
Há olhares que se tocam
Mãos que se beijam
Abraços que entrelaçam o amor
Há olhares que escondem cicatrizes
De saudades e amor perdidos
De palavras vazias, sem sentido
Gosto de olhares sinceros
Como é bom o silêncio de um olhar
Fazemos amor com o olhar
Mas sobretudo com a alma
Olhares, são poesia na vida
Dois olhares que se cruzam
Dois sorrisos que se beijam
Gosto de navegar no teu olhar
Mergulhar na tua poesia
Fazer amor com a magia desse olhar
Visto-me de sorrisos…
Despes-me com o olhar…
Era uma vez…
Olhares que duram a vida inteira…
“BRASA”MAGDA BRAZINHA 




Era uma vez um poema
Que alguém sonhou escrever...
E começou-o sem tema
Sem saber onde ia ter....
Foi juntando as letrinhas
E formou palavras belas
Que em vírgulas e pontos
Pareciam constelações de estrelas.
Uma frase puxou outra
E o poema foi surgindo
Verso a verso, rima a rima
Lentamente foi fluindo....
Quem o escrevia se encantou
Por ele se apaixonou
Mas que poema tão belo
E do nada ele começou
Como água que da fonte brotou
Pedra a pedra fez-se um castelo.
Correram lágrimas, abriram-se sorrisos
As palavras tocaram corações
Porque em certos momentos precisos
Aquele poema despertou emoções!
Era esse o seu objectivo
Sem querer ou querendo para isso foi criado
Para derrubar aquele olhar altivo
Para derreter o coração apaixonado.
E cumpriu-se a profecia por ele traçada
São salgadas e ao mesmo tempo doces
As lágrimas de uma mulher apaixonada
E quem o escreveu sabia o final dessa estrada
Amor se nunca acabado fosses
Mais ninguém escreveria sobre mais nada.
Isabel Susana Marouço 





 ERA UMA VEZ

Era uma vez:
Uma menina.
Não vos assusteis com a verdade.
Tinha rugas no rosto
Olhos de água,
Com salpicos de sal como os do mar.
No peito ondas, rochedos e corais.
Nos lábios palavras soltas e navios.
No coração temporais.
Ondas que fustigavam cais.
Quebravam como estilhaços de cristais,
Feridos os beijos ao naufragarem nas curvas esmorecidas desses lábios.
Pois...
Era uma vez,
Uma mulher que dava ao olhar tanta poesia.
Eram cursos de água a cantar.
Eram margens de flores,
Beijadas pelo luar.
Era o vento na sua voz de afago,
Que lhe dava um beijo a cantar.
Era o sol poente,
Como rosas, que ela via caindo sobre o mar.
Era o segredo das manhãs,
Quando a terra desperta,
A luz a beija.
Era ter a certeza de ver querubins,
Descalcinhos sob a neblinas da manhã.
A recolher graciosamente,
Risos de flores, decorando a rota do dia,
Em estradas de cetim...
Essa menina, é ainda hoje assim.
Quase setenta primaveras,
São suas mãos caricias em poesias de cambraia.
Era uma vez:
Eu sou assim.

Augusta Maria Gonçalves. 





Era uma vez a tristeza!
Nunca ela o quiz ser,
Mas, depois de tanto sofrer,
Passou de alegria a tristeza!

Sempre ,sempre angustiada,
E pelos cantos chorando,
Nem um sorrizinho dando,
Sentia-se abandonada!

Saudade da alegria,
Tinha ela a toda a hora,
Bem se queria ir embora!
E fazer da noite dia!

Foi o tempo que a chamou!
Pois o tempo tudo cura!
Nunca ninguém a procura!
Mas todo o mundo já provou!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 




Eu

Não sei quanto tempo
Eu te procurei
Nem sei de quantas
Vidas eu te conheço
Eu sempre chamei por ti
E numa tarde de primavera
Eu te encontrei
E desde esse momento
Tu foste a minha paixão
Tu és tudo que eu queria
Porque em tudo te conhecia
E desde o primeiro instante
Que te vi foste tu a guiar-me
Sempre a guiar-me
Por novos caminhos
Caminhos de amor e carinho
Caminhos de fé e esperança
Caminhos cheios de luz
Caminhos cheias de palavras
Ditas e sentidas a dois
Esse sentimento continua
No nosso dia a dia
Muitas vezes com percalços
Na nossa vida
Mas a vida é assim mesmo
E nem tudo é um mar de rosas
Muitas vezes vivo horas vazias
Onde ouço vozes de silencio
Mas eu sei que sempre voltas
Para tornar menor a minha solidão
Tu és e serás a minha vida
A minha eterna paixão
A luz que guia o meu caminhar
Vives eternamente no meu coração-

Mila Lopes 





 Estórias de VIDA

Era uma vez!
Pois era...
Uma, duas, ou três!
Era uma vez em que;
eu andava descalça,
e espetava pregos nos pés

Verdade
é verdade não estou a mentir
chorava lágrimas de sangue quando infetavam
e ao hospital tinha que ir.

Quem me dera nesse tempo,
ter uma relva assim,
um livro pra ler
e um belo jardim.

Sim... nesse tempo!
haviam pássaros, escadas e sonhos
livros... se calhar não haviam
ou então não havia acesso;
aos pobres que os queriam.

Sonhos tantos sonhos
vividos em desalentos
Sonhos tantos sonhos
Eu vivi nesse tempos.

Hoje só quero ser feliz
voar que nem Condor
e quero até esquecer
esse tempo de petiz.

Hoje só quero!
Sonhar, amar e sentir Amor.

Florinda Dias





 27-06-2018

 Era uma vez, uma manhã passada no rio, que recordo.
O rio de cor amarela violácea da aurora
matizado ainda de neblina
despertava para a vida
numa sinfonia de cor, espraiando-se,
beijando sequiosamente a areia.
As aves ensaiavam o voo
sobre a tranquilidade das águas
e os barcos esperavam os pescadores
a preparar a faina diária.
As nuvens, ao longe,
resplandeciam sob os auspícios do sol,
espreguiçando-se, ainda.
As árvores abraçavam-se com a brisa matinal
a magnólia acordava o seu colorido róseo
as searas ondulavam harmoniosamente
numa dança sensual
o vale verdejante cantava a vida
enquanto o rio se encaminhava preguiçosamente.
O orvalho dava o último beijo à planície.
O sol acordava e aquecia uma nova vida.

José Lopes da Nave




 "Uma história"

Era uma vez uma história...
Não tinha dono nem memória, andando ao "deus dará"!
Era impertinente e descontente com o seu rumo, contava-se a si própria sem brio e sem prumo.
Sempre inventando, de cada vez que se contava...
...um pontinho aqui outro ali, uma grande salgalhada!
"Eu sou assim! Conto e desconto à minha conveniência e quem não me quiser ouvir...paciência!
Sou uma história, sem dono e sem destino e sei que há muito perdi o "tino"!
E com ou sei razão, conto-me a mim própria, quer queiram quer não!"
Era assim que falava, arrogante e chegando a ser malcriada!
Os que ainda a ouviam, eram poucos e já esses faziam "ouvidos moucos"!... Não estavam para a aturar e ponham-se a assobiar.
A história mal encarada, pregava-lhes um sermão e eis que então, levou um valente safanão do vento que por ali passava, que não gostava nada, da história impertinente e malcriada...
E foi o fim da história, que não tinha dono nem memória, no vento se esfumou e nunca mais dela, ninguém falou!

Vitória, vitória... Acabou-se a história!

Autora: Fátima Andrade 




Era uma vez uma mulher
Tinha por companhia a mais bela poesia
Que se possa sequer imaginar
Elas falavam de tudo um pouco
Da natureza, do mar, da saudade
Semeavam o amor ao vento
Que soprava quase sempre de norte
Plantavam a semente do amor
Nos corações apaixonados
Onde jamais se perderiam
Já não era nova a poetiza
Mas os poetas, não têm idade
Tinha um coração de menina
Alegre, de sorriso franco
Sentia uma alegria ao escrever poesia
Abraçava a Primavera
Amava o Verão, gostava do Inverno
Adorava o seu Outono
De alma bela e sorriso infantil
Pintava o céu de mil cores
Os seus sentimentos eram como nuvens
Tinha um segredo, esta mulher
Um grande amor que a preenchia
Uma família unida e feliz
Deus deu-lhe essas bênçãos
Não sabe até quando
Mas inspiração não lhe falta
Para desvendar a mente e os sentidos
Tem um coração enorme onde cabem todos
Nele mora o amor e a poesia.

“BRASA” MAGDA BRAZINHA 




 Fui em tempos um rouxinol
que cantava de manhã ao sol pôr
e transformava com alegria...
a vida, em Primavera em flor!

Tinha na voz um trinado
que a todos eu encantava
sentia na minha alma o fado
que a cantar também chorava!

Cantava a emoção que sentia
Como se não houvesse outro dia
Soltava a alegria ou a tristeza na voz

Rezava uma oração em prece a cantar
brilhava como a luz do sol ou do luar
hoje choram em mim,as palavras sós!

27-06-18 maria g. 





 ERA UMA VEZ UMA ROSEIRA...

Era uma vez uma roseira
sentia-se triste e sozinha
no meio de urzes e cardos
outra companhia não tinha.

Um dia um vento bravio
arrancou-a pela raiz
levou-a até junto de um rio
e ali a deixou infeliz.

Passou por ali uma menina
que vendo a roseira a levou
e com cuidados e estima
num lindo canteiro a plantou.

Sentiu-se então uma rainha
e lindas rosas brotavam
para encanto da menina
e daqueles que ali passavam.

Se um "vento" nos desconforta
pode parecer negativo
mas afinal o que importa
também pode ser positivo...

Aida Maria (Aida Marques) 




Era uma vez uma criança,
Que nunca o conseguiu ser!
Aquela pequena criança,
Sempre tinha que fazer!

A escola local de estudo,
O campo para trabalhar,
Fazia ela de um tudo,
Pouco tempo restava para brincar.

Doze anos ,foi para a cidade,
Deixando a aldeia para trás,
Embora fosse de pequena idade,
De tanto era capaz!

No silêncio da noite,
As lágrimas por companhia,
Ou isso ou a barriga vazia .
Só queria ela um afoite!

Da família afastada,
Tempos idos era assim.
Criança, agora mulher casada,
E o trabalho não tem fim!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 




 ERA UMA VEZ:
Era...
Um poeta, um homem de temporas grisalhas.
Um homem que trazia nos olhos a luz da poesia.
No coração a melodia cansada de alguns desgostos.

Pois.
Era uma vez:
Repetia muitas palavras nos poemas,
Alindava-as como bailarinas vestidas de tul.
Eram suas palavras sopros de manhãs.
Cantar de rouxinóis,
Falas de coração quando se abraça.
Eram por vezes palavras de saudade,
Outras eram rendas finas de poesia e lágrimas.

No silencio a voz do tempo.
Trazia á memória a poesia sensual.
Pois esse poeta homem a degustava.
A escrevia.

Ser poeta é ter a dita.
De amar e sublimar a dor.
Ser pensamento, grito, beijo, amor.
É ter a voz rouca dada ao poema,
É esconder dentro da poesia
O mar em dias de tormenta.
Esse mar, que ergue a voz.
O poeta sempre escuta no tumulto das ondas.
A palavra única.
Amar.

Augusta Maria Gonçalves. 




A Libelinha e a Abelha

Era uma vez uma libelinha,
De perninhas delgadinhas,
Poisou numa rosa amarela.
Onde estava uma abelhinha,
Ao vê-la tão pequenina
Julgou-se superior a ela.

A abelhinha laborava,
O polo da flor tirava,
Não lhe prestou atenção.
A soberba libelinha,
Abafou a abelhinha,
Que lhe espetou o ferrão.

A convencida libelinha,
Q’era soberba e mazinha,
Voou ao sentir a dor,
Tranquila a abelhinha,
De florinha em florinha,
Continuou o seu labor.

A Libelinha, insensatez…
Mas com uma certa timidez,
Daquele pequeno inseto.
Afirmando com altivez,
Não o quero ver outra vez!
Nem de longe nem de perto!

Adelaide Simões Rosa  





20-06-2018 

 ERA UMA VEZ...

Talvez fosse a hera verde abraçada ao muro.
Onde havia ninhos e festa dos pardais.
Ou talvez a fonte na sombra,
Que ditosa cantava em cada gota,
Ao som melodioso dos canaviais.

Talvez seja eu de quando em vez,
A que se perde neste labirinto.
A que brinda o rasgar do dia.
Como quem bebe um cálice de absinto.

Depois nessa embriaguez.
Assisto com delirio ao bailar sublime do dia despertado.
Á musica impercetivel,
Em cada rasgar de asas.

Espreguiça-se o caudal de água dos meus rios.
Prateadas sedas, ilusão!
São só cristalinas águas.

Há na minha visão tanta beleza.
Que o era uma vez,
Refeito se refaz.
De novos amanheceres.
De quereres iguais.

Um dia direi!
"ERA UMA VEZ"
O dia em que despertou no
MUNDO A PAZ!

Augusta Maria Gonçalves  




Uma alma
Que mais parecia um mapa
Onde se lia a minha vida
Cada caminho percorrido
Cada cicatriz
Cada rasgo do passado
Os meus passos perdidos
Os tropeções que dei
A alegria agridoce
Mas, uma vez…
O coração encontrou a alma
Entre os dois fizeram um pacto
Esconderam as memórias
Recordações dolorosas
Não queriam que sofresse mais
Aliaram-se contra os gumes da vida
Que me deixaram marcas profundas
Guardaram as feridas
Suturaram com o amor
E os meus poemas de marfim
Trilhos de história que fizeram de mim
Aquilo que sou
Plantaram cores do arco-íris
Rosas e violetas
De um jardim só meu
Abriram estradas
Para a vida reescrever
Sonhos, desejos, páginas escritas
Que ainda ninguém leu
Soluços calados, capítulos inacabados
Melodias e fantasias
Lágrimas perdidas na eternidade
Caminhos entrecortados
Que deram esperança á vida
E amor ao coração
Hoje…
A minha alma sorri feliz
E ao amor que me aguarda…
“Era uma vez””
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 





 Na minha juventude, num tempo em que eu não estava,numa boa relação com os livros e o estudo,dedicando grande parte dos meus dias a jogar a bola,meu pai dizia-me com o mordaz humor que o caracterizava!
-"Ó rapaz estuda um bocado! Cheira ao menos, os livros!
Aquelas palavras carregadas de ironia, incomodavam-me sobremaneira! Logo a seguir eu adivinhava a história que se lhe seguia e que nunca esqueci até aos dias de hoje!
Era assim...

-"Consta que em certo
lugar,de uma qualquer aldeia deste país, havia um jovem, que primava pela preguiça que o caracterizava e era o tormento dos pais.
Certo dia, o pai após grossa reprimenda ao garoto, que continuava com a sua habitual inação e preguiça, em desespero de causa lhe formula a seguinte pergunta?
- Ó rapaz, afinal o que é que tu queres ser na vida?
O objetivo evidente da pergunta, era a de chamar o rapaz à realidade.
Pasme-se no entanto, com a assertiva e peremptória, resposta do garoto!
-" quero ser lambão "!!
O pai estupefato, com a resposta do jovem, bem argumentou e contra-argumentou da ideia de futuro, que o filho tinha.Todos os seus esforços em dissuadir o filho dessa ideia, foram infrutíferos!O miúdo continuava com a ideia bem aperrada no seu pensamento. E,a cada conselho de dissuasão do pai, a resposta era invariavelmente a mesma.
-" quero ser lambão,meu pai"!
Nada a fazer...

Na aldeia vizinha, havia um homem tão preguiçoso, tão molengão, que era conhecido várias léguas ao redor,pelo mestre dos Lambões!
Foi assim que o pai desesperado, com a relutância do filho em escolher outro futuro, resolveu levar o filho até ao mestre dos Lambões, para que este o preparasse o melhor possível, na escolha que o jovem fizera para a vida.

Chegados,pai e filho à casa do mestre, encontraram-no sentado num banco existente à porta da casa.
-"Boas tardes".
Cumprimentou,o pai do garoto.
E prosseguiu!
-"venho pedir-lhe o grande favor,de ensinar o meu filho a ser um refinado lambão, pois não há quem lhe tire a ideia da cabeça em querer ser lambão " !
O mestre dos Lambões, olhou o petiz de alto a baixo e retorquiu.
-"rapaz, ser lambão já não é um grande futuro. O que há mais agora, são lambões"!
O rapaz respondeu :
-" não me importa, é lambão que eu quero ser "!

Perante,tanta convicção, o mestre,virou-se para o pai e disse-lhe.
-" pronto, deixe ficar o rapaz, que eu vou tentar fazer o melhor "!
E lá ficou o jovem junto do mestre.
Volvidas algumas horas, sem nada fazerem, um e outro, o mestre virou-se para o garoto e disse:- rapaz,vamos dar um passeio para desentorpecer as pernas".

Andaram um pouco pelos caminhos ao redor da aldeia, mas cedo se cansaram e resolveram deitar-se á sombra de uma
figueira, sobranceira ao caminho e ali resolveram bater uma valente sorna,porque estava uma quente tarde de fim de verão.
Eis que em dada altura, cai da figueira um belo figo!
O mestre, virou-se para o garoto e disse.
-" rapaz, deves estar com fome,pois há já algum tempo, que nada comemos!Levanta-te,vai apanhar o figo que caiu e come-o."
Resposta do rapaz!
Ó mestre, apanhe-o vocemecê e meta- mo na boca!

Conto popular de autor desconhecido.
Texto da minha autoria.

Luis Filipe Coimbra-autor 





Era uma vez um amor
Que não chegou a ser vivido
Não se sentiu o calor
Com tintas não foi colorido!
Ficou-se pelo querer
Pelo sonho ou quimera
E o que pediria ser
Saber isso quem me dera....
Era uma vez um olhar
Que brilhava apaixonado
Mas não sabia se amar
Com medo de ser amado.
Ou medo dessa paixão
Pelo outro não ser correspondida
Ou medo da solidão
Ou de colorir a vida!
Tantas razões sem razão
Serviriam para justificar
Esta não entrega á paixão
Este receio de se dar!
Talvez não querendo sofrer
E sofrendo por querer
Esse amor em si viver!
Talvez não querendo ver
Que o coração a bater
Nesse amor se queria perder!
Fechou os olhos e não quis ouvir
O que o coração lhe estava a dizer
Chorou em vez de sorrir
Ao ver o amor florescer!
Cortou-o pela raiz
Sem sequer lhe conhecer a flor
E deixou de ser feliz
Por ter medo á palavra amor!
Isabel Susana Marouço 




 Era cinco da tarde ,Maria descia a rua em passo lento olhando as lojas ,pensando no que iria comprar para o jantar com João .
Um convite inesperado para uma noite diferente no Casino ouvindo Fernando Pereira e as suas imitações que são fabulosas.
Ela queria ir deslumbrante ,estava perto do Chiado e resolveu entrar .Olhou para uma montra e viu um vestido preto debruado em tons de prata ,ombros descobertos ,um tecido acetinado.
Resolveu experimentar ,caiu que nem uma luva ,sorriu para o espelho e saiu da loja com o saco toda intusiasmada.

No sábado ,cerca das 21 horas lá estava João ,muito tímido como sempre ,num fato preto muito elegante ,gravata azul marinho constratava com os seus olhos e cor da pele .

Ele sorriu ao ver Maria tão bela e sedutora,fez um galanteio e saíram rumo ao Estoril.
Chegados ao local ,estacionou o carro e em vez de se dirigirem ao Casino,seguiram rumo à praia .
Maria desconfiada interrogou -o ,ele esboçou um sorriso e com a ponta dos dedos tocou -lhe nos lábios fazendo o gesto para que se cala -se .

Que raio pensava ela ,onde vamos ?

Chegados ao areal estava uma mesa requintada com frutas , champanhe,taças de cristal e dois músicos tocando violino .
Tochas acessas para dar luz e tornar o hambiente mais sedutor .
Era uma tenda enfeitada como só nos filmes Maria viu ,não sabia o que pensar ou se até estava a sonhar .

Que surpresa aquela !

João puxou-a para si e beijou -a loucamente.
A música tocava e tudo aquilo era mágico ,o luar esplendoroso convidava ao Amor e o seu Sol não era envergonhado apenas não tinha encontrado até então uma estrela que o fizesse brilhar e ter de novo vontade de Amar .

Anabela Fernandes 





Era uma vez o Sr perfeito,
Sempre dado a perfeição,
Criticava o seu irmão,
Por ele não ser perfeito!

A vida nos põe a prova,
Quer que lhe demos nosso melhor!
Mas o perfeito se julga o maior!
E o imperfeito só lhe estorba!

O perfeito quer porque quer
Quer ser melhor que eu ,
Mas para alcançar o céu,
Não é para um qualquer!

Sabes, na imperfeição,
Há valores a considerar,
É só o devido valor lhe dar!
E passa ser perfeição!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 




 Era uma vez uma menina
Que não conhecia a cidade,
Nem sabia que existia
No mundo tanta maldade.
Ah...mas essa menina alegria,
Contagiada pela verdade,
Vivia na harmonia,
No campo em liberdade.
Nos dias de ventania,
De braços abertos sonhava,
Cantava com os passarinhos
E com as flores falava.
Com a boneca brincava,
Uma apenas ela tinha,
Era de trapos de pano,
Feita pela sua mãezinha.
Até que chegou o dia,
Dia que tanto sonhou:
Ter a linda bonequinha...
A mãe na feira a comprou.
Era tanta a felicidade,
Com a boneca em seus braços,
Brincava até ser dia
E não sentia cansaço.
Foi crescendo essa menina,
No campo, à beira da serra,
Na tranquilidade divina,
Sentindo o aroma da terra.
O campo enriqueceu
Os seus conhecimentos.
Da vida animal conheceu
As formas de nascimento.
Viu borreguinhos a nascer,
Porquinhos e coelhinhos
Viu a sair dos ovos
Os fofinhos pintainhos.
Os ninhos dos passarinhos,
Escondidos na ramagem
Dos sobreiros das azinheiras
Que do Alentejo são imagem.
Viu a matança do porco,
Queijo também viu fazer,
O pão que a mãe amassava
No forno o via a cozer.
Viu árvores de fruto floridas,
Para a flor o fruto dar,
Acompanhava o seu crescimento,
Ansiosa de com eles se deliciar.
Cantava no laranjal
E de cima das figueiras,
Dos pessegueiros e damasqueiros,
Macieiras e romaneiras.
O dia era pequeno
Para tanta brincadeira...
Cresceu, fez-se mulher,
Espontânea à sua maneira
Que respeita a liberdade...
Alentejana de essência verdadeira.

Adelaide Simões Rosa






13-06-2018 

 TRIBUTO À EFEMÉRIDE DOS 130 ANOS DO NASCIMENTO DE FERNANDO PESSOA

ERA UMA VEZ... UM POETA...

Era uma vez um poeta
orgulho de ser português
escrever era a sua meta
grande obra poética fez.

Personalidade diferente
da do comum dos mortais
o mundo enfrentou de frente
nos seus versos tão reais.

Da sua alma inquieta
brotaram lindos poemas
obra que a todos afecta
pelos seus variados temas.

Era uma vez um poeta
que em outros se transformou
foi ao seu tempo um profeta
riqueza que nos deixou.

Era uma vez um poeta
seus cânticos o povo entoa
era uma vez um poeta
seu nome Fernando Pessoa.

Aida Maria (Aida Marques) 




Bendita sejas alegria.

Era uma vez a alegria,
Gostava ela de viver feliz.
Aproveitava o dia a dia,
Como se fosse aprendiz.

De quando em vez uma lágrima,
Brotava de seu olhar,
Logo afastava a mágoa,
Cantando a canção de amar.

Esvoaçava de flor em flor,
Beijando tudo é todos.
Transmitido seu amor.
Sempre teve doces modos.

E sorria com o sol,
Com as nuvens era nostalgia!
Vive ela como o girassol.
Bendita sejas tu alegria!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 




 Era Uma Vez
Uma história vezes três
Eram umas lindas meninas
Ladinas
Que inspiravam beleza da Natureza
E expiravam Amor
Como do sol o fulgor
Sorriam como as estrelas
Mais belas
Tinham a graça perfeita
Daquela que não se enjeita
Uma outra menina bela
Viu-as da sua janela
Pode parecer incrível,
Mas era menina invisível
O coração lhe saltou
Da sua janela pulou
E juntou-se às três meninas
E as quatro brincaram ladinas
Segredou a invisível
Incrível
Ao ouvido das três meninas
O seu enorme segredo
Ao invés de terem medo
Usaram a imaginação
Em roda deram a mão
Deixando entre elas um espaço
Como abraço
Sentiram-se mais completas
Brincado bem mais abertas
O segredo é aceitar
Mesmo quem se não possa olhar!

Maria Clara Lopes





Era uma vez um santo
Dos animais protector
Popular e com encanto
Também abençoa o amor!
Falo de Santo António
O Santo casamenteiro
Que dos três Santos populares
É o que se festeja primeiro !
Em Lisboa saem as marchas
Os noivos casam na sé
A noite costuma ser longa
Para quem tem e não tem fé!
É ver as sardinhas assadas
Ali a pingar no pão
Arraiais e arruadas
Com arco e com balão.
Em Lisboa a festa é rija
E noutros sítios por aí
A dançar no bailarico
Toda a gente sorri!
O meu rico Santo António
Sede nosso protector
Que nunca nos falte alegria
Saúde, paz e amor!
Isabel Susana Marouço 




 Era uma vez...UM DIA
Um dia_______________visitei o mar, para me transmitir sua magia e senti-lo no meu corpo desnudo, o seu fascínio, perante o firmamento, em busca do meu Eu,em poções mágicas, que me transmitam à alma________________Um dia_________que o sol com seus raios me beije no rosto, na ausência do meu amor_____
transmitindo o calor dos seus beijos____________O odor da sua pele macia___________________sentindo de novo renascer____
Um dia_________________que veja cavalos à solta na areia da praia_______________com loucura desenfreada, cascos a bater
com ânsia de futuro já passado___________voando ao vento com
narinas fumando e gotas de suor__________________________
Um dia___________Que seja acariciada, o amor viva em mim
Que tu estejas a meu lado, com calma, harmonizes meu corpo
afagues meu peito no mimo do teu encanto!...

Rosete Candado 






ERA UMA VEZ O MAR
Mar de encanto
Mar de espanto
Sereno ou trovejante
Onde eu gosto
De enterrar os pés na areia
Senti-la suave e fria
Fazer cócegas nos pés
Misteriosa e sensual
Dona de fantasias
Quando ama o seu mar
Se enrola no seu marear
Subo a rampa de madeira
Olho o horizonte profundo
Gosto de acordar de manhã
E percorrer este areal
Em paz e sossego
Caminhos esquecidos
Recantos e segredos
Vou leve como se flutuasse
Tem magia este mar
Faz-me sonhar
Enfeitiça-me com o seu marulhar
Hoje tem uma leve neblina
Como se fosse um véu
Por ele passam raios de sol
Lindos e faiscantes
Deixo que a aragem me gele o rosto
Gosto de ti assim… Meu mar…
Frio e soberbo
Terno no amanhecer
És um lençol de amor
Meu terno e doce mar…
Era uma vez
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 




 Um dia ....o sol não nasceu para mim!
Pairavam sobre o meu céu, algumas nuvens, trazidas por ventos de mares bravios onde cheias de suas águas tombaram, caindo sem dor, no meu jardim!
Logo a tristeza de mim se apoderou e só solidão em mim ficou! Foram dias onde o sol não brilhou!
Foram longos esses dias que com o passar do tempo, esse tempo por si só terminou !
Hoje, abro sempre as janelas de par em par para ver nascer o sol, mesmo que ele se negue a brilhar....eu sei que ele lá estará por detrás de alguma nuvem, há espera de poder de novo raiar!

13-06-18 maria g. 




 Era uma vez uma flor
Era uma vez uma história
Que nos fica na memória
Por ser a história de amor
Sem sofrimento nem dor
Mas que teve a sua glória
Por ela cantar vitória
Por não ser amor menor
Trazido pelo calor
Nem de paixão provisória

Era flor de Primavera
Linda fresca e perfumada
No jardim, a mais amada
Das flores da nossa esfera...
Por quem todo o cravo espera
Para fazer flor casada
Em jarra de cor dourada
Na sala de chão de cera...
Por isso brilha e se esmera
Num perfumado esplendor....




 Maria Encarnação 





 Era uma vez o SOL que teimava em não aparecer ,escondido atrás das nuvens muito tímido pedia para não se mostrar .
Um dia a nuvem Amélia refilona e atrevida afastou -se e confidenciou com as amigas para que não se juntassem e assim o sol envergonhado teria de se mostrar.

Era Verão ,o dia começou enevoado,a praia quase vazia convidava a passear ...mas faltava os raios de sol .
Perto do meio dia ,as nuvens começaram a dar lugar ao SOL e este brilhava com todo o seu esplendor.
Ele bem queria ficar encoberto mas as nuvens não lhe fizeram a vontade e afastaram -se.

João e Maria estavam sentados no areal ,era o seu primeiro encontro,ao fim de tantos meses de muitas mensagens e telefonemas mas a distância os separava...um do Norte outro do Sul e nunca mais se viam .até ao dia que resolveram ir a dar uma volta .
Praia de Cascais como destino.João fixava os olhos de Maria querendo dizer tanta coisa mas nem sabia por onde começar ,tudo era novo.
Ela olhou o mar ,fixou o sol por de trás dos óculos escuros e pediu uma prece.

Não foram precisas palavras ,tal como sol João tímido sem jeito a beijou segredando ao seu ouvido.
Isto é apenas o começo ...

Anabela Fernandes 




Era uma vez...
Em que o meu sonho era azul,
tinha o tamanho de um horizonte verde,
onde cabiam todos os meus desejos.
Coabitei com uma infância de mil cores,
vestida de certezas e incertezas.
Nunca tive muito...
Mas tive tudo o que me fazia feliz: tive liberdade.
Corri campos, tropecei, caí e levantei...
Li livros que percebi e outros que não,
fiz coisas que voltaria de novo a fazer,
cometi erros que já mais voltaria a cometer.
Imaginei quadros que ficaram por pintar,
pintei alguns esporádicos, de que muito me orgulho.
Era uma vez...
Em que eu acreditava que quando amasse, daria uma estrela ao meu amor.
Hoje eu amo...
E fiz do meu amor uma estrela.

José Maria... Z L







  


 06-06-2018
 Era uma vez um sonho que galgou as margens ,se fez ao mundo q'ual bola de sabão ,leve tão leve que passou despercebido.
O sonho era triste ,surreal,vivia escondido no escuro da noite .Um dia quase por magia se enrolou nas ondas de um fio de cabelo loiro,ganhou asas voou ,se fez gente ... Presente...de menino passou a homem ,de fraco passou resistente e contente foi os tantos sois que não viu nascer.

Mas o sonho queria mais,abraçar a vida ,viver amor ,ser as flores mais bonitas nessa estação Primaveril.
Sem medos partiu à conquista,andou por montes e vales , mares gelados,outros quentes ,andou no deserto e PAROU por fim no Paraíso.

Ali havia cachoeiras de carinho ,nuvens de afectos ,luas de paixão ,rios de emoções, marés de luz, cometas de amor, odores de corpos que se desejam.
Entre os salpicos da chuva o sonho era FELIZ,agora sabia como habitar no coração de alguém.

De sonho passou a realidade pintando a tela que o viu nascer SONHO.

Anabela Fernandes





Há tantas coisas que eu queria
E outras tantas que acontecem sem querer
Às vezes sou raiar do dia
Outras apenas um triste entardecer
Às vezes vivo na fantasia
Outras apenas vivo sem saber...
Aquilo que ontem sentia
Pode não ser o que hoje estou a viver...
Mas às vezes no mesmo dia
Faz sol e de repente começa a chover
E não sei se por magia
O contrário também pode acontecer. ...
Ás vezes o amor contagia
Outras tantas nos faz sofrer
O coração tem esta mania
De de diferentes maneiras bater!
Às vezes a vida desafia
E só temos que deixar acontecer
Outras sei que a alma sorriria
Se lutássemos até conseguir vencer!
Às vezes já não me apetecia
E sinto de novo a vontade florescer
E imaginando aquilo que se seguia
Lentamente outro verso vou escrever
Nem sempre existe alegria
Nem sempre nos nossos olhos está a chover
Nem sempre a mesma melodia
Faz sorrir ou entristecer.
Ás vezes não sei se conseguiria
Mas também tem alguma força o querer
E alguma lição se aprenderia
Até com o que nos fazem sofrer....
Porque às vezes no olhar chovia
E um sorriso se via aparecer
E outras enquanto sorria
Por dentro o coração estava a sofrer....
E às vezes a nostalgia
Faz-nos certos momentos reviver...
Mas meu Deus como eu queria
Outros tantos esquecer....
A vida é esta profecia
Imprevista e às vezes dura de roer
Mas se fosse a ti vivia
E seja o que tiver que ser!
Isabel Susana Marouço 




 "Era uma vez.... viver"

 Era uma vez um coração, triste e solitário.
Que vivia a sua vida toda virada ao contrário
Não tinha amor, dedicação carinho e ternura
Para ele era sempre noite chuvosa e escura

Quis a sorte um dia por casualidade encontrar
Aquele a quem feliz e contente se iria entregar
Desnudou-se- e amou como jamais tinha amado
Tudo luzia brilhava e resplandecia para o seu lado

Iludiu-se, sonhou de entre vidas partilhadas ser único
Mas eis que veio uma rajada de ventania desvairada
Tudo leva pela frente, sucumbiu desfalecido na estrada

Esbaforido, ferido, infeliz e traído no seu amor próprio
Esqueceu-se que ninguém é nosso, tudo vai de abanico
Somos passageiros na terra, nunca pensem o contrário.

//... M.aria I.sabel M.achadinho 




Era uma vez uma mulher feliz
Tinha o que melhor que se pode ter
Uma mãe coragem
Uma supermãe
Tudo acabou quando ela partiu
Dói deixar para trás uma vida
A casa onde nasci
E nasceram dois dos meus filhos
Mas quem lá vivia partiu
Há um tempo atrás.
Chegou a hora da despedida
Ficaram tantas coisas por dizer
Frases no peito, perdidas numa gaveta
Sufocadas
Baralhadas
Junto com elas
Sonhos e memórias
Desse teu amor incondicional
Dessa tua entrega total
Às vezes recebendo tão pouco em troca
Estou a mandar embora
O que não presta
A guardar o que me comove
Tinhas tantas recordações
Mas Mãe, partiste
Tenho de ir embora
Fechar a porta e não voltar mais
Já nada me prende aqui
Estou cansada de ter saudades
Chegou a hora de tomar outro rumo
Para trás ficou a infância
A adolescência
Tudo o que aqui vivi e sonhei
Esta casa diz-me tanta coisa
Fica aqui
A minha vida, de tudo e nadas
Sei que já não voltas
Despeço-me com um beijo
Saio, as lágrimas caem
Tenho tantas saudades tuas, Mãe…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 




Era uma Vez....
Um recomeçar de novo.

Hoje nasceu em mim a esperança
Sinto me como uma alegre criança
Ainda a madrugada acabara de romper...
Já em mim sentia o sol nascer!

Hoje não sinto o frio da tristeza
Vislumbro da vida toda a beleza
Se a nascente de água pura é distante
Uma gota dela em mim já é bastante!

Hoje soltei a saudade de ti na rua
Assim...já nem me lembro que fui tua
Sinto- me de novo renascer outra vez!

Hoje será então o princípio do fim
Esquecer a dor que existiu em mim
Suspender assim tanta insensatez!

2018 maria g. 





 O dia estava primaveril, convidava-nos a passear
Não pude ficar em casa, sem que fosse ver o mar.
Tinha saudades de sentir o seu cheiro.
Sentir a sua brisa estar bem pertinho dele
Para receber suas carícias e também seu beijo.
Muita gente desfrutava deste dia maravilhoso
Sentados junto ao mar, dando-lhes imenso gozo.
Depois de saciado o meu coração, com sua beleza
Dei um salto ao campo para estar em pleno com a Natureza.
Começam por todo o lado a florir as flores campestres
As mimosas estão já em flor, viçosas, Um amarelo belo.
O cantar dos pássaros se ouve por todo o lado, lindo. Lindo mesmo.
Como é bonito o nosso Planeta… Ainda há quem o queira destruir!
Não pode ser… Temos que fazer alguma coisa! Porque é o que
Realmente temos de bom e belo.
Não poderá ser destruído…
Vim para casa, mais feliz porque, com o pensamento mais limpo
E o coração a transbordar de alegria.
Foi uma tarde linda, passada ao pé do mar e no campo.

Rosete Cansado 




 Era uma vez um coração, triste e solitário.
Que vivia a sua vida toda virada ao contrário
Não tinha amor, dedicação carinho e ternura
Para ele era sempre noite chuvosa e escura

Quis a sorte um dia por casualidade encontrar
Aquele a quem feliz e contente se iria entregar
Desnudou-se- e amou como jamais tinha amado
Tudo luzia brilhava e resplandecia para o seu lado

Iludiu-se, sonhou de entre vidas partilhadas ser único
Mas eis que veio uma rajada de ventania desvairada
Tudo leva pela frente, sucumbiu desfalecido na estrada

Esbaforido, ferido, infeliz e traído no seu amor próprio
Esqueceu-se que ninguém é nosso, tudo vai de abanico
Somos passageiros na terra, nunca pensem o contrário.

//... M.aria I.sabel M.achadinho 





 Era uma vez uma sombra.
Apenas uma sombra.
Vestia o tom das sombras,
Sombreadas da cor do céu.
Esbranquiçada se fosse o céu vestido de nuvens de branco arminho.
Sombra mais definida se o céu azul se adornasse de raios de sol,
Finissimos fios de ouro, joia um trancelim antigo.
Adejava ELA, abraçada ao vento que soprava.
Deslizava pelo muro antigo de pedra assente.
A cada passinho de sol a sombra era refletida.
Desse muro de pedra sem simetria,
Pendiam verduras mimosas.
As heras miudinhas já floridas,
Os musgos floridos num primor.
A delicadeza dos fetos delicados,
Um painel, um quadro real.
Suspenso na idade do muro.
Sem inscrição de começo ou futuro.
Escondia a sombra o rosto.
Dava o olhar embaciado de paixão e amor.
Ao painel pela arte da natureza decorado.
Iludida, que maqueava os traços de dor,
Com que a vida de cinzel e desamor,
O rosto lhe esculpiu,
A vida foi apenas,
Promessa, amanhecer, esperança a reverdecer.
Lágrima no rosto, pedrinha de sal.
Noite sem sombra,
Sol posto, deseperado amanhecer.

Augusta Maria Gonçalves.





Era uma vez um tempo,
Tempo de escacez,
O campo era seu sustento!
Era alimentado de quando em vez!

Um tempo onde tanto amor existia!
Tempo de uma mãe guerreira,
De um tudo ela fazia,
Para juntar a família em volta da lareira!

O tempo da luz de candeia,
Das sombras em todos os cantos,
Tempo de uma casa cheia,
De beijos,afagos e prantos!

Hoje deu-me nostalgia,
Do tempo de minha infância,
Revivi com alegria,
O amor puro em abundância!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana  




 INS(PIRAÇÃO)

Que céu de amor,
e mesmo sem cor
eu vejo o arco-íris
minha visão
é incolor
resta-me a inspiração
talvez sim, talvez não
talvez saia um poema de alma e coração
que imagem, que cofusão
o que vejo que me preste e me chame a atenção
Ah, vejo tanto!
Vejo um labirinto de sentires
Vejo o céu e as nuvens
Vejo um livro aberto
Vejo uma ave em cima dele
Será um Policano?
Ou será engano...!
Vejo um relvado que o quer esconder
e talvez seja aí que não entendo
e me faça surpreender o que é que,
ele está lá a fazer...!
Vejo uma escada pra subir
Mas subrir prá onde;
se não tem lá letras para eu ler
e se for para tirar de lá as aves...!
Elas voam e não me o deixam fazer.
E depois vejo também por lá uma ponte
Ah, sim... Gosto de pontes!
Ah, agora talvez entenda a ponte é para eu passar
e chegar junto daquele linda flor que lá está!
Ah não a vou apanhar não vou somente lá para a cheirar
e depois e depois, passo a ponte, desço a escada
e vou deitar-me naquela relva a olhar o céu...
Vou ver e ouvir os pássaros a chilrear.
(...)
Ah e agora... Agora, vou descansar.

Florinda Dias





30-05-2018

 Seria uma vez ...apenas mais uma em que as noites eram todas iguais ,a mesma rotina ,as mesmas palavras ditas em silêncio,a novela das 21.30 para distrair ...nada de novo.

A varanda do segundo andar já gasta de tantos passos no olhar a luz da lua pensando que ali não pertencia ....queria VOAR ,subir montes e serras ,pisar a areia ,andar descalça à chuva ,soltar amarras.
Um dia sorri abracei um desafio ,quis romper o escuro dar luz aos dias e abracei o SORRISOS....tímida entrei sem saber bem ao que ía.
Soltei a alma em palavras ,tatuei o coração de versos ,dei voz ao sentimento,chorei e sorri com prazer.
Sopraram ventos em tempestade conta a minha vontade ,não desisti ...sorri ..permaneci...forte e alegre.

Partilhei momentos , histórias ,abraços ,poemas ....amizade .

Mas porque estou aqui a falar do passado ?
Se no presente VIVO este sorriso nos SORRISOS...entre vós apenas eu ,mais uma ,tão pequena na escrita ,tão grande em sonhos ,tão amante no amor ,tão frágil às vezes.

Descalço a meia do passado ,calço o sapato do presente ,dou graças finalmente por ter pés ainda para andar nesta minha forma de SORRIR aqui neste cantinho onde se semeiam flores se colhem frutos ,desfolham pétalas de seda em forma de SORRISOS NOSSOS....

As regras são cumpridas a lição aprendida pela mãos da professora ,madre superiora,rainha ,minha fada madrinha Helena Santos .,..gratidão.

Se beijam sois ,se abraçam luas ,somos o mar revolto às vezes manso...POETAS d'alma que não se cansam de sonhar alto....

Anabela Fernandes 





 Um olhar triste sem luz para brilhar
A dor que sofreu lhe tirou a alegria
E escondia essa dor que persistia
Sempre que lhe pedia para falar!

※※※※※※※※※※※※※※※※※※※※※

Os teus olhos contam histórias
Bem presentes no teu olhar
Fazem parte das memórias
Que bem gostarias de apagar!

Os teus olhos nunca mentem
Ainda que queiram disfarçar
Não sabem esconder o que sentem
Mesmo a sorrir estão a chorar!

Os teus olhos meu amor
Não vão poder esquecer
O que recordas com essa dor...
Que ainda te faz sofrer!

※※※※※※※※※※※※※※※※※※※※※※

Os olhos de quem tanto gosto
A sorrir ... fazem me lembrar...
As noites de luar de agosto
E o sol de maio a brilhar!

2905 18 maria g. 




O que é a amizade?

Era uma vez amizade, o que és amizade?
Ser vivo palpável!
Amizade és verdade!
Amizade tão amigável!

Amizade fictícia,
Se não se dá por ela,
Só tem é malícia!
Tanto acreditamos nela!

Amigo que é amigo,
É a toda a hora,
Está sempre contigo!
Não se vai embora!

Se embora for ,
Amigo não é,
Amizade é uma forma de amor!
É verdade ou não é?

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 


 


 Era uma vez.
Aquela mulher, menina.
Tinha ela no peito,
Uma rosa brava
Um amor perfeito.
Nas mãos nada!
No olhar resteas de tempo de esperança que passara.
Só, mas meditava,
Era a voz do silencio companhia.
A voz das aves melodia.
Entregava-se ao sonho, persistia.
Soltava-se o grito.
O peito arfava.
A rosa brava procurava a luz.
Ah! Parecia que a pele rasgava, doía.
Mulher, fortaleza no querer, no amar,
No jeito constante de se dar.
Aprendera a esconder a lágrima no brilho do olhar.
O grito não nascia
O perfume enebriava.
Estonteada de perfume, era jardim,
Floresta verde, na linha do horizonte o mar sem fim.
Cansada por tanta história inacabada.
Descansava no seu medo de já não saber continuar.
A retocar o verbo infinito.
Amar, amar, amar.
Pintando nos lábios o beijo mais bonito.
Tinha os braços livres,
Para todos abraçar.
Ela que a todos dizia,
A vida é essa subida íngreme.
Mas confia.
Escuta!
Resta-te olhar com fantasia.
Isto, repetia.
"Embeleza as pedras gastas
De palavras,de flores a despontar em poesia."

Augusta Maria Gonçalves. 




 Era uma vez, a ouvir-te
no meu desejo de ver-te
de sentir-me assim,
de querer dizer-te
e ser feliz, por pronunciar que te gosto.
Separados, não feches os olhos,
lembra-me, sentir-te-ás,
como ao sorrir para ti
e teu olhar brilhará,
comigo ao lado.
Chegaste, te mostraste,
senti a certeza da nossa vida,
memórias rolam em mim,
o talhe como somos,
as palavras que trocámos,
o que compusemos faz-me acreditar.
Encontro-me aqui,
preciso ouvir e sentir tua voz,
a luz a proteger-me,
até sentir teu colo,
onde encontrarei alegria
e a força que me faz persistir,
a esperança que me faz confiar,
o propósito e vida do meu ser.
Estou sem ti, sinto a tua presença
acalmar a ausência, dar-me sossego,
mas deixas-me sem alento, ao não te ter,
até quando?.
Cada vez mais, me enterneces. e atrais.
És tudo.
Um mar tranquilo.
Morarei junto a ti.

José Lopes da Nave 






Adormeci…Sonhei…
Subi montanhas
Atravessei desertos
Sobrevoei tempestades
Caminhei sobre o mar
Senti-me livre
Liberta de amarras
Como um pássaro
Elevei-me nos céus
Gritei ao vento
A liberdade sentida
Fixei os olhos no horizonte
Dancei com as nuvens
Olhei e vi-te
Lá em baixo muito pequenino
Apetecia-me acariciar-te
Mas estavas tão longe e tão perto
Não consegui
Contornei as nuvens
Encontrei a lua
Estava á espera que o sol se pusesse
Divaguei com as estrelas
Tive a visão
Do dia e da noite
De súbito
Senti uma melancolia
Um silêncio
Acordei do sonho
Dormias a meu lado
Tranquilamente…
Acariciei-te…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 




Era uma vez

Diz-me como está a tua alma
o silêncio
fala-me desde o meu coração
e deixo-me penetrar
no mais profundo do meu ser
e descubro que eu existo
na minha na relação contigo.
O tempo lá fora parou
e deixo-me estar
em silêncio
e encontro-me comigo.
O universo parece
ser um pequeno lugar
sonho com o céu e vejo
uma micropartícula de luz.
_____________*___________

Ah! Meu Deus
quanta vontade eu sinto
de ir mais além e estar contigo!

Direitos de @utor reservados
Mila Lopes 







 ''A LETRA D'UMA CANÇÃO''

Ela abria aquele livro
e numa página à toa.
Degustava o poema que lia,
sentia cada palavra, que a envolvia
e sentia-se a musa de cada tema.
Fechava-o e abria-o novamente,
e quando o poema nada lhe dizia
sentia-se tão diferente e interrogava-se
no porquê desse dilema.
Soberba, e desiludida,
fechava o livro e negava-se a abri-lo outra vez,
deambulava por aí de livro nos braços
e abraçava-o como se tivesse medo de o perder
como se tivesse medo de não ter tempo
e de não conseguir o ler.
Queria degusta-lo e guarda-lo só pra si
amar as letras... E quem o escreveu,
queria todas e qualquer que fosse a edição
e dele... Não queria abrir mão.
Ela sabia que aquele livro não era seu;
mas sabia também!
Que tinha sido a Musa daquela inspiração,
daquele poema,
do que estava escrito naquele livro aberto
das palavras escritas que eram só pra (ela)
eram feitas de magia, eram notas musicais, eram melodia!

e assim (delas) um dia;
se compôs uma linda canção.

Florinda Dias



 


 23-05-2018


 Era uma vez (talvez )

As palavras fluíam como pétalas ao vento,tinha muito para dizer e tu outro tanto para escutares.
O regresso a casa sabi-te bem ,não estavas sozinho como outras noites onde o vazio só é quebrado nos versos de amor que teimas em escrever.
Foi o começo de tudo...o raiar da madrugada com sabor a mel ,o desabrochar de uma flor na Primavera,o fim de uma espera.
Contámos cada segundo até vir aquele abraço que encurtou o espaço e parecia que já nos conhecíamos à séculos .

Eu fui o dinamite que incendeou esse fogo em ti ,tu a partícula do ar que respiramos.
Demos voz às palavras que sentimos e no teu corpo escrevi os mais belos poemas de amor
No meu deslizas-te versos com a ponta dos teus dedos e ao meu ouvido cantavas aquele fado que te levou ao êxtase de prazer.

Nos lençóis amarrotados ,dedilhamos os a acordes como se de uma guitarra se trata-se.
No olhar havia um paraíso a céu aberto.

Mas um dia as nuvens gotejaram lágrimas salgadas,o sol se escondeu atrás da lua e sem dar por isso ,houve de novo um vazio.

Mas hoje lembro daquela praia onde de mãos dadas afirmamos ser amor ...e tu que o vestes de tal encanto sabes que na tua fragilidade escondida nessa armadura,vive em ti a poesia.

Hoje foi o dia que marcou quem se conheceu e se afastou ...quem do cálice bebeu e se embriagou mas quem sabe que as mágoas tudo esquece e certezas são magia ....quando tu mágico fizeres o teu número neste palco e eu sair das cartas q'ual imperatriz ,saberemos os dois que ao Amor nada se contradiz.

Talvez o tempo apenas tenha passado mas fiel guardou quem dele anos esperou até de novo te reencontrar.

Anabela Fernandes




Silêncios que se quebraram
Na solidão da noite
Cheios de desejos
De fantasias e quimeras
Sonhos que foram só isso
O silêncio falava
De voz embargada
A verdade vinha á tona
Com a frágil saudade
Choveram palavras
Pensamentos enlaçados
Mas o encanto do silêncio
Perdurou no momento
Como faróis acesos na madrugada
Vozes imaturas
Quebraram o silêncio
Melodias soaram descompassadas
Mergulharam em gestos de espanto
Renasceram enternecidos
Traços de sentimentos
Reste-as de um passado distante
Embarcados na saudade
Que se perderam na noite louca
Cansaço de quem amou
E quebrou o silêncio
Em versos por conjugar
Em madrugadas para amar
Nas sombras de mais uma noite
Em que os silêncios se quebraram…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 





 "Diferentes e iguais"

Era uma vez, um corvo diferente...
muito inteligente e brincalhão,
mas diferente!
Era branco pois então!
Todo branco, mesmo branquinho...
Parecia uma nuvem de algodão,
quando pelo céu voava!
Ou um rasto de um foguetão,
quando a pressa lhe dava!
Com alguma frequência o confundiam,
com a pomba branca do Sr. Joaquim
Quando davam pelo erro, todos se riam
ficando o corvo todo carmesim!
Por ser diferente, sózinho andava
sendo motivo de piadas e risota
com ele ninguém brincava,
chamando-lhe "cepa torta"!
Houve até um dia, que pedras lhe atiraram!
A diferença, não compreendiam!
Alguns o renegavam
e outros o repeliam!
Mas, a determinada altura
uma menina com paralisia cerebral,
com carinho, acolheu o corvo branco
nascendo uma amizade sem igual!
A menina, que até então, sentia-se sozinha... por todos era evitada!
Pois a diferença não compreendiam
e a todos, a diferença assustava!
Aquela amizade cresceu
e nunca mais se largaram!
A todos enterneceu
e arrependidos ficaram!
Viram que ser diferente
afinal não é assustador!
Diferente, o é toda a gente,
e o que conta é o amor!
Era uma vez...
um corvo e uma menina...
Tão diferentes que eram
e iguais, no amor que os unia.

Autora: Fátima Andrade 





Juras de amor.

Era uma vez juras de amor,
Verdadeiras , intensas,
A paixão no seu melhor!
Naquele momento assim o pensas!

A paixão ardente é passageira.
Só o amor então ficará,
A alma será sua prisioneira,
E por amor jurará.

Juras, juras e mais juras,
Por vezes a outras juras iguais.
Se a verdade tu apuras,
Essas juras não são leais.

Era uma vez a jura,
Que de jura não passou,
Não foi verdadeira e pura!
De tanto que ela jurou!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 






 ERA UMA VEZ UM ABRAÇO...

Era uma vez um abraço
que quis viajar pelo mundo
seu desejo era encontrar
quem soubesse valorizar
seu significado profundo.

Passou por montes e vales
não houve lugar que escapasse
a todos querendo envolver
e o seu enlace oferecer
a quem dele necessitasse.

Às crianças desprotegidas
ofereceu o seu regaço
e aos que choravam a vida
fez com que fosse esquecida
toda a dor do seu cansaço.

Seu aconchego foi dado
aos que caminhavam sozinhos
sementes de fé semeou
nos corações que alegrou
com seus sonhos renascidos...

Por alguns foi ignorado
e sentiu-se entristecido
mas nunca desanimou
foram mais os que abraçou
a viagem tinha valido...

Aida Maria (Aida Marques) 





ERA UMA VEZ.

Uma menina,
Depois subiu vagarosa os degraus do tempo.
Era um vento em correria,
Deixava que o sol a beijasse.
Dava por si feliz quando passeava na noite estrelada.
O mar desenhava rendas no areal,
Eram melodias de espuma e sal.
A lua vestia o mar de fios de prata.
O ar era taça de perfume de goivos.
Ela deixara no caminho os passos pequeninos de menina.
Tornara-se mulher.
Tinha as mãos prontas a colher flores.
Batia seu coração despertado.
Teve a ousadia de se enamorar das rosas,
Não sabendo nada de espinhos.
Chorou, perdoou, amou, sonhou.
Escreveu num diário o sonho o beijo casto.
O diário sabe tudo aquilo que o tempo acabou por esbater,
As letras desapareceram.
Só que cada poente lhe mostra aquela tarde, o mar o amar, o silêncio
Em que o por do sol foi testemunha do beijo da despedida.
Ele sabia bem beijar, mas amar não foi capaz.
Resume-se tudo e só, a...
Era uma vez!

Augusta Maria Gonçalves 





Era uma vez
uma menina de luz
a cada dia (ela) abria um livro e o lia.
Lia página a página degustava a leitura
revia-se no poema e levitava em candura
deambulava por aí e gritava aos quatros ventos,
que gostava de ti.
Um dia (ela) lia, sentiu um luz... olhou
seriam cristais, ou seriam as cores do arco-íris?
Sentiu que alguém interrompeu a sua leitura e a chamou.
Olhou, não viu ninguém, seria imaginação?
Tornou a olhar e pensou, talvez estivesse a sonhar,
talvez fosse a magia da poesia que a estava a encantar.
talvez fosse um passarinho que passou a voar
talvez fosse tanta coisa que... baralhada;
e sem se concentrar na leitura
o livro fechou.

E o Livro ficou ali fechado
Entre os seus braços
E (ela) o abraçou.

Florinda Dias




 16-05-2018
 ERA UMA VEZ
Ao certo ao certo já não sei.
Foi numa curva do tempo, ai isso foi!
Era uma vez alguém que tinha,
Nas mãos flores imaginárias,
De todos os canteiros que não tinha.
De cores diversas sem perfume,
Flores de papel nascidas de um querer
Que a alma tinha.
Mas um dia quis esse alguém o mar,
O mar largo azul imenso.
Olhou o céu ondas não tinha,
Só aves de asas abertas a voar.
Tristonha por o mar estar longe de alcançar.
Elevou as mãos tapou o rosto.
Dando-se ao choro do desgosto.
Já com lágrimas no rosto,
Deu aos lábios a provar marés de sal.
Na sede de sonho adormeceu.
O mar viu, dando ao areal ondas rendadas.
Louvou a imensidão dessa seda azul em movimento.
Caminhou no areal, molhou os pés.
Traduziu a voz do mar no verbo amar.
Feliz respirou marezia, deixou na areia molhada os passos seus
Apanhou despojos conchas ou tesouros.
Para que depois ao acordar,
Tivesse a ilusão de ter essa azul imensidão.
Talvez.
Um areal de búzios pequeninos, em suas mãos.

Augusta Maria Gonçalves 




 Era uma vez, uma alma sofrida, dorida, quase uma “alma penada”, tudo para ela era dor, sofrimento, noite escura, não existia madrugada, nem dias de Sol, nem de alegria, só tristeza, amargura, nostalgia. Até que um milagre aconteceu, a filha dessa “alma” engravidou, concebeu… e nasceu uma luz pequenina, rosada, assustada e que muito gritava, a “alma” quase ensurdeceu, mas acordou, olhou para aquele pequeno ser indefeso que lhe pareceu que sorriu, abeirou-se e com a pequena mantinha, tapou a criancinha, não fosse ela ter frio, depois, a “alma” também sorriu e sem saber como, a dor, a tristeza, o amargor, o sofrimento e até o lamento, partiram de mansinho, foram levados pelo vento. A “alma” fez as pazes com o corpo, com a vida, esqueceu aquela fase dura, sofrida, tomou a criancinha no colo que desta vez lhe sorriu e logo logo, a “alma” ,o corpo da criança aconchegou, aquele ser pequenino que chegou, trouxe consigo a luz, a cor, a alegria, o amor, a luz do dia e seja lá como for o que aconteceu ali e que vos conto aqui, é que é de enaltecer o grande milagre da Natureza, que é a vida a acontecer.

16-05-2018
Nanda rocha 




 Era uma vez uma menina, sonhadora.
Que ambicionava apenas crescer!
E ter forças gigantescas.
Para o mundo inteiro, conseguir
em seus braços envolver.
Sonhava curar nesse abraço.
As dores de todos os que sofrem,
em silêncio.
Parar as lágrimas que escorrem desalmadamente..
da alma dessa triste gente!
A menina só conhecia..
O que era o amor.
Só cabia no seu peito
doçura e alegria.
Quando se tornou consciente do mundo em seu redor.
Viu ódio, guerras e muita dor.
A menina começou em euforia a chorar.
Seu coração disparou de tanta emoção.
Olhando para seus frágeis e pequenitos braços ..
que suportava.
E se deu conta que nem pra ela se abraçar,chegava!
E num gesto de pura inocência
e de muito amor.
Olhou para o céu ,
cheio de cor.
E pediu a Deus que lhe permitisse rapidamente crescer.
Para parar todo os males
de quem estava a sofrer!
E esperou..esperou..
até que o cansaço a venceu
E a menina ,adormeceu!!!

by Tania Lourenço 




 "Vontade"

Era uma vez a vontade
Que pelo caminho se perdeu.
Vontade não tinha de encontrar,
O caminho do céu.
Então, num canto ficava encolhida
Só e entrestecida
Não tinha vontade para nada,
nem para sorrir
Ficava para ali deitada
Até o sol se ir.
Não se penteava
Nem se olhava ao espelho
De brilho, achava que não tinha nada
Achando-se um empecilho.
Andava cabisbaixa
Sem eira nem beira
Não "arreganhava a taxa"
De qualquer maneira.
Ia perdendo a alegria
E o pouco da sua vaidade
Definhando a cada dia
Andava assim a vontade.
Por mais que tentasse
Desse fosso, não conseguia sair
Encolhendo-se cada vez mais
Com vontade de sumir.
E a vontade assim andava
Encolhida, entristecida
À espera que um dia
Ter vontade, de ser alegria.

Autora: Fátima Andrade 





Era uma vez, uma noite e dois amantes apaixonados.
Já adormeceram no céu todas as estrelas, a lua esconde-se envergonhada
Sobre a areia prateada vagueiam os sonhos perdidos na noite serena
Sonhos feitos de ternuras, paixões, desamparos, renuncia, e saudade
Dás-me a mão, sinto o palpitar na minha, suada de amor, sem medo
Assim unidos, procuramos as marcas dos nossos passos na areia inquieta,
Vamos caminhando lado a lado, deixando para trás angústias do passado
Encontramos o nosso refúgio secreto na nossa praia encantada e mágica.
É um amor fora do tempo e do espaço, saboreamos este momento único
Adormecemos depois, deixando que a lua nos espreite maliciosa e nua.
Sinto o teu sabor quente em mim, sonhos sempre sonhados e amados
Contemplo-te acordada e tremente, és o meu porto de luz, acendes a vida
Não existem espaços vazios, preenches as lacunas, as brechas perdidas
Sinto o vento agreste no meu rosto, aconchego o meu corpo nu em ti
Nuvens dançando no firmamento completam esta noite fria e quente
Teus olhos se abrem carregados de mistério e desejo, abraças-me forte
Sinto em mim o esvoaçar do teu sorriso, a tua boca inquietante e louca
Oculto o rosto na sombra da tua pele, beijo o brilho do teu olhar cintilante
O nosso amor não tem ontem nem amanhã, tem presente e futuro
O sol desponta envergonhado do nosso amor, aquece a nossa manhã doce
Sinto a poesia vibrar dentro de mim, sinto a vida despontar em cada dia
Sei que te vou amar sempre…Obrigada…
Era uma vez o amor…
“BRASA”MAGDA BRAZINHA 





 Era uma vez ....apenas uma .

Atrás das portas do meu quintal ,passeavas absorvido nos teus pensamentos.Na mochila guardavas os sonhos ,no olhar a busca de tudo ,no silêncio a saudade de outras Eras .

Carregavas o peso nos ombros de quem foi e nada é,de soslaio sais de mansinho sempre que a corda aperta.
Nunca entendi o teu pensar ,muito menos o coração ,tão pouco as palavras que ludibrias como se fossem marionetas .Talvez não seja coisa certa ou eu esteja atordoada e nada entenda .

Mas do meu quintal florido de túlipas, malmequeres e girassóis sinto -me amante ,rainha, nesta sina que o destino marcou ou apenas seja um simples acaso,mas tu sabes que eu não acredito em coincidências ...e um dia tu Bonvivan cruzas-te o meu caminho ...fomos um décimo do que poderíamos ter sido...um começo sem princípio de nada ...mas aqui neste meu pedaço do meu mundo continuo a ver-te passar ,meio vagabundo escondido atrás do sol.

Relembro os desejos entre os beijos que trocámos ,o roçar da tua perna na minha coxa ,a língua tão gulosa que mais queria ,o joelho que tremia ao tocar da tua mão ...será ? Ou simplesmente sonhei o sonho teu .

Não sou Joana nem Maria apenas Bela e se um dia me quiseres na tua tela vem pintar o desenho que um dia começas-te ....

Anabela Fernandes 





 Era uma vez um desfilar de versos ....
por uma insinuosa linha descrita...
entre uma vírgula e um ponto final.
Sem muito ser dito mas fazendo se adivinhar...
entre os espaços em branco deixados.
Apenas alguns versos onde cabe toda uma vida...
sem ser colorida e onde o futuro não tem lugar.
Entre a pausa da vírgula que separa a travessia ...
do querer dizer e o ponto final ...
existe o desapego...
de um viver imperfeito sem direito...
a reclamar!

16-05-18 maria g. 





 O TOQUE DO SINO...
Era uma vez um velho relógio montado na torre da igreja de uma Aldeia. Quem o olhasse via sempre a mesma hora marcada pois há muitos anos mantinha os seus ponteiros parados. Numa noite de forte temporal fora por um raio atingido e nunca mais as suas rodas dentadas conseguiram trabalhar. Dizia o povo, levado pela sua crença e uma certa superstição, que ele só voltaria a dar horas quando houvesse um milagre. E assim foram passando os anos e as gentes da Aldeia já quase tinham esquecido as suas premonições... Até que um dia... Uma fortíssima tempestade de ventos ciclónicos e chuvas torrenciais começaram a inundar a Aldeia. O povo foi obrigado a refugiar-se na igreja que estando num alto, escapou à grande inundação que atingiu todas as ruas e casas. Ali passaram alguns dias e noites sem se atreverem a descer o monte, cientes que seriam levados pelas águas do rio que entretanto aumentara o seu caudal. Pela manhã do quarto dia soa de rompante um som que todos se tinham desabituado de ouvir... o Sino tocava de novo!! Todos saíram pra rua em grande alvoroço, para constatarem que as águas tinham descido o seu nível e portanto podiam voltar à sua querida Aldeia e às suas casas, em segurança. O "milagre" acontecera, todas as pessoas se tinham salvado...
E desde esse dia, o relógio do sino da igreja nunca mais parou de dar horas...!
(Conto de Ficção)

Aida Maria (Aida Marques)




09-05-2018 
 Era uma vez o João ,José ,Paulo tantos pseudônimos que até o próprio já lhe perdeu a conta ,tinha a fantasia na mente e a esperança no olhar.

Teimava escrever sem parar ,dominando as palavras como se fossem pérolas de um simples colar.
Doce,sedutor ,inigmático um perfeito artista que se transforma num qualquer palco.
Sorria para si mesmo imaginando o que do outro lado sentiam ao ler os seus contos ,momentos , pensamentos e muito mais .

Não tinha musa ,seriam todas aquelas que lhe despertavam um desejo de viver naquele espaço,segundo,minutos onde a poesia se veste na ilusão do poeta .

Mas um dia ....naquele dia ,ele próprio soube que chegou a VEZ de VIVER talvez sem imaginação ,cair na realidade,despir os tantos personagens e ser apenas UM.

O corpo fervilhava de desejo ,os olhos continham as lágrimas de emoção ,os ouvidos escutavam a voz lírica que o excitava ,os lábios sequiosos daquele beijo ....Era noite de lua cheia .

Chegou a hora de não mais viver a vida alheia ....VEM

Anabela Fernandes 






Adolescência.

Era uma vez, dedos emancipados!
A adolescência mundo novo,
Procurando namorados,
O dia a dia absorvo!

A primavera chegou ,
Plena de ilustrações,
A infância ao fim chegou.
Ficaram recordações!

Estou pronta a desfolhar,
Esta rosa de cetim.
A viver o verbo amar,
Tudo é novo para mim!

Em cada pétala inocência,
Ilusões,medo, alegria!
Te viverei adolescência,
Me descobrindo no dia a dia!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 





 Era uma vez...
no mês de Maio, uma florzinha nasceu.
Rechonchuda e fofinha, um milagre do céu!
Os seus olhos, vivos e negros,
pareciam farolins sempre curiosos, perscrutando e absorvendo tudo em seu redor!
Anjos via... Anjos de amor!
E para eles sorria, o seu sorriso maior.
Foi crescendo e então se apercebeu,
que este mundo,
era muito diferente do céu!
Foi do céu que veio, disso tinha a certeza!
Pois era feita de amor e não de malvadeza!
O brilho do seu olhar, começou a desaparecer.
Dando lugar, a um negrume de entristecer.
Quanto mais crescia,
mais se apercebia,
da podridão deste mundo cruel,
com sabor a fel.
Esquecendo-se que tinha vindo do céu,
numa missão de amor...
A esperança perdeu,
de viver, num mundo melhor!
Esta florzinha, que anjos via
e para eles sorria,
foi murchando a cada dia,
sem ter onde se agarrar,
e, um dia, para o céu se pôs a olhar...
...viu anjos descendo, com a sua luz de amor.
Para eles foi correndo, com o seu sorriso maior.
E no mês de Maio,
uma florzinha subiu ao céu,
feita de amor e ternura,
toda ela, renasceu!

Autora: Fátima Andrade 





Era uma vez
Um lugar
Onde dormia a saudade
Existiam silêncios guardados
Conversas seladas
Tantos dias sós
Os olhares desvaneceram
A vida deixou de sorrir
Os olhos beijaram a noite
Os soluços sufocaram
No beiral das madrugadas
Naquele lugar
Os sonhos tinham asas
As mãos penetraram sem medos
Nos sonhos que não são sonhos
Nos segredos escondidos
Nas memórias devassadas
Nos demónios á solta
Ou será a minha mente
Que enlouqueceu de vez
Tem miragens e loucuras
Devaneios e realidades
Não enxerga a verdade
Ou a mentira
Será que estou mesmo louca?
Naquele lugar…
A vida não existe
Há só silêncios e saudade…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 




Era uma vez um sorriso
Que sempre que era preciso
Para mim estava a brilhar...
Tinha a luz do paraíso
Que ilumina sem dar por isso
Só por simplesmente estar.
Esse sorriso era farol
Quer estivesse ou não sol
Para mim era luz e guia
Pois guiava os passos meus
Sem nunca dizer adeus
Quer de noite quer de dia!
Era uma vez um abraço
Que apertava como um laço
Mas nunca para sufocar.
Pois era um abraço terno
Na lembrança sempre eterno
Por ser tão bom de lembrar. .
Um abraço que era abrigo
Sempre doce e protector
Porque ser um abraço sentido
Cheio de ternura e amor!
Era uma vez um beijo
Que encendiava o desejo
E fazia pedir bis
E era grande o mistério
Um verdadeiro caso sério
Para quem queria ser feliz!
Um sorriso, um abraço e um beijinho
Tudo mostras de carinho
De amizade ou de amor
Era uma vez e sempre assim
Tenho eu cá para mim
Se nunca acabado for!
Isabel Susana Marouço 





 Era uma vez
Sonhei com o amor em magia…
Que no seu cavalo alado, montado
Vinha o meu príncipe encantado,
Trazendo o brilho no seu olhar sereno
No coração um amor muito sincero.
Trazia o seu cabelo ao vento era belo e esbelto
Um homem de encantar...
Sou do amor promissora, amar com emoção
Carente de afeição, não podia dizer que não…
A quem por mim fez sacrifício de tanto andar
Trazendo esperança e calor de querer ser amado …
Amar… Não é pecado, mas sim maravilhoso.
Assim, ficamos encantados no espaço e na terra,
Partimos os dois muito abraçados
No olhar a meiguice, na boca um sorriso
No seu cavalo alado, fomos para outro lugar
Com amor e cumplicidade perene
Seremos muito felizes, num tempo feito de amor
Onde a vida é bela sem maldade nem rancor.

Rosete Cansado 





Era uma vez:
Um Maio vestido de brumas perfumadas.
Ah! País meu, quanto do teu sangue novo se perdeu.
Era uma vez, um país menino,
Guerreiro nos genes da gente que o amava.
Eram reis e plebeus, numa luta continua.
Para ganharem esta joia verde á beira mar.
Foi uma vez que se ergueu a voz de quem com orgulho mares cruzou.
Descobriu, evangelizou, trouxe, pimenta, canela, pau santo... ouro.
Era porém este país esmeralda lapidada adornada de mar.
Era uma vez, trigais loiros, gente vergada sobre a terra a grangear.
Homens corajosos em cascas de noz na fauna a labutar.
País de gente afavel,
País de poetas.
Entre brumas, penso onde está esse país, onde tudo cabe dentro de,
" era uma vez "
A liberdade, trouxe-a Abril com sol florido no regaço.
Entuou a flor sem tempo.
Sim passou o tempo.
As searas tornaram-se desertas.
Se foram os homens mundo fora.
Desbravar a vida com as mãos,
Tendo no coração o pássaro triste da saudade.
Décadas se passaram.
As aldeias, cujas casas eram de pedra sobre pedra, dormem no esquecimento.
São dormitórios as ruas das cidades.
Rostos enrrugados, suportes de olhares baços.
Olham a noite, contam as estrelas.
Como artesão que faz colares de estrelas enfiadas em fios de luar.
Será amanhã repetido
" era uma vez "
Um país onde mil luzes se acenderam.
Por a coragem de quem simplesmente cantou,
POSSO AMAR PELOS DOIS.
Repentinamente tudo que era escassez se esqueceu.
Num cenário de deslumbre, tudo se esquece.
Não existem por uns dias camas de cartão.
E desfilam sob soberbo palco...
Países em melodia.
Fogos fátuos neste país, onde a morte da floresta se fez luto.
Tudo passa.
Depois outros contaram, era uma vez.
Quando com simplicidade um jovem cantou docemente.
POSSO AMAR PELOS DOIS.
Foram essas palavras que fizeram deste país, por uns dias.
Fantasia, esquecimento.
AMOR!
Era uma vez,
Um país.
Uma esmeralda lapidada à beira mar.
E nós que o habitamos poetas...
Sem veleiros,
Tanto têm as naus das suas rotas para contar.

Augusta Maria Gonçalves








02-05-2018 
Viagem sonhadora.

Era uma vez uma viagem,
Nasceu pobre e amargurada,
Numa pequena estalagem,
Junto á beira da estrada.

Procurava um caminho,
De etapas felizes.
Que a levasse a bom destino,
Consciente das cicatrizes.

Riqueza não possuía,
Tinha apenas o corpo vestido,
Mas, tantos sonhos trazia,
Cada um com seu sentido.

A viagem sonhadora,
De rotundas, curvas e retas,
É uma vida lutadora!
Que já atingiu muitas metas!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 





 Era uma vez ,uma de tantas que visitava o Porto.Naquele dia de Outubro vi-me perdida no cais da Ribeira,olhava à minha volta procurando uma esplanada onde me senta-se apreciando a linda paisagem ,o rio Douro ,a ponte D.LuIs e os barcos que nele navegam.

Eram três da tarde ,um dia lindo de sol e faltava ainda uma hora para o Zé Manel chegar ,sorri de pensar nele ...como era diferente ,ar de atrevido,sempre a argumentar ...Raios por vezes até me irrita ...Portista sempre a puxar os seus galões...mas excita-me faz -me criar ilusões,andar nas nuvens,falar à lua querer ser sua.

Sentei -me no café Central ,pedi um pingado e um nata.
Veio o empregado muito simpático serviu com bons modos ,agradeci .
Peguei no tablet era hora de continuar a história.

Entre Caminha e Viana alguém se perdeu ,depois se encontrou ,virou a página do livro ...era o tempo preciso para renovar o presente ,esquecer o passado e abraçar o futuro.
Num lugar mais seguro atracou o barco em águas calmas ,mansas e num querer absoluto fez-se a vontade ao coração .Aguarda saber se o seu bem querer...virou o avesso desta vida fusca...e chegará por fim ..numa lua de papel....numa onda mais brava ou num dia de calmaria ....

Simplesmente porque sabe que os opostos também se atraem

Quatro em ponto se deu o encontro rumo a Norte como alguma sorte ainda vou ver
o Sameiro ...o Bom Jesus que me alivie a cruz ,a tua muito mais ...

Caiu a noite cúmplice de nós ....fui chama ardente ,a erupção deste vulcão escondido ...foste a água fresca que apagou o fogo ,com o corpo já rendido caímos soltos na cama de plumas
Tu e eu apenas um desta história sem fim à vista

Anabela Fernandes 





Era uma vez
Uma mulher audaz
Sonhava que amava
E que era amada
Não sabia quem era
Nem de onde vinha
Era…
Mulher ilusão
Mulher paixão
Mulher solidão
Mulher riso
Trazia com ela a alma
E a garra de pássaro livre
Alguém a impedia de voar
Tens de acordar desse sonho
Não te deixes subjugar
Não deixes que te amordacem
Não te deixam sonhar
Não te deixam voar
Sufocam-te o grito na garganta
Mulher lágrima
Caminhas sozinha
Sem amarras e grilhetas
Finge que não os vês
Voa e grita
Varre os céus com a tua garra
És corpo e alma
De pássaro e de mulher
Mulher amante e audaz
Conquista e sê conquistada
Ama até ao limite
Não chores por ninguém
Vive o teu sonho de voar
Acorda …
Voa…
Vai até onde o amor te levar
Sê tudo ou nada
Mulher audaz…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 





 Era uma vez um tempo em que fui feliz e me deixou muita saudade, antes...,muito antes, deste outro que vivo agora!

Nesta etapa da vida pintada com a cor da saudade, há uma ferida em mim que sangra tingindo a minha alma de negro.
Numa súbita viagem ao recôndito do consciente, procuro em tudo o que vivi a sua causa.
Sem saber o que fazia, pensei fazer o melhor, ninguém me ensinou a viver e não me lembro de ter a experiência de outra vida.
Quando se atinge este patamar da vida, em que olhar para baixo nos causa a vertigem da subida da experimentação, onde sem livro nem guião, nos sentimos num trapézio onde balança a nossa fragilidade humana, penso: se hoje voltasse atrás no tempo , certamente ainda não saberia viver , provavelmente cometeria os mesmos erros, mas me sentiria mais preparada para evitar que a vida não me magoasse e me deixasse esta ferida na alma aberta!

02-05-18 maria g. 





Era uma vez..
Um homem
Que a uma mulher amava,
Tanto, tanto,
Que as palavras
Na sua boca morriam...
E ele escrevia, escrevia,
Poemas, prosas,
Odes, farsas...
E ela lia,
E lia...
Mas também a ela
Lhe morriam as palavras na
boca...
Oh!, cruel destino...
Ele amava-a,
E ela sabia...
Ela amava-o,
Mas ele não sabia...
Ela não escrevia!!!!
E ele sou eu,
E ela és tu!!!!

Luis Lima Coelho. 





 DESA(BAFO)

Porquê que eu escrevo?
Porquê que eu me descrevo?

Sei lá eu desta vontade atroz!
Sei lá eu desta química com as letras!
Sei lá eu se não seria melhor parar!
Sei lá eu se contudo me sinto sem voz!

Sem voz e capacidade para me fazer entender
Sem vontade de continuar a folhear o livro da vida
Sem estatuto de vida para poder estar e ser
Pois... É um caso a pensar.

Um dia vou fechar-me
E tal como o livro aberto
Vou-me fazer levitar folha-a-folha e descartar
Descartar tudo o que não me seduz.

Viver só de luz.

Viver e...
Talvez me deixar levar por aí e procurar o deserto
Fazer de mim ausência, não ficar por perto
Talvez um dia o livro se feche
Talvez um dia eu o deixe

Deixe de folhear
Talvez um dia eu o deixe.

Ou talvez seja só!
A minha tristeza a falar.

Florinda Dias




 25-04-2018

 Naquele tempo...
vívia mos na ignorância
numa absoluta letargia
em que permanecia mos ...
cegos e surdos ...
adormecidos ..
nessa imensa noite ...
sem nunca mais ser dia!

Mas um dia ....os cravos foram bandeira
erguidos em muita mão...
gritou se liberdade!
e Abril fez se canção!

Dançou se a alegria na rua
cantou se a um só voz
rompeu se o medo e o silêncio...
que havia dentro de nós!

Bebedeira de liberdade
ingênua consciência
um povo que vivia de gatas...
de repente pôs se de pé
e... a vertigem não pediu licença !

Esse Abril ficou na distância...
hoje é saudade ...
esse crédito ... de esperança!

25-04-18- maria g. 





 Era uma vez a Liberdade...
Escondida andava,
perdida em cada um de nós!
Por todos ansiada,
não havendo, quem lhe desse voz!
Uma dolorosa constatação,
fazendo correr lágrimas quentes, salgadas, pelos rostos sem esperança.
Corações abandonados, à ditadura e desventurança...
Sonhos proibidos, cortados à nascença.
Pensamentos ressequidos, por tanta prepotência.
O medo, em cada esquina reinava,
em cada lar prosperava, como erva daninha.
Famílias inteiras subjugadas,
a esta tirania.
Mas, a dado momento,
a Liberdade despontou, não mais se escondendo
e as ruas alegrou, com o seu grito salutar!
Saindo de todos nós,
demos um nome à nossa voz...
LIBERDADE!
E de mão em mão,
cravos vermelhos passaram,
símbolo de força e união,
por todos os lados prosperaram.
"Grândola Vila Morena",
ficou para a prosperidade.
Cantada a uma só voz,
até à eternidade.
Viva a Liberdade,
que ela chegue a toda a parte,
restabelecendo a bonança,
levando a todos,
braçadas de esperança.

Era uma vez a Liberdade...

Autora: Fátima Andrade 





 Era uma vez.
Fazem ainda hoje festa as palavras.
Povo liberdade!
Nas cidades cravos e a voz.
Voz em coro de esperança.
Nas florestas em segredo,rumores de água,
Cantares de alma pura em correria.
Nas searas rostos abrazidos pelo sol.
Nas mãos trigo ceifado.
No peito flores campestres.
No olhar voo sem sombra de asas.
Se fez história com as flores da fraternidade.
Sonhos mil a florescer.
Dar a mão e erguer, tantas flores cansadas.
E fomos em liberdade pela noite.
Cantares na voz.
Havia peitos amarrados,
Vozes estranguladas.
Rasgaram-se os peitos num repente.
Eram já tudos flores emancipadas.
Era uma vez,
Tempo de augúrio, dessa esperança que em liberdade.
Deixa que tu e eu tenhamos voz.
O Coração querer e sábia fraternidade.
" se eternizará na memória, era uma vez. "

Augusta Maria Gonçalves. 





O dia da revolução dos cravos
O dia em que a voz voltou
Às gargantas amordaçadas
Fui ver o nascer do sol
Amanheceu ventoso
Sacudi a poeira do tempo
Abri as janelas do mundo
Mandei embora as tempestades
Vi a aurora acordar
Despertei para a realidade
Hoje era um dia diferente
Hoje era o dia da liberdade
Espreitei o mundo em redor
Aqueci as mãos no nascer do dia
Atei os sonhos com os fios da lua
Arremessei os cravos vermelhos
Que nesse dia foram um símbolo
Larguei-os ao vento
Fechei os olhos e deixei-os voar
Molhei os pés
Agarrei nas algas adormecidas
Sozinha sem ninguém
O mundo era meu
E dos capitães de Abril
Que foram os reis da revolução
Abri as asas como as gaivotas
Voei com o amor no olhar
Vi um mundo tão estranho
Perdi-me e encontrei-me
Só o mar e a sua maresia
Provoca este efeito em mim
Ver o sol nascer
Dá-me paz e tranquilidade
Para enfrentar o mundo lá fora
Vesti-me de arco-íris
Pintei o sol no horizonte
De vermelho vivo
Como se fosse um pintor
O sol resplandeceu
Simplesmente…Aconteceu…
Era uma vez o 25 de abril…
Viva a revolução…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA



 ERA UMA VEZ:

Era uma vez um país
De tal maneira explorado
Com os jovens obrigados a trabalhar
A troco de uns tostões de ordenado

O povo humilde e trabalhador
Tinha o seu pão bem contado
Mas não podia abrir a boca
Para não ser encarcerado.

José Martinho 





 Era uma vez ,mais uma de tantas que me perdi nos olhos teus ...nessa imensidão chamado paraíso... perdi o juízo...perdi o pudor ...alimentei a paixão ...fui a nossa canção ...rasgos de ilusão ...fui o retoque final ...do teu poema...agora saio sozinha...sigo a minha linha....deslizo a cintura ...marco figura ...vou na intempérie...afinal fui actriz principal...da tua série...pura ficção...não acredites não ... nada terminou ...aguarda a segunda temporada.

Anabela Fernandes 




NOSTALGIA

Era uma vez!
E uma vez sem vez, de se encontrar.
Era uma vez um livro!
E uma vontade sublime de o folhear
e uma vontade intensa de o degustar.
Era um livro aberto
estava ali à minha frente a convidar-me
num desejo desperto,
senti uma vontade de nele, me inspirar.
Inspirar-me numa acção imediata e o descrever
senti no momento uma vontade de afectos e dever.
Senti que nada me obriga a nada,
e nesta vontade sediada, de o ler.
De repente quis fechá-lo e quis novamente me conter,
senti que num agora ou nunca tinha de o fazer.

E então o que li...?
Li que nele haviam levitos de Alma
Li que nele havia tanta doçura que me comovia.
Levitava naquela verde relva... Senti a magia
E ao ler cada página que se abria, a lágrima caia.

Via ou imaginava pássaros que voavam!
Um fundo... um mundo... uma esperança!
Um céu de amor... azul... Oh Deus!
Que livro... que história!
Que lembrança.

Florinda Dias








 18-04-2018
 A FANTÁSTICA HISTÓRIA DO MENINO QUE ERA AMIGO DAS FORMIGAS

Era uma vez um menino de quem toda a gente gostava pela sua simpatia e boa educação. Frequentemente o apelidavam de: "um anjo de menino", mas o seu grande amor pelas formigas, porém, era um pólo de discórdia entre ele e o pai. Este era proprietário de uma pequena mercearia e naquele tempo não existiam embalagens, por isso os alimentos eram vendidos a granel e guardados em pequenos silos de madeira. Apesar de os ditos silos terem uma tampa, isso não era impeditivo para as formigas, que se deliciavam a invadir o do açúcar. Para combater essas invasões, o coitado do merceeiro socorria-se de pedaços de sabão com que tapava todas as fendas e buracos, dificultando assim o acesso das ditas, mas tão logo virava as costas, o filho corria a destapar de novo todos os buracos. Quando o pai, zangado, lhe perguntava: porque fazes isto, meu filho? Ele respondia: porque as formigas têm fome e são minhas amigas.
Aos oito anos de idade este menino adoeceu, vítima de uma epidemia que o levou à morte. O seu corpo foi depositado na cama enquanto aguardava pela urna, e para pasmo de todos, uma legião de formigas começou a invadir o quarto e a respectiva cama. Todas as tentativas para as afastar foram vãs. Os quatro pés da cama foram metidos em latas com petróleo, mas mesmo assim as formigas continuavam a afluir, cada vez em maior número, e a rodearem o corpo do menino. Escusado será dizer que mesmo no caixão elas conseguiram entrar e foi na sua companhia que o menino desceu à cova. Anos mais tarde, aquando do acto da sua transladação, ao abrirem a sepultura, deram com o seu corpo intacto, tal como tinha sido enterrado.
Esta fantástica história foi passada de geração em geração até chegar a mim porque este menino foi um tio-trisavô meu.

Aida Maria (Aida Marques) 





 Era uma vez ,de tantas talvez ....
Daquelas em que o sono se faz de teimoso e teima em não chegar ,vence o cansaço .
Rebolo na cama ,encosto a cabeça no vazio da noite ,relembro os momentos do amor desmedido ,da ânsia de ouvir a porta bater ,do rancher da cama entre suspiros e beijos ,desejos fervorosos ,entre corpos despidos caímos rendidos de tanto prazer.

Caio no sono ,acordo transpirada meio atordoada
-Onde estou ? Pergunto em voz alta
Ouço uma voz masculina
-Estás em Lousada
-A fazer o quê? Eu estava a dormir na minha cama
-Fui-te buscar nas asas de um anjo ,precisas de mim
-De ti ? Não sei quem és...isto é um sonho ?

Olha á tua volta,tudo é lindo ,o azul do céu se perde no verde dos campos de flores vestidos ,hoje começa a Primavera .

Não fiques á espera vem à janela ,sentir o cheiro da natureza,acalmar a tua dor,beliscar o teu coração ,segredar ao teu ouvido ....Eu sou o cupido ....
Vem...já me conheces ,sou atrevido ,surpreendente , arrebatador tenho ar de rabugento mas sou ternurento.
Tu lança o teu feitiço sobre nós faz de mim teu amo, dá-me o teu corpete ,a tua saia rodada ,a liga na tua perna e deixa cair todos os folhos de ti e eu então dou-te meu amor aos molhos e na tua perna esquerda tatuarei a minha letra do nome que me atrevi a inventar para ti.

No dia que descobrires quem afinal sou ...

Anabela Fernandes 





 Era uma vez a atenção...
Queria atenção, a toda a hora do dia!
Se não lhe davam atenção, até perdia a razão e mentiras inventava!
Barafustava com toda a gente e inventava, inventava, sem querer saber de mais nada!
Só ela é que importava!
Queria lá saber que com o seu comportamento, fizesse sofrer!
Isso é que era bom!.... Dar atenção a outras atenções, não estava nos seus planos!
Para ela, o seu querer estava à frente de qualquer ser!
Usava todo o seu poder, para atenção conseguir.... maquinava, engendrava,
Uma estupidez de cada vez que chamava a atenção para si!
Até ao dia que foi ignorada, e de atenção, não recebeu mais nada!
Só, ficou a barafustar, nem assim aprendeu!
E só ficou, com a atenção que mais ninguém lhe deu!

Moral da história...
Quem muito mente para chamar a atenção, pouco aprende, e um dia cai de cara no chão, sem ter ninguém que lhe preste atenção!

Autora: Fátima Andrade 





“SAUDADE”
Num virar de página
Apareceu a saudade
Ela, não descola nunca
A saudade tem um porquê
Aparece em certos momentos
Relembrando pessoas que passaram
Ou que partiram para não mais voltar
O tempo passa
Mas a saudade não tem tempo
Não esquece nada, nem ninguém
Ainda me lembro do teu nome
Do teu sorriso
De ti
A saudade tem rosto
Tem cheiros
Saudade é vontade que não passa
De te abraçar bem forte
De te beijar muitas vezes
Às vezes a saudade incomoda
Mas também é a prova
Que tudo valeu a pena
A saudade nunca morre
Sinto a tua falta
A vida leva e afasta alguém
Mas ela está sempre aqui
Sei que a vida é curta
Mas há quem apareça nela
E toca-nos no coração
Ficam lá para sempre
Ela não nos deixa esquecer
Ainda bem que a saudade existe
Obrigada saudade…Por seres saudade…
“BRASA”MAGDA BRAZINHA 





 ERA UMA VEZ.
A vida nascida como flor.
Manhãs de cetim tom anilado.
Nuvens de guiupur
Festim canoro.
Jacintos azuis bordando o lago.

Se ergueram as palmeiras em louvor.
Cachos de tamaras cor de açafrão.
Pendem, colhem-nas as mãos do vento.
Há pepitas de ouro decorando areia desse chão.

A vida foi semente.
Embalada em lago de cristal.
Eclodiu na noite enluarada.
Chorou, gatinhou, cresceu,
Olhou o céu,
Aprendeu das palmeiras o brincar.
Pés delicados vida em flor.
Se tornou mulher,
Tendo no peito,
O grito, a lava de um ser
Que se queria dar.

Foram noites inquietas de pensar.
Foram noites de sonhos irreaias.
Foi um ter de partir, a procurar.
O sonho, ir ao encontro de quem pudesse amar.

Deixar o oásis o lar.
Doía, porém doída era a solidão.
Ser árvore frondosa,
Sem beijos colher e flores dar.
Era a renuncia.
De um corpo pleno de perfeição.
Cujos sentidos plenos de ternura.
Fariam da vida essa ventura.
De ser amante, eva, mulher mãe.
Árvore em festa, flor semente.
Ela que sendo mulher é fruta de polpa doce e pura.

Augusta Maria Gonçalves. 





 ERA UMA VEZ... UM ATÉ SEMPRE MEU AMIGO...

Sinto-me tão desanimada
as forças começam a faltar
a vida corre apressada
e eu cada vez mais cansada
não a consigo acompanhar...

Falta-me a tua confiança
pro Alto o pensamento voa
pedindo ajuda com esperança
chega de ti a lembrança
mas essa lembrança magoa.

Recordo o teu sofrimento
pouco antes da partida
revejo cada momento
solto do peito um lamento
de tanta dor não esquecida...

Cresce mais a cada dia
a mágoa pela tua ausência
eras sol que me aquecia
a mais doce companhia
tornando mais leve a vivência.

Nas minhas palavras te abraço
como num encontro contigo
deixo amor em cada traço
nosso tempo foi tão escasso...
até sempre meu amigo...

Aida Maria (Aida Marques)





11-04-2018

 DE QUATRO PATAS ATÉ DUAS

Era uma vez ,dois macacos a Salomé e o Gerônimo ,viviam em jardins diferentes mas muito próximos ,alguns km de distância,nada que 20 minutos de carro não os junta-se.

Num dia de Abril Gerônimo viu partir quem mais amava neste mundo , sentiu-se triste,abandonado e sozinho pois as manas macaquinhas e os manos macacos João e Geremias não tinham tempo para ele.Tinham a sua família própria ,viviam em jardins diferentes e só de quando em vez visitavam o mano velho.
Um dia por mero acaso ou não a macaca Salomé ,sempre armada em madre Teresa de Calcutá,soube da história e quis ajudar o Gerônimo.
Convidou-o para fazerem um piquenique,muitas bananas e amendoins...e lá encheram o bandulho.
Gerônimo muito triste , infeliz e cabisbaixo ,saltava de um lado para o outro sem saber o que fazer, Salomé atrevidota contava anedotas ,lia histórias ,sorria e divertia o amigo.
Um dia Gerónimo num ato de loucura quiz pôr termo á vida ,não conseguia suportar a solidão.
Salomé teve um pressentimento e nesse instante olhou o céu....enviou uma mensagem e consegui evitar o pior.
Dias mais tarde os dois encontraram-se e falaram sobre o sucedido,este muito agradecido,dizia que Salomé era especial....única e linda .
Era a Number One ....
Passaram vários meses e mal se viram pois Gerônimo vivia enjaulado.Um dia Salomé teve um acidente ,sofreu e onde está o Gerônimo?

Perdido num qualquer lugar ,indiferente ,ri de contente musculado quiçá idolatrado ....vê-lo nem sombra ..... será que se perdeu?
Ou o tratador morreu e perdeu a boleia ....

Com quatro patas são RECONHECIDOS,
com duas são ESQUECIDOS

Vive para ti....Pensa em ti ...Sorri para quem merece .... Não esperes retorno porque o egoísmo é capa que tapa e só mais tarde destapa.

Anabela Fernandes
 




Estrela triste.

Era uma vez uma estrela,
Tinha ela vergonha ao brilhar,
Por não se sentir bela,
Passava as noites a chorar.

Acordava e adormecia,
Sempre inquieta inquieta.
Só queria brilhar de dia,
Na noite ficar coberta.

Bela estrela , porque choras?
Lhe perguntou o rei sol,
Porque a noite não namoras,
E fazes da lua o lençol!

Se sentiu bela, reflectiu,
Bateu as pontas de contente.
Toda a noite ela sorriu,
Não se sentindo das outras diferente.

Basta um leve gesto,
Um pequeno sorriso,
Um pouco de afeto,
Naquele momento preciso!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 





Era uma vez a chuva
Não deixava de cair
Para um dia
Mas vem logo a seguir
Segura em meu abrigo
Vejo-a cair
Destravo as memórias
Despojo-me do nada
Visto-me de tudo
Olho o infinito
Vendo-a cair assim
Fria e insensível
Cinzenta e triste
A chuva deveria ser colorida
Para que ao cair
Desse um ar de alegria
Como se de cristais se tratasse
Deixava-a flutuar
E como num sonho
Dançava á chuva
Brincava com o arco-íris
Naquele mundo multicor
Para me saciar os sentidos
E me iluminar a alma
Mas não…
Ela cai sempre lobregue
Deixa-nos pensativos
Cinzentos como ela
Apetecendo ter sempre um teto
Um lugar quentinho
Para nos enrolarmos
No nosso amor …
A chuva deveria ser colorida…
Era uma vez a chuva
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 




 CEGONHA.

Era uma vez uma cegonha
Que do seu ninho fugiu a voar
Numa velocidade medonha
Num riacho caiu, teve azar

Ali, encontrava-se perdida
Na imensidão daquele riacho
Com uma perna partida
Aconteceu, lá para os lados do Cartaxo

A cegonha teve sorte
Por um agricultor foi achada
E assim escapou da morte
Porque foi bem tratada

Foi batizada por Ana.
Ela ainda não voava
Todos os dias da semana
Com os seus padrinhos andava

Todos os dias comia peixe
Num balde lá na rua
Na sua casota ela dormia
Que era sua e somente sua

Tornou-se conhecida na Cidade
Estimada por toda a gente
Quando partir deixa saudade
Mas estará sempre presente.

José Martinho. 





 Nas Asas de' Condor

Voei e apreciei...Imaginei...
E... Pensei.

Como é que...
Se aprecia um livro?

Degusta a sua leitura
degusta cada palavra escrita
como um ato de candura

Como é que...
Se aprecia um livro?

Navega nas entrelinhas
voando e pousando o olhar
imaginando das aves, o seu levitar.

Como é que...
Se aprecia um livro?

Tentado lá chegar!
Tentando entender a alma do escritor!
Tentando se enternecer em cada poema!
Ou então... Em cada romance de amor.

Como é que...
Se aprecia um livro?

E sei lá eu... E sabes lá tu
Palavras apelativas, contidas
de cor... Verde esperança
palavras tatuadas, que pousam pra voar
em inspirações desmedidas.

Não feches o livro da tua memória
Sente a essência de cada flor
Olha o céu que te chama pra voar
e voa Poeta... Voa nas asas de' Condor.
Sente cada sinal do Céu, um dia irás lá chegar.

Não... Não encerres aqui, a tua História.

Florinda Dias 





ERA UMA VEZ... A INOCÊNCIA INFANTIL...

Era uma vez uma menina muito "viva" e muito gulosa também. Um chocolate era a sua prenda preferida que às vezes lhe era oferecida como prémio por se ter portado "bem". Tinha apenas cinco anos de idade quando protagonizou um episódio que hoje recorda porque a sua mãe lho narrou. Enquanto a mãe ia trabalhar ela ficava à guarda do pai que tinha um escritório na própria residência. Ora na família havia um "desaguisado" entre o seu avô, pai da mãe e o seu próprio pai e este tinha mais ou menos proibido o sogro de fazer visitas à filha. A filha, porém, recebia-o às escondidas do marido. Num dia de uma dessas visitas, a mãe temendo que a menina fosse contar ao pai que o avô lhes tinha feito uma visita, prometeu-lhe um chocolate se ela também prometesse que nada diria ao pai sobre a dita visita. Foi com um esforço tremendo que ela conseguiu manter a sua promessa, mas valia a pena pois já quase sentia o sabor do chocolate na boca...
E eis que chega a mãe e a menina corre para ela perguntando: mamã, trouxeste o meu chocolate? Eu portei-me bem, podes perguntar ao papá... E logo voltando-se para o pai:
- Papá, eu não te disse que o avô esteve cá em casa hoje, pois não???
Fim da história, claro que ganhei o chocolate na mesma, porque essa menina era eu, e melhor ainda...dessa vez o meu pai não foi capaz de se zangar com a minha mãe.

Aida Maria (Aida Marques) 





 04-04-2018

 Era uma vez um lugar vazio onde não restava nada ,apenas o vermelho que o envolvia e o fazia bater lentamente

Era um sitio seguro com muito potencial mas muito mal aproveitado.
As flores não vingavam ,as sementeiras não cresciam.
Não se percebendo a razão....os anos passaram e o lugar continuava vazio.

Certo dia veio um habitante novo ,algures distante,perdido na serra e de mansinho se instalou.Sentou-se descontraído ,ar de atrevido ,pediu o serviço ... gargalhou.
Marcou presença, de azul vestido ,olhar sábio de quem sabe o que quer...parco em palavras ,fez estragos ....mas estragos bons ....pincelou o lugar dando outra tonalidade.

O lugar vazio ,sorrio de contente, finalmente estava seguro ,bateu descompassado, melodioso ,agora sim as flores vão crescer ....os malmequeres ficarão vistosos as searas darão fruto maduro resta apenas a dúvida se o habitante está ele seguro....

Anabela Fernandes 







Era uma vez a saudade
A saudade morava aqui
De repente vai embora
Mas volta sempre
O que será afinal a saudade?
Saudade é solidão sentida
É quando ainda existe amor
Mas não há ninguém para amar
Saudade é dor e amor
Saudade é amar o passado
E saber que ele não volta
Saudade é recusar ter saudade
Saudade é pensar
Que existe o que não existe mais
Saudade do que perdemos
Do que ficou pelo caminho
Saudade é morte na alma,
Só quem nunca amou
Deseja sentir a saudade
Do que nunca teve
Não há maior sofrimento
Do que não ter tido saudades
É sinal que passou pela vida
E ninguém deu por isso
Nunca ter sofrido de saudades
É o maior dos sofrimentos
Eu tenho saudades
De quem partiu
De quem ficou e jamais voltou
De quem amei
De quem me amou
Vou ter sempre saudades…
“Era uma vez a saudade”…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA





Era uma vez
Uma terra a minha
-----------------------------
Alentejo solidão é companheira
No traço branco que envergas
Na sombra da azinheira
À dureza não te vergas.......
<<
Soltei risos com colares de margaridas
Na beleza salpicada pelos montes ,
Hoje sós.....doem-lhe as feridas
Já lá não mora ninguém até secaram as fontes .
<<
Povo rijo que até fome já passou ,
Distante ..... chora a saudade ,
Pois as lágrimas que chorou
Nem idade nem o tempo as levou .
<<
Do pão as sopas fizemos ,
Sem pedir nada a ninguém ,
Das ervas temperos demos ,
Cagarrinhos foram petiscos também.
<<
Trazemos na alma o riso
Rimos das raízes nossas ,
Gente alegre de bom siso
Gracejo não nos faz mossas .
<<
Quando o sol fogoso ardente se for deitar
E a lua lhe sorrir com seus sapatos de prata ,
Terei o sabor das amoras silvestres a beijar
A doçura dos medronhos numa doce serenata .
<<
Quem sabe um dia no final hei-de voltar....
Farei grinaldas de lilases do campo em flor ,
Como borboletas batendo asas a desmaiar
Repousarei na minha terra virgem sem temor.

C.BAIONA.C.





 Era uma vez um tempo
que levava tempo a passar
porque o tempo que eu queria...
era tempo de sonhar!

Finalmente chegou o tempo
que levara tempo a passar
era agora então o tempo
dos meus sonho concretizar!

Foram tão breves os momentos
do tempo que sonhei diferente
que tudo acabou no tempo...
dos tumultuosos tempos do presente!

Hoje só quero recordar
o tempo de outros tempos...
que demorava a passar...
tempo esse... de sonhar!

04-04-18 maria. g. 





Era uma vez!
Um casal feliz com dez filhos,
Tinha uma quinta de agricultura,
criavam gado, faziam plantações, sementeiras
Enfim, tinham jornaleiros diários a trabalhar na agricultura.
A uns dois kilometros da quinta, existia a habitaçãoa do casal com mais alguns terrenos á volta, dando para criar muitos animais, coelhos, galinhas,galos, peruz e até suínos de criação...
Nessa casa onde habitava a grande família,
se situava um comércio de mercearia com tasca e têxteis lar...
Sendo assim,,, o Chefe de Família administrava
A quinta e o comércio,,, mesmo que a sua
Esposa era responsável pelo comércio além da grande tarefa ser mais presente na educação dos filhos.
Houve um dia entre outros mais assustador
e marcante, pois entre dez filhos, não seria normal se não houvessem problemas uns maiores que outros...
Então um grupo de seus filhos estavam a fazer uma brincadeira do esconde esconde,,,
Um dos filhos, nesse caso menina, com seus oito/nove anos desapareceu durante o jogo.
O dia foi chegando ao fim e a miúda não aparecia.
Quando anoitece e dão por falta da miúda
o pai pede aos jornaleiros que já tinham abandonado a lavoura, se iam procurar a sua filha.
Naquele tempo ainda não existia luz pública,, cada jornaleiro saía com o seu lampião,
Foram chegando a pouco e pouco e nenhum
deles trazia a miúda...
A mãe perante o resultado negativo da busca
entrou em pânico e começa aos gritos exclamando a filha, os filhos irmãos da irmã desaparecida, ao ver a mãe a gritar se uniram ao desespero da mãe e gritavam também,
entre o montante de gritos se junta mais um!
A miúda desaparecida que tinha adormecido
no esconderijo durante o jogo do esconde esconde...
Quem a encontrou foram os gritos aflitivos da família, e não os lampiões a percorrerem os caseiros da casa e o resto da aldeia a ver se
a encontravam...
História de aflição que dos gritos passaram
a gargalhada...

Arminda...T.G.L... 





A Arte da Escrita...

Era uma vez...uma história
...contada da memória...do escritor...ele
Escultor...de palavras...pintor de letras
...em telas coloridas...a preto e branco
Em um arrastar de tintas...vai pintando
...em aguarelas escorridas...
E é um baile iluminado...em palavras
...desenhadas...riscadas...e repintadas
Vai esculpindo...moldando enredos
Criando traços...estruturas...e segredos
E as telas se vão enchendo...
...em muitas linhas com muitas cores
Pintando intrigas...gritando amores
Colorindo vidas...na arte do escrever...e ser
...o pincel da escrita...escorrendo tinta
Criando história...criando memória
E era vez...
...uma obra de arte...que vês
E era uma vez...
...um livro...que lês
Uma tela imaginária...pintada de letras
...na arte da escrita
Que ficará para sempre...
...na história...da tua memória

FCJ
Fernanda Carneiro Jacinto 







Era uma vez a esperança,
 Que teimava em não morrer,
 É assim desde criança,
 Sempre com algo a fazer.

Acorda e adormece,
 Nem sempre entusiasmada,
 Pois de esperança padece,
 E não quer morrer por nada.

Sobe degrau a degrau,
 Tanto ri como chora,
 Olha;Nem tudo na vida é mau!
 Esperança não vás embora!

Se em ti existe amor,
 Então já somos três!
 Mereces todo o louvor,
 Esperança era uma vez!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana


 

 28-03-2018
 Era uma vez, há muitos anos...
Era tempo de férias e aproveitei para visitar uma aldeia situada no sopé da Serra da Estrela, onde tinha vários familiares que ainda não conhecia devido à minha vivência de muitos anos em África. Habituada ao bulício citadino, logo me encantei com a beleza e o sossego daquele lugar. Certo dia saí para um passeio mais alargado pelo campo, e como o entardecer demorava, fui caminhando sem me dar conta do quanto me ia afastando do centro da aldeia. Já começava a escurecer quando finalmente constatei que estava perdida. Caminhando sem norte eis que vejo ao longe uma casa e logo me dirigi para lá. Ao aproximar-me dei-me conta do estado de abandono em que a dita se encontrava, mas mesmo assim continuei até que finalmente dei comigo a gritar: Ó da casa...
Apareceu uma velhinha senhora que me convidou a entrar. Depois das minhas explicações disse-me a velha senhora que aqueles montes eram povoados por alguns lobos e que portanto era melhor eu pernoitar ali, pois era muito perigoso meter-me a caminho. Ora, a casa era muito pobre e para descansar só havia mesmo uma espécie de cama em cima de um fardo de feno, mas esgotada como estava pela caminhada acabei por adormecer e só de madrugada acordei com o canto da passarada que habitava nas árvores próximas. Tentei encontrar a minha anfitriã, mas em vão chamei por ela, só o silêncio me respondeu... Pus-me então a caminho e pouco tempo depois encontrei várias pessoas da aldeia, que alertadas pelos meus primos tinham ido à minha procura. Respirando de alívio comecei a contar-lhes onde e por quem tinha sido ajudada durante a noite e à medida que ia falando os semblantes de todos fixavam-me com espanto. Questionados por mim, responderam-me quase em coro: Ó prima, o cansaço e o medo deram-lhe alucinações, essa casa está desabitada e ninguém quer ali viver... Viveu de facto lá uma velhinha que diziam que era bruxa, mas morreu há muitos anos... Isso foi sonho com certeza... e rindo lá se puseram a caminho. E eu, caminhando com eles ia pensando: Pois... Será...? Uma coisa tinha a certeza; se era bruxa era uma bruxa boa e simpática, que me avisara da presença dos lobos e assim talvez me tivesse salvo a vida...

Aida Maria (Aida Marques) 




 Era uma vez, numa terra bela no cimo de um monte.
Bela pequena, aconchegada como um ninho.
Por essa terra de pedras gastas, caminhou minha mãe quando garota. Sonho-a de pés ligeiros, olhos de céu sem nuvens, cabelos desmanchados pelo vento a correr, creio ter deixado gravados seus passos nas pedras de granito, onde se fez eco de tantos passos.
" muito mais tarde também meus pés lá deixaram trilhas "
Maria, minha avó, tinha numa humilde casa dado à luz doze crianças, era a vida dura, invernos de um rigor extremo, só o vento caminhava entre o nevão branqìssimo e o céu. Todos os filhos dessa generosa mãe tinham buscado rumo de vida,
dois pereceram crianças de tenra idade num incendio. Em casa minha mãe a mais novita e um irmão mais velho dois anitos.
Crianças que olhavam na vidraça da pequena janela a imensidão do céu, riam felizes a ver os flocos de neve que abundante adornava os grandes castanheiros. Na lareira mais um tronco de oliveira velha ardia em labaredas de mil cores.
Maria, minha avó fazia meia na hábil mestria de cinco agulhas. enquanto seu coração tão engilhado de lembranças, lhe trazia aos lábios orações, eram os únicos sorrisos no rosto dessa mulher forte e austera. Tão pouco tudo isto, um recorte de vida simples, tudo aconteceu num ninho rente ao céu. Provezende, Douro a terra onde minha mãe nasceu.
Tudo cabe em, ERA UMA VEZ.

Augusta Maria Gonçalves. 





Era uma vez... andavam perdidas umas letras! Sem saberem onde pertenciam, todos os caminhos percorriam, uma canseira....mas no final, será que o destino encontraram ou perdidas continuaram?!

Era uma vez...

"As Letras perdidas"

O "A", por aí perdido,
andava no ar,
adejava sem sentido
não tendo onde ficar!

Encontrou o "M",
mergulhado sem cor.
Ao seu lado se colocou,
pedindo por favor.

Os dois se juntaram
viajando numa estrada,
caindo-lhes o "O",
numa valente orvalhada.

Amigos ficaram,
mas sentiam-se incompletos,
os três deambularam
á procura dos sítios certos.

Um dia esbarraram
com o "R", receando a dor,
ao seu lado ficaram,
resgatando-o do seu torpor.

Baralhavam-se incansavelmente,
num intenso labor.
Descobriram surpreendentemente,
que juntos formavam,
a palavra "AMOR"!

O seu destino encontram
E juntos, nunca mais se separaram!

Autora: Fátima Andrade 





Era uma vez um idoso disse para o seu filho amoroso:
Eu ensino-te a viver,
Cuidas de mim até morrer.
O filho disse:
Está bem, não irás precisar de mais ninguém.
Os anos foram passando,
O filho foi aprendendo,e o pai envelhecendo.
E quando deixou de falar,
Nada mais lhe poderia ensinar,
O filho internou-o num lar,
Para alguém dele cuidar.
Ele sentiu muito e sofreu,
E pouco depois morreu.
É vida de hoje em dia,
A relação torna-se fria,
Quando já não somos úteis,
E nos tornamos inúteis.
Tantas vezes dou por mim,
A pensar em minha Mãe,
Que muitos filhos tem.
Mas não tem nenhum,
Para auxiliar e ninar.
Embora os filhos paguem,
Para alguém dela cuidar.
Pois, todos eles teem que trabalhar.
Agora cuida-se assim dos pais.
Não escutamos os seus ais!
Queremos tanto viver,
Com os nossos até morrer.
Fala a voz da experiência.
Com peso na consciência!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana 





 Era uma vez uma menina de olhos doces .
Estamos em Maio o mês de Maria,Manuel um homem crente,com convicções firmes, dotado de grande sabedoria ,família tradicional,muito conceituado na sua terra natal,nada se lhe tinha apontar, aparentemente feliz no matrimonio,seguia a passo largo rumo ao café onde gostava de se sentar degustando o seu café.
Era perto do mar ,e aquele refúgio de há vários anos o inspirava na sua arte de bem escrever e pintar.Ali passava horas ,muitas vezes munido do seu computador onde punha em prática o que pensava.
Um dia passou por ele uma mulher na casa dos quarenta e poucos anos,bem vestida ,um fato cor de pérola,sapatos de salto fino que lhe alongavam a perna ,cabelo cor de amêndoa e Manuel não resistiu a olhar.
Num ápice de segundo a bela senhora olhou para trás e os dois cruzaram olhares.Mauel sentiu um arrepio percorrer o seu corpo,e fitou aquele olhar, que não mais lhe saiu do pensamento.

Passaram seis dias e a sua rotina diária continuou ,ida ao café de sempre,conversa com este e aquele,rostos que tão bem conhecia até que no sábado a senhora que no seu pensamento já lhe chamava de menina de olhos doces,entrou no café , sentou-se duas mesas atrás de si ,pediu um café.
Manuel voltava as costas várias vezes pois não conseguia daquele lugar ver quem por magia o atraía.
Numa dessas vezes ,os dois se olharam e ela sorriu,ele respondeu sorrindo também,e não demorou até se levantar ir ter com ela e apresentar-se.
Foi o início de tudo,ela Joana de seu nome ,uns anos mais nova , divórciada muito bonita ,bem falante,morava á pouco tempo naquele lugar com um filho, portanto nova na terra,passou a ser figura assídua no café da vila.
Manuel e Joana tornaram -se amigos,confidentes,até que Manuel lhe diz que é feliz no casamento mas não a consegue tirar do pensamento,Joana não sabe o que pensar,tudo é novo para ela e nunca se viu num triângulo amoroso.
Manuel um dia diz-lhe
- Joana achas que se pode amar duas mulheres?
Joana responde
-Nao sei ,talvez ,na vida tudo é possível
No seu íntimo ,ela pensava que não ,que aquilo era só um deslumbramento de ambos ,nada mais que isso.
Mas o tempo foi passando e meses depois ,havia algo muito mais que isso ,uma paixão talvez ou amor quem sabe.
Não podiam deixar de se falar,ouvir a voz um do outro,trocar as rotinas diárias ,sonhar o mesmo sonho.
Nada mais do que isso,nunca se tocaram,beijaram ,Manuel tinha medo ,Joana também.
Um dia num passeio á beira mar ,ela olhou -o nos olhos e disse-lhe vou mudar de casa e morar para muito longe ,Manuel foi como se um murro no estômago levasse,não sabia o que dizer o que fazer,não queria perder aquele doce olhar,aquela paz que sentia á sua beira.Num impulso agarrou Joana e beijou-a loucamente,ela retribuiu o beijo.
Saíram dali rumo a casa dela,foi um momento de amor ,podia ser o único e o último.

Passado três meses Joana vai embora,mas o seu coração fica na Vila .
Nada voltará a ser como antes,ele não mais conseguiu ver a esposa ,a legítima da mesma forma,eram companheiros de anos ,tantos que o tempo levou,mas sabia que Joana era sim a dona do seu coração,do seu corpo e da sua alma.

Manuel sofreu e ainda hoje sente que um dia a vida os juntará de novo.

Anabela Fernandes 





ERA UMA VEZ
Um sótão encantado
Pertencia á casa onde nasci
Tenho saudades dele
Sei de cor todos os seus cantinhos
Compartilhei com ele
As minhas loucuras
Os meus sonhos
As minhas mágoas e alegrias
O meu primeiro amor
Meu eterno cúmplice
Onde vivia a ternura
A nossa casa é o nosso abrigo
Mas aquele cantinho milagroso
Tinha magia
Com os seus tetos baixos
Nele chorei e ri
Fui muito feliz
Era o meu teto
O meu ninho de amor
Adorava o seu aconchego
As suas paredes tinham ouvidos
Sabiam guardar os meus ais
Os meus segredos
As minhas ilusões
Da varanda do meu sótão via o mundo
Via o sol, via a lua, via a serra
Via o mar e a minha praia
Gostava da minha casinha
E daquele sótão mágico
Sentia o seu sorriso
Nele guardo recordações
Memórias e saudades
Meu companheiro de infortúnio
Mas também de felicidade
Na minha casa
Reunia-se a família
Chorávamos e ríamos até às lágrimas
Havia amor e tranquilidade
Obrigada por existires
E guardares as minhas memórias
Sótão abençoado…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 




Era uma vez

*lá longe no tempo
-----------*------------
Lembras-te daquela tasca....
Ao fundo da nossa rua...
Com as portas já em lasca ...
Que era minha e também tua...
Aberta de para em par...
P´las telhas espreitava a lua ...
Ouvia-mos o fado cantar...
Na noite longa e nua ....
Aquela tasca velhinha...
Cheia de risos e fumo....
Que era tua e também minha ....
Já lhe perdemos o rumo....
Hoje na tasca velhinha ...
Só habita solidão....
Cai de podre coitadinha ...
Já não se ouve a canção...
Foram-se os anos e o tempo....
Assim como a nós também...
De lá só sopra lamento...
Já lá não canta ninguém ...

C.BAIONA.C. 




Era uma vez, uma história sem pés nem cabeça ...
Não tendo nada para contar,
começava a inventar.
Já fui rei, de quê não sei!
Mas fui rei de certeza,
ou será que fui princesa?
Ahhh... já me lembro!
Fui ladrão, mas o que roubei, não sei não!
Mas sei que sei,
que não fui princesa nem rei!
Então e o que roubei?
Esperem lá.... Ora, ora....
Fui polícia com crachá,
de apanhar o ladrão,
fiz questão!
E não era eu, não senhor!
Será que também já fui Doutor,
ou doutorado, de papel passado e assinado?
Doutor de quê, não sei!
Mas sei que sei,
que não fui polícia, ladrão, princesa e rei!
Estou a ficar atrapalhado!
Será que fui fadista cantando fado?
Hum..... Não sei não!
Esta história está uma grande confusão!
Ahhh... Já me lembrei!
Sou poeta!
Isso eu sei!
E também escritor,
de poemas e histórias e de contos de amor...
Isso eu sei, sei sim senhor!

Autora: Fátima Andrade 





 Era uma vez
Uma história de verdade
Por ser verdade talvez
Ainda hoje sinto saudade

Esta minha história
Fala de um pobre rapaz
Que mesmo sem glória
Queria viver em paz

Deu a volta ao mundo
Descalço e a pé
Num sonhar profundo
Sentado na mesa de um café

Atravessou montanhas
Cultivou jardins em flor
Colheu desilusões tamanhas
Tudo por causa do amor

Fizesse frio ou calor
Este pobre rapaz
Só por causa do amor
Nunca viveu em paz

Luis Marcelino. 



Era uma vez !
Um Sacerdote
que tinha muito senso de humor.
Então contou que havia uma senhora
muito fofoqueira na sua paróquia,
falava de tudo e de todos,
morava muito perto da igreja,
que da janela de seu quarto podia ver o altar.
A senhora ia á missa todos os dias e, depois,
passava o resto das horas do dia pela paróquia
falando da vida dos outros.
Um dia ela ficou doente e ligou para a paróquia e disse,
estou de cama doente com uma gripe muito forte, por favor você me pode trazer a comunhão?
O Padre respondeu, não se preocupe,
você tem uma uma língua tão comprida
que chega da janela do seu quarto até ao altar...

Arminda... T. G.L..






21-03-2018 
" DERRAMO ROSAS... "
Neste rio... derramo rosas;
Vermelhas... como gostavas.
Vão nas pétala - ditosas -
As lágrimas, que tu me davas!
Cada uma... leva a lembrança;
Dum lindo sonho de amor.
Mas hoje desfaço a esp'rança,
Ao desfolhar cada flor.
E tu rio, para onde vais?
Fico à beira deste Cais,
A ver-te levá-las, nas águas.
Esmoreço, em cada uma.
Não tenho sorte nenhuma!
Afogo em ti... minhas mágoas!
Liska Azevedo 



Era uma vez
Lá longe ,onde os meus olhos as nuvens namoram ,
vivem as árvores com elegância despidas ....
altivas , arrogantes , porque em seus galhos, líricos moram
sem pudor cantam com fulgor nas madrugadas preenchidas.
Prometo que em outra vida árvore serei .....
ou trevo , ou mármore , ou talvez poemeto .....
ou malmequer descuidado em ermos ... eu direi...
este ser ás avessas de preto sem amuleto não.....eu prometo.
No limiar da história das palavras ,solta-se o monólogo ,
será que alguém sabe que vivo ?
ou hoje é o depois de ter morrido sem o saber é o epílogo ?
ou serei o itinerante no nevoeiro descabido que me revivo ?
se houver alguém, mesmo sem a minha permissão ,
soprem o bafo d´alma dos abençoados em final de missão.
C.BAIONA.C. 




Era uma vez!
Tanta borboleta em bando
e cada uma por sua vez
beijava flores
de quando em quando.
Lírios, rosas, amores,
muitas e mais flores
tão belas...
E tanta borboleta voando
sobre elas...
O meu olhar se prendia
irradiaram o meu dia,
por baixo de um sol brilhando
de azinhas tão singelas
vieram com a primavera
em contraste, com flores tão belas
a mais bela qual delas?
Qual era,,,,qual era?
No ar esvoaçando
de flor em flor, pousando
beijando, beijando...
Pairava no ar o cheirinho
das flores lindas tao belas,
sussurrando bem baixinho
como quem chama por elas
as borboletas com carinho
vêem as flores, como aguarelas
de cores lindas como elas,
Beijinho e mais Beijinho,
voam e pousam deixando nelas...

Arminda...T.G.L...





 História verídica

Era uma vez um pastor que por terras do Douro , nos socalcos da serra passeava o seu rebanho .
Eram cerca de 100 ovelhas e cabras ,o cão Barnabé e a cadela Matilde .
O Sr. Zé da mula como era conhecido corria km por dia com o seu rebanho.
Levava o farnel para se alimentar e o rádio para ir ouvindo as músicas que já sabia de cór.
Mal sabia escrever pois tinha apenas a terceira classe antiga mas chegava para o que fazia no dia a dia ,lia as letras gordas do jornal da terra,as cartas da família emigrada e escrevia uns versos .

Ninguém na terra dava valor aquilo e o Zé sentia uma tristeza enorme ,mas tinha o sonho de alguém um dia ler e desse o valor,o que ele nem sabia que tinha.

Num dia quente de Agosto ,um casal foi passear por aquelas bandas e como por um acaso foi parar á casa ao lado do Zé ,conversa daqui e dali e Ana também ela uma amante das palavras,quis conhecer este homem.
Logo foram apresentados e ela toda sorridente disse
- Ti Zé posso ler o que escreve
-Pode sim menina ,mas você da cidade também gosta de versos
Ana sorriu ,apertou -lhe a mão num gesto terno e disse
-Vamos lá ver isso

Ti Zé mostrou uns quantos versos em papéis já amarelecidos pelo fumo da lareira ,gastos pelo tempo de nunca serem vistos.
Ana estava deliciada ,como alguém tão humilde escreve coisas tão lindas,quase um retrato da vida diária.

Ela começou a ler em voz alta e ao ti Zé caiam as lágrimas de contente .
Ana pediu uns quantos versos e prometeu voltar .

Queria fazer algo para aquele homem se sentir valorizado.
Ana foi á Vila,passou os versos para outras folhas e mandou encadernar.
Fez um livrinho tendo na capa a foto do ti Zé.

Uma semana depois voltou á aldeia e levou consigo a prenda ,eram horas da janta ,e lá estava o pastor com uma chouriça na mão cortando com a navalha sentado na soleira da porta.
O carro vermelho parou ,Ana dirigiu-se a ele e disse
-Trago uma coisita para si amigo.
-oh menina mostre lá

Ana entregou o livro ,ti Zé chorou de tão emocionado
-Ai menina posso lhe dar um abraço mas eu cheiro a cabras sou do campo
-Pode sim ,venha daí esses ossos.
Ana sorria de feliz ,os dois sabiam que serem reconhecidos por tão pouco é melhor que muito dinheiro junto e ninguém nos dar valor.

Não sei como agradecer mas sempre que venha a Mesão ,tem aqui um homem humilde á sua espera.
Ana trouxe duas chouriças porque aquele cheiro ,ainda hoje o sente e o ti Zé nestes setenta e oito anos lembra tanto da Ana que a chama de sua menina de Lisboa com olhos meigos .

Anabela Fernandes 




 Era uma vez ...
uma aguarela de luz e cor
nascida do ventre da terra
a quem chamaram...
Primavera em flor!
Tão cheia de alegria
trazia nos seus olhos a esperança
do rejuvenescer da natureza...
em cada dia!
O seu corpo salpicado
de singelas flores
encanto de criança...
era um lindo lençol bordado
onde o sol se deitava...
numa promessa de amor!
Pelas suas mãos ...
jorravam as águas cristalinas
das fontes renascidas
que são promessa
á terra sequiosa de vida!
Era essa primavera ....
que há muito esperavam
as alegres andorinhas
vestidas de saudade
do seu ninho....
que há muito deixaram!

21-03-18 maria g.



 Era uma vez, uma história sem pés nem cabeça, que começava assim...

Que ATRAPALHAÇÃO! Naquele dia de SOLIDÃO.
PRIMEIRO chegou o BÁRBARO RIVAL do GRANDE Hércules, com o DEDO a ESPICAÇAR. Qual VAREJEIRA adejar há volta de uma LAMPARINA. ZANGA como aquela, IMPOSSÍVEL de TERMINAR! Hércules barafustava, enquanto com HESITAÇÃO, um MÍSTICO JAGUAR se aproximava. OCULTO por um XAILE, anteviam-se QUATRO patas, dignas de NOTA, mais parecendo as de um URSO, pronto a cometer um CRIME. Estava era FALIDO, não tinha nada para vestir! Foi de partir a rir!

Autora: Fátima Andrade





Era uma vez, a verdade.
Só queria ser sincera,
Deixar a mentira a espera,
Nunca perder a vontade.

De ser pura e cristalina,
Dar razão a quem a tem,
Jamais mentir a alguém,
Não querer viver sozinha.

Veio a mentira sorrateira,
A tentando convencer,
Que com o envelhecer,
Não seria verdadeira.

Aí ela lhe falou com carinho,
E a chamou a atenção;
Se abrires teu coração,
A verdade é o melhor caminho!

Autora Maria Gomes Pereira Cabana

14-03-2018
Era uma vez uma DONZELA''
(Mar cruel)

Certo dia uma Dozela
Pela praia caminhava
Com seu véu era bela
Ver o mar ela chorava

Um cavaleiro passava!

Menina porque chora
Neste dia tão colorido
Na areia que a devora
Não suje esse vestido

-Ela soluçava...

Senhor, meu amado partiu pro mar!
No seu barco ele se voltou assenar!
E quando estou neste mesmo lugar!
Minha alma implora para o abraçar!

Mas Dozela, ele vai voltar!

-Não meu Senhor!
Faz tempo que meu amado partiu
e nunca mais se viu!

E a Donzela pela praia caminhava...
E o cavaleiro triste acompanhava...

Se fez silêncio!

Subitamente,
desceu do seu cavalo e a abraçou!
Esse nobre e gentil cavalheiro,
pela triste e bela Donzela,
por fim, se apaixonou!

O.Rodrigues
 




 Se faz a nossa vida de passagens, acontecimentos que a memória guarda em inscrições marcantes.
Depois...

Era uma vez.
Em que o dia nasceu florescido,
Depois de uma noite de clamor.
Choveu intensamente, já em Março.
Quando a natureza queria só explodir em flor.
E foram cascatas de água,
Lágrimas talvez...
De anjos em rumo ao paraíso.
Barrados no caminho por ventos impetuosos.
Corriam a terra apressados,
Nada os impedia no caminho.
Longe do meu olhar, o mar bramia.
As ondas cavalos em tropel.
Investiam na terra estremunhada.
Deixando nu o areal.
O farol aceso indicava.
Fazendo longe entoar.
Cuidado! barra fechada,
Está acordado o forte mar.
E nas janelas gastas dos abrigos.
Nós que arquivamos as histórias.
Ontem foi uma vez só de sorrisos.
Hoje é outra vez,
Para em linhas de vento escrevermos as memórias.
Amanhã será outro recordar.
Era uma vez.

Augusta Maria Gonçalves. 





( Continuação )

Era uma vez o desejo que se perde na imensidão de um beijo,numa troca de olhares ,na magia do amor.

Susana estava sozinha á algum tempo ,sem qualquer relação amorosa ,não que fosse esse o seu propósito de vida mas porque ainda não tinha encontrado a pessoa X ,aquela se tomasse o seu coração.
Sabia-se uma mulher apaixonada que se entregava com amor e por amor,só assim a vida para ela tinha sentido.
O Jorge homem nortenho,mexia com ela de uma forma inexplicável,quase louca.
Era terça feira á tarde e como hábito foi às compras ao Shopping e sentou-se a tomar um café na esplanada.
Aquele sítio era maravilhoso com uma paisagem que a deixava divagar e perde-se nos braços de Jorge,no odor do seu perfume que sentiu tão de perto,no calor da suas mãos que só de pensar excitavam a pele,e a voz essa era mel nos seus ouvidos.
Estranho pensava ela ,que raio o que é que este Portista veio desalinhar a minha vida ,mas ao mesmo tempo ,o coração sorria de alegria.

O telefone interrompe este silêncio,era Jorge.
-Ola princesa estás bem ,era assim que ele a chamava.
-Sim Jorge e tu ?
-Estou com saudades tuas ,não páro de pensar em ti
-Quem bom,mas espero que sejam bons pensamentos
-Claro,este meu lado poético já te imagina aqui no Douro ,num cruzeiro a dois ,perdidos nesta paisagem paradisíaca.
Susana ,só queria dizer que sim mas era muito comedida e não queria passar uma imagem de ansiosa.
Falaram mais um pouco,mais umas trocas de mimos e desligaram .

Jorge queria contar a Susana a sua vida mas tinha algum receio,foi um homem de algumas paixões,um casamento terminado, dinheiro gasto onde não devia ,e hoje não podia nem tinha a vida que gostava.
Foi um bonvivan e isso trouxe consequências.
Nunca pensou poupar mas viver a vida ,tirando dela o melhor proveito.Mas hoje nos seus sessenta anos já vê a coisa numa outra prespectiva.
Que pode oferecer a Susana se até para ir passar um fim de semana a Lisboa teve de contar os euros,tudo isto tomava o seu pensamento.
Mas sabia que amor ,carinho , cumplicidade ,isso daria aquela mulher ,dona do seu pensamento.

Passou um mês de vários telefonemas ,e eis que Susana liga a Jorge e o convida para vir a Lisboa.
Jorge não esita e faz-se ao caminho.
Era um fim de semana que estava sozinha e queria aproveitar ,saborear o que há muito desejava.
Preparou a casa com velas aromáticas, flores,uns lençóis acetinados na cama .
Espalhou pétalas de rosas na mesma , um bom vinho para o jantar para acompanhar o bacalhau no forno.
Vestiu um vestido vermelho um pouco a cima do joelho ,um colar prateado ,uns botins que lhe alongavam a perna e desejou estar tudo perfeito.

Eram sete horas e toca o telefone ,era Jorge que tinha chegado,o coração de Susana acelarou.
Cumprimentaram-se ,a conversa fluia naturalmente,o jantar divinal e os dois estavam rendidos aquele ambiente,trocando mimos ,toques leves no rosto,beijos nas mãos,pernas entrelaçadas .
No final do jantar ,Jorge ajudou a Susana arrumar a cozinha ,e caíram os dois no sofá escutando uma música instrumental.
Não foram precisas palavras,a paixão fez-se sentir .
Roupas espalhadas até ao quarto, lençóis amarrotados,odor á amor,gemidos sussurrados e o dia clareou com a certeza de que vale a pena ... ESPERAR....

Anabela Fernandes





Era uma vez, alguém que disse ser "pindérico" rimar mar com amar, ou com ar e ainda atenção com desatenção... Então eu fiz esta poesia de fazer rimar o que quiser doa a quem doer!

Era uma vez...

Outras rimas!?!
Como vou rimar
com a imensidão do mar?
Vou ter que pensar
que rima lhe dar..
Sempre dá no mesmo!
Mar rima com ar,
com dar e acariciar,
levando-me a pensar,
no verbo Amar!
Tão lindo e belo,
poderoso e singelo.
Não quero saber!
Liberdade quero ter,
de rimar "alhos com bogalhos",
se tiver de ser!
Olhar alguém nos olhos
e poder dizer..
...Gosto de ti aos "molhos"!
O que eu quiser!
Quer seja banal
ou fenomenal!
Que seja fantástico
ou sarcástico!
Quero lá saber!
Apenas quero ter
o poder de escrever,
o que surge de dentro de mim...
Porque me apetece!
Porque sim!
E se quiser amar
sobre a imensidão do mar,
me unir às estrelas
e à lua...
com a minha pele nua,
naquele mar profundo,
num qualquer canto do mundo...
Então é isso que vou fazer!
Porque sou muito "ser",
uma simples Mulher,
que sabe o que quer!

Amar com mar,
olhando as estrelas ao luar.
Ter o poder de escrever,
só pelo simples facto,
de o querer!
Por isso não quero saber,
doa a quem doer!
E não me vou remoer,
por "aquilo" que escrever!
Faco-o por mim,
pois sou assim!
Com pózinhos
Perlimpimpim,
somente e porque sim!

À, já me esquecia..
E com asas de "querubim"!

Autora: Fátima Andrade 




ERA UMA VEZ UMA MENINA
<
Com seu vestido a ponto cruz bordado ,
saltitando com sua mãe de mãos dadas;
e seu vestido já sem cor de tantas vezes lavado
estava linda como num conto de fadas.
Calçava sapatos já gastos herdados da irmã ,
coitados ,desmaiavam de tanto uso ser dado.
a malinha de pano pintada ,era o seu talismã....
o pai num salto de noite a Espanha tinha-lha comprado.
apertou a mão da mãe , que de olhar sereno lhe sorriu,
era a mãe mais linda de todas as mães que já tinha visto .....
foi ela que com doçura, para o passeio a vestiu
com ternura lhe colocou seu colar com a cruz de Cristo.
Tão bela... de olhos azuis iguaizinhos à cor do Céu ,
cabelos loiros da cor das searas maduras....
pelas costas num gesto atrevido jazia o seu chapéu ,
e no olhar transparente ,havia beijos com mil doçuras.
E a menina feliz ,de gasto vestido ,
cheia de graça com o sol a beijar ,
guarda num baú como um livro muito lido ,
memórias de infância de quem a soube amar.
*
C.BAIONA.C. 





“VIAGEM NO TEMPO”
Era uma vez
Uma viagem no tempo
Trouxe uma saudade
Uma mágoa, uma dor
Uma alegria inconstante
Uma lágrima escorreu
Sem pedir permissão
Como o beijo perdido
Num tempo para esquecer
Um amor para lembrar
Aquele momento gravado
Aquele sorriso fascinante
Aquele olhar sedutor
Aquelas palavras de amor
Como se esquece?
O mesmo gesto
O mesmo sonho de amar
Num afago de abraço
Num beijo sem fim
O relógio marcou o tempo
O tempo tentou fugir
O amor esvaneceu
Foi embora
Foi uma lufada de ar fresco
Que deixou só tristeza
Mas tinha de ser assim
A vida troca as voltas
Nem sempre é como se quer
Ficou no mesmo lugar
Nesta viagem do tempo…
Em que só pode dizer
Era uma vez…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 




 Era uma vez ...no tempo
em que esse tempo era
vivido tão vivamente....
que escrevi o que passo a contar!

Acordo sobressaltada
pois tenho hora marcada
para andar por aí!
Abro os olhos, olho o relógio
que horas são?
Meu Deus ...começa a agitação !
Lavo os dentes e tudo o resto
e pelo meio de tanto asseio...
penso e rezo, nem sei se rezo....
mas penso, estou viva...
mais um dia me foi dado pra viver
a Deus vou ter que o agradecer!
Aqueço o leite, faço as torradas
Abro a porta pra sentir e ver...
que tempo está a fazer
o canto do canário me chama
os gatos roçam- me nas pernas
e o leite derrama!
Enquanto corro para o telefone
que toca sempre com pressa
na passadeira tropeço ....
mas não vou cair!
De qualquer coisa me esqueço ...
antes de sair!
Saio pelo jardim
ele faz parte de mim
as minhas flores ...são um dos meus amores!
Olho as horas!!!
agora é que tem que ser...
vou ter mesmo que correr
tenho compromissos não posso faltar!
Deixo a cama por fazer, o pó por limpar
nada disso me vai aqui prender!
Enquanto corro neste devaneio
com tanto precauço pelo meio
de uma coisa tenho a certeza ...
que sem sobressaltos ...
a vida não teria beleza!
Por isso vou andando por aí
correndo,caindo,levantando- me
vivendo!!!
Dando aos outros...
Um pouco de mim!!!!

...... maria g. 




AVALON

Era uma vez, uma ilha
Envolta em brumas...
Pelo mistério rodeada

Avalon ilha encantada!

Havia nela, um místico jardim
Onde floresciam...
As mais belas flores...

Mal amanhecia o dia
Do místico jardim, todas
As flores se erguiam

E como por magia...

Das suas pétalas delicadas
Mil notas musicais
Se desprendiam...

Em em uníssono... em coro
Soavam doces melodias...
Melodias de amor!

Rosa Maria Correia Marques 





Era uma vez!
Uma sonhadora
mulher, menina.
Do seu querer ao invés
deixou em penhora
sua incógnita sina..

Queria ela !?!
No sonho de alguém
ser amada,,,
e sem saber quem"
espreitava da janela
do seu coração,,,
estava apaixonada
não queria ela"
sonhar em vão...

Era apenas um sonho
em seu sono instalado,
e o seu desejo,,,,,
sendo mega medonho"
esperava ela,
um príncipe encantado
encantado por ela...

Um tiro na esperança
ela ia desparar,,,
mas quem espera alcança,,,
então no sonho dela
o príncipe foi parar.
Mulher menina, alcançou
o sonho que tanto sonhou"
então colou em lembrança,
um sonho,,,
que muito amou ...

Arminda...T.G.L.. 





Era uma vez

Ela fora menina

Ela era tão tão...
mas que raio era ela?
só pensava e pensava
tinha agora a sensação de que já era tarde
mas para quê ? e porquê?
Ainda se lembrava de querer ser grande e lhe parecer que o dia em que finalmente fosse crescida, nunca mais chegar
agora só queria ser novamente criança
ou será que não?
A sua infância não fora um sonho, era com alguma inveja, que muitas vezes ouvia outra mulheres lembrarem com nostalgia as suas infâncias, até mesmo aquelas, que sendo oriundas de famílias pobres, tinham passado parte da mesma a trabalhar, quer no campo, quer a tomar conta da casa e dos irmãos mais novos fazendo-se gente muito cedo, mas era raro não haver um brilho no seu olhar ao falar daqueles tempos, fosse das correrias ao ar livre, fosse da escola e até das réguadas que hoje as fazem rir, fosse do primeiro beijo ás escondidas,dos bordados, das rendas, dos remendos das calças e dos vestidos, do pouco pão,da pouca carne, das poucas gulodices, da alegria do parco Natal, Pascoa e aniversários, do frio por falta de bons agasalhos, dos sapatos que passavam de irmãos para irmãos e primos, assim como os livros da escola, das sebentas, de ler á luz de um candeeiro de petróleo ás escondidas dos pais,de terem algumas, que ir servir muito novas para casas de senhoras finas em Lisboa, Porto ou numa outra grande cidade, quer até a sensação de injustiça, por verem outras de vestidinhos rendados na missa de Domingo,mas era raro, não a recordarem com um sorriso de autentica felicidade
Ela não, mal se lembrava de ter sido feliz, quanto mais da infância, a maior recordação que tinha dessa altura da sua vida, era a de solidão, solidão na cama, na escola, em casa,em seu redor, estava dentro de si e ainda permanecia, como uma segunda pele que teima em ser sua.
Sabia que outrora fora criança, não porque se visualiza-se assim, mas porque das pouquissimas fotos que lhe mostraram, estava lá a sua cara e o seu pequeno corpo, também recordava que sempre tinha sorriso, não sabia porquê, porque as noites eram de revolta, ás voltas na cama, sem sono e revoltada por ter de dormir, sabendo que amanha ainda não seria grande.
Lembrava-se muitas vezes do pai, que quando a levava á escola pela mão, o fazia com uma rapidez que a obrigava a correr ...e sorria, lembrava que só brincava com rapazes, as raparigas gozavam com ela, olhavam-na de lado com estranheza,nunca soube porquê, já os rapazes pareciam um enxame á sua volta, e ela jogava á bola, saltava, corria, parecia um cabritinho ..e sorria, fora as vezes em que se metiam com ela e num ápice, passava de sorridente rapariguinha, para uma feroz criatura, correndo atrás de quem a tinha ofendido de alguma maneira, oferecendo tabefes a torto e a direito independentemente do sexo, idade, ou altura, nestes momentos nada, mas nada lhe metia medo.
Achou sempre que um dia ia salvar o mundo, sem nem bem saber de quê, via-se heroína, defensora dos mais fracos, dos mais pequenos, dos mais débeis, irritava-a que fizessem troça dos gagos, dos que usavam óculos, dos que não sabiam ou não queriam correr, a esses abraçava e sorria com gosto, indo busca-los para uma brincadeira, ou, falando com eles, tentando incutir-lhes coragem, coragem essa, que á noite lhe fugia, quando se deitava e não conseguia dormir, sem saber onde estaria no dia seguinte, com quem e tendo a certeza que muito faltava para crescer.

14 Março 2018
ANA MARQUES 





 MEMÓRIAS

Era uma vez...
Alguém que nasceu e cresceu!
Alguém que começou a contar até três!
Alguém que começou a escrever a, é, i, o, u!
Alguém que aprendeu o abecedário!
E o que ela fez?

Aprendeu a juntar as letras!
Aprendeu a escrever nas entrelinhas!
Dava ditados e redações.
Aprendeu matemática, ciências e história!
Hoje... tem tantas vivências na sua memória!
E ainda não aprendeu as lições.

Menina mulher!
Senhora que sabe o que quer!
O que quer da vida, num ou noutro ponto de partida.

Senhora que é deveras sofrida, é lutadora!
Ela constrói pontes pra passar prá outra margem!
Ela derruba muros para seguir a sua viagem.

Ela é uma sonhadora!

Ela vê sempre uma luz ao fundo do túnel
Ela acredita num anjo de luz!
Quando carrega nos ombros!
O peso de alguma cruz.

Ela é introvertida!
Ela é uma flor de jardim!
Ela é sensível como uma borboleta!
Ela diz que não, e diz que sim!
Ela sabe que a estrada não é sempre direita.

Ela sabe que existem curvas, subidas e descidas!
E sabe também que existem pedras no caminho.

Ela sabe e mesmo assim, continua a sorrir à vida!
Às vezes ela também chora, mas para que ninguém sofra!
Ela esconde-se e chora baixinho.

Florinda Dias 




Era uma vez...
Numa aldeia pobre e humilde
nasceu um menino,
antes do tempo em que
as cegonhas transportavam bebés.
Nasceu privado de ilusões,
com pouca expectativa de esperança...
Pois..., seus
olhinhos desconheciam o verde.
Desfolhar livros, era difícil...
Difícil era correr entre as gotas da chuva,
ter água abundante e brincar com lama.
Falo d'Africa!
Tantas vezes, entre risos e gargalhadas,
juntavam-se nuvens no céu...
Criando falsas promessas,
para depois se desvanecerem em nada.
Era um tempo de incerteza...
As soluções estavam na criatividade
e na união...

José Maria... Z L







 


 07-03-2018

Conta-se em cada amanhecer a história real de viver.
Aqui o sol espreita.
Além o frio aperta.
Longe o degelo aflige.
No Polo Norte o icebergue quebra.
Amanhã será " outra vez, era uma vez "
Pois lá longe a guerra destrói, mata.
A vida se apaga como círio.
Há ventres em explosão.
Dão à luz temendo, pelo ser indefeso.
Neste mundo desumano.
Onde matam o amor,
Destroem lares, queimam campos.
Arde o pão.
Ei-los, que rasgam o medo.
Levam rente ao peito os filhos seus.
Sementes de ainda em flor a querer crescer.
Num tempo sem amor para os receber.
Vão caminhando entre os escombros.
Fogem do cheio a morte,
De rios de sangue a céu aberto.
Caem de joelhos, exaustos de cansaço.
Quantos!?
Adormecem num sono eterno.
Abraçados aos pequenos amores em seu regaço.
" amanhã, tudo será ERA UMA VEZ "

Augusta Maria Gonçalves. 





 Era uma vez o mar que diante dos seus olhos era uma vastidão,uma paz que inexplicavelmente invadia a alma .

Susana sentada no paredão da praia de Carcavelos ,olhava perdida num silêncio absurdo,porque estava ali ?Porque se via assim sem rumo ?
Uma nostalgia própria de um dia de Outono cinzento,as nuvens esparsas pareciam que iam gotejar a todo momento,mas Susana no meio deste turbilhão de pensamentos não deu sequer por alguém que se sentou ao seu lado.

De repente ouviu uma voz masculina doce ,tão doce que até parecia que cantava uma melodia.
-Boa tarde ,posso interromper por momentos
Ela olhou de soslaio e respondeu
-Boa tarde ,esteja á vontade
-É daqui desta zona ?
- Sim ! Respondeu ,quase querendo adivinhar a pergunta seguinte
- Eu sou do Norte ,estou aqui de passeio ,acabei de tomar um café ali na esplanada e estou deslumbrado com este mar
A conversa fluiu e quando Susana e Jorge deram por isso já tinham passado duas horas
Anoitecia e ela tinha de regressar a casa onde a esperava o filho adolescente.
Trocaram os números de telefone,um beijo de despedida e Jorge pernoitava no Hotel em Cascais

Susana na viagem de volta só pensava naquele homem,com a idade da maturidade,os cabelos grisalhos que despertaram tantos olhares.
Sentiu um arrepio no corpo .Oh meu Deus estou a ficar louca ,pensou .

Chegou a casa preparou o jantar ,comeu sozinha ,o filho tinha ido para o pai .
De repente toca o telemóvel.
Ela deu um salto do sofá e olhou ,vendo que era o número do Jorge.

-Olá Susana ,desculpa ,se calhar estou a ser precipitado mas como regresso para o Porto amanhã ,posso te convidar para almoçar
Ela nem queria acreditar ,mas não se conteve e disse que sim.

No domingo de manhã ,abriu o roupeiro,escolheu uma calça preta que lhe mostrava as formas do corpo,um camiseiro vermelho mostrando um pouco dos seios ,nada de muito indiscreto.
Um pouco de maquilhagem e sentiu-se linda.
Dirigiu-se a Cascais e almoçaram por ali,um restaurante perto do mar.A cumplicidade deles era tanta que parecia que se conheciam á décadas.
No meio do almoço ,as pernas por baixo da mesa se tocaram...uma sensação de calor a subir pelo corpo se apoderou deles
Susana voou em pensamento,Jorge também.
No final do almoço ,ele pegou nas mãos dela,dizendo.
-És linda ,esse teu olhar ,a tua voz ,a tua sensibilidade ,estão a mexer comigo .
-Oh Jorge ,eu sou tão simples,tu um homem vivido ,habituado a outros tipo de mulheres ,quem sabe
Jorge beijou as suas mãos,acariciou de leve os seus lábios .
Saíram dali rumo á marina .

Olharam de novo o Mar ..não foram precisas palavras

Ambos sabiam que iriam de novo ali voltar juntos

O amor tem razões que a própria razão desconhece

Anabela Fernandes 





Era uma vez…
Um barquinho a navegar
Para dar a volta ao mundo.
Já ia no alto mar
E o barco foi ao fundo…
Não mais conseguiu voltar…!
Era uma vez…
**
Aida Dinis Sampaio 





Era uma vez....num tempo de agora, em que a guerra, o ódio, desprezo, ganância e egoísmo, criaram o "Espectro da Destruição"....

Cai a noite..
Está escuro como "breu"!
Um vampiro saído das sombras
Sugando a cor do céu!

Pessoas e animais fugindo
Daquele "ser" tenebroso
Malvadamente sorrindo
Suga o sangue delicioso!

Gritos aterrorizantes
Saem das gargantas esburacadas
Pessoas e animais tombam,
Nas ruas, pelo sangue alagadas!

Todo o ar foi absorvido
Ficando denso de humidade
Pegajoso e aturdido
Uma calamidade!

Estendendo o seu espectro
Semeia a destruição
com as garras arrancando,
Coração a coração!

Corpos dilacerados
Por todo o lado jaziam
Com grunhidos macabros
Alguns se reerguiam!

Qual zombies desfigurados,
vagueando pelo mundo
Corações "estraçalhados",
Num poço sem fundo!

Guerra maldita
Que estupras a dignidade
Ceifas vidas inteiras
Sem culpa e repleta de maldade!

És o espectro da destruição
Não olhas, nos olhos de ninguém
Não sentes compaixão
E pela vida, só tens desdém!

Que a chama do amor te consuma
Até não restar mais nada teu
Vai para os confins do inferno
E deixa-nos ficar com o céu.

Autora: Fátima Andrade 





Era uma vez um Papagaio.
Tinha as penas muito coloridas, de bonitas cores, com as cores o arco-íris!
Como Papagaio… não se cansava de papaguear… parecia gente, tudo aprendia.
Vivia num grande espaço de luz… num restaurante muito chique, num local onde os clientes não o conseguiam ver, nem sabiam da sua existência.
O seu dono resolveu ensinar-lhe uma malandrice – JÁ PAGASTE?
Mal ele aprendeu a linguagem… logo que viu o primeiro cliente a sair da porta depois do repasto… fez-lhe a pergunta muito bem formulada…
- JÁ PAGASTE?
Oh! Palavra que tu disseste…!
O cliente irritado… deu um murro na cara do dono… e saiu de imediato!
O dono… ficou apalermado… sem reacção…!
A partir desse momento, ensinou ao papagaio estas palavras – AGRADEÇO VÁ EM PAZ.
Depois… abriu uma grande janela envidraçada que dava visibilidade para aquele grande espaço do seu papagaio falante.
Quando os clientes entravam ficavam maravilhados ao ver o Papagaio com as suas lindas penas coloridas com as cores do arco-íris… sorriam, davam os parabéns pela transformação dada ao restaurante e por aquele belo exemplar.
À saída… o Papagaio passou a dizer: - AGRADEÇO – VÁ EM PAZ…!
"Era uma vez"…
Esta historinha por mim inventada.
**
Aida Dinis Sampaio



 O TRAÇO DO TEMPO

Que tempo é agora?
Há quanto tempo, este tempo não para de parar?
Este tempo de amar!
E o mar espraia-se na areia,
O sol encobre-se no horizonte,
As estrelas nascem no firmamento,
Para se apagarem na tranquilidade do lago.
Corações solitários,
Folhas ao vento
Na tristeza,
Como amantes da solidão
Que baixou às almas.
Gotículas de orvalho remanescem
Na esperança do amanhecer.

José Lopes da Nave



 Uma vez no tempo
Do era uma vez
Desbaratei na colina do passado
Um trilho que me levasse até ti
Subi e desci as escadas da vida
Num vai e vem. louco sem fim
Gritei às sombras da noite
Para que nas suas asas o vento
Me trouxesse a tua voz
E apenas por um momento
Em surdina falasse de nós
Dessa vez mais uma vez
Fiquei presa no era uma vez

//... Maria Isabel Machadinho




“O FREDERICO E O SEU BURRO””
Era uma vez
Um “peixito ”chamado Frederico
Vivia nos arredores de Sesimbra
E vinha á vila todos os dias com o seu burro
Que saudades que eu tenho
Do Frederico e do seu burro
Calcorreavam as ruas de Sesimbra
Ele e o seu burrico, sempre juntos
Era a família dele
Tratava-o como pessoa
Há burros mais inteligentes
Que certas pessoas
Que só têm é bazófia
Falam, falam
Mas não dizem nada
Este percebia tudo
O que o dono lhe dizia
Andavam de porta em porta
A apanharem restos de comida
Para darem aos porcos
Que o dito Frederico criava
Os estrangeiros achavam-lhes graça
Tiravam muitas fotos
Tenho saudades desse tempo
Do Frederico e do seu burro
Hoje veem-se muitos burros
Mas só de duas patas
Os de quatro patas
Estão em vias de extinção
Estejas em paz Frederico
Tu e o teu burrico…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA
P.S. (Peixito é como chamam ás pessoas de Sesimbra) 




 Era uma vez... Um "Grande Amigo"
Loucuras na vida
Todos nós fazemos
Abrimos a boca
Sem saber o que dizemos...

Falamos barbaridades
Ignoramos o efeito
Provocamos calamidades
Sem o menor respeito...

A boca fala
O que o coração não sente
Mas nesse instante
Magoamos muita gente...

Cruéis ou displicentes
Pouca diferença faz
Não nos torna diferentes
Da maldade que mundo jaz...

Ingénuos ou ignorantes
Muito perdemos na vida
Amigos importantes
Abrimos muita ferida...

Pedir perdão não é usual
Perdoar muito menos
Provocamos muito mal
Por isso nós sofremos...

07/03/2018
Fernanda Moreira 





 Era uma vez...
uma jovem que deixou de ser menina
achou- se mulher quando
sentiu pela primeira vez a dor...
de uma platônica paixão !

------------------------
Batia seu coração
descompassado
numa arritmia louca...
e só de pensar no seu nome...
ficava de sorriso na boca!!!

Sentia sua mãos vazias
sem o poder abraçar
com o coração sempre á espreita
pela esquina do seu olhar!!!

Deixou o coração sonhar
com uma ilusão quase loucura
que até a noite mais escura ...
conseguia iluminar!!!!

Havia nela uma tristeza
que a todos ouviu dizer
que a sua fresca beleza
ele não a estava a merecer!!!

Há!!! nome suave e doce
que não respondeste á chamada
e a alma ficou cansada
de fazer como se fosse!!!

07-03-18 maria g. 




Era uma vez um anseio
Que andava tão vago,
Tão alheio,
Num devaneio...
Vejam só!
Queria a luz da Lua,
Só sua !
E assim, implorou ,
Pediu,
Insistiu,
Chorou!
A Lua ,que estava
No Quarto Minguante,
Num sorriso estonteante
De graça e doçura,
Acedeu !
E vejam só o que aconteceu!
O anseio ,
Num doce enleio,
Pos a aura da luz da lua
Num certo olhar,
Com promessa
De mil Primaveras a chegar !
E tudo iluminou
De prata e luar!
" Porque agora a luz da Lua"
Era só sua !...
... E nunca mais foi noite escura !
Apenas uma rua ,
Forrada de amor e ternura ,
Onde ppara os dois,
Nunca mais haverá
Nem antes, nem depois !...
Apenas esse anseio,
Que virou eternidade
Na felicidade,
E o brilho desse olhar,
Que a luz da Lua
Jamais
Deixará apagar !
M. DE LURDES CAMPOS




 Era uma vez um desejo
A longa espera de um beijo
E quando o beijo foi dado
Da timidez arrancado
Trémulo e desajeitado
Mais veloz que o passo dado
Num instante comovido
Como um feito conseguido
Que ficou na inocência
Porque ela é permanência
Guardada pela vida fora
Até que se vá embora.

ERA UMA VEZ –
HERMÍNIO MENDES




 28-02-2018
 Era uma vez a vaidade...
Tão vaidosa que era,
que por ninguém tinha amizade!
Vivia para o seu reflexo,
não se cansava deolhar.
Uma vida sem nexo,
sem ninguém para amar!
Mas ela, lá se ia convencendo..
Bonita como eu?
Espelho meu, espelho meu...
nem aqui, nem no céu!

Há vaidade vaidosa,
a beleza está no interior.
Deixa de ser gananciosa
e dá valor ao amor.
Olha para além de ti,
olha bem em teu redor,
Sê feliz e sorri...
Porque é somente,
o que levas daqui!

Autora: Fátima Andrade



 Era uma vez um RIO que queria ser MAR
O rio sonhava ser grandioso ter vagas gigantes,rebentar nas rochas ,galgar paredões...visto por multidões
Mas o rio era pequeno de água límpida ,sereno ,tão pequeno que passava despercebido ,era lindo mas não o sentia ...o seu íntimo dizia ser apenas um afluente
Não se contentando com a sua pequenez ,segredou á lua ...a sua revolta
D.lua fez-lhe ver as diferenças mas também as semelhanças,a sua beleza mas o rio.em vez de escutar não ,começou a procurar ajuda das trevas ,do peixe aranha ...congeminou contra o mar ...ciúmes tomaram conta dele e o rio deixou de ter águas límpidas e estas deram lugar a turvas ,ficou contaminado.
Já não tinha pescadores,nem amantes na sua margem,nem beijos ao luar perto de si.
Um dia o rio perguntou ao Sol o porquê disto .Este na sua grandiosidade respondeu
- Sabes rio ,cada um tem de ser feliz como é não podemos querer o mundo dos outros ,não podemos desprezar nem humilhar por inveja porque somos todos filhos de um Deus
Não cobices o alheio ...não queiras ser MAR porque és um RIO e se te aceitares assim... serás o maior ...belo ...
Se não , serás apenas sujidade , ninguém te olhará...porque a maldade é o pior dos defeitos a soberba um desgaste .
O rio pensou em tais palavras , SORRIO e correu para o mar ,juntos se juntaram e foram o encanto dos enamorados.

Não queiras ser o que não és...mas sim dar valor a ti mesma ...não subjugues os outros porque a grandiosidade está dentro de ti,não naquilo que os outros vêem por fora .

Anabela Fernandes




Era uma vez a menina Flor Lilás
e o seu amigo Cacto Pico Loiro,
esta é uma história rimada
de Pétalas e Picos

Pé verde, fino e frágil
Botão doirado, ao sol virado
Pétalas lilás, braços de paz
É uma pequena flor ágil!

Baloiçante ao leve vento
Ao sabor do dia o olhar apraz
Fechada, embala ao relento
Perante outro olhar fugaz

Atento à beleza, espreita sob o arbusto,
Seguro pelos vivaços picos,
de caule curto mas robusto,
O cacto de gentis e loiros bicos

Na hora vespertina
Pisca o olho à menina
Que, tão envergonhada,
Solta uma pétala, corada

Naquele jardim sempre acontecia
No fim de cada dia, muita magia
O Pisca Pisca do canteiro vizinho
Coloria, lá no vaso do cantinho
A elegante flor que adormecia a sorrir
E outro solarengo dia a pedir

Rute Pio Lopes 





Era uma vez um sorriso
Que não queria desaparecer
Mas sem querer
Deixou de sorrir
Quebram-se sorrisos
Mas nada muda
As gaivotas continuam a voar
As flores nos jardins não murcham
Continuam a desabrochar para a vida
Os rios continuam a desaguar nos mares
A bordejar as suas margens, beijando-as
As ondas continuam no seu ondular
Bailando com a areia, fazendo amor com ela
O mar continua no seu ritmo
Calmo ou tenebroso, maravilhoso ou austero
Os caminhos desencontram-se
Ideias, leva-as o vento no seu restolhar
Não podemos deixá-las ir
As amizades quebram-se
Têm de ser alimentadas
As ilusões perdem-se no tempo
Temos de as acalentar
A saudade corrói a alma
O amor precisa de incentivos
Mas não deixem morrer o sorriso
Os sorrisos não se podem quebrar
Haverá sempre um sorriso em cada rosto
Uma esperança em cada olhar
Não deixem que os sorrisos se quebrem…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 




 Era uma vez ...
No tempo em que o verão se fazia sentir longo e de calor intenso e não havia ar condicionado senão uma simples ventoinha que já ajudava mas se mostrava insuficiente,
que me lembro de minha mãe me obrigar todos os santos dias de verão a dormir a sesta coisa que para mim criança irrequieta era um tremendo castigo! Nem sempre dormia mas como ela dizia ...repousava que me fazia muito bem!!!
Então estendia um cobertor no chão da sala para eu me deitar, com tudo às escuras pretendia então assim criar o ambiente propício para uma longa e fresca sesta!
Acontecia que para as casas não aquecerem demasiado, durante o dia fechavam- se todas as portas e janelas com os respetivos taipais e á noite então abria-se tudo de novo e desta vez escancaradamente para que o fresquinho pudesse entrar de luz sempre apagada claro!!! para que não entrassem os inconvenientes mosquitos!
Depois do jantar era ver toda a gente na rua ...uns passeavam simplesmente, outros sentavam- se a conversar e a contar histórias antigas. Ouviam-se gargalhadas enquanto as crianças brincavam livres e felizes!
Havia sempre alguém que possuindo já um televisor tinha a generosa atitude de nas noites de boa programação chamar os vizinhos para poderem todos assistir!
É assim desta forma harmoniosa de são convívio que me lembro das noites quentes de verão.

29-02-18 maria g.



Ela Sorria

Ela agora sorria, tinha navegado por tantos mares
tinha engolido tanto salitre
tinha pegado de caras tanta forte rebentação
Mas agora sorria
E o estranho é que mesmo sorrindo
ainda se sentia em alto mar
Mas como ? perguntava-se,
a vida parecia agora uma viagem num navio de prazeres, o mundo tinha agora tantas cores, o vento agora ausente
deixava-a ouvir os pássaros e como cantavam, diria melhor como falavam, as conversas que eles tinham, e eram enérgicos umas vezes, outras planavam serenamente apreciando o solo descansando de vez em quando num ou outro galho
E ela ali ficava, de olhos postos num céu muito azul, tentando advinhar o que sentiriam os passaras
o que faria como que todas as manhas se levantassem ao nascer da aurora e assim alegres e descontraídos
viverem mais um dia. composto por procurar alimento ,água planar, descansar e ao entardecer dormir.
Pela primeira vez, ela acreditou que talvez fosse fácil a vida correr assim, sem muitos desejos e sonhos, sem ter que amealhar objectos e memórias, sujeita a uma não desejada prisão emocional, alem de física, porque qualquer partira requeria uma organização de coisas consideráveis e indispensáveis ao dia a dia.
Os pássaros não ,faziam um ninho, sabiam da necessidade de procriar e faziam-no sem alardes , ponham o ovo aconchegavam-no e na hora de se partir e dele outro se erguer, buscavam alimento, que era depositado nos seus bicos trémulos e inexperientes
Mas nem ela sabia explicar o porquê de o barco onde se mantinha continuar a fazê-la marear
E era angustiada, que temia nunca fazer dele um imponente navio, daqueles que atravessam todos Oceanos, seguros de si ,contornando gelos e correntes quentes
corais pontiagudos e rochas submersas
que atracam sem tremer num cais de um País qualquer.
Sabia como sabia, que viria um dia em que o mar chão de hoje seria nova tempestade amanha , e não queria pensar, planear, só queria deixar escorrer esta maré tão anormalmente rasa por si, deixar que a penetrasse, que a tomasse nos braços, que a fizesse dormir como quem acaba de nascer, como quem na sua inocência só do papão tem medo e nada lhe diz se um amanha será melhor, pior, assim assim ,o que pretende é as mãos da mãe na testa e no peito e a voz grossa do pai, ao sei ouvido falando-lhe das estrelas brilhantes lá no céu, e de como a princesa, encontra sempre o seu Princepe, vivendo para sempre num idilio
sem que a morte seja afinal algo a temer
visto nem sequer ser mencionada nas histórias de encantar.
Ela hoje sorria e sabia que o deixaria de fazer, mais depressa do que querer é poder
Bastava aquela angustia, que fazia com o seu sangue parecesse que para fora de si escorria, o murro interminável no estômago, e a voz que lhe fugia cada vez que muito falar queria.
Passou por si um tempo de permeio, onde o certo era certeiro e o incerto muito feio
Acho que sorrindo, o tempo que ia passando se fosse contentando e do alivio a fosse aliviando
Cada embate numa onda sorrateira , era chutada com a raiva de quem sabe, que se ela a enrola, será tarde para submergir, e uma a uma foi combatendo com a força de quem já naufragou e do mar revolto voltou.
Mas quem ,muito com o mar se debate, num casco furado de um bote em mau estado sabe à piori ,que a sorte só dura, enquanto a sua capa for cozida de raís e não remendada aqui e ali por rasgões que não a desfizeram por um triz
Hoje ela voltou a sorrir, os pássaros ainda continuavam a cantar ou falar e a planar, ela já não os via nem ouvia, o seu barco andava à nora, volteava, onda dentro onda fora, e só sorria, porque sabia, que sempre soube, que nunca navio seria e sorrir, ainda era a sua arma para enganar o tempo , covencendo-o, que afinal novo Oceano atravessaria, até ao dia em que do seu bote não mais precisaria

28 Fevereiro 2018
ANA MARQUES




Era uma vez a tranquilidade
Que foi chegando devagarinho
Foi-se instalando suavemente
Contagiando toda a gente
Que encontrou pelo caminho

Era uma vez a paz
Que se sentiu nos horizontes
E que ainda hoje faz
Com que se encontre a calmaria
Até nos velhos montes

Era uma vez o amor
Num prado lindo, verde e amplo
Que se espalhava por toda a parte
Docemente com toda a arte
Para que seguissem o seu exemplo

Era uma vez a vida
Celebrada numa poesia
Contada num belo sorriso
Numa história que hoje em dia
Faz lembrar o paraíso

Sónia Paulo




21-02-2018 
 Era uma vez, num tempo vestido de árvores em flor.
Passeavam unidas de mão dada a mãe e a filha menina ainda.
Levavam no olhar o amor florido.
Felizes se davam a respirar o perfume doce dos frutinhos vestidos de flor.
A mãe ensinava numa prece.
Sorri menina agradece toda esta graça que a natureza veste.
A garota fitou a mãe no olhar,
Balbuciando com inocencia.
Mãe, rezar é quando se está na capela,
Lá há santos, um altar.
Aqui mãe há flores, vento que faz as árvores chorar.
Passarinhos que cantam.
Essa mãe com a alma alindada com um amor perfeito.
Disse menina, cresce aprende a amar este templo sem teto.
Iluminado de sol cirio de ouro.
Acaricia as florinhas que caem, num brincar.
Respira fundo.
Ajoelha neste chão de terra negra.
Aprende amor, que é aqui a capela dos que a natureza louvam cantando a rezar.

Augusta Maria Gonçalves




 Era uma vez ...abril ....
Vivíamos na ignorância
numa absoluta letargia
em que permanecemos
cegos e surdos...
adormecidos na imensa noite
sem nunca mais ser dia!
Mas os cravos foram bandeira
erguidos em muita mão
gritou -se liberdade
e abril fez -se canção!
Dançou-se a alegria na rua
cantou-se a uma só voz
ronpeu-se com o medo e o silêncio
que havia em muitos de nós
Bebedeira de liberdade
ingênua consciência
um povo que vivia de gatas...
de repente pôs- se de pé
e a vertigem não pediu licença!
Esse abril ficou na distância
poema escrito por homens
de coragem, que ao povo
devolveram a esperança!
Hoje em mim...
dourada lembrança!!!!

21-02-18 maria g.



“Era uma vez"…
Um amor
Que não sabia amar
Oferecia poesias em troca de sorrisos
Dava o seu amor em troca de nada
De mãos abertas e punhos cerrados
Acalmava as tuas feridas com a minha ternura
Enregelava os dedos nas tuas mãos frias
Entrelaçava os teus dedos nos meus
Sentia o meu calor no teu gelo
Subitamente escondi a minha alma nua
Tendo nas minhas mãos o teu coração quebrado
Não o reconheci
Engoli em seco, cai-me uma lágrima
Esquecemos as pontes que erguemos
Eram pontes de amor
Esqueceste o meu nome
O meu abraço o meu beijo
Ainda sinto o teu corpo no meu
Sinto as tuas mãos amadas em mim
Enlaço-te
Não sentes o meu amar
Afastas-te lentamente
Deixas as minhas palavras
Desaguarem nesse rio
Que te levará ao mar
A minha alma vai contigo
Não te sigo
Deixo-te ir
Sei que vais voltar
Basta acordar do sonho…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA




Era uma vez a vez do Era.

O Era era o nome dado, certa vez, a três irmãos. E todos falavam e escreviam da mesma forma! Ui, que grande confusão! E ainda mais confuso ficava a situação sempre que alguém dizia Era uma vez, pois todos os três vinham logo de uma vez saber o que se passava
Ora, o primeiro era, era conhecido por ser amigo do Tiago, já o segundo era, era amigo dos manos Pedro e Filipe e, finalmente, o terceiro era era conhecido como sonhador e muito poeta. As meninas gostavam dele e ficavam a imaginar o que eram. Mas as meninas também brincavam com os outros irmãos, quando liam histórias em que o primeiro era, entrava logo para apresentar uma bela história, já que o segundo era, entrava sempre que era preciso e sempre com um belo sorriso!
Os três irmãos davam alegria e magia às crianças! As crianças, cada vez que falavam daqueles três irmãos, faziam estes serem especiais e únicos. O primeiro era, era o mais cómico e hilariante, fazendo piruetas e cambalhotas, com as crianças a darem gargalhadas tão fortes que até as flores ficavam mais coloridas!
O segundo era, era mais conhecido pela luz e pela esperança que trazia a qualquer criança que estivesse necessitada de um gesto mais “especial”… E brilhava tanto que qualquer criança que estivesse com o segundo era, era realmente mais feliz depois da sua passagem. E, finalmente, o terceiro era trazia uma peculiar mistura dos outros dois irmãos: E a missão do terceiro era, dada por Deus, estava na forma deste construir sonhos e esperanças aos mais pequenos, - e não só - , através dos sorrisos e das atitudes, bem como também pela poesia, doce alegria nas palavras que, nas crianças, nascia e vinha em soltas rimas, onde elas aprendiam e faziam jogos e liam durante os dias, mesmo nos recreios escolares.
Ora, os três irmãos tornaram-se conhecidos, quando o primeiro livro nasceu! Foi então que o primeiro era, sempre irrequieto, deu um salto tão grande que, por momentos, foi ter perto das estrelas do Universo e, apenas de lá, voltou à Terra, para entrar em todas as histórias lindas e de encantar!
O segundo era, sendo muito especial, tão ligado que era aos seus irmãos, foi num ápice ter com o seu primeiro irmão, que continuava a entrar pelas páginas. E, enquanto os outros dois irmãos pareciam ter-se reencontrado, eis que o nosso terceiro era, continuava a declamar poesias ancestrais e intemporais, tendo sido responsável pelo encantamento de muitas almas. Mas quando viu uma imensa Luz do Alto do Céu, o terceiro irmão era percebeu que tinha de deixar os amigos que conhecera em toda a Terra.
E, num poema que disse, o terceiro era prometeu continuar a trazer e a dar esperança e inspiração, todos os dias e a cada instante, a qualquer criança, através do gosto pela leitura e a qualquer adulto que precisasse, através da inspiração, em cada nova poesia!
E deu-se que, no fim desta história, todos os três irmãos entraram para sempre nos livros das mil e uma histórias, inclusive do Tiago, do Pedro e do Filipe, sendo amigos destes e de muitas crianças, sempre que as crianças e os familiares destas, lêem novos ou antigos livros.
Assim conta-se que os três irmãos era, continuam actuais e especiais, pois cada um deles completam uma História que compõe a nossa vida no Mundo!

-- Helder Filipe da Silva Monteiro-- 29 de Junho de 2017-- colocado aqui a 21 de Fevereiro de 2018-




 O MEU PASSEIO!

Era uma vez fui passear
Numa nave espacial,
Para umas férias não para ficar
Era uma terra sem igual.
Não sabia onde ficar.
Num local bem diferente
Foi lá que a nave parou,
Maravilha!...fiquei contente
Meu coração interrogou.
Que terra linda, ideal
Depressa fiquei sabendo,
Que era Angola afinal
Que um dia viu-me crescendo.
Amigos,como fiquei
Entre toda aquela gente
Muitos eu encontrei
Angolanos, não me tinha de contente.
Entre, aquela gente Angolana
Árvores de fruta encontrei
Onde havia muita banana
Lá eu voltarei.
E na hora da partida
Uma lágrima limpei,
O meu lencinho acendi perdida
E bastante eu chorei.
Para onde vai agora?
Na nave me perguntaram,
Por esse mundo fora
Onde tanto me amaram.
Na hora de seguir viagem
Segui minha intuição,
Era só uma miragem
No meio daquele sertão.
Quiseram saber de onde vinha
Respondi de Portugal
E que saudades já tinha
Também era minha terra afinal.
Com meus olhos chorando
E no peito grande anseio
Pois que não sabia quando
Tetomsria:O MEU PASSEIO!!
Carmen Bettencourt! 





 O MELRO VOLTOU

Ouvi-o cantar,
aquela ária de gargalhada
irónica, atrevida, desafiadora.
Há muito, fugido andava,
visitou-me:
negro, madrugador, luzidio, jovial, inquieto.
Belo,
de bico amarelo,
na relva saltitando,
de árvore em árvore voando
para a minha varanda entrou
e poisou.
Tinha saudades dele,
pois, todas as manhãs, todas as tardes
ao anoitecer,
o cantar que ouvia
me apetecia.
Mas, assim que me sentia
fugia,
observava-me
cantava-me,
a alma me acalmava
com o canto que declamava.
A ele me familiarizei,
poisado na minha varanda.

José Lopes da Nave




14-02-2018
 Era uma vez um jardim
de roseiras muito belas
mas entre essas...
algumas apenas singelas!
Então, numa roseira singela
que tinha por cor não aquela
floriu um dia ...
uma linda rosa branca!
Rosa degenerada ...
que saíu da sua cor
por tal sorte enjeitada
desabrochou frágil flor!
Tinha o branco d'alvura
a cor do poema que se canta
duma criança a candura....
essa linda rosa branca!
Cheirava a terra lavada
o seu perfume de rosa
pelo orvalho salpicada
era ainda mais formosa!
A beleza fresca e viçosa
que a manhã orvalhou
logo deixou de ser rosa
quando o vento a agitou!
Sua vida foi fugaz
rosa depois de botão
desfolhada agora jaz
caída pelo chão!

14-02-18 maria g. 




 O MEU CAMINHAR

A beleza que me envolvia,
enquanto criança,
era para satisfazer as coisas simples da vida,
as admirar, comprazer-me
e quão agraciado fui
por estar apto para admirar a pureza da natureza
e da convivência humana, fraterna.
Liberdade foi uma das grandes premissas
que logrei viver e estar apto
para assumir, quando jovem
o meu próprio caminho,
construindo o meu destino,
controlando dificuldades
com imaginação e sonhos,
como ave,
iniciando o meu voo.

José Lopes da Nave 




“UM SER CHAMADO MULHER”
Era uma vez
Uma mulher
Germinada de outra mulher
Terna e doce
Tens uma missão
Acordas a vida
És semente fecunda
Desbaratas sonhos
Floresces e encantas
És sedução e volúpia
Esperança e liberdade
Tens chama na alma
Mulher
Chamam-te assim
Ultrapassas obstáculos
Vais pelos atalhos traçados
És força e coragem
És rosa em botão
És mulher e mãe
Voas livremente
Á procura do amor
Não desistes
Mulher
Segues segura
Com os filhos debaixo da asa
Sem medos
Nem preconceitos
És destemida
Amante e sensual
Desinibida e provocante
Mulher inspiração
Mulher poesia
Presente em cada verso
Mulher
Em cada gesto, em cada frase
Trazes o amor no fundo dos olhos
E o carinho nas mãos que abraçam
Segues o trilho do amor
Traçando o teu destino
Na vida que te espera
Com um sorriso no rosto
Serás sempre mulher…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 




O CAVALINHO (Conto já publicado em 2016)

Era uma vez um menino, que tinha cinco anos de idade, igual a tantos outros, traquinas e muito vivo, com uns olhos verdes expressivos e brilhantes.
Vivia com seus pais, tios e primos, numa casa grande e bonita. Nas traseiras, havia um enorme quintal, onde tinham árvores de fruta, animais e também uma horta para alimentar a família. Costumava lá brincar muitas vezes, com os seus três primos, alguns anos mais velhos do que ele.
Toda a família o tratava carinhosamente por Nelito, vivia feliz e contente, rodeado de amor e mimos, de todos eles.
Um dia adoeceu, tinha uma mancha num pulmão, suspeitava-se ser tuberculose.
Começou então o martírio e sofrimento, principalmente para o Nelito, mas também, para os seus familiares.
Durante vários meses, foi um andar de médico para médico e muitas idas ao hospital.
Mas esse menino tinha muita força de viver e um grande sonho. Desejava um dia ter um cavalinho e com ele, poder passear. Via ás vezes, passar na rua onde morava, pessoas montadas em cavalos e também ansiava ter um. Seus pais não lhe podiam concretizar esse sonho, era muito caro comprar um cavalo, não tendo sequer condições, para o sustentar.
Andavam num grande desespero também, estava a ser difícil de debelar, a doença do seu filho.
Para conseguir que ele dormisse, a mãe contava-lhe histórias que ia inventando e o pai lia-lhe contos e poesias, que lhe amenizavam o sofrimento.
O Natal estava quase a chegar, seus pais diziam-lhe para rezar e pedir ao Menino Jesus, o que desejava receber de prenda. Com a condição, de pedir apenas uma.
O Nelito queria ficar curado de vez, já estava farto de médicos e hospital, mas também queria o cavalinho. Rezava então mais ou menos, como lhe tinha ensinado sua mãe, pedindo não um, mas dois desejos, ficar curado e ter o cavalinho. Quando os pais, lhe perguntaram que prenda tinha pedido, disse ter pedido, apenas o cavalinho.
A família fez então um esforço conjunto e compraram um, de cartão muito forte e grosso, com uma estrutura de madeira no interior, fixado num suporte com rodinhas. Cor de café com leite, com crina e cauda de um branco pérola, com sela, rédeas e estribos. Era um Palomino, como lhe chamavam os entendidos.
Chegado o dia de Natal, lá estava junto do pinheirinho, o bonito cavalinho, para ele.
Não cabia em si de contente o Nelito, não lhe importava, que o cavalo não fosse verdadeiro. Andava nele com a ajuda dos primos, que tinham amarrado uma corda ao suporte, que puxavam, para o fazer andar. Também eles, muitas vezes andavam nele.
Estava muito feliz e agradecido ao Menino Jesus, pelo presente que tinha recebido.
Depois de passado o Natal, começou lentamente, a melhorar da sua doença.
A cor voltou às suas faces, o bonito sorriso também, assim como o brilho do seu olhar.
Seus pais e toda a família estavam muito felizes e quase não acreditavam que isso estava a acontecer. Os médicos igualmente, pois o diagnóstico que lhe haviam feito, era muito, muito reservado. Passados seis meses, estava totalmente curado.
O Nelito, que entretanto cresceu e se fez homem, nunca mais esqueceu esse lindo Natal, em que os seus dois desejos foram atendidos. O cavalinho, sabia terem sido os pais que lho tinham comprado. A cura da sua doença, ainda hoje acredita, ter sido dádiva do Menino Jesus. Foram-lhe oferecidos nesse longínquo Natal, os melhores presentes da sua vida.

António Henriques




07-02-2018 
 Naquela janela

Era uma vez e mais uma vez...
como tantas mais ainda serão
a tristeza debruçada á janela
desfolhando os dias de solidão!

Nessa janela virada para a saudade
que se mantém sempre aberta
vejo alguém com marcas de muita idade
que para ver passar a vida cedo desperta!

De gestos lentos na sua expressão ...
de cansaço, de tanto esperar
fica nessa janela da solidão...
todo o seu tempo a ver a vida passar!

Sobre as mãos cruzadas, seus poemas rasurados
mãos que bordaram crivos de esperanças
vazias das vivencias de tempos passados
só silêncio acompanha as suas lembranças!

É a essa janela...
que os meus olhos vão sempre dar
á espera de não ver mais nela...
quem já se despede da vida a passar!

Um dia...a janela não se abrirá
nunca mais será aberta de par em par
e nos meus olhos uma lágrima lembrará
quem nela morria a ver a vida passar!

07-02-18 maria g. 




Era uma vez uma mulher
Que tinha medo de envelhecer
Tinha medo de perder a memória
Ficar á deriva do tempo
Tinha medo que lhe dissessem
Lembras-te?
Já não me conheces?
Como faria?
Não queria quebrar
O cristal da memória
Não queria ficar insana
Não queria esquecer os pormenores
Os locais
Não queria que ficassem
Pedaços em branco
Imagens difusas
Só aguarelas de cores infindas
Não queria escrever na tela
Como se fosse uma criança
Não queria ser borrão
Dizer frases sem nexo
Sorrir sem saber de quê
Quem sou eu?
Quem és tu?
A que não sabe quem é
A que grava frases nas paredes transparentes
A que chama marido ao neto
A que já não se conhece
Ecos soam dentro de mim
A urgência de querer ficar
De não ir para outro lado
Não querer ferir e perder o amor
A dúvida vai persistir
Será que um dia vai acontecer?
Tenho medo de me perder no tempo
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 




 Era uma vez
uma mulher romântica
e sensível,
que flores via nascer
nos desertos inopinados da vida.
E batia as asas iridecentes
de borboleta estontante
na fragrância do doce instante.
Era a alma de mulher!
Aquela luminosidade
que teima em surgir no bem e na adversidade.
E o olhar, por vezes magoado,
vislumbrava beijos
de poentes perfumados
e de crenças sublimadas.
Era a voz da alma de mulher,
a declamar poemas
de amor e fantasia e alguns dilemas.
Um coração pleno de amor,
as mãos formosas,
desfolhando a alma das rosas.
Mulher...
Era uma vez...
Um ser naufragado
na senda da vida.
Forte e corajosa...
bebia da água da esperança.
No infinito prendia o olhar
com laivos puros do ACREDITAR!
Romântica mulher
Em beijos ardentes
na volúpia intensa do querer.
Era uma vez...
uma tentativa de poema,
um perfume a bailar no ser,
um amor e coragem ma alma de mulher.

Emilia Maria 




ERA UMA VEZ

Uma caminhada matinal
Subindo a montanha
Objecto fora do normal
Uma coisa estranha

Quando me aproximei
Uma barcaça de madeira
Longe do rio encontrei
Uma casinha branca perguntei

Um homem de idade
Cabelos brancos sorria
Grande minha curiosidade
Uma forte energia

Explicou-me a barcaça
Que para aqui arrastou
Respeito e graça
A passear me convidou

Sentados olhando a água
Foi bom conversar
Por vezes a mágoa
E a vontade de regressar

Bolhas de água dançavam
Discreto de voz baixa
que alguém me comunicava
Meu corpo se relaxa

esqueci onde estava
numa grande bolha
Minha mãe me falava
Fez boa escolha

Uma felicidade imensa
Meu corpo sorria
Comunicação intensa
Minha mãe não sofria

Escutando a água
Não a deixar morrer
Ela apaga a nossa mágoa
Mas está a sofrer

=====•••Serafim ======= 




 Era uma vez uma menina que dançava nas nuvens
Tinha a ilusão dos sonhos
E o fado na voz
Sonhava ser actriz
Pisar os palcos ,vestir mil personagens
Correr as estações da vida ,vivê-las na plenitude
Era a menina poeta ,de livro mão
De mochila às costas ,doce Cinderela
Pensava ela ...
Eram tantos os poemas de amor
Alguns de dor,de sonhos e fantasias
Escrevia ,guardava no baú escondido
Um dia encontrou o poeta
Oh!!!!!! Tão lindo conto de fadas
Se enamoram ,casaram
Fazendo das palavras o baloiço da vida
Foi a partida ....o meio ...o fim...

Os versos embrulhados nas lágrimas
As letras sem magia
Parou o tempo
A menina agora mulher ,se cansou
Um dia gritou ...
Virou o mundo do avesso
O poeta partiu ...seguiu o seu rumo
Ela fez dançar as vogais com as consoantes
A poesia a pintou na tela mais bela
Sorriu....
No trinar da velha guitarra ....se ouviu de novo cantar
O poema ....
Agora livre sem qualquer sensura

A menina fugiu da clausura....
Está por fim segura de ser MULHER

Anabela Fernandes 





Era uma vez …Uma estrela …caiu do céu!
 Uma luz brilhava ao longe, turvava o olhar. Fui andando orientada pelo brilho de olhos semicerrados. Era uma estrela deitada á beira da estrada, não estava magoada de tanto ter descido. Só estava cansada!
 Parei não lhe toquei, podia escaldar-me foi o que pensei.
 Tinha acabado de chegar, mas a noção do tempo não o tinha! Olhei em volta em circunferência, era um tapete de relva verde-esmeralda em seu redor, em contraste com o azul-turquesa do céu.
 Muitas flores platinadas muito bem semeadas no meio do verde.
 Árvores bem altas, no meio delas, as flores pareciam pirilampos a iluminar o caminho.
 Ao longe o céu tocava a terra! Fiz um gesto de me abaixar não tocasse eu no tecto do mundo.
 Fiquei confusa e pensei eu no tal jardim do Éden…
Fontes de águas frescas e transparentes em caprichosos motivos até me lembrou, das marchas populares, com os arcos e balões.
 Apercebi-me que a bela estrela, caiu ali, porque fugia…era daquelas que se chamam errantes, a quem se pede um desejo.
 Pensei; e se lhe pedisse um desejo? Ela adivinhou as minhas intensões e pensamentos, e disse!
 Cai, porque em cima das minhas costas, havia muitos desejos para concretizar, já não podia com esse fardo e desci de mansinho, para ver se se esqueciam de mim por umas horas, até que o peso me permita viajar...
 Não tive coragem calei só admirava aquela Divindade da eternidade, caída do tecto do Universo.
 Beleza natural perfumada de aromas raros que me pareceu a alpeces
 E amoras silvestres.
 Pela primeira vez olhou-me, grandes olhos azuis e pestanas de prata.
 Pede o que queres, foste corajosa ao te acercares de mim, eu já cai, não caio mais…só se a “Terra” abrisse um buraco, deu umas risadinhas, uns sons do outro mundo!
 Diz! Voltou a falar.
 Pedi Amor! Só quero Amor!
 Ela olhou e disse… já a entrar no por – do – sol perto das nuvens…
Todos aí por baixo terão amor, quando os homens e mulheres quiserem. Quando os terrestres se respeitarem, e houver a tão falada IGUALDADE! E seguiu subindo não tinha ainda chegado ao piso estrelar.

Maria Fernanda





 

ERA UMA VEZ.

Vão já muitos anos passados. Uma jovem mãe esperava o nascer da sua flor.
Por entre dores chegou a hora. Perante a inexperiência, muitas horas tinha seu bebé estado na posição de nascer, nasceu com a cabeça pisada e inchadinha.
Passou tudo isso. Regressaram a casa, ela feliz, ele o pequenino com a fragilidade de uma flor.
Decorreu o tempo, o menino cresceu, feliz, lindo risonho. Alegre como um rouxinol, travesso como um passarito. Rápido nos reflexos nada lhe escapava.
Vi tantas vivencias de cúmplice amor.
O tempo arrebatadoramente voou, outras crianças nasceram no mesmo lar, foi com renovado amor que essa mulher guiou a todos pela vida.
O menino louro caiu um dia de um alto muro,
Vi o desespero, a angustia dessa mulher. Rumo ao hospital, aparentemente nada de ferido havia. Ficou O menino sem poder andar uns dias. Resultado da queda, caiu sentado, sues membros inferiores estavam doloridos.
Com o tempo tudo passou, porém seu estar na escola e na vida era desatento.
Frequentou a escola os anos permitidos por lei.
Depois… Vi que tantas vezes se recusou crescer, Ouvi tanta vez, não quero ser grande.
Impiedosos os anos lhe fizeram branquear os cabelos.
Deu-lhe Deus um largo peito. Um coração piedoso sempre pronto a perdoar.
O vejo tanta vez.
Tem nos olhos escuros, uma luz a tremulejar. Tão só, diz por vezes sem lamento ninguém gosta de mim.
Guardo no coração esse sofrer sem lágrimas. Nunca dei porque ele chorasse.
Mas o vi crescer, sei quanto o olhar perdido e vago se traduz num grande amor fechado em seu peito.
Feliz será a pessoa que o tiver por perto num frágil momento.
Pois será a suave seda para amaciar a dor.
Ele saberá contar histórias de verdade.
Dirá. Era uma vez.

Augusta Maria Gonçalves.



 



 31-01-2018
 Era uma vez um contador de memórias e emoções, que com paixão escrevia as vivências do seu simples quotidiano. Puro exercício sem quaisquer pretensões de querer parecer... ser escritor, mas apenas por prazer e considerar essencial para se sentir realizado e feliz.
Manifesto
É Deus tenho a certeza
quem me ajuda de forma tão singular
dando- me inspiração e a beleza
que na minha vida estava a faltar!
O papel e o lápis que preparo
para o que me ocorre escrever
são também o meu amparo
cúmplices de assim viver!
Dá-me um enorme prazer
em momentos conseguir
com as palavras certas escrever
os sentimentos que estou a sentir!
Escrever é puro exercício na minha vida
para do vazio me libertar
é forma de me sentir viva...
e sem asas poder voar!

31-01-18 maria g. 




Era uma vez um mar
Um mar azul cor do céu
Às vezes calmo, outras tempestuoso
Este é o meu mar
Pertence-me de corpo e alma
Às minhas origens
Mergulhei em voo picado
Qual gaivota
Fundi-me no seu marear
Voltei á superfície
Saciei a minha saudade
Hoje fui mar
Origem do meu ser
Hoje ressurgi
Fui areia e sal
Fui onda e maresia
Fui sereia e mulher
Lavei a alma
Fui vaga em corpo meu
Fui tempestade
Fui mar calmo e sereno
Fui lágrima caída
Abri caminho á vida
Fui um pedaço de mim
Fui toque de musa
Fui concha em maré cheia
Fui barco á deriva
Fui farol no nevoeiro
Fui gaivota em voo rasante
Fui pôr-do-sol
Fui lua em quarto crescente
Fui o que o destino escolheu
Hoje voltei ao meu mar…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 




 Era uma vez um coração, que vivia preso num labirinto de pensamentos e emoções, sem saber que direção seguir. Por mais que refletisse, estava difícil decidir o que fazer, se lhe era impossível ver até onde cada caminho o poderia levar. Decidiu, então, calar de vez a sua voz e permanecer por tempo indefinido no seu cantinho, onde ninguém lhe poderia chegar… Talvez assim, mais nada o pudesse magoar e conseguisse a sua vida em paz viver, conseguindo esquecer todas as ilusões que tinha criado em si. E desta forma, aos pouquinhos foi definhando… sempre guardando, bem fechados a cadeado, os sentimentos que tinha revelado, mas ninguém soubera valorizar. Em breve, esse coração parará de respirar e será para sempre esquecido nesse labirinto, onde também sepultou toda a sua dor.

Clara Lopes 




Já a luz beijava as cercanias.
Todos os silêncios acordavam.
Festa nos ninhos.
Augureo de outros dias, sem chuva nem ventanias.
Sol, perfumadas flores luz, flores a rir num verde prado.
O céu azul,
Espelho de asas.
Cantam já os melros outra vez.
Juro ouvi um cucu.
Vou dar aos olhos o bailar das borboletas.
Essas pétalas suspensas entre sopros de vento
Como brilham as sedosas asas.
Já o sol a pino beija a natureza.
Há rente ao chão festa de vida.
Entre a grama verde e orvalhada, suspira ofegante uma formiga.
Com um grão perdido carregada.
Pé ante pé, para não assustar, dou por duas flores a festejar.
Pois o sol fez acordar muitas sementes já abrolhar.
Um regato corre bem traquina.
As pedras lavadas são diamantes.
Parecem estrelas pequeninas caídas da noite caminhante.
Não sei se é verdade, se só sonho.
Mas há lá maior beleza a desfrutar,
Que ser essa!
Que uma vez
Se fez pétala solta adormecida a sonhar no prado,.
Agurelado de cores orvalho e tempo.

Augusta Maria Gonçalves. 



24-01-2018

Era uma vez...Um povo simples e feliz que vivia numa época em que só aos médicos se chamava Dr. e estes contavam -se pelos dedos.
Muito dessa gente eram analfabetos ou quase, nesse tempo em que o trabalho era a alegria do povo!
Ora neste caso quem soubesse ler e escrever nesta terra era rei! Como em todos estes lugares, nesta terra havia uma figura que se destacava pelas suas artes e ofícios ...pois era sempre solicitado para tudo!
Era o barbeiro, homem simpático e solícito,bom chefe de família e homem bondoso.
A barbearia só abria às cinco da tarde , porque o Sr Tomaz trabalhava no dispensário da terra " hoje Centro de saúde" era então a sua segunda profissão...auxiliar de enfermagem , naquele tempo chamava - se " servente."
Ora o homem para a maioria das pessoas era o Sr enfermeiro!
Até aqui nesta história tudo é normal, se não houvesse uma outra faceta do Sr Tomaz...
Nas traseiras da sua casa bem nos fundos do quintal, construiu uma pequena Oficina que pretendia ser um consultório, místico lugar onde acudia a todas as aflições dos pobres que não tinham acesso ao medico,; então nessa Catedral do sofrimento era ver alicates para arrancar dentes que depois de arrancados eram exibidos como troféus e a boca do coitado desinfectada com bochechos de vinagre!
Por cima das bancadas viam -se pequenas bacias de alumínio e outros utensílios destinados a tratamentos de feridas e a pequenos acidentes domésticos...que eram trazidos á sucapa do dispensário onde durante o dia trabalhava .
O homem fazia naquele tempo o que hoje se diz ser um bom serviço público, pois nada cobrava pelos seus serviços prestados!
E assim era considerado e respeitado, sempre se deu bem , nunca se constou que tivesse corrido mal nesta sua missão de homem dos sete ofícios!

24-01-18 maria g.




“UM POETA”
Era uma vez um poeta
Que brincava com as palavras
Não sabia que lhes fazer
Não cabia nelas
Tinha os sentimentos á flor da pele
Gravava os poemas na mente
Dava voz ao silêncio
E ao coração… Tempo de amar
Resgatou as memórias
Do tempo que não existia
E do tempo que já passou
Persistiu na ideia louca
De saber mais e mais
Trilhou os passos do destino
Nas margens dos sonhos que passaram
Fez da insónia sua amiga
Adormeceu no regaço da madrugada
Fazendo da inquietude das noites
A sua musa encantada
Esperou que a manhã rosada
Lhe trouxesse a paz que procurava
Nas palavras que compôs
Nos sonhos que se esvaíram
Embriagou-se no amanhecer
Pedindo ao dia que nasceu
Mais palavras de amor
Para fazer dos seus dias
E dos dias de quem o sente
Dias de poesia e saudade
O poeta não sabe viver sem palavras
O que seria dele, sem elas?
Não saberia quem era, nem de onde vinha…
Obrigada, palavras…E poetas…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA




 Um dia o sol encontrou a lua
Linda ,com um brilho especial
Transparente até ...
O sol tão de perto parecia que desnudava os seus mistérios
Não queria acreditar
Andava á sua volta ,numa dança sem igual
Tímido o astro rei
Se interrogava porque há tanto desejava a lua
Afinal ela às vezes até o esconde
Olhou á volta
Segredou á nuvem cinzenta
Que o escutou com atenção
Diz-me amiga porque estou apaixonado?
Não sei Sol talvez a lua seja tão mágica com os seus poderes te infeitiçou
Este não acreditou
Perguntou o mesmo á estrela
Há amigo Sol eu sei ....
Sabes?????
Quando vem o amanhecer e despoletas radioso
O dia passa ,os amantes sorriem ,o prazer é a dobrar
No entardecer a lua espreita formosa
Se põe o luar ,sem gotejar o céu
Sem o trovejar na noite escura
Se tornem amantes um dia distantes
Agora tão perto
Rasguem a autora
E fiquem ....
Sem ir embora
Cúmplices apenas

Anabela Fernandes 




 A garota que brincava no apeadeiro de comboio.
Em tempos era a pequena estação um lugar lindo muito movimento e gente apressada. Salete a garota sardenta vivia na encosta perto do apeadeiro. Ela e avó desfrutavam dessa paisagem sublime, onde o céu se deitava nas águas deixando embalar-se, brincando naágua o sol se refazia em beijos luminosos como estrelas. Este cenário era a linha do Douro. Salete travessa e alegre tinha um cão fagueiro de nome Tejo. Tinha um dia ficado por ali. Ao primeiro encontro se deu um abraço que traçou essa amizade para a vida. Tinha um velho burrito que só gostava de olhar o horizonte, como se recordasse tempos de trabalho pelos socalcos. Salete afagava-o, sempre se impressionava porque o Mulato deixava rolar duas lágrimas. Com a sua generosidade de criança corria a buscar dois trevos amarelos e lhe acariciava o focinho. Mulato zurrava, Salete ria. Já tinham passado todos os comboios nesse dia. A noite caminhava já sobre os montes sombrios, avó chamou! Salete… Ela respondeu a caminho vó, o Tejo de cauda contente subiu a ladeira feliz arteiro . Salet encheu a avó de beijos ternos. Avó pensativa suspirou, era a luz dos seus olhos esta Flor a única razão do seu viver. Que reservaria o destino filha de um pai riquíssimo, que sempre a rejeitou desde o nascer. Seria que Deus tinha para ela escrito, um papiro de vida radiosa, teria ela a dita de ser a moça amada e formosa. Salet adormecera, avó rezava pedia proteção. A candeia num sopro se apagou num clarão. Lá fora a lua ditosa ornava a noite.
Tudo era silencio e segredo. O vento açoite.
Amanhã tudo recomeçava,
Hoje tinha sido UMA VEZ.

Augusta Maria Gonçalves.



17-01-2018

Era uma vez ...um sorriso que procurava uns lábios onde pudesse mostrar os seus encantos.
Depois de tanto pensar, escolheu o portão de uma escola, aqui haveria por certo onde os seus dotes pudessem brilhar.
Mas todas as crianças mais ou menos saíam felizes com os seus belos sorrisos estridentes que mais pareciam avezinhas em liberdade!
Já o sorriso voltava costas abandonando aquele espaço ...quando se deparou com um rapazinho de cabeça baixa pensativo e a tentar sair despercebido!
Abordo- o perguntando qual o motivo por que não sorria? Ele com voz embargada apenas lhe disse... que já algum tempo era vítima de provocações que lhe chamavam ...o cromo da escola, que não sabia brincar e era o menino da mamã! Depois de ouvir a sua historia disse-lhe que queria ficar com ele para viver nos seus lábios e certamente eu seria uma arma ideal para combater tamanha humilhação!
No outro dia de manhã ao chegar á escola e ao entrar de cabeça levantada e cheio de confiança no seu amigo sorriso que irradiava, os que habitualmente lhe faziam frente a pouco e pouco se foram afastando!
E assim o sorriso ainda hoje é o seu melhor amigo que nunca lhe falha!!

17-01-18 maria g. 




Era uma vez
Uma menina traquina
Que gostava de passear na praia
Logo de manhã, descalça na areia
Sentir os grãozinhos nos pés
Caminhar na areia molhada
Sentir a brisa do mar no rosto
E os raios de sol a bater na face
Aquele ventinho morno de verão
Aquele céu e mar azuis sem par
Caminhar é como recordar
É reinventar a vida
Voltar á infância
De menina irreverente e feliz
Depois…
Mergulhava naquelas águas
Tranquilas e serenas
Nadava e ria á gargalhada
Ao ver os magotes de peixes
De volta dela como se dançassem
Voltava então a casa
Onde a esperava amor e carinho
Um banho morninho
E um repasto de pequeno-almoço
É bom voltar às recordações
Onde moram as lembranças
De menina feliz
É um renovar de energias
Como se o tempo voltasse para trás
E fosse, essa menina outra vez…
Recordar é viver…
“BRASA MAGDA BRAZINHA




Era uma vez um poeta e um poema, que caminhavam de mãos dadas, por caminhos desconhecidos. Não sabiam por onde iriam nem até onde iriam chegar, mas sabiam que não nunca se iriam separar, porque a vida ,um sem o outro ,já não fazia sentido.
Poeta e poema, cansados de tão longa caminhada, sentaram-se à beira da estrada, lado a lado, e, em sintonia, repousaram por momentos. Fecharam, brevemente, os olhos deixando a sua mente divagar sem destino. Unidos, dessa forma, sonharam, sonharam muito e, em todos esses sonhos, adivinhava-se tudo aquilo que sempre os iria unir: a vontade de ir mais longe do que todos os outros, descobrindo novos mundos, entrando em universos distantes e misteriosos, só ao alcance daqueles que têm a coragem de arriscar, sem receio.
Quando os seus olhos se abriram, poeta e poema sorriram em cumplicidade. Levantaram-se, então, e, de forma decidida, enfrentaram de novo o caminho que se estendia à sua frente. Continuavam sem saber por onde iriam ou até onde poderiam chegar, todavia sabiam que não podiam parar, visto que poeta e poema tinham sido feitos para cumprir uma missão sagrada, desafiando as leis dos homens e da Natureza!

Clara Lopes




 SÓ NO RASTO DE UMAS ASAS.
Duas ou três palavras mágicas.
Que entoam entre a nossa mente e o azul do céu.
Passam nuvens a correr. Pássaros a cantarolar.
O vento sempre a soprar.
Até nos rouba o chapéu.
Mas há uma história para contar.
Tento pedir ás flores risonhas perfume.
Ao vento a arte de beijar as dunas.
Visito ninhos escrevo melodia.
E num requebro de emoção.
Escuto cantar o coração.
Era uma vez a travessa borboleta.
Que ria, rodopiava na fragilidade das asas.
Ela sabia ser sua vida só um dia.
Sem temer quis ser feliz.
Foi de flor em flor' cruzou-se com uma libelinha mais um grilo cantador.
Desceram até ao leito do rio apressado.
As águas límpidas reproduziam,mais imagens.
A festa foi de colorida magia.
O sol se reclinou, a lua nascia.
Era tanta a luz que a borboleta em cama de seda adormeceu.
Sonhando que ao despertar da claridade teria um novo par de asas de seda pura, para viver feliz em liberdade.
Viver um dia tem de ser pura magia.

Augusta Maria Gonçalves.




10-01-2018 

Era uma vez uma matemática
Que aprendia gramática
Era uma menina prática
E nadinha enigmática

Divertida, andava a saltar
Com a corda a dar a dar
Entre verbos e preposições,
números infinitos ou anões

E se acaso lhe faltasse o 20
Cerrava os olhos pestanudos,
deixava de pensar nos estudos
E fixava-se no recreio seguinte!

Rute Pio Lopes 





Era uma vez uma menina-mulher que teve pressa de viver. Pressa de chegar onde não devia, onde não a deixavam sonhar, deixou de lado o sonho e enfrentou a dura realidade da vida. Correu riscos, abraçou o vento, contou os dias e os meses, passou por tempestades, sempre com um sorriso no rosto e a fantasia de ser feliz. Desejou névoas e sois, gotas de chuva e beijos, viver sentimentos jamais sentidos, encontrar o verdadeiro amor. Tinha pressa de partir e de viver, enfrentar desafios, olhar a vida com olhos de amor. Tinha pressa de encontrar a sua outra metade.Cresceu,amadureceu,sorriu,chorou.tropeçou,caiu, levantou-se e amou. Guardou na sua caixinha de recordações o seu passado, ao encontrar o verdadeiro amor numa curva da vida, percebeu que afinal tudo valeu a pena Hoje madura e serena ama como nunca amou e é amada. De vez em quando folheia as memórias que não lhe deixaram só mágoas. A vida também lhe deu coisas belas e maravilhosas que vivem no seu coração e ama acima de tudo. Essa menina-mulher, hoje é mulher-menina e feliz…
“BRASA” MAGDA BRAZINHA 






 SARDANISCA

Era uma vez uma linda menina
a quem sua vovó chamava
de sardanisca ,traquina e teimosa,
mas divertida muito arisca,no seu
reclamar,mas quando uma história
queria ouvir,
lá vinha a sardanisca no colo da avó
para que a avó a pudesse contar:

Sardanisca foi crescendo
é hoje uma linda mulher
sua avó vai escrevendo
porque nem pode parar sequer,
para tantos netos que vão lendo
e tanta sardanisca já mulher:

JOANA RODRIGUES




 ÊXODO--------

Era uma vez ...um povo que vivia
subjugado a uma guerra
numa terra ...
com cheiro a morte!
Um dia...alguém lhes veio contar...
que havia um paraíso ...
num lugar longínquo
lá para o Ocidente...
onde era feliz muita gente!
Então partiram aos milhares
de mãos vazias...
levados por ventos de esperança !
Fugiam ao inferno
da guerra que os vencia
e apesar de destino incerto...
esperavam encontrar..
um tempo de bonança !
Enfrentaram um mar hostil
que a tantos matou ...
para além de muitos mil
e todos sofreram privações !
Quando chegados...
ao paraíso anunciado
perderam o encanto ...
dos sonhos e ilusões
com os impiedosos ...
fantasmas levantados!!!!

10-01-18 maria g.





 ERA UMA VEZ QUATRO AMIGOS

Era uma vez quatro amigos
um flamingo e um casal de
gaivotas e seu filhote ...
Um dia resolveram ir à conquista da liberdade.
O flamingo procurou as margens do rio para passear,
as gaivotas voaram em direcção ao mar...
Os dias passaram, as gaivotas brincavam à beira da praia
a comerem o seu peixinho, a brincarem com as conchas,
a ouvir as ondas do mar e a brincarem com o seu filhinho ...
O flamingo , mais triste sem os seus amigos, passeava pelas
margens do rio a olhar para o ar, para descobrir nas nuvens
as gaivotas que andavam a voar ...
O vento passava a uivar, as gaivotas não conseguiam parar
de voar pois o vento empurrava-as com toda a força, até que
avistaram o seu amigo flamingo nas margens do rio a brincar .
As gaivotas começaram a chamá-lo para que ele pedisse ajuda para elas conseguirem parar de voar, junto de um abrigo.O flamingo começou a grasnar e um barco por milagre ali passava a navegar, começou a flutuar de mansinho e as
gaivotas ajudadas por uma brisa mais calma, no barco vieram pousar.Assim ,se encontraram de novo os quatro amigos, muito felizes por de novo estarem juntos e todos poderem conviver e brincar e nunca mais se separaram. Assim reza a história destes quatro amigos, que viveram muito felizes e nunca mais se separaram .

MARY HORTA  





 Era uma vez, um Mundo em extinção,
Onde para única salvação,
Era, só, procurar uma saída.
Por isso, um Flamingo, inventor,
Para salvar os outros desta dor,
Libertando-os de um fim tão trágico;
Criou um livro, tal qual uma nave,
Meteu em cada página, tudo que cabe,
Para partir para um Mundo Mágico.
E cada bicho, cantando e rindo,
Voaram com o seu amigo Flamingo,
Nesta viagem, só para sonhadores.
Criando um novo Mundo mais saudável,
Mais puro, mais terno e mais amável,
Deixando, só, no outro, os poluidores.

LAF10JAN2018 





 Á CONQUISTA

Plantei a semente
Num vaso com terra
Via crescer ....forte e sadia
Reguei com gosto
Fortaleci ,cada pedaço seu
Era um pouco meu
Floresceu na Primavera
Amor impera
Tudo ganha vida
Veio o Outono
Pétalas caíram
Amareleceu
Foi o frio
O triste abandono
Agora sem dono
Flor está carente
O sol se foi
As nuvens gotejam
Lareira acessa
Espera o Inverno
Flor recolheu
Ao amargo da terra
Escondida
Olha á sua volta
Conquista sozinha
Lugar de princesa
Com real certeza
Espera o Verão
Estação despojada
De preconceitos
Amores a seu jeito
Está determinada
Voltar a crescer
No mais lindo vaso
Daquela janela
Que espera por ela
Flor....

Anabela Fernandes 




 Era uma vez...

QUANDO!
Eu era pequenina, a(inda)
aprendi a contar até três,
Depois, cresci mais um pouquito
e aprendi a contar até dez.
E depois por aí fora,
aprendi a ler.
Fui adolescente
e de ir à vida... Chegou a hora.
Fui sem demora!
Fui determinada!
Aprendi que a vida, é uma jornada.
E depois... Depois, fui criando a minha estória.
Talvez a minha história seja a de alguém sem glória
mas o que fui fazendo, foi feito numa vida a dois
numa vida calma, uma vida de família e constituição
uma vida vivida com sentimento, bons valores e paixão.
Também encontrei pedras no caminho
e também tive medos... Medos medonhos.
E com tudo isto construí um castelo de sonhos.

Sonhos que sonhei...
Uns que perdi, outros, que realizei.

Amei...
Amei tanto, até o coração me doer.
Amei, e amo a(inda) casei, tive filhos, tenho netos,
Plantei uma árvore, escrevi um livro com amor
e dei-lhe como titulo, ''Na Eessência de uma Flor''

E a seguir... Não sei...
Não sei o que a(inda) serei.
Estou nas mãos de Deus,
ou de quem me domina.
Não sei ao certo quem É...
Eu chamo-lhe de Deus, o Nosso Criador,
Aquele que deu continuidade a esta menina.
Hoje MULHER.

Florinda Dias 




 Era uma vez…
A era da era
Já era!
Muitas eras têm havido
Há quanto tempo foi isso…
A era do desperdício?
A era já levou o tempo
Sim era nada havia!
Foi a escrita que nos contou.
Aquelas eras
Vão muito longe
Lonjuras e séculos de tempos
De damas e cavalheiros,
Nos passeios a passear
E no coche a descobrir
Os divertimentos e a luxuria.
Dos tempos de pés descalços,
Pelas calçadas e vielas
Sombrias, a cheirar a jaquinzinhos…
Pelas tabernas
E pelo fado,
E as marias Severas eram…
Peixeiras esbeltas
Exibindo as ancas
Levando o peixe fresco
Aos endinheirados
Dos negócios abastados.
Uma azáfama naquele cais
De pedintes a coxear
Para juntar pro jantar.
A era do marquês
Que tanto fez
Por essa Lisboa
Ficou na história
Assim é que foi
Melhor que o rei…
A era lembrada
As estórias escritas
Nos livros que li
E tanto aprendi!
Em todas as eras
Houve Primaveras
Agora não tanto!
Ainda as há…
Mas fora do tempo!

Fernanda Bizarro

1 comentário:

  1. Era uma vez.... Um marinheiro que se encantou por uma sereia. Mas a sereia era uma criatura do mar. Não podia ficar com o marinheiro. No entanto, o marinheiro não desiste e todas as noites canta a uma canção para a sua sereia. A sereia acaba por se comover. E o leva para o fundo do mar

    ResponderEliminar